Infâncias removíveis, crianças descartáveis

ensaio sobre uma remoção de casas e vidas na cidade de São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v23i2.8657121

Palavras-chave:

Infância, Moradia, Crianças, Luta, Errancia urbana

Resumo

Esse artigo tem como objetivo discutir a infância nos recentes processos de remoção de moradias ocorridos na favela Jardim Humaitá, na cidade de São Paulo, Brasil.  A escolha do local de pesquisa se deu pelos visíveis interesses econômicos e imobiliários conflitantes com a ocupação da área vista como ilegítima pelo poder público. Trata-se de uma questão ainda pouco explorada no âmbito dos estudos sociais da infância e sua relação com o urbano e as cidades.  Partimos de observações do processo de reintegração de posse deste terreno público que leva a errância de crianças em busca de lugares onde morar e suas formas de luta e sobrevivência em condições tão adversas. A metodologia empregada baseou-se em observações desta comunidade, fontes documentais como telejornais e fotografias e derivas pelo entorno da favela durante os meses de fevereiro e abril de 2019 incluindo os dois dias em que a remoção aconteceu, tendo como objetivo conhecer estratégias de luta e/ou sobrevivência das crianças. Remove-se não somente as casas, mas as crianças suas moradoras configurando uma infância removível. Ao refletir que poucas vidas têm importância e que encontra-se em curso um perverso projeto de extermínio dessas populações, compostas especialmente por pretos e pobres, percebe-se que não apenas os adultos e as adultas estão envolvidos, mas também as crianças, que estão em risco e lutam diariamente sendo agentes capazes de ações que contrastam com cenário tão adverso e o recriam a seu modo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Aparecida Gobbi, Universidade de São Paulo

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professora da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP).

Referências

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política nas ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CALDEIRA, Teresa Pires. A política dos outros - o cotidiano dos moradores da periferia e o que pensam do poder dos poderosos. São Paulo: Brasiliense, 1984

CORTINA, Adela. Aporofobia: el rechazo al pobre. Barcelona: Paidós, 2016.

DEBORD, Guy. Teoria da Deriva. In: JACQUES, Paola Berenstein. Elogio aos errantes. Bahia: Ed. da UFBA, 2012.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Sobrevivência dos vagalumes. Belo Horizonte:2014.

FIX, Mariana. São Paulo cidade global: fundamentos financeiros de uma miragem. São Paulo: Boitempo, 2007.

FIX, Mariana. Parceiros da exclusão. São Paulo: Boitempo, 2001.

FREITAS, Marcos Cezar de; PRADO, Renata Lopes. Concepções de infância, vulnerabilidade e ética na pesquisa com crianças. In: FONSECA, Claudia; MEDAETS, Chantal; RIBEIRO, Fernanda Bittencourt. Pesquisas sobre família e infância no mundo contemporâneo. Porto Alegre, Ed. Sulina: 2018

FUNDAÇÃO SEADE. Disponível em: https://www.seade.gov.br/ Acesso em: 16 jan. 2019.

INSTITUTO DE PESQUISAS ECONÔMICAS APLICADAS. Atlas da Vulnerabilidade Social nos Municípios Brasileiros. IPEA, 2015.

JACQUES, Paola Berenstein. Elogio aos errantes. Bahia: Ed. da UFBA, 2012.

KOHARA, Luiz Tokuzi. Relação entre as condições da moradia e o desempenho escolar: estudo com crianças residentes em cortiços. 2009. 297 f. Tese (Doutorado) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

KOWARICK, Lúcio. A espoliação urbana. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

LEFEBVRE, Henri. A vida cotidiana no mundo moderno. São Paulo: Ática, 2010.

LEFEBVRE, Henri. La producion del espacio. Espanha: Capitain Swing, 2013.

LUISELLI, Valéria. Arquivo das crianças perdidas. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Santa Cruz de Tenerife, Espanha: Melusina, 2011.

PATERNIANI, Stella. Morar e viver na luta: movimentos de moradia, fabulação e política em São Paulo. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2016. 166p.

PELBART, PETER PAL. Necropolítica tropical: Fragmentos de um pesadelo em curso. São Paulo: Editora N-1, 2018.

REDE BRASIL ATUAL. Disponível em: https://www.redebrasilatual.com.br/

RIZZINI, Irma. Higiene, tipologia da infância e institucionalização da criança pobre no Brasil (1875-1899). Revista Brasileira de Educação, v. 19, n. 58 jul./set. 2014.

SASSEN, Saskia. Expulsões: brutalidade e complexidade na economia global. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2010.

STABILE, Arthur; CRUZ, Maria Teresa. Mais de cem famílias vão para a rua após reintegração de posse na zona oeste de SP. Jornal Ponte: direitos humanos, justiça e segurança pública. 20 fev. 2019. Disponível em: https://ponte.org/mais-de-cem-familias-vao-para-a-rua-apos-reintegracao-de-posse-na-zona-oeste-de-sp/#/ Acesso em: 22 fev. 2019.

TELLES, Vera da Silva; CABANES, Robert. (Org.). Nas tramas da cidade: trajetórias urbanas e seus territórios. São Paulo: Humanitas, 2006.

WISNIK, Guilherme. Dentro do nevoeiro. São Paulo: Ed. UBU, 2019.

Downloads

Publicado

2021-05-19

Como Citar

GOBBI, M. A. Infâncias removíveis, crianças descartáveis: ensaio sobre uma remoção de casas e vidas na cidade de São Paulo. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 23, n. 2, p. 466–486, 2021. DOI: 10.20396/etd.v23i2.8657121. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8657121. Acesso em: 26 jul. 2021.