Banner Portal
Vermelhos ritmos e(m) biologias
PDF

Palavras-chave

Gênero
Educação
Arte
Biologia

Como Citar

ANDRADE, Elenise Cristina Pires de; CARVALHO, Daniela Franco. Vermelhos ritmos e(m) biologias: sonoridades de ruptura com o esperado na singularidade de viver mulher. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 21, n. 4, p. 926–940, 2019. DOI: 10.20396/etd.v21i4.8654805. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8654805. Acesso em: 22 maio. 2024.

Resumo

E se não houver espera já que o tempo em re-existência não para e não passa? Abrir mão do tempo e(m) experimentações com imagens, esculturas, células, fluídos a perfurar um esperado, deixando-nos verter em vermelhos vivos junto às obras de Tunga e Cildo Meireles. Retirar da vida, do corpo, da resistência, a necessidade de um tempo ‘vivido’, de precisões conceituais biológicas e vazar pelas bordas de um vermelho arrastado por signos da arte (Deleuze, 2003). Mulheres (s)em educação a des-afiar as estrias no tempo, e, com elas, abandonar as certezas e explicações rumo a uma experiência estética. Vontade de perder uma forma humana, orgânica, que busca organizar corpos e pensamentos e convidar, para essa resistência, desejos e forças criativas na produção daquilo que se quebra, daquilo que é efêmero, e que gera pulsos. Devir. Pulsar desde o meio da terra, da rua, da universidade, da sala de aula, do conhecimento dos museus, das artes… Arte-vida-bio que arrasta um logos para ritmos-gestos caóticos em um tempo mutante produzido na singularidade. Pois somos o tempo. Os pulsos de uma vida (s)em educação.

https://doi.org/10.20396/etd.v21i4.8654805
PDF

Referências

CESAR, Ana Cristina. A Teus Pés (1982). In: Os cem melhores poemas brasileiros do século. [seleção e organização Ítalo Moriconi]. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

DELEUZE, Gilles. Lógica do Sentido. 4.ed. Trad. Luiz Roberto Salinas Fortes. São Paulo: Perspectiva. 2003.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs. Vol 4. Trad. Suely Rolnik. São Paulo: Ed.34. 2.reimp., 2005. 176p.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O anti-édipo. Trad. Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Ed.34. 2010. 560p.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. São Paulo: Escuta, 1998.

FERRAZ, Sílvio. Deleuze, música, tempo e forças não sonoras. In: ArteFilosofia, Ouro Preto, n.9, p. 67-76, out, 2010. Disponível em: http://www.periodicos.ufop.br/pp/index.php/raf/article/view/634. Acesso em: 20 dez. 2017.

GIL, José. Ritornelo e imanência. In: LINS, Daniel; GIL, José. (Org.). Nietzsche/Deleuze: jogo e música. Rio de Janeiro: Forense Universitária. Fortaleza/CE: Fundação de Cultura, Esporte e Turismo, 2008.

GODINHO, Ana. Diagramas para pensar/diagramas de sensação. In: GALLO, S.; NOVAES, M.; GUARIENTI, L. B. O. (Org). Conexões: Deleuze e políticas e resistências e... Petrópolis, RJ: DP&A; Campinas, SP: ALB; Brasília, DF: Capes, 2013.

MATESCO, Viviane. O corpo nas performances de Tunga, 2006. Disponível em: http://revistacaju.com.br/2016/07/19/tunga/. Acesso em: 20 fev. 2019.

MOORE, Marlon Rachquel. Opposed to the being of Henrietta: bioslavery, pop culture and the third life of HeLa cells. In: Medical Humanities, n. 43, p. 55-61, 2017.

NOGUEIRA, Fernanda. Metamorfose ambulante A desidentificação carnavalesca de Ney Matogrosso na militadura brasileira. In: ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 18, n. 4, p. 769-788, nov. 2016. ISSN 1676-2592. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/viewFile/8646425/14497. Acesso em: 20 nov. 2018.

OLIVEIRA, Vinícius Abrahão de. Indigentes. In: PAJEÚ, Hélio Márcio (Org.). I LITERO-RODAS 2016: poesias, contos e crônicas. São Carlos: Pedro & João, 2016. p. 51-54.

VINDEL GAMONAL, Jaime. Arte y política: genealogía crítica de las estrategias conceptuales en el arte argentino entre 1965 y 2001. 2010. 555 f. Tese (Doutorado em História da Arte) -Faculdade de Filosofía e Letras, Universidade de León, León, Espanha, 2010. Disponível em: http://goo.gl/SvAe6x. Acesso em: 15 ago. 2016.

ZIELINSKI, Sara. Henrietta Lacks’ ‘Immortal’ Cells. Disponível em: https://www.smithsonianmag.com/science-nature/henrietta-lacks-immortal-cells-6421299/. Acesso em: 20 fev. 2019.

A ETD - Educação Temática Digital utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.