Banner Portal
A tirania do visível e suas imaginações geográficas
PDF

Palavras-chave

Educação
Cinema
Cultura
Ensino de geografia

Como Citar

CHAVES, Ana Paula Nunes; POLICASTRO, Camila Benatti. A tirania do visível e suas imaginações geográficas: sobre um arquivo cinematográfico na escola. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 23, n. 2, p. 354–373, 2021. DOI: 10.20396/etd.v23i2.8661505. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8661505. Acesso em: 27 maio. 2024.

Resumo

A obrigatoriedade de exibição de pelo menos duas horas mensais de filmes brasileiros na escola trouxe à tona a discussão a respeito de como (e se) o cinema vem sendo utilizado no âmbito escolar. Em 2016, professores pesquisadores da Rede Internacional de Pesquisa Imagens, Geografias e Educação propuseram uma pesquisa comum a todos os polos da Rede (Brasil, Argentina e Colômbia), por meio de um questionário base, afim de averiguar de que forma os professores de Geografia estavam se apropriando desta nova possibilidade na educação. Quais as motivações levam professores a passarem filmes nas aulas? Quais filmes são estes e quais conteúdos geográficos estão sendo suscitados? Para compreender as possíveis respostas a estas indagações, investigamos as respostas de 136 professores brasileiros. Primeiramente, consideramos o poder das imagens e as reflexões a respeito destas na educação geográfica, bem como trabalhamos com referencial teórico que dê conta de pensar o regime de visibilidade que envolve a apresentação de filmes como recurso didático ou como objeto de ampliação cultural de estudantes. Em segundo lugar, ao lidarmos com os resultados da pesquisa, problematizamos as motivações para o cinema na escola demonstrando recorrências de temas, conteúdos e filmes citados pelos professores, questionando o protagonismo de alguns espaços. Nesse sentido, observamos como os filmes têm a potência de marcar o imaginário geográfico e cultural dos alunos e, a partir disso, atentar para a necessidade de discussão sobre os filmes apresentados, mostrando-os como um dos pontos de vista da realidade, mas não o único.

https://doi.org/10.20396/etd.v23i2.8661505
PDF

Referências

CHAVES, Ana Paula Nunes; PREVE, Ana Maria Hoepers. Sobre cinema e geografia na escola: algumas aproximações de pesquisa. In: ENCONTRO NACIONAL DE PRÁTICA DE ENSINO EM GEOGRAFIA, 14., 2019, Campinas, SP. Anais do XIV ENPEG, Campinas, SP, 2019. p. 2240-2251.

COSGROVE, Denis. Appolo’s eye: a cartography genealogy of the earth in the western imagination. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2001.

COSGROVE, Denis. Contested global visions: one-world, whole-earth, and the apollo space photographs. Annals of the Association of American Geographers, v. 84, n. 2, p.270-294, 1994.

COSGROVE, Denis. Geography & vision: seeing imagining and representing the world. London, I.B.: Tauris, 2008.

DIDI-HUBERMAN, G. Quando as imagens tocam o real. Pós, v.2, n.4, p. 204-219, 2012.

DUSSEL, Inés. Escuela y cultura de la imagen: los nuevos desafios. Nómadas, Universidad Central - Colombia, n. 30, p. 180-193, 2009.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. El ejercicio de ver: medios y educación. In: DUSSEL, Inés; GUTIERREZ, Daniela (Org.). Educar la mirada: políticas y pedagogías de la imagen. Buenos Aires: Manancial, OSDE, 2006. p. 165-177.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. Problematizações sobre o exercício de ver: mídia e pesquisa em educação. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 20, p. 83-94, 2002.

GOMES, Paulo Cesar da Costa. O lugar do olhar: elementos para uma geografia da visibilidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

GREGORY, Derek. Geographical imaginations. Oxford: Blackwell, 1998.

HOLLMAN, Verónica Carolina. Los contextos de las imágenes: un itinerario metodológico para la indagación de lo visual. Espaço e Cultura, Rio de Janeiro, n.36, p. 61-83, 2014.

HOLLMAN, Verónica Carolina. Geografía y cultura visual: apuntes para la discusión de uma agenda de indagación. Estudios Socioterritoriales Revista de Geografia, n. 7, p.120-135, 2007-2008.

MASSEY, Doreen. A mente geográfica. GEOgraphia, Niterói, v. 19, n. 40, 2017.

MIRANDA, Carlos et al. A educação do olho. Cadernos Cedes, Campinas, n. 54, p.28-40, 2001.

MIRZOEFF, Nicholas. O direito a olhar. ETD - Educação Temática Digital, v. 18, n. 4, p. 745-768, 2016.

MIRZOEFF, Nicholas. Watching Babylon. The war in Irak and global visual culture. Nova York; Londres: Routledge, 2005.

MITCHELL, W. J. T. O que as imagens realmente querem? In: ALLOA, Emmanuel (Org.). Pensar a imagem. Belo Horizonte: Autêntica, 2017. p. 165-189.

OLIVEIRA Júnior, Wenceslao Machado. A Tela dividida: fronteiras no filme A Marca da Maldade. Pro-Posições, Campinas, v. 9, n. 25, p. 161-171, 1999.

OLIVEIRA Júnior, Wenceslao Machado; KENSKI, V. M. A cidade (tele) percebida. Trajetos, Campinas, v. 1, n. 1, p. 20-42, 1994.

OLIVEIRA Júnior, Wenceslao Machado. Grafar o espaço, educar os olhos. Rumo a geografias menores. In: A educação pelas imagens e suas geografias. Dossiê Revista Pro-Posições, Campinas, v. 20, n. 3 (60), p. 17-28, 2009.

POLICASTRO, Camila Benatti. “É só um filme”: aproximação entre geografia escolar e o outro no/do cinema. 2020.

Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Geografia) – Centro de Ciências Humanas e Educação, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2020.

ROSE, Gillian. Sobre a necessidade de se perguntar de que forma, exatamente, a geografia é “visual”?. Espaço e Cultura, Rio de Janeiro, n. 33, p. 197-206, 2013.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Ana Paula Nunes Chaves, Camila Benatti Policastro

Downloads

Não há dados estatísticos.