Banner Portal
Narrativas e direitos humanos
PDF

Palavras-chave

Educação de jovens e adultos
Pessoas em situação de rua
Direitos humanos
Narrativas

Como Citar

SOUZA, K. C. D. de; VIEIRA, M. C. Narrativas e direitos humanos: da (in)visibilidade das ruas para o empoderamento na educação de jovens e adultos. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 23, n. 1, p. 212–230, 2021. DOI: 10.20396/etd.v23i1.8656630. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8656630. Acesso em: 4 mar. 2024.

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar a Educação de Jovens e Adultos (EJA) como uma possibilidade das pessoas em situação de rua exercerem o direito à educação, recuperando o protagonismo e autonomia a partir de suas narrativas. Para tanto, utiliza metodologicamente a pesquisa exploratória, bibliográfica e algumas narrativas constituídas na pesquisa empírica com educandos da EJA em situação de rua. O estudo dialoga com autores que discutem os direitos humanos e o mundo do trabalho por compreender a necessidade de diálogos e ações cada vez mais estreitos entre educação de jovens e adultos, trabalho e direitos humanos. O artigo aponta a importância de uma educação de jovens e adultos que não fragmente os saberes e os sujeitos, mas que desenvolva nesses educandos capacidade de reflexão e ação diante da violação de direitos, fomentando o processo formativo e a produção do conhecimento em/para a educação em direitos humanos. No processo da narrativa, a memória se faz presente associando as vivências individuais e coletivas, que também constitui esses sujeitos, trazendo à tona a memória do grupo social a qual pertencem.

https://doi.org/10.20396/etd.v23i1.8656630
PDF

Referências

ARROYO, Miguel González Passageiros da noite do trabalho para a EJA-Itinerários pelo direito a uma vida justa. Petrópolis: Vozes, 2017.

BAUMAN, Zygmunt. Vidas desperdiçadas. Tradução de Carlos Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

BHABHA, Homi K. Introdução. In: BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 2007, p.19-42.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Casa Civil. 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm . Acesso em: 13 nov. 2018.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – Lei nº 9396/96. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm . Acesso em 21/11/2018.

BRASIL. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=2191plano-nacional-pdf&category_slug=dezembro-2009-pdf&Itemid=30192 . Acesso em: 13 nov. 2018.

BRASIL. A Política Nacional para Inclusão Social da População em Situação de Rua. 2008. Disponível http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/cao_civel/acoes_afirmativas/inclusaooutros/aa_diversos/Pol.Nacional-Morad.Rua.pdf. Acesso em 13 nov. 2018

BRASIL. Caderno de Educação em Direitos Humanos: Educação em Direitos Humanos: Diretrizes Nacionais. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. 2013. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php? option=com_docman&view=download&alias=32131-educacao-dh- diretrizesnacionaispdf&Itemid=30192 Acesso em: 13 nov. 2018.

BURGOS, Carlos Crespo, Paulo Freire e as teorias da comunicação. In: GADOTTI, Moacir. Paulo Freire: uma biobibliografia. São Paulo: Cortez,1996.

CAPUCHO, Vera. Educação de jovens e adultos: prática pedagógica e fortalecimento da cidadania. São Paulo: Cortez, 2012.

COELHO-LIMA, Fellipe. Ideologia e significado do trabalho: O caso dos trabalhadores por conta própria. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. 2016.

DELORY-MOMBERGER, Christine. Fotobiografia e formação de si. In.: Souza, Elizeu Clementino de e Abrahão, Maria Helena Menna Barreto. Tempos, narrativas e ficções a invenção de si. Salvador: EDUNEB; Porto Alegre EDIPUCRS, 2006. p. 105-117.

DELORY-MOMBERGER, Christine. Biografia e educação: figuras do indivíduo-projeto. Natal: EDUFRN, São Paulo: PAULUS, 2008.

DISTRITO FEDERAL, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal. Currículo em Movimento da Educação Básica. Educação de Jovens e Adultos. Caderno 6. Brasília: SEEDF, 2014.

DISTRITO FEDERAL, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal. Censo Escolar DF, 2018.

DISTRITO FEDERAL. Mercado de trabalho informal: uma perspectiva comparada do distrito federal. Companhia de Planejamento do Distrito Federal - CODEPLAN. Brasília, 2020. Disponível em: http://www.codeplan.df.gov.br/wp-content/uploads/2018/03/NT-Mercado-de-Trabalho-Informal-uma-perspectiva-comparada-do-DF.pdf Acesso em: 22 mar. 2020.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, Paulo. Política e educação: ensaios. São Paulo: Cortez, 1995.

FREITAS, Maria Vany de Oliveira. Trançando os fios de uma história: população em situação de rua na cidade de São Paulo (1970-2005). 2016. 371 f., il. Tese (Doutorado em História) -Universidade de Brasília, Brasília, 2016.

GALLARDO, Helio. Fundamento e efetividade de direitos humanos. In: GALLARDO, Helio. Teoria crítica: matriz e possibilidades de direitos humanos. São Paulo: UNESP, 2014. p.17-61.

GENTILI, Pablo. O direito à educação e as dinâmicas de exclusão na América Latina. Educação & Sociedade, v. 30, n. 109, p. 1059-1079, 2009.

HERRERA FLORES, Joaquín. A (re) invenção dos direitos humanos. Tradução de Carlos Roberto Diogo Garcia, Antônio Henrique Grasiano, Jefferson Aparecido Dias. Florianópolis: Boiteux. 2009.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro: IBGE. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), IBGE. 2018.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A ideologia alemã. São Paulo: Boitempo, 2007.

MEIRINHO, Daniel. Olhares em foco: fotografia participativa e empoderamento juvenil. Covilhã: LabCom.IFP, 2016.

NÓVOA, Antônio; FINGER, Mathias (orgs.). O método (auto) biográfico e a formação. São Paulo: Paulus, 2010.

OLIVEIRA, Dijaci David de. Migração, redes e trajetórias: os moradores de rua em Brasília. In: BURSZTYN, Marcel. (Org.). No meio da rua: nômades, excluídos e viradores. Rio de Janeiro: Garamond, 2000, v. 1, p. 172-191.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Declaração Universal dos Direitos Humanos. Paris, 10 de dezembro de 1948. Disponível em: http://www.onu.org.br/img/2014/09/DUDH.pdf . Acesso em: 11 dez. 2018.

PEREGRINO, Mônica. Trajetórias desiguais: um estudo sobre os processos de escolarização pública de jovens pobres. Rio de Janeiro: Garamond, 2010.

SANTOS, BoaVentura de Sousa; CHAUI, Marilena. Direitos humanos, democracia e desenvolvimento. São Paulo: Cortez, 2013.

SARLET, Ingo Wolfgang. A eficácia dos direitos fundamentais: uma teoria geral dos direitos fundamentais na perspectiva constitucional 13. ed. rev. e atual. Porto Alegre; Livraria do Advogado, 2018.

SILVA, Maria Lúcia Lopes da. Mudanças recentes no mundo do trabalho e o fenômeno população em situação de rua no Brasil 1995-2005. 2006. 220 f. Dissertação (Mestrado em Política Social) - Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 ETD - Educação Temática Digital

Downloads

Não há dados estatísticos.