Narrativas e direitos humanos

da (in)visibilidade das ruas para o empoderamento na educação de jovens e adultos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v23i1.8656630

Palavras-chave:

Educação de jovens e adultos, Pessoas em situação de rua, Direitos humanos, Narrativas

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar a Educação de Jovens e Adultos (EJA) como uma possibilidade das pessoas em situação de rua exercerem o direito à educação, recuperando o protagonismo e autonomia a partir de suas narrativas. Para tanto, utiliza metodologicamente a pesquisa exploratória, bibliográfica e algumas narrativas constituídas na pesquisa empírica com educandos da EJA em situação de rua. O estudo dialoga com autores que discutem os direitos humanos e o mundo do trabalho por compreender a necessidade de diálogos e ações cada vez mais estreitos entre educação de jovens e adultos, trabalho e direitos humanos. O artigo aponta a importância de uma educação de jovens e adultos que não fragmente os saberes e os sujeitos, mas que desenvolva nesses educandos capacidade de reflexão e ação diante da violação de direitos, fomentando o processo formativo e a produção do conhecimento em/para a educação em direitos humanos. No processo da narrativa, a memória se faz presente associando as vivências individuais e coletivas, que também constitui esses sujeitos, trazendo à tona a memória do grupo social a qual pertencem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kleyne Cristina Dornelas de Souza, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal

Mestre em Educação pela Universidade de Brasília. Especialista em Estatística pela Universidade Paulista. Graduação em Estatística pela Universidade de Brasília. Graduação em Biologia pela Universidade Católica de Brasília. Professora da Secretaria de Educação do DF.

Maria Clarisse Vieira, Universidade de Brasília (UnB)

Professora associada da Faculdade de Educação e do Programa de Pósgraduação em Educação da Universidade de Brasília . Doutora em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

ARROYO, Miguel González Passageiros da noite do trabalho para a EJA-Itinerários pelo direito a uma vida justa. Petrópolis: Vozes, 2017.

BAUMAN, Zygmunt. Vidas desperdiçadas. Tradução de Carlos Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

BHABHA, Homi K. Introdução. In: BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 2007, p.19-42.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Casa Civil. 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm . Acesso em: 13 nov. 2018.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – Lei nº 9396/96. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm . Acesso em 21/11/2018.

BRASIL. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=2191plano-nacional-pdf&category_slug=dezembro-2009-pdf&Itemid=30192 . Acesso em: 13 nov. 2018.

BRASIL. A Política Nacional para Inclusão Social da População em Situação de Rua. 2008. Disponível http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/cao_civel/acoes_afirmativas/inclusaooutros/aa_diversos/Pol.Nacional-Morad.Rua.pdf. Acesso em 13 nov. 2018

BRASIL. Caderno de Educação em Direitos Humanos: Educação em Direitos Humanos: Diretrizes Nacionais. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. 2013. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php? option=com_docman&view=download&alias=32131-educacao-dh- diretrizesnacionaispdf&Itemid=30192 Acesso em: 13 nov. 2018.

BURGOS, Carlos Crespo, Paulo Freire e as teorias da comunicação. In: GADOTTI, Moacir. Paulo Freire: uma biobibliografia. São Paulo: Cortez,1996.

CAPUCHO, Vera. Educação de jovens e adultos: prática pedagógica e fortalecimento da cidadania. São Paulo: Cortez, 2012.

COELHO-LIMA, Fellipe. Ideologia e significado do trabalho: O caso dos trabalhadores por conta própria. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. 2016.

DELORY-MOMBERGER, Christine. Fotobiografia e formação de si. In.: Souza, Elizeu Clementino de e Abrahão, Maria Helena Menna Barreto. Tempos, narrativas e ficções a invenção de si. Salvador: EDUNEB; Porto Alegre EDIPUCRS, 2006. p. 105-117.

DELORY-MOMBERGER, Christine. Biografia e educação: figuras do indivíduo-projeto. Natal: EDUFRN, São Paulo: PAULUS, 2008.

DISTRITO FEDERAL, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal. Currículo em Movimento da Educação Básica. Educação de Jovens e Adultos. Caderno 6. Brasília: SEEDF, 2014.

DISTRITO FEDERAL, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal. Censo Escolar DF, 2018.

DISTRITO FEDERAL. Mercado de trabalho informal: uma perspectiva comparada do distrito federal. Companhia de Planejamento do Distrito Federal - CODEPLAN. Brasília, 2020. Disponível em: http://www.codeplan.df.gov.br/wp-content/uploads/2018/03/NT-Mercado-de-Trabalho-Informal-uma-perspectiva-comparada-do-DF.pdf Acesso em: 22 mar. 2020.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, Paulo. Política e educação: ensaios. São Paulo: Cortez, 1995.

FREITAS, Maria Vany de Oliveira. Trançando os fios de uma história: população em situação de rua na cidade de São Paulo (1970-2005). 2016. 371 f., il. Tese (Doutorado em História) -Universidade de Brasília, Brasília, 2016.

GALLARDO, Helio. Fundamento e efetividade de direitos humanos. In: GALLARDO, Helio. Teoria crítica: matriz e possibilidades de direitos humanos. São Paulo: UNESP, 2014. p.17-61.

GENTILI, Pablo. O direito à educação e as dinâmicas de exclusão na América Latina. Educação & Sociedade, v. 30, n. 109, p. 1059-1079, 2009.

HERRERA FLORES, Joaquín. A (re) invenção dos direitos humanos. Tradução de Carlos Roberto Diogo Garcia, Antônio Henrique Grasiano, Jefferson Aparecido Dias. Florianópolis: Boiteux. 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro: IBGE. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), IBGE. 2018.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

MEIRINHO, Daniel. Olhares em foco: fotografia participativa e empoderamento juvenil. Covilhã: LabCom.IFP, 2016.

NÓVOA, Antônio; FINGER, Mathias (orgs.). O método (auto) biográfico e a formação. São Paulo: Paulus, 2010.

OLIVEIRA, Dijaci David de. Migração, redes e trajetórias: os moradores de rua em Brasília. In: BURSZTYN, Marcel. (Org.). No meio da rua: nômades, excluídos e viradores. Rio de Janeiro: Garamond, 2000, v. 1, p. 172-191.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Declaração Universal dos Direitos Humanos. Paris, 10 de dezembro de 1948. Disponível em: http://www.onu.org.br/img/2014/09/DUDH.pdf . Acesso em: 11 dez. 2018.

PEREGRINO, Mônica. Trajetórias desiguais: um estudo sobre os processos de escolarização pública de jovens pobres. Rio de Janeiro: Garamond, 2010.

SANTOS, BoaVentura de Sousa; CHAUI, Marilena. Direitos humanos, democracia e desenvolvimento. São Paulo: Cortez, 2013.

SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais: uma teoria geral dos direitos fundamentais na perspectiva constitucional 13. ed. rev. e atual. Porto Alegre; Livraria do Advogado, 2018.

SILVA, Maria Lúcia Lopes da. Mudanças recentes no mundo do trabalho e o fenômeno população em situação de rua no Brasil 1995-2005. 2006. 220 f. Dissertação (Mestrado em Política Social) - Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

Downloads

Publicado

2021-02-17

Como Citar

SOUZA, K. C. D. de; VIEIRA, M. C. Narrativas e direitos humanos: da (in)visibilidade das ruas para o empoderamento na educação de jovens e adultos. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 23, n. 1, p. 212–230, 2021. DOI: 10.20396/etd.v23i1.8656630. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8656630. Acesso em: 25 out. 2021.