Mediação cultural

construção de sentidos ético-estéticos na educação não-formal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v23i1.8655678

Palavras-chave:

Educação não formal, Pedagogia, Arte, Mediação cultural

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar o campo de atuação do Pedagogo em espaços de educação não-formal com foco na função de Mediador Cultural. A metodologia, de caráter qualitativo e documental, traz como objeto de coleta de dados os critérios utilizados pela 33ª Bienal de São Paulo 2018 – Afinidades afetivas, para a contratação de Mediadores Culturais. No desenvolvimento deste estudo, o termo Mediação Cultural é apresentado a partir de conceitos de ética e estética fundamentados em autores como Martins (2012a, 2012b), Gohn (2014), Duarte Jr. (2010), Bauman (2001), Hernández (2009), entre outros. O trabalho do Mediador Cultural requer interação, diálogo, troca, algo cada vez mais difícil na sociedade, denominada por Bauman como modernidade líquida. Parte-se, então, do pressuposto de que a Educação tem função social e política e, nesse cenário, é preciso afastar a inércia e a frieza relacional, buscando uma titude de mestre emancipador, conforme nos indica Rancière (2013). Assim sendo, este texto apresenta a Mediação Cultural como possibilidade para abranger circuitos em potencial para o desenvolvimento de relações de afeto e de atitudes ético-estéticas, esperadas no campo educacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mônica Zewe Uriarte, Universidade do Vale do Itajaí

Doutora em Educação - Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) ; bolsa CAPES de Doutorado sanduíche - Université Paris I Panthéon-Sorbonne.  Professora - Programa de Pós Graduação em Educação - Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI). Docente do Curso de Música Licenciatura e Bacharelado da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI). 

Ana Carolina Sampaio Zdradek, Universidade do Vale do Itajaí

Doutoranda em Educação pela Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI). Mestre em Educação - Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Professora efetiva da Rede Municipal de Penha, SC. Associada da Federação de Arte/Educadores do Brasil (FAEB). 

Referências

ALENCAR, Valéria Peixoto de. Mediação cultural em museus e exposições de história: conversas sobre imagens/histórias e suas interpretações. 2015. Tese (Doutorado em Artes) - Instituto de Artes, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, São Paulo, 2015.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BIENAL DE SÃO PAULO. Fundação Bienal abre inscrições para seleção de mediadores da 33ª Bienal. Bienal, 26 fev. 2018. Disponível em: www.bienal.org.br/post/4935 . Acesso em: 20 abr. 2018.

_____. 33ª Bienal de São Paulo revê papel da curadoria. Bienal, 31 out. 2017. Disponível em: www.bienal.org.br/post/4382 . Acesso em: 20 jul. 2018.

BOURRIAUD, Nicolas. Estética relacional. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BRANDÃO, Carlos. O que é educação? São Paulo: Brasiliense, 1991.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília/DF, 23 dez. 1996, seção 1, n. 248, p. 27833-27841.

_____. Lei n. 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília/DF, 10 jan. 2001, seção 1, n. 7. p. 1-20.

_____. Decreto n. 5.159, de 28 de julho de 2004. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/d5159.pdf . Acesso em: 25 jan. 2019.

_____. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Legislativo, Brasília/DF, 26 jun. 2014, seção 1, n. 120-A, edição extra, p. 1-7.

BRASIL; CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO; CONSELHO PLENO. Resolução CNE/CP n. 1, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília/DF, 16 mai. 2006, seção 1, n. 92, p. 11-12.

_____. Resolução CNE/CP n. 1, de 30 de maio de 2012. Estabelece Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília/DF, 31 mai. 2012, seção 1, n. 105, p. 48.

BRASIL; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO; SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA. Base Nacional Comum Curricular: Educação é a Base – Terceira Versão. Brasília, DF: MEC, 2017. Disponível em: www.observatoriodoensinomedio.ufpr.br/disponibilizada-a-terceira-versao-da-base-nacional-comum-curricular-pelo-mec. Acesso em: 06 dez. 2018.

BRASIL; SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução. Brasília, DF: MEC/SEF, 1997.

BRASIL; SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL. UFRPE inaugura primeira disciplina obrigatória de relações étnico-raciais do país. Educação para as Relações Étnico-Raciais, 26 nov. 2013. Disponível em: http://etnicoracial.mec.gov.br/noticias/133-ufrpe-inaugura-primeira-disciplina-obrigatoria-de-relacoes-etnico-raciais-do-pais . Acesso em: 20 jan. 2019.

BEUTENMULLER, Alberto. Viagem pela arte brasileira. São Paulo: Aquariana, 2002.

CANTON, Katia. Tempo e memória. São Paulo: Martins Fontes, 2009. (Col. Temas da Arte Contemporânea)

COSTA, Leonardo Figueiredo. Um estudo de caso sobre a Mediação Cultural. In: ENECULT – ENCONTRO DE ESTUDOS MULTIDISCIPLINARES EM CULTURA, 5., 2018. Anais do... Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2009. Disponível em: www.cult.ufba.br/enecult2009/19356.pd . Acesso em: 10 out. 2018.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia? São Paulo: Editora 34, 2012.

DUARTE JR., João Francisco. A montanha e o videogame: escritos sobre educação. Campinas, SP: Papirus, 2010.

GOHN, Maria da Glória. Educação não-formal, aprendizagens e saberes em processos participativos. Investigar em Educação, Porto, 2ª série, n. 1, p. 35-50, 2014.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do cansaço. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

HERNÁNDEZ, Fernando. Da alfabetização visual ao alfabetismo da cultura visual. In: MARTINS, Raimundo; TOURINHO, Irene. (Org.). Educação da cultura visual: narrativas de ensino e pesquisa. Santa Maria, RS: Editora UFSM, 2009. p. 189-212.

LUNA, Sergio Vasconcelos de. Planejamento de pesquisa: uma introdução. São Paulo: EDUC, 2000.

MARTINEZ, Kelly Bernardo. Pedagoga e mediadora cultural: relação em espaços de formação. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Pedagogia) - Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

MARTINS, Mirian Celeste. Expedições instigantes. In: MARTINS, Mirian Celeste; PICOSQUE, Gisa. (Org.). Mediação cultural para professores andarilhos na cultura. São Paulo: Intermeios, 2012a. p. 9-22.

_____. Mediação: primeiros encontros com arte e cultura. In: MARTINS, Mirian Celeste; PICOSQUE, Gisa. (Org.). Mediação cultural para professores andarilhos na cultura. São Paulo: Intermeios, 2012b. p. 23-30.

MARTINS, Mirian Celeste; PICOSQUE, Gisa. Revelações do corpo: estesia, conhecimento. In: MARTINS, Mirian Celeste; PICOSQUE, Gisa. (Org.). Mediação cultural para professores andarilhos na cultura. São Paulo: Intermeios, 2012. p. 33-38.

PEDROSA, Mário. Arte, forma e personalidade. São Paulo: Kairós, 1979.

PEREIRA, Verena Carla. A gestão das artes visuais através da Bienal de São Paulo: pode entrar sem medo que é só arte. 2016. Tese (Doutorado em Artes Visuais) - Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2016.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2012a.

______. O inconsciente estético. São Paulo: Editora 34, 2012b.

______. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

RIZZA, Juliana Lapa. A sexualidade no cenário do Ensino Superior: um estudo sobre as disciplinas nos cursos de graduação das universidades federais brasileiras. 2015. Tese (Doutorado em Educação Ambiental) - Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, RS.

SILVA, Tomaz Tadeu da. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. 15.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA [UFSC]. Oferta disciplina estudos sobre deficiência para alunos de graduação. Notícias da UFSC, jul. 2015. Disponível em: www.noticias.ufsc.br/2015/07/ufsc-oferta-disciplina-estudos-sobre-deficiencia-para-alunos-de-graduacao . Acesso em: 16 jun. 2018.

URIARTE, Mônica Zewe. Escola, música e mediação cultural. Curitiba: Appris, 2017.

Downloads

Publicado

2021-02-17

Como Citar

URIARTE, M. Z.; ZDRADEK, A. C. S. Mediação cultural: construção de sentidos ético-estéticos na educação não-formal. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 23, n. 1, p. 117–134, 2021. DOI: 10.20396/etd.v23i1.8655678. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8655678. Acesso em: 25 out. 2021.