Educar para ler desde a infância

o valor poético da vocalidade e da imaginação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v23i1.8656086

Palavras-chave:

Leitura, Educação, Infância

Resumo

A relevância de práticas de formação para a leitura desde a infância e a intenção de concebê-las enquanto círculo virtuoso muitas vezes esbarra na intencionalidade das concepções educativas adultas, que transforma a vivência em um círculo tedioso para as crianças.  As fenomenologias da voz, a partir de Paul Zumthor, e da imagem, com Gaston Bachelard, evidenciam o valor poético da vocalidade e da imaginação para a leitura, que se fundamenta na organicidade da ação poética da voz e da palavra adultas, através das quais, sem negar os valores de proferição e de explicação e não se restringindo a eles, sublinha a estreita ligação entre corpo, linguagem e mundo nos processos de formação, também a leitora. Assim, a escuta da leitura compartilhada se transforma não só em potência para engendrar desejo de ler e de escrever, mas em oportunidade para que as crianças encontrem, através da voz e do comprometimento adulto, a experiência do humano que temos produzido e exteriorizado em registros orais e escritos, inclusive os literários. A ideia de cultura percebida como um conteúdo – e condicionada aos limites da aprendizagem de conceitos –, restringe a contribuição que podemos dar às crianças para a constituição de outras maneiras de compreenderem o conhecimento, o que inclui, principalmente, saberes sobre os modos como compartilham suas experiências leitoras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ângela Cogo Fronckowiak, Universidade de Santa Cruz do Sul

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), RS - Brasil. Professora adjunta e pesquisadora pela Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC), RS - Brasil.

Maria Carmen Silveira Barbosa, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Pós-doutora pela Universitat de Vic, Catalunya, Espanha. Professora Titular da Faculdade de Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Referências

ARENDT, Hannah. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo; revisão técnica e apresentação Adriano Correia. 11.ed. revista. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

ARIÈS, Philippe. [1973] História social da criança e da família. Tradução de Dora Flaksman. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

BACHELARD, Gaston. [1942] A água e os sonhos: ensaio sobre a imaginação da matéria. Tradução de Antonio de Pádua Danesi. São João: Martins Fontes, 1989.

BACHELARD, Gaston. [1943] O ar e os sonhos: ensaio sobre a imaginação do movimento. Tradução de Antonio de Pádua Danesi. São João: Martins Fontes, 1990a.

BACHELARD, Gaston. [1948] A terra e os devaneios do repouso: ensaio sobre as imagens da intimidade. Tradução de João Neves da Silva. São João: Martins Fontes, 1990b.

BACHELARD, Gaston. [1948] A terra e os devaneios da vontade: ensaio sobre a imaginação das forças. Tradução de João Neves da Silva. São João: Martins Fontes, 1991.

BACHELARD, Gaston. [1957] A poética do espaço. Tradução de Antonio de Pádua Danesi. São João: Martins Fontes, 1993.

BACHELARD, Gaston. [1960] A poética do devaneio. Tradução de Antonio de Pádua Danesi. São João: Martins Fontes, 1988.

BACHELARD, Gaston. [1970] O direito de sonhar. Tradução de José Américo Motta Pessanha et al. São João: Difel, 1985.

BARBOSA, Elyana. Gaston Bachelard: o arauto da pós-modernidade. 2. ed. Salvador: UFBA, 1996.

BAJOUR, Cecília. Ouvir nas entrelinhas: o valor da escuta nas práticas de leitura. Tradução de Alexandre Morales. São Paulo: Pulo do Gato, 2012.

BULCÃO, Marly. A noção de imaginação: Bachelard crítico de Sartre. In: CESAR, Constança Marcondes; BULCÃO, Marly. (Org.). Sartre e seus contemporâneos: ética, racionalidade e imaginário. Aparecida: Idéias & Letras, 2008. p. 17-37.

CASTANHEIRA, Maria Lúcia; NEVES, Vanessa Ferraz Almeida; GOUVÊA, Maria Cristina Soares de. Eventos interacionais e eventos de letramento: um exame das condições sociais e semióticas da escrita em uma turma de educação infantil. Cadernos Cedes, Campinas, v. 33, n. 89, p.91-107, jan./abr. 2013.

CASTRO, Manuel Antônio de. Poético-Ecologia. In: __ (Org.). Arte: corpo, mundo e terra. Rio de Janeiro: 7Letras, 2009.

CASTRO, Manuel Antônio de. Poética: o insólito e os gêneros. Semioses, Rio de Janeiro, v. 1, n. 7, p. 109-117, 2010. Disponível em: http://apl.unisuam.edu.br/semioses/index.php?option=com_content&view=article&id=85:poetica-o-insolito-e-os-generos&catid=19:ed-7&Itemid=28. Acesso em: 10 jul. 2013.

CERRUTTI-RIZZATTI, Mary Elizabeth. Letramento: uma discussão sobre implicações de fronteiras conceituais. Educação e sociedade, Campinas, v. 33, n. 118, p.291-305, jan./mar. 2012.

CHARTIER, Roger. A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. Tradução de Mary Del Priore. Brasília: UnB, 1994.

DUBORGEL, Bruno. [1992] Imaginário e pedagogia. Tradução de Maria João Batalha Reis Lisboa: Instituto Piaget, [19--?].

FRONCKOWIAK, Ângela Cogo. Poesia e infância: o corpo em viva voz. Pro-Posições. Campinas: UNICAMP, v. 22, n. 2, p. 93-107, maio/ago. 2011.

FRONCKOWIAK, Ângela Cogo. Com a palavra a palavra: escutar crianças e adultos em convívio poético. 2013. 309 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

HEYWOOD, Colin. Uma história da infância: da Idade Média à época contemporânea no Ocidente. Tradução de Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed, 2004.

KOHAN, Walter Omar (Org.). Lugares da infância: filosofia. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

KOHAN, Walter Omar. Infância, estrangeiridade e ignorância – Ensaios de filosofia e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

KRAMER, Sonia; NUNES, Maria Fernanda; CORSINO, Patrícia. Infância e crianças de 6 anos: desafios das transições na educação infantil e no ensino fundamental. Educação e pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 1, 220, p 69-85, jan./abri. 2011.

LAROSSA, Jorge. Linguagem e educação depois de Babel. Tradução de Cynthia Farina. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

MORAIS, José. Criar leitores: para professores e educadores. São Paulo: Minha Editora, 2013.

PESSANHA, José Américo. Bachelard: as asas da imaginação. Introdução. In: BACHELARD, Gaston. O direito de sonhar. Tradução de José Américo Motta Pessanha et al. São João: Difel, 1985. p. v-xxxi.

RIBEIRO, Vera Masagão (Org.). Letramento no Brasil. 2. ed. São Paulo: Global, 2004.

SARGIANI, Renan de Almeida; MALUF, Maria Regina. Linguagem, Cognição e Educação Infantil: Contribuições da Psicologia Cognitiva e das Neurociências. Psicologia Escolar e Educacional, Maringá, v. 22, n. 3, p. 477-484, dez. 2018.

SCLIAR-CABRAL, Leonor. Sistema Scliar de alfabetização: fundamentos. Florianópolis: Lili, 2013.

STACCIOLI, Gianfranco. Diário do acolhimento na escola da infância. Tradução de Fernanda Ortale e Ilse Paschoal Moreira. Campinas: Diários Associados, 2013.

TODOROV, Tzvetan. A literatura em perigo. Tradução de Caio Meira. Rio de Janeiro: Difel, 2009.

VALÉRY, Paul. Primeira aula do curso de poética. In: ____. Variedades. Tradução de Maiza Martins de Siqueira. São João: Iluminuras, 1999. p. 179-192.

ZUMTHOR, Paul. A letra e a voz: a “literatura” medieval. Tradução de Jerusa Pires e Amálio Pinheiro Paul. São João: Companhia das Letras, 1993.

ZUMTHOR, Paul. Performance, recepção, leitura. Tradução de Jerusa Pires Ferreira e Suely Fenerich. 2. ed. rev. e aum. São João: Cosac Naify, 2007.

Downloads

Publicado

2021-02-17

Como Citar

FRONCKOWIAK, Ângela C.; BARBOSA, M. C. S. Educar para ler desde a infância: o valor poético da vocalidade e da imaginação. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 23, n. 1, p. 157–176, 2021. DOI: 10.20396/etd.v23i1.8656086. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8656086. Acesso em: 28 out. 2021.