Da detecção de sinais de risco para autismo à intervenção precoce

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v22i1.8655516

Palavras-chave:

Transtorno do espectro autista, Intervenção precoce, Abordagem desenvolvimentista

Resumo

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) é caracterizado por déficits persistentes na comunicação e interação social, bem como padrões de comportamentos repetitivos e interesses restritos. O objetivo deste estudo foi verificar o efeito da aplicação de um programa de ensino por pais/cuidadores sobre o desempenho de seu filho. Participaram uma menina de 18 meses, com TEA, e sua cuidadora. Trata-se de pesquisa quase experimental, intrassujeitos, do tipo AB (linha de base, tratamento e follow-up). Foi conduzido um programa individualizado para ensinar a cuidadora a utilizar procedimentos lúdicos, visando promover a interação social e o aumento de turnos interacionais dos participantes. Os desempenhos foram registrados em sessões semanais de 40 min, por um ano. Os dados das respostas da cuidadora foram submetidos ao Tau-U. Esta estatística, não paramétrica, revelou que nem todas as respostas da cuidadora, na fase de intervenção, mostraram fortes efeitos do tratamento, enquanto outros atestaram a robustez do mesmo. Com 95% de probabilidade de acerto, os procedimentos de intervenção afetaram significativamente as seguintes respostas : “usar músicas infantis” e “fazer um comentário engraçado ou elogioso para que a criança voltasse a brincar”. Na fase de intervenção houve  aumento considerável de iniciativas de Izabel e de respostas da cuidadora, assim como das diversas modalidades de respostas  de ambas. Assim, o programa de formação da cuidadora influenciou de forma significante a frequência de turnos e as modalidades de respostas da criança; e que a intervenção, via cuidadora, orientada por profissional, pode ser efetiva e apropriada ao contexto socioeconômico brasileiro.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Odila Maria Ferreira de Carvalho Mansur, Instituto Federal Fluminense

Doutora em Educação - Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) – Rio de Janeiro, RJ – Brasil. Pesquisadora - Instituto Federal Fluminense (IFF) - Campos dos Goytacazes, RJ – Brasil.

Leila Regina d'Oliveira de Paula Nunes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutora em Educação Especial - Vanderbilt University - Nashville, Tennessee - Estados Unidos. Docente - Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) – Rio de Janeiro, RJ – Brasil

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. APA. Transtornos mentais: DSM-V. In: AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatísticos de transtornos mentais. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2013.

ARAUJO, Álvaro; LOTUFO NETO, Francisco. A nova classificação americana para os transtornos mentais: o DSM. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, São Paulo, v. 16, n. 1, abr. 2014.

BARTON, Marianne L. et al. Sensitivity and Specificity of Proposed DSM-5 Criteria for Autism Spectrum Disorder in Toddlers. Journal of Autism and Developemental Disorders, New York, v.43, n.5, p.1184-1195, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Linha de cuidado para a atenção às pessoas com transtornos do espectro do Autismo e suas famílias na rede de atenção psicossocial do sistema único de saúde. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2015.

CHARMAN, Tony. Why is joint attention a pivotal skill in autism? In: FRITH, U.; HILL, E.L. Autism: mind and brain. Oxford: Oxford University, 2004.

CORRÊA NETO, Márcia Miriam. Práticas interventivas precoces de comunicação para crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA): um estudo quase experimental. 2017. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

DALEY, Tamara. From symptom recognition to diagnosis: children with autism in urban India. Social Science & Medicine, v.58, p.1323-1335, 2004.

DAWSON, Geraldine; ZANOLLI, Kthleen. Early intervention and brain plasticity in Autism. In: BOCK, Gregory R.; GOODIE, Jamie A. (Ed.). Autism: neural basis and treatment possibilities. New York: John Wiley & Sons, 2003.

GARCIA, Mariana Luiza; LAMPREIA, Carolina. Limites e possibilidades da identificação de risco de Autismo no primeiro ano de vida. Psicologia Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 24, n. 2, p. 300-308, 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722011000200011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-79722011000200011&lng=pt&nrm=iso . Acesso em: 13 mar. 2016.

GREENSPAN, Stanley I.; WIEDER, Serena. Developmental patterns and outcomes in infants and children with disorders in relating and communicating: a chart review of 200 cases of children with autistic spectrum diagnoses. Journal of Developmental and Learning Disorders, v.1, p. 87-141, 1999.

GURALNICK, Michel. J. Early childhood intervention: evolution of a system. Focus on autism and other Developmental Disabilities, v. 15, n.2, p. 68-79, 2000.

HEDLEY, Darren et al. Cross-cultural evaluation of the Autism Detection in Early Childhood (ADEC). Autism, v. 14, n.2, p. 93-112, 2010.

HILL, Elisabeth L.; FRITH, Uta. Understanding autism: insights from mind and brain. Philosophical Transactions of The Royal Society of London. Series B. Biological Sciences, v. 358, p. 281-289, 2003.

HOWLIN, Patricia; HADWIN, Julie; BARON-COHEN, Simon. Teaching children with autism to mind-read: a practical guide for teachers and parents. New York: John Wiley & Sons, 1999.

LAMPREIA, Carolina. O processo de desenvolvimento rumo ao símbolo: uma perspectiva pragmática. Arquivo Brasileiro de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 60, n. 2, p. 117-128, jun. 2008. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-52672008000200012&lng=pt&nrm=iso . Acesso em: 29 maio 2016.

LAMPREIA, Carolina. A perspectiva desenvolvimentista para a intervenção precoce no Autismo. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 24, n.1, p.105-114, mar. 2007. ISSN 0103-166X. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2007000100012. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-166X2007000100012&lng=pt&nrm=iso . Acesso em: 18 maio 2016.

LEWIS, John D.; ELMAN, Jeffrey L. Growth-related neural reorganization and the autism phenotype: a test of the hypothesis that altered brain growth leads to altered connectivity. Developmental Science, v. 11, p. 135-155, 2008. DOI: 10.1111/j.1467-7687.2007.00634.x.

LORD, Catherine; McGEE, James (Ed.). Educating children with autism. Washington, DC: National Academy Press, 2001.

MANDELL, David S. et al. Race differences in the age among medicaid-eligible children with autism. Journal of American Academy of Child and Adolescent Psychiatry, v.41, p.1447-1453, 2002.

MANSUR, Odila Maria Ferreira Carvalho. Falando com bebês: da detecção de riscos para autismo à intervenção precoce.2018. Tese (Doutorado) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, RJ, 2018.

MATSON, Jonnhy L. et al. A comparison of social and adaptive functioning in persons with psychosis, autism, and severe or profound mental retardation. Journal of Developmental and Physical Disabilities, v. 15, n. 1, p. 57-65, 2003.

MATSON, Johnny L.; DEMPSEY, Timothy; LOVULLO, Santino. V. Characteristics of social skills for adults with intellectual disability, autism and PDD-NOS. Research in Autism Spectrum Disorders, v. 3, n. 1, p. 207-213, 2009.

MCCONACHIE, Helen; FLETCHER-WATSON, Sue. Building capacity for rigorous controlled trials in autism: the importance of measuring treatment adherence. Child: Care, Health and Development, v. 41, v.2, p.169–177, 2014. DOI: 10.1111/cch.12185.

NATIONAL AUTISM CENTER (Ed.). Evidence-based practice autism in the schools: a guide to providing appropriate interventions to students with autism spectrum disorders. 2. ed. Randolph, Massachusetts: National Autism Center, 2011.

NOTERDAEME, Michele; HUTZELMEYER-NICKELS, Anna. Early symptoms and recognition of pervasive developmental disorders in Germany. Autism, v.14, n.6, p. 575-588, 2010.

NUNES SOBRINHO, Francisco de Paula; NAUJORKS, Maria Inês. (Org.). Pesquisa em educação especial: o desafio para a qualificação. v.1, Bauru, SP: EDUSC, 2001.

NUNES, Débora Regina de Paula; ARAÚJO, Eliana Rodrigues. Autismo: a educação infantil como cenário de intervenção. Dossiê Educação Especial: diferenças, currículo e processos de ensino e aprendizagem. Arquivos analíticos de políticas educativas, v.22, n. 84, ago. 2014.

NUNES, Débora Regina de Paula; ARAÚJO, Eliana Rodrigues. Autismo: a educação infantil como cenário de intervenção. Education Policy Analysis Archives/Archivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 22, p. 1-14, 2014.

NUNES, Débora Regina de Paula; NUNES SOBRINHO, Francisco de Paula. Comunicação alternativa e ampliada para educandos com Autismo: considerações metodológicas. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 16, n. 2, p. 297-312, maio/ago. 2010.

OPAS. Atenção integrada às doenças prevalentes da infância. In: OPAS. Manual para vigilância do desenvolvimento infantil no contexto da AIDPI. Washington, D. C.: OPAS, 2006.

PARKER, Richard I. et al. Combining nonoverlap and trend for single-case research: Tau-U. Behavior Therapy, v. 42, n. 2, p. 284–299 , 2011.

PEREIRA, Alessandra et al. Autismo infantil. Tradução e validação da Childhood Autism Rating Scale para uso no Brasil. Jornal de Pediatria, Rio Janeiro, [online], v. 84, n. 6, p. 487-494, 2008. ISSN 0021-7557. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0021-75572008000700004.

PEREIRA, Manuela. Autismo: uma perturbação pervasiva do desenvolvimento. Lisboa: Gaia, 2008. (Colecção Biblioteca do Professor, Gailivro, v.n.).

REICHOW, Brian. Overview of meta-analyses on early intensive behavioral intervention for young children with autism spectrum disorders. Journal of Autism and Development Disorders, v. 42, n. 4, p. 512-520, 2011.

ROGERS, Sally J.; BENNETTO, Loisa. Intersubjectivity in autism: the roles of imitation and executive function. WETHERBY, A. M.; PRIZANT, B. M. (Org.). Autism spectrum disorders: a transactional developmental perspective. Baltimore: Paul H. Brookes, 2000.

RUTTER, Michael L. Progress in understanding autism: 2007-2010. Journal of Autism and Developmental Disorders, v. 41, p. 395-404, 2011

STUDER, Nadja, et al. Implementation of early intensive behavioural intervention for children with autism in Switzerland. BMC Psychiatry, v. 17, n. 1, 2017.

WALTER, Cátia Criveland; NUNES, Leila Regina de Paula. Pesquisa experimental em educação especial. In: Nova Trilhas no modo de fazer pesquisa em Educação Especial. São Carlos, SP: Marquezine & Manzini, ABPEE, 2014.

ZANON, Regina Basso; BACKES, Bárbara; BOSA, Cleonice Alves. Identificação dos primeiros sintomas do Autismo pelos pais. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 30, n. 1, p. 25-33, mar. 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722014000100004. Available from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-37722014000100004&lng=en&nrm=iso. Access on: 29 May 2016.

Downloads

Publicado

2020-02-05

Como Citar

MANSUR, O. M. F. de C.; NUNES, L. R. d’Oliveira de P. Da detecção de sinais de risco para autismo à intervenção precoce. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 22, n. 1, p. 50–67, 2020. DOI: 10.20396/etd.v22i1.8655516. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8655516. Acesso em: 3 dez. 2021.