Estudo cognitivo em sujeitos com esquizofrenia de um Centro de Atendimento Psicossocial (CAPS)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v22i1.8652820

Palavras-chave:

Educação, Cognição, Matemática, Esquizofrenia

Resumo

A investigação teve como objetivo identificar os principais déficits cognitivos matemáticos em sujeitos com esquizofrenia de um grupo terapêutico de um CAPS. Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa, descritiva, transversal desenvolvida no CAPS de Ijuí/RS. Utilizou-se o instrumento do programa Brasil alfabetizado de matemática. Os resultados obtidos foram definidos a partir de quatro categorias, guiadas pela matriz de análise. Os resultados indicaram que os sujeitos apresentam déficits cognitivos que variam, com importantes impactos na vida cotidiana desses sujeitos. Concluiu-se que os sujeitos apresentam dificuldades em todas as categorias, porém maior déficit foi revelado na Categoria IV, a qual envolvia maior grau de complexidade englobando mais de uma operação matemática, operações inversas e escrita de número com zero intermediário.  Sugere-se o uso educativo na área da saúde mental de material lúdico, concreto e com repetições para beneficiar em sua reabilitação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eva Teresinha de Oliveira Boff, Universidade do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Doutora em Educação pela UFRGS. Docente do Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica – PROFEPT - Instituto Federal Farroupilha - Campus Santo Ângelo.

Ana Júlia Forchesatto, Universidade do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Mestre em Atenção Integral em Saúde - Universidade Regional do Noroeste do Rio Grande do Sul/Unijuí. Professora de Educação Básica - Emei Anna Zamarchi Coldebella, Semed, Brasil.

Marcele Homrich Ravasio, Universidade do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Doutora em Educação - Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Referências

AGOSTINI, Andreia et al. Beleza e plasticomania. Ries Caçador, v. 2, n. 2, p. 179-184, 2013.

BAMBO, Arsénio Filipe José. Tradução, adaptação cultural e validação para população portuguesa das escalas de avaliação da perturbação formal do pensamento na esquizofrenia. 2010. Dissertação (Mestrado em Psiquiatria e Saúde Mental) - Universidade do Porto, Porto, Portugal, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Fundo Nacional da Saúde. Manual [de] ajuda e suporte mútuos em saúde mental: para facilitadores, trabalhadores e profissionais de saúde e saúde mental. Coordenação Eduardo Mourão Vasconcelos. 2013. Disponível em: http://www.redecaps.org. Acesso em: mar. 2015

BRASIL. Ministério da Educação. Programa Brasil Alfabetizado. Centro de Alfabetização Leitura e Escrita (Ceale). Matriz de Referência Comentada/Matemática/Leitura e Escrita. Brasília: MEC, 2008a.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa Brasil Alfabetizado. Centro de Alfabetização Leitura e Escrita (Ceale). Manual do aplicador. Brasília: MEC, 2008b.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa Brasil Alfabetizado. Centro de Alfabetização Leitura e Escrita (Ceale). Gabarito comentado. Brasília: MEC, 2008c.

BRASIL. CNS/MS. Conselho Nacional de Saúde, Ministério da Saúde. Resolução 2012. 2012. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf. Acesso em: mar. 2015.

COSTA, Eduardo Moura da; PERES, Savio Passafaro. Princípios fenomenológicos da compreensão da esquizofrenia fundamentados em Vigotski. Arquivos Brasileiros de Psicologia, Rio de Janeiro, v.70, n.3, p.128-147, 2018.

FERREIRA JUNIOR, Breno de Castro et al. Alterações cognitivas na esquizofrenia: atualização. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, v.32, n.2, p. 57-63, 2010.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996-2002.

GIACON, Bianca Cristina Ciccone; GALERA, Sueli Aparecida Frari. Ajustamento familiar após o surgimento da esquizofrenia. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v.66, n.3, p. 321-326, maio/jun. 2013.

HÜBNER, Carlos Von Krakauer; KAIROF MARI, Renata Novelli; COELHO, Hadassa Hossri Faria. Esquizofrenia e transtorno psicótico induzido por substâncias, uma difícil distinção. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, v. 20, Supl., out. 2018. (Congresso da SUMEP, 35.).

LEÃO, Marluce Auxiliadora Borges Glaus et al. Aprendizagem e metacognição do adulto: panorama de estudos e pesquisas. Ciências & Cognição, v. 20. n.1, p. 133-141, 2015.

MARQUES-TEIXEIRA, João. A esquizofrenia. Updates, v.3, n. 2, mar. /abr. 2015.

MARTINS, Angela Maria. Autonomia e educação: a trajetória de um conceito. Cadernos de Pesquisa, Fundação Carlos Chagas, n. 115, p. 207-232, mar. 2002.

MATTOS, Rafael da Silva. Muito mais do que um dicionário do corpo: um dicionário para o corpo. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.23, n.1, p. 285-288, 2013.

MELO, Juliana Rízia Félix de et al. Escala de benevolência frente à esquizofrenia: construção e evidências de validação. Estud. Psicol., Campinas, v. 36, 2019.

PLAZA, María Eugenia Nieva. Sistematización de la Práctica Supervisada Realizada en Casa Club Bien Estar “Esquizofrenia y Déficit Cognitivo”. Tese. Universidade Nacional de Córdoba, Faculdade de Psicologia, Córdoba, 2010.

ROCHA, N. et al. Relação entre Neurocognição e Qualidade de Vida em Pessoas com Esquizofrenia. Acta Medica Portuguesa, v.22, p. 71-82, 2009.

SÁ, Andreia Ferreira de. Cognição e esquizofrenia: estudo neuropsicológico para discriminação dos domínios cognitivos mais afetados. 2011. Dissertação (Mestrado Integrado de Psicologia) - Universidade do Porto, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, Portugal, 2011.

SÁNCHEZ, Hugo Selma. Rehabilitación cognitiva en la esquizofrenia. Psicologia, Conocimiento y Sociedad, v. 2 n.1, p. 80-129, mayo 2012.

SILVA, Regina Cláudia Barbosa da. Esquizofrenia: uma revisão. Psicologia USP, Universidade Federal de São Paulo - Unifesp, v.17, n.4, p. 263-285, 2006.

STERIAN, Alexandra. Esquizofrenia. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2001.

VAZ-SERRA, Adriano et al. Cognição, cognição social e funcionalidade na esquizofrenia. Acta Médica Portuguesa, v.23, p. 1.043-1.058, 2010.

VYGOTSKY, Lev Semyonovich. Pensamento e linguagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

VYGOTSKY, Lev Semyonovich. Thought in schizophrenia. In: VALSINER, Jaan; VAN DER VEER, Rene (Ed.). The Vygotsky reader. Oxford, UK; Cambridge USA: Basil Blackwell, 1994. p. 313-326.

VYGOTSKY, Lev Semyonovich. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

Downloads

Publicado

2020-02-05

Como Citar

BOFF, E. T. de O.; FORCHESATTO, A. J.; RAVASIO, M. H. Estudo cognitivo em sujeitos com esquizofrenia de um Centro de Atendimento Psicossocial (CAPS). ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 22, n. 1, p. 253–274, 2020. DOI: 10.20396/etd.v22i1.8652820. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8652820. Acesso em: 21 jan. 2022.