Banner Portal
África e os africanos em textos e imagens da Revista Eu Sei Tudo (1917-1958)
PDF

Palavras-chave

Impressos
Representação social
Imaginário social
Circulação internacional
África

Como Citar

GUIMARÃES, Ana Carolina de Carvalho; SALVADORI, Maria Angela Borges. África e os africanos em textos e imagens da Revista Eu Sei Tudo (1917-1958). ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 22, n. 3, p. 751–769, 2020. DOI: 10.20396/etd.v22i3.8655242. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8655242. Acesso em: 22 jul. 2024.

Resumo

O magazine ilustrado Eu Sei Tudo foi publicado no Brasil entre 1917 e 1958. Sua origem, entretanto, é francesa e parte significativa de seu conteúdo pertencia também àquela versão. Neste artigo, tomando como fontes históricas figuras e textos presentes na revista brasileira e adotando como referencial teórico os conceitos de representação e imaginário social, investigamos a produção e a circulação entre mundos de imagens relativas à África e aos africanos, inquirindo sobre seus significados. Nossa hipótese é a de que a Eu Sei Tudo promoveu a difusão de estereótipos e preconceitos raciais a partir de uma matriz europeia ligada ao contexto do imperialismo, reproduzida em várias de suas páginas, apesar dos cenários sociais radicalmente diferentes. Tais imagens e textos, expostos a partir de um discurso sobre a alteridade, repetiam no Brasil os supostos antagonismos entre modernidade e atraso, primitivismo e progresso, civilização e barbárie.

https://doi.org/10.20396/etd.v22i3.8655242
PDF

Referências

BACOT, Jean-Pierre. Le role des magazines illustres dans la construction du nationalisme au XIXe siecle et au debut du XXe siècle. Réseaux. v. 107, n. 3, p. 265-293, 2001. Disponível em: https://www.cairn.info/revue-reseaux1-2001-3-page-265.htm# . Acesso em: 7 de março de 2019.

BACZKO, Bronislaw. Los imaginários sociais. 2. ed. Buenos Aires: Ediciones Nueva Visión, 1999.

BARROS, Gelka. Bela e sadia! A mulher nas páginas da revista Alterosa (1939-1945) durante o Estado Novo e o processo de americanização do Brasil. Comunicação e Sociedade. Braga, v. 32, p. 191-209, dez. 2017. Disponível em: http://revistacomsoc.pt/index.php/comsoc/article/view/2757/2665 . Acesso em: 1 de março de 2019.

BHABHA, Romi. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

BRASIL. Lei Federal nº 10.639, de 09 de janeiro de 2003. Altera a Lei n.º 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática história e cultura afro-brasileira, e dá outras providências).

CANÁRIO, Rui. A escola e a abordagem comparada. Sísifo - Revista de Ciências da Educação da Universidade de Lisboa, Lisboa, n. 1, p. 27-36, sep./dez. 2006. Disponível em: https://pt.slideshare.net/nfraga/a-escola-e-a-abordagem-comparada-novas-realidades-e-novos-olhares . Acesso em: 1 de março de 2019.

CARVALHO, José Jorge de. Racismo fenotípico e estéticas da segunda pele. Cinética, São Paulo, v. 1, p. 1-14, 2008. Disponível em: www.revistacinetica.com.br/cep/jose_jorge.pdf Acesso em: 2 maio. 2018.

D’AVILA, Jerry. Diploma de brancura. Política social e racial no Brasil, 1917-1945. São Paulo: Editora da UNESP, 2006.

DUBOIS, Philippe. O ato fotográfico e outros ensaios. 14.ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

EU SEI TUDO. Rio de Janeiro: Companhia Editora Americana, junho de 1917 a dezembro de 1958.

EU SEI TUDO. Rio de Janeiro: Companhia Editora Americana. Os contrastes, set. 1917, p. 64.

EU SEI TUDO. Rio de Janeiro: Companhia Editora Americana. O casamento em differentes epochas e paizes, jan. 1924, p. 47.

EU SEI TUDO, Rio de Janeiro: Companhia Editora Americana. Belleza exótica - mulher Masar, região de Uganda, África, set. 1930, p. 101.

EU SEI TUDO, Rio de Janeiro: Companhia Editora Americana. Um casamento na Zululandia, jan. 193, p. 49.

FERLA, Luis. Feios, sujos e malvados sob medida: a utopia médica do biodeterminismo (1920-1945). São Paulo: Alameda, 2009.

GAY, Peter. A experiência burguesa: da Rainha Vitória a Freud - A educação dos sentidos. São Paulo: Cia. das Letras, 1988.

GENEROSO, Fernanda. A serviço do cinema, história e cultura política nas revistas A Scena Muda e Cinearte na década de 1930. 2016. Dissertação (Mestrado em História) - Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense. Rio de Janeiro, RJ: UFF, 2016.

GOMES, Nilma Lino. Trajetórias escolares, corpo negro e cabelo crespo: reprodução de estereótipos ou ressignificação cultural? Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 21, p. 40-51, set./out./nov./dez. 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n21/n21a03 . Acesso em: 05 de junho de 2018.

HOBSBAWM, Eric. A era dos impérios. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

JE SAIS TOUT. França: Publications Pierre Lafitte, 1905-1939.

JODELET, Denise. Representações sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, Denise. (Org.). Representações sociais. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001. p. 17-44.

KOSSOY, Boris. Realidades e ficções na trama fotográfica. 4. ed. São Paulo: Ateliê, 2009.

LUCA, Tania Regina de. Prefácio. In. OLIVEIRA, Claudia de, VELLOSO, Monica Pimenta, LINS, Vera. O moderno em revistas. Rio de Janeiro: Garamond, 2010, p. 7-10.

MARTINS, Ana Luiza. Da fantasia à história: folheando páginas revisteiras. História, Franca, SP, v. 22, n. 1, p. 59-79, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/his/v22n1/v22n1a03.pdf . Acesso em: 19 de agosto de 2018.

MAUAD, Ana Maria. Na mira do olhar: um exercício de análise da fotografia nas revistas ilustradas cariocas, na primeira metade do século XX. Anais Do Museu Paulista: História e Cultura Material, 13, n.1, p.133-174, jan./jun. 2005. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0101-47142005000100005 Acesso em: 20 de julho de 2018.

MENESES, Maria Paula G. Meneses. O “indígena” africano e o colono “europeu”: a construção da diferença por processos legais. E-cadernos ces [Online], Coimbra, PT, n. 07, p. 68-93, 2010. Disponível em: https://journals.openedition.org/eces/403#text . Acesso em: 25 de outubro de 2018.

MONTEIRO, Charles. Imagens sedutoras da modernidade urbana: reflexões sobre a construção de um novo padrão de visualidade urbana nas revistas ilustradas na década de 1950. Rev. Bras. Hist., São Paulo, v.27, n.53, p. 159-176, jun. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbh/v27n53/a07v5327.pdf . Acesso em: 15 de outubro de 2018.

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais: investigações em psicologia social. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2004.

NEEDELL, Jeffrey. Belle Époque tropical. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SANTOS, Boaventura de Sousa, MENESES, Maria Paula (Org.). Epistemologias do sul. Coimbra, PT: Edições Almedina, 2009.

SLENES, Robert. A importância da África para as ciências humanas. História Social, Campinas, SP, n. 19, p. 19-32, 2010. Disponível em: https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/rhs/article/view/314/270 . Acesso em: 10 de setembro de 2018.

STREVA, Juliana Moreira. Colonialidade do ser e corporalidade: o racismo brasileiro por uma lente descolonial. Revista Antropolítica, Niterói, n. 40, p.20-53, 1. sem. 2016. Disponível em: http://www.revistas.uff.br/index.php/antropolitica/article/view/432/268 . Acesso em: 13 de outubro de 2018.

TAKEUCHI, Marcia Yumi. Imigração japonesa nas revistas ilustradas. Preconceito e imaginário social (1897-1945). São Paulo: Edusp, 2016.

VAN DIJK, Teun Adrianius. Introdução. In. VAN DIJK, T. A. (Org.). Racismo e discurso na América Latina. São Paulo: Contexto, 2008, p. 11-24.

VIDAL, Diana Gonçalves. Culturas escolares. Estudo sobre práticas de leitura e escrita na escola pública primária (Brasil e França, final do século XIX). Campinas, SP: Autores Associados, 2005.

VOVELLE, Michel. Imagens e imaginário na história. São Paulo: Ática, 1997.

A ETD - Educação Temática Digital utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.