Pistas para um agir criançável nas experiências de conflito

Autores

  • Maria Cristina Gonçalves Vicentin Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Gabriela Gramkow Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v20i2.8650659

Palavras-chave:

Infância. Conflito e educação. Escola. Sociologia da infância.

Resumo

O campo discursivo da ‘indisciplina’, do ‘conflito’ e da violência na escola’ tem sido estratégico para colocar em análise as tensões e os paradoxos que se efetuam no cotidiano escolar, especialmente no tocante às relações de poder adulto-criança.  Nesse âmbito, temos visto serem privilegiadas respostas pautadas em lógicas individualizantes, punitivas, judicializantes e medicalizantes, que fragilizam a sustentação dos espaços públicos na escola, bem como o exercício coletivo e compartilhado de análise da produção desses modos de funcionamento escolar e da variabilidade e singularidade de seus processos. Este artigo busca discutir algumas pistas ético-políticas para dispor no território escolar, em diálogo com aportes da sociologia da infância, visando a experimentação de outras temporalidades e sentidos para as experiências conflituosas, tendo como nortes a legitimidade do agir político de crianças e adolescentes e a utopia ativa de uma escola justa e democrática. Para tanto, nos valeremos da apresentação de vinhetas do cotidiano escolar que nos permitirão evidenciar a potência analisadora das insurgências das crianças e adolescentes assim como certas linhas de produção do descriançável ou do criançável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristina Gonçalves Vicentin, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Professora Doutora Departamento de Psicologia Social.

Gabriela Gramkow, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Professora Departamento Psicologia Social da PUC-SP.

Referências

ALMEIDA, Pedro Rodrigues de. A pró-cura do médico de cabeça: análise da demanda por atendimento na neurologia infantil. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-graduação em Psicologia. Universidade Federal Fluminense, Niterói. 2017. 144 p.

ABRAMOVAY, Miriam; RUA, Maria das Graças (Coord.). Violências nas escolas. Brasília: UNESCO, 2002. 440p. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001257/125791porb.pdf Acesso em: 15/07/2017.

AQUINO, Julio Groppa. Indisciplina escolar: um itinerário de um tema/problema de pesquisa. Cadernos de Pesquisa, v. 46, p. 664-692, 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/198053143670 Acesso em: 20/12/2017.

AQUINO, Julio Groppa. Indisciplina na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1996. 148p. ISBN: 8532305830.

ARANTES, Esther Maria de Magalhães. Direitos da criança e do adolescente: um debate necessário. Psicologia Clinica, Rio de Janeiro, v. 24, n.1, p. 45-56, 2012.

ARIÉS, Philippe. História social da criança e da família. 2.ed. Rio de Janeiro, Zahar, 1981. 279p. ISBN: 8524500360.

CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo, Editora 34/Edusp, 2000. 399p. ISBN: 8573261889.

CASTRO, Lucia Rabello de. Uma teoria da infância na contemporaneidade. Em: Castro, L. R. de (Org.). Infância e adolescência na cultura do consumo. Rio de Janeiro: NAU, 1998, 232 p.

CASTRO, Lucia Rabello de. Da invisibilidade à ação: crianças e jovens na construção da cultura. p. 19-46. Em: Castro, L. R. (Org.), Crianças e jovens na construção da cultura. Rio de Janeiro: NAU/FAPERJ, 2001, 226 p., ISBN: 9788585936471.

CECCIM, Ricardo Burg; PALOMBINI, Analice de Lima,. Imagens da infância, devir-criança e uma formulação à educação do cuidado. Psicologia & Sociedade [Online], 21(3). Abril, 2010. Disponível: http://www.ufrgs.br/seerpsicsoc/ojs/viewarticle.php?id=714 Acesso em: 23 de julho de 2017.

CORAZZA, Sandra Mara. História da infância sem fim. Ijui: Unijui, 2000. 392 p. ISBN: 9788574291826.

CORAZZA, Sandra Mara. Infância e educação: era uma vez...quer que conte outra vez? Petrópolis: Vozes, 2002. 204p. ISBN: 9788532627612.

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA 6ª Região, Grupo Interinstitucional Queixa Escolar (Orgs.). Medicalização de Crianças e Adolescentes. Conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doenças de indivíduos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2010. 344p. ISBN: 9788580405958.

DELEUZE, Gilles. Conversações. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992. 226p. ISBN: 8585490042.

DIÓGENES, Gloria. Cartografias da Cultura e da Violência. Gangues, galeras e o movimento Hip Hop. São Paulo, AnnaBlume; Fortaleza, Secretaria da Cultura e Desportos, 1998. 246 p. ISBN: 8574190160.

DONZELOT, Jacques. A Policia das famílias. Rio de Janeiro, Graal, 1986. 209p. ISBN: 9788570380234.

FERENCZI, Sandór. “Confusão de língua entre adultos e crianças. A linguagem da ternura e da paixão” Em: Escritos psicanalíticos 1930-1933 (org) Joel Birman, (pp. 347-356). Rio de janeiro, Taurus. 356 p. (sem ISBN).

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 1999. 382p. ISBN: 8533610041.

FOUCAULT, Michel. Os anormais. São Paulo: Martins Fontes, 2001. 479p. ISBN: 8533614292.

FOUCAULT, Michel. O poder psiquiátrico. São Paulo: Martins Fontes, 2006. 511p. ISBN: 8533622767.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes, 2008. 572p. ISBN: 9788533623774.

FUGANTI, Luis. Biopolítica e produção de saúde: um outro humanismo? Interface, 13(1): 667-679, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832009000500017 Acesso em: 05/10/2017.

GALVÃO, Izabel. Cenas do cotidiano escolar: conflitos sim, violência não. Petrópolis: Vozes, 2004. 232p. ISBN: 9788532629401.

GONÇALVES, Luiz Alberto Oliveira e SPOSITO, Marília Pontes. Iniciativas públicas de redução da violência escolar no Brasil. Cadernos de Pesquisa 115, p. 101-138, 2002.

GRAMKOW, Gabriela. Fronteiras psi-jurídicas na gestão da criminalidade juvenil: o caso da Unidade Experimental de Saúde. Tese de doutorado. Curso de Pós Graduação em Psicologia Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, SP, 2012.

JENKS, Chris. Constituindo a criança. Educação, Sociedade e Culturas, Porto, n.17, p.185-216, 2002.

LAPASSADE, Georges. La entrada en la vida. El enigma de la pubertad. Madrid, Fundamentos, 1973. 283 p. ISBN: mkt0002559669.

LISBOA, M. Os loucos de rua e as redes de saúde mental: os desafios do cuidado no território e a armadilha da institucionalização. Tese de Doutorado em Psicologia Social. Curso de Pós Graduação em Psicologia Social, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, SP, 2013.

LOBO, Lilia. Os infames da história. Pobres, escravos e deficientes no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Lamparina, 2015, 464 p. ISBN 978 85 8316 033 5.

LOURAU, René. “Mesa giratoria. Hipercomunicación adulto/niño”. Em: ACEVEDO, María José e Volnovich, Juan Carlos (orgs.). El Espacio Institucional II. Buenos Aires, Lugar Editorial, 1991. 176 p. ISBN: 950-9129-53-4.

MARCHI, Rita de Cassia. Os sentidos (paradoxais) da infância nas ciências sociais: um estudo de sociologia da infância crítica sobre a “não criança” no Brasil. Tese de Doutorado em Sociologia Política. Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.

MARCHI, Rita de Cássia; SARMENTO, Manoel Jacinto. Infância, normatividade e direitos das crianças: transições contemporâneas. Educ. Soc., Aug. 10, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/es0101-73302017175137 Acesso em: 20/12/2017.

MELO, Eduardo Resende. Direito e norma no campo da sexualidade na infância e na adolescência. In: Criança e adolescente. Direitos e sexualidades (pp. 43-56). São Paulo: ABMP e Childhood Brasil, 2008. Disponível em: http://www.childhood.org.br/conteudo2011/Livro_Crianca_e_Adolescente_Direitos_Sexualidades_Reproducao.pdf . Acesso em 28/07/2017.

MELO, Eduardo Resende. Crianças e adolescentes em situação de rua: direitos humanos e justiça. São Paulo: Malheiros Editores, 2011. 142 p. ISBN 978-85-392-0024-5.

OLIVEIRA, Carmen Silveira de. Sobrevivendo no inferno. A violência juvenil contemporânea. Porto Alegre, Sulina, 2001. 256p. ISBN: 9788520502853.

ORLANDI, Luiz B. L. A inocência do devir / O devir criança do pensamento. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE FILOSOFIA: NIETZSCHE/DELEUZE, 9., 2008, Fortaleza. Palestra...Fortaleza, 2008. Disponível em: https://goo.gl/WfxA3H. Acesso em: 20/12/2017.

ROSA, Miriam D. e VICENTIN, Maria Cristina G. Os intratáveis: o exílio do adolescente do laço social pelas noções de periculosidade e irrecuperalidade. Revista Psicologia Política, São Paulo, v. 10, n. 19, p. 107-124, jan. 2010. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1519-549X2010000100010&script=sci_abstract Acesso em: 20/12/2017.

ROSEMBERG, Fulvia. Teorias de gênero e subordinação de idade: um ensaio. Pro-Posições, v.7, n.3, p.17-23, 1997.

ROSEMBERG, Fulvia; MARIANO, Carmem Lúcia Sussel. A Convenção Internacional sobre os direitos da criança: debates e tensões. Cadernos de Pesquisa, v.40, n.141, set./dez. 2010. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742010000300003 . Acesso em: 15/07/2017.

SÃO PAULO. Secretaria da Educação de São Paulo. Resolução SE nº 19, de 13 de fevereiro de 2010. Institui o Sistema de Proteção Escolar na rede estadual de ensino de São Paulo e dá providências correlatas. Diário Oficial. São Paulo: Imprensa Oficial, 2010. Disponível em: http://siau.edunet.sp.gov.br/ItemLise/arquivos/19_10.HTM?Time=7/20/2012%206:42:49%20AM Acesso em: 10/02/2015.

SÃO PAULO, Secretaria da Educação do Estado. Cuca Legal nas escolas. Disponível em: http://www.cucalegal.org.br/projeto_cuca_legal.html. Acesso em 10/02/2015.

SCHÉRER, René. Infantis. Charles Fourier e a infância para além da infância. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. 240p. ISBN: 978-85-7526-298-6.

Downloads

Publicado

2018-04-11

Como Citar

VICENTIN, M. C. G.; GRAMKOW, G. Pistas para um agir criançável nas experiências de conflito. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 20, n. 2, p. 368–390, 2018. DOI: 10.20396/etd.v20i2.8650659. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8650659. Acesso em: 7 dez. 2021.