Banner Portal
Incidências decoloniais na formação de professoras(es)
Foto de capa: Antonio Carlos Dias Júnior
PDF

Palavras-chave

Currículo
Decolonialidade
Pedagogia universitária

Como Citar

SILVA, Ishangly Juana da; CAMPOS, Vanessa Therezinha Bueno. Incidências decoloniais na formação de professoras(es): perspectivas sobre o currículo do curso de Pedagogia da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e suas tessituras epistêmicas. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 26, n. 00, p. e024022, 2024. DOI: 10.20396/etd.v26i00.8671453. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8671453. Acesso em: 16 jun. 2024.

Resumo

O presente texto apresenta as reflexões oriundas da pesquisa de mestrado acadêmico em educação realizada no âmbito do Programa de Pós-graduação em Educação da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Uberlândia (PPGED/FACED/UFU). O estudo teve como objetivo problematizar o currículo da educação superior, em específico da formação de professoras(es), a partir dos pressupostos elucidados pela decolonialidade. Estabelecemos interlocuções com a Pedagogia Universitária e buscamos compreender como a discussão étnico-racial se coloca no contexto curricular da graduação em Pedagogia da referida instituição. Nesse ínterim, a opção metodológica adotada nesta pesquisa se baseou na revisão bibliográfica, com a análise dos Projetos Político Pedagógicos (PPPs) e das fichas das disciplinas de dois cursos de graduação em Pedagogia da UFU nos Campi Pontal, em Ituiutaba/MG, e Santa Mônica, em Uberlândia/MG. Consideramos que as problematizações a respeito da descolonização do currículo da formação docente, sob a perspectiva da educação para as relações étnico-raciais se fazem necessárias enquanto tensionamentos ao modelo hegemônico de produção do conhecimento. Destarte, salientamos que o processo de formação de professoras(es) deve estar envolto às discussões concernentes às pautas decoloniais, o que proporciona, junto às(aos) estudantes, vivências curriculares que expressam suas identidades individuais e coletivas.

https://doi.org/10.20396/etd.v26i00.8671453
PDF

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O perigo de uma história única. Tradução de Julia Romeu. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

ALMEIDA, Silvio Luiz de. Racismo estrutural. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019. (Coleção Feminismos Plurais, 1).

ARROYO, Miguel Gonzáles. Currículo, território em disputa. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Parecer CNE/CP n. 8, de 6 de março de 2012. Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos. Diário Oficial da União, Brasília, 30 maio 2012. Disponível em:

http://www.prograd.ufu.br/sites/prograd.ufu.br/files/media/documento/4.1-_dcn_-

_dir.humanos_-_parecer_cne-cp_08-2012.pdf . Acesso em: 7 out. 2022.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Brasília: CNE, 2004. Disponível em: https://www.gov.br/inep/pt-br/centrais-de-conteudo/acervo-linha-editorial/publicacoes-diversas/temas-interdisciplinares/diretrizes-curriculares-nacionais-para-a-educacao-das-relacoes-etnico-raciais-e-para-o-ensino-de-historia-e-cultura-afro-brasileira-e-africana. Acesso em: 18 set. 2023.

BRASIL. Lei n. 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 10 jan. 2003. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 7 out. 2022.

BRASIL. Lei n. 11.645, de 10 de março de 2008. Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, modificada pela Lei n. 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Diário Oficial da União, Brasília, 11 mar. 2008. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm. Acesso em: 7 out. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. Conselho Nacional de Educação. Câmara Nacional de Educação Básica.

Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Brasília: MEC; SEB; DICEI, 2013. Disponível em:

http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=13448- diretrizes-curiculares-nacionais-2013-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 7 out. 2022.

BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón (org.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. 2005. 339f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005. Disponível em:

https://negrasoulblog.files.wordpress.com/2016/04/a-construc3a7c3a3o-do-outro-comonc3a3o-ser-como-fundamento-do-ser-sueli-carneiro-tese1.pdf. Acesso em: 11 ago. 2021.

CASTRO-GÓMEZ, Santiago. Ciências sociais, violência epistêmica e o problema da invenção do outro. In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais – perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: Clacso, 2005, p. 80-87. (Colección Sur Sur, 1).

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro e a intelectualidade negra descolonizando os currículos. In: BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramon (org.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2019, p. 223-246.

GOMES, Nilma Lino. Diversidade étnico-racial: por um projeto educativo emancipatório. Retratos da Escola, Brasília, v. 2, n. 2/3, p. 95-108, 2008. Disponível em: http://retratosdaescola.emnuvens.com.br/rde/article/view/127 . Acesso em: 24 jun. 2020.

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis: Vozes, 2017.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós- coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, v. 80, p. 115-147, 2008. Disponível em:

https://journals.openedition.org/rccs/697. Acesso em: 27 ago. 2020.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. 2. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2017.

LUGONES, Maria. Rumo a um feminismo decolonial. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 935-952, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/36755. Acesso em: 16 set. 2020.

MACEDO, Elizabeth. Currículo como espaço-tempo de fronteira cultural. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 11, n. 32, p. 285-296, 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-24782006000200007&script=sci_arttext. Acesso em: 23 jun. 2020.

PEIXOTO, Fabiana de Lima. Encruzilhada de saberes em tempos de cólera: currículo decolonial e pedagogias da escrevivência. Teias, Rio de Janeiro, v. 21, n. 62, p. 116-130, 2020. Disponível em: https://www.e- publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/49741. Acesso em: 22 fev. 2020.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais - perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: Clacso, 2005, p. 107-130. (Colección Sur Sur, 1).

QUINTERO, Pablo; FIGUEIRA, Patrícia; ELIZALDE, Paz Concha. Uma breve história dos estudos decoloniais. São Paulo: MASP Afterall, 2019.

ROCHA, Rosa Margarida de Carvalho. A pedagogia da tradição: as dimensões do ensinar e do aprender no cotidiano das comunidades afro-brasileiras. Paideia, Belo Horizonte, ano 8, v. 11, n. 11, p. 31-52, 2011. Disponível em: http://revista.fumec.br/index.php/paideia/article/view/1308 . Acesso em: 7 out. 2022.

RODRIGUES JUNIOR, Luiz Rufino. Pedagogia das encruzilhadas. Periferia, Duque de Caxias, v. 10, n. 1, p. 71-88, 2018. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/periferia/article/view/31504. Acesso em: 7 out. 2022.

SANTOMÉ, Jurjo Torres. As culturas negadas e silenciadas no currículo. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2001, p. 159-177.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (org.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Almedina, 2009, p. 23-71.

SANTOS, Rita Silvana Santana dos. Diálogos: educação ambiental e educação antirracista no contexto da formação docente. Revista Eixo, Brasília, v. 6, n. 2, p. 8-15, 2017. Disponível em: http://revistaeixo.ifb.edu.br/index.php/RevistaEixo/article/view/510. Acesso em: 7 out. 2022.

SILVA, Ishangly Juana da. Diálogos sobre educação, decolonialidade e relações étnico-raciais na formação de professoras/es: perspectivas sobre o currículo e suas fronteiras epistêmicas. 2021. 117f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2021. Disponível em: https://repositorio.ufu.br/handle/123456789/32677. Acesso em: 21 set. 2023.

SILVA JUNIOR, Ivan de Matos e. O pensamento decolonial na biogeografia e suas contribuições na formação docente. 2020. 313f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2020. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/31480. Acesso em: 11 ago. 2021.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

UFU. Universidade Federal de Uberlândia. Anuário UFU 2022. Uberlândia: UFU, 2022. Disponível em: http://www.proplad.ufu.br/central-de-conteudos/documentos/2023/05/anuario-2022. Acesso em: 20 set. 2023.

UFU. Universidade Federal de Uberlândia. Conselho de Graduação. Resolução n. 4, de 14 de fevereiro de 2014. Dispõe sobre a inclusão de conteúdos e atividades curriculares concernentes à Educação das Relações Étnico-raciais e Histórias e Culturas Afro-Brasileira, Africana e Indígena, nos Projetos Pedagógicos da Educação Básica, da Educação Profissional Técnica de Nível Médio e da Educação Superior da Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia: UFU, 2014. Disponível em:

http://www.prograd.ufu.br/sites/prograd.ufu.br/files/media/documento/resolucao_no_0 4.2014_do_conselho_de_graduacao.pdf. Acesso em: 7 out. 2022.

UFU. Universidade Federal de Uberlândia. Faculdade de Ciências Integradas do Pontal. Instituto de Ciências Humanas. Curso de graduação em Pedagogia. Projeto Político- Pedagógico. Ituiutaba: UFU, 2007. Disponível em:

http://www.ich.ufu.br/system/files/conteudo/ppp.pdf. Acesso em: 3 ago. 2021.

WALSH, Catherine. Gritos, grietas y siembras de vida: entretejeres de lo pedagógico y lo decolonial. In: WALSH, Catherine (ed.). Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Quito: Abya-Yala, 2017, p. 17-45. Tomo II. Disponível em:

https://ayalaboratorio.files.wordpress.com/2018/03/catherine-walshpedagogc3adas- decoloniales-volume-ii.pdf. Acesso em: 11 ago. 2021.

WALSH, Catherine. Introducción - lo pedagógico y lo decolonial: entretejiendo caminos. In: In: WALSH, Catherine (ed.). Pedagogías decoloniales: prácticas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Quito: Abya-Yala, 2013, p. 23-68. Tomo I. Disponível em:

https://ayalaboratorio.com/2018/03/31/catherine-walsh-pedagogias-decoloniales- praticasinsurgentes-de-resistir-reexistir-e-reviver/. Acesso em: 27 maio 2020.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2024 ETD - Educação Temática Digital

Downloads

Não há dados estatísticos.