Será mesmo que o magistério atual é formado pela “seleção dos péssimos”?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v21i2.8650480

Palavras-chave:

Formação docente, Licenciatura, Orientação clínica, Sintoma subjetivo.

Resumo

As precárias condições da organização e da prática docente de boa parte da Educação Básica do país, o reduzido trabalho coletivo com pares e gestores, as movediças relações com o saber, com o conhecimento e com a formação, bem como os graves problemas de proletarização, de remuneração e de reconhecimento social e de carreira, têm contribuído severamente para produzir certos modos de ser professor que podem condenar o desenvolvimento das novas gerações e de todo um projeto de nação. Com os aportes de autores do campo da formação docente e introduzindo elementos do sintoma subjetivo e do método de orientação clínica na escuta de professores, qualificamos nossos argumentos para por em questão se realmente selecionamos ou não aqueles que haveriam de ser ajuizados como “péssimos”, sem deixar de mostrar o que podemos fazer diante desse indisfarçável fenômeno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Ricardo Pereira, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutor em Educação - Universidade de São Paulo.  Professor Associado - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

ANDRÉ, Marli. Formação de professores: a constituição de um campo de estudos. Educação, v.33, n.3, p. 174-181, 2010.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP). Censo da Educação Superior: 2011 – resumo técnico. Brasília: MEC/INEP, 2013.

BARROS, Adil; LEHFELD, Neide. Fundamentos de metodologia. São Paulo: McGraw-Hill, 1986.

BESSET, Vera; COUTINHO, Luciana; COHEN, Ruth. Pesquisa-intervenção com adolescentes: contribuições da psicanálise. In: CASTRO, Lúcia; BESSET, Vera (Orgs.). Pesquisa-intervenção na infância e juventude. Rio de Janeiro: Trarepa/FAPERJ, 2008.

CIFALI, Mireille. Conduta clínica, formação e escrita: In: PERRENOUD, Philippe (Org.). Formando professores profissionais: quais estratégias? Quais competências? 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2001.

DEWES, João Osvaldo. Amostragem em bola de neve e respondent-driven Sampling [monografia]. UFRGS: Porto Alegre, 2009.

DINIZ-PEREIRA, Júlio Emílio. Formação de professores da Educação Básica no Brasil no limiar dos 20 anos da LDBEN. Notandum, v.42, p. 139-160, 2016.

DINIZ-PEREIRA, Júlio Emílio. A situação atual dos cursos de licenciaturas no Brasil frente à hegemonia da educação mercantil e empresarial. Revista Eletrônica de Educação, v.9, n.3, p. 273-280, 2016.

FERENCZI, Sándor [1932]. Diário clínico. Rio de Janeiro: Imago, 1993.

FREUD, Sigmund [1893]. Casos clínicos: miss Lucy R. Edição Brasileira das Obras Completas. Rio de Janeiro: Imago, 1980, v. 2.

FREUD, Sigmund [1914]. Recordar, repetir, elaborar. Edição Brasileira das Obras Completas. Rio de Janeiro: Imago, 1980, v. 12.

FREUD, Sigmund [1916-17]. Conferências introdutórias sobre psicanálise. Edição Brasileira das Obras Completas. Rio de Janeiro: Imago, 1980, v. 16.

GATTI, Bernardete. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação e Sociedade, v.31, n.113, p. 1355-1379, 2010.

GATTI, Bernardete; BARRETO, Elba. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009.

GREEN, André. La pensée clinique. Paris: Odile Jacob, 2004.

LACAN, Jacques [1953]. Função e campo da fala e da linguagem em psicanálise. In: Escritos. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

LAURENT, Éric. A sociedade do sintoma. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2007.

LEGUIL, François. Souffrances au travail. Paris: AST, 2012.

LIMA, Lauro de Oliveira. Para que servem as escolas? Petrópolis: Vozes, 1995.

MANNONI, Maud. Éducation impossible. Paris: Seuil, 1973.

PEREIRA, Marcelo Ricardo. A impostura do mestre. Belo Horizonte: Fino Traço/Argvmentvm, 2008.

PEREIRA, Marcelo Ricardo. O nome atual do mal-estar docente. Belo Horizonte: Fino Traço/Fapemig, 2016.

PEREIRA, Marcelo Ricardo; PAULINO, Bárbara; FRANCO, Raquel. Acabou a autoridade? Professor, subjetividade e sintoma. Belo Horizonte: Fino Traço/Fapemig, 2011.

SANTOS, Lucíola Licínio. A pesquisa nos campos do currículo e da formação de professores. Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação Docente, v.7, n.12, p. 11-22, 2015.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes & formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2005.

Downloads

Publicado

2019-04-30

Como Citar

PEREIRA, M. R. Será mesmo que o magistério atual é formado pela “seleção dos péssimos”?. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 21, n. 2, p. 333–347, 2019. DOI: 10.20396/etd.v21i2.8650480. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8650480. Acesso em: 7 dez. 2021.