Banner Portal
Formação continuada de educadores: ressignificando o papel da prática na gestão escolar e da universidade
PDF

Palavras-chave

Gestão escolar. Formação continuada de educadores. Papel da universidade.

Como Citar

MELLO, Lucrécia Stringhetta; MAIA, Graziela Zambão Abdian. Formação continuada de educadores: ressignificando o papel da prática na gestão escolar e da universidade. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 11, n. 1, p. 52–73, 2009. DOI: 10.20396/etd.v11i1.917. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/917. Acesso em: 24 jul. 2024.

Resumo

O artigo refere-se à análise de processos de formação continuada de profissionais educadores que atuam na gestão do ensino fundamental e educação infantil em dois municípios de estados brasileiros diferentes, sendo um do Mato Grosso do Sul e outro de São Paulo. Ambos envolveram docentes e discentes das universidades públicas dos dois estados (UNESP e UFMS), tiveram suas ações analisadas no momento em que completaram dois anos e envolveram atividades de ensino, pesquisa e extensão. O texto realiza uma introdução, expondo e analisando o contexto atual dos estudos em Administração escolar e segue com a apresentação dos referenciais teórico-metodológicos das duas práticas, evidenciando suas similaridades e especificidades. Posteriormente, analisa os resultados parciais dos trabalhos, nos âmbitos do ensino, da pesquisa e, sobretudo, das práticas cotidianas dos sujeitos envolvidos.

https://doi.org/10.20396/etd.v11i1.917
PDF

Referências

AGUIAR, .; FERREIRA, N. S. C. (Org.). Para onde vão a orientação e a supervisão educacional? 2. ed. Campinas: Papirus, 2003.

ALVES, N.; OLIVEIRA, I. B. de, (Org). Pesquisa no/do cotidiano das escolas: sobre redes de saberes. Rio de Janeiro, RJ: DP&A, 2001.

BARROSO, J. O Estado, a educação e a regulação das políticas públicas. Educação e Sociedade – Revista de Ciência de Educação, Campinas, v.26. n.92, out. 2005.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais no 1/92 a 44/2004. Brasília: Senado Federal Subsecretaria de Edições Técnicas, 2004.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 20 de dez. 1996.

BRUNET, L. Clima de trabalho e eficácia da escola. In: NÓVOA, Antônio (Org.). As organizações escolares em análise. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1995.

CALIXTO, E. A. Programa ProGestão: implicações para a formação e prática dos diretores escolares. 2007. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia) – Faculdade de Filosofia e Ciências de Marília, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2007.

CANÁRIO, R. Os estudos sobre as escolas: problemas e perspectivas. In: BARROSO, J. (Org.). O estudo da escola. Porto: Porto Editora, 1996. (Ciências da Educação).

FREIRE, P. A educação na cidade. 7. ed. São Paulo, SP: Cortez, 2006.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? 7.ed. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 1983. (O Mundo, Hoje; v.24).

GADOTTI, M.; ROMÃO, J. Autonomia da escola: princípios e propostas. 4. ed. São Paulo, SP: Cortez; Instituto Paulo Freire, 2001. (Guia da escola cidadã; v.1)

CERTEAU, M. de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

HELLER, A. O cotidiano e a história. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 1972.

LIMA, L. C. A escola como organização educativa: uma abordagem sociológica. São Paulo, SP: Cortez, 1998.

LUCK, H. Perspectivas da gestão escolar e implicações quanto à formação de seus gestores. Em Aberto, Brasília, v.17, n.72, p.11-33. fev/jul, 2000.

MAIA, G. Z. A. As publicações da ANPAE e a trajetória do conhecimento em Administração da Educação no Brasil. 2004. 196 fl. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2004.

MARQUES, M. O. A formação do profissional da educação. Ijuí: UNIJUÍ, 2000.

MELLO, L. S. Pesquisa interdisciplinar: um processo em construção. Campo Grande: Ed. UFMS, 2004.

MORIN, E. O problema epistemológico da complexidade. 2. ed. Lisboa: Mira-Cintra; Publicações Europa América, 1983. (Biblioteca Universitária)

NÓVOA, A. (Coord.). Os professores e a sua formação. 3. ed. Lisboa: Dom Quixote, 1997.

NÓVOA, Antônio (Org.). As organizações escolares em análise. Lisboa: Dom Quixote, 1995.

OLIVEIRA, D. A. Regulação das políticas educacionais na América Latina e suas conseqüências para os trabalhadores docentes. Educação e Sociedade – Revista de Ciência de Educação, Campinas, v. 26. n. 92, out. 2005.

RUSSO, M. H. Escola e paradigmas de gestão. Ecos, v. 6, n. 1, p. 25-42, 2004.

PERRENOUD, P. As competências para ensinar no século XXI: a formação dos professores e o desafio da avaliação. Porto Alegre: Artmed Editora, 2002.

PLACCO, V. M. N. S.; ALMEIDA, L. R. (Org.). O coordenador pedagógico e o cotidiano da escola. 2 ed. São Paulo, SP: Edições Loyola, 2003.

PLACCO, V. M. N. S. O coordenador pedagógico e o espaço da mudança. 4. ed. São Paulo, SP: Edições Loyola, 2005.

REZENDE, L. M. G. de. Relações de poder no cotidiano escolar. Campinas: Papirus, 1995.

SANTOS, B. de S. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. 2. ed. São Paulo, SP: Cortez Editora, 1996.

SILVA JR., João dos Reis e FERRETTI, Celso João. O institucional, a organização e a cultura da escola. São Paulo, SP: Xamã, 2004.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

TARDIF, M., LESSARD, Claude. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Trad. João Batista Kreuch. 2. ed. Petrópolis. Rio de Janeiro, RJ: Vozes, 2005.

TORRES, Suzana Rodrigues. Reuniões pedagógicas: espaço de encontro entre coordenadores e professores ou exigência burocrática. In: PLACCO, Vera Maria Nigro de Souza e ALMEIDA, Laurinda Ramalho de (Orgs). O coordenador pedagógico e o espaço da mudança. 4. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

WEBER, Max. Economia e sociedade. Brasília: UNB, 1971

A ETD - Educação Temática Digital utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.