Valoração da leitura por professores do ensino médio: considerações para a motivação para leitura de estudantes

Autores

  • Elsa Maria Mendes Pessoa Pullin Universidade Estadual de Londrina
  • Maria Gomes de Carvalho Centro Universitário Filadélfia de Londrina

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v10in.esp..945

Palavras-chave:

Leitura. Funções da leitura. Motivação para a leitura.

Resumo

Valorações de cunho afetivo e social dinamizam as relações cognitivas, que cada indivíduo mantém com as produções e artefatos de sua cultura. Respondem, ainda, pela importância e motivação para lerem. O presente trabalho objetivou identificar as funções que professores do Ensino Médio atribuem à leitura. Contamos com a participação de 14 professores de uma escola pública, que oportuniza a formação de professores para os anos iniciais da Educação Básica. Para a coleta de dados foi utilizada a Escala de Funções de Leitura, proposta por Greaney e Newman (1990). Constatou-se que as funções de leitura mais valorizadas foram as de: aprendizagem; lazer; utilidade; estímulo. A análise das correlações, pela valoração atribuída pelos participantes às funções da leitura, apontou oito significativas que se distribuíram de -0,64 a +0,75. As relações mais fortes foram registradas entre lazer e as funções de estímulo e fuga e entre aprendizagem e estímulo. O conjunto dos resultados obtidos reafirma a força das condições de vivência em um dado contexto sócio-histórico, usando-se como parâmetro os resultados da última pesquisa realizada pelo Instituto Pró-Livro. São assinalados alguns dos possíveis efeitos gerados para a motivação dos alunos para lerem, bem como assinaladas algumas limitações do presente trabalho e sugeridas possibilidades que as contornem para futuros trabalhos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elsa Maria Mendes Pessoa Pullin, Universidade Estadual de Londrina

Pedagoga pela Faculdade Estadual de Filosofia, Ciências e Letras de Londrina, Mestre e Doutora pelo Instituto de Psicologia da USP. Professora Associada do Departamento de Educação da Universidade Estadual de Londrina.

Maria Gomes de Carvalho, Centro Universitário Filadélfia de Londrina

Psicóloga pelo Centro Universitário Filadélfia de Londrina; Especialista em Psicopedagogia e em Análise do Comportamento pela Universidade Estadual de Londrina Mestre em Educação por essa IES. Bolsista da CAPES.

Referências

AMORIN, G. (Coord.). Retratos da leitura no Brasil. São Paulo, SP: Instituto Pró-Livro, 2009. Disponível em: http://www.prolivro.org.br. Acesso em: 15 ago. 2009.

ANDERMAN, E. M. et al. Learning to value mathematics and reading: relations to mastery and performance-oriented instructional practices. Contemporary Educational Psychology, Maryland, v. 26, p. 76-95, 2001.

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes, 2001.

BROPHY, J . Conneting with the big picture. Educational Psychologist, New Jersey, v.44, n. 2, p.147-157, 2009.

BROPHY, J . Toward a model of the value aspects of motivation in education: developing appreciation for particular learning domains and activies. Educational Psychologist, New Jersey, v. 39, n. 2, p.75-85, 1999.

BOURDIEU P.; CHARTIER, R. A leitura: uma prática social – debate entre Pierre Bourdieu e Roger Chartier. In: CHARTIER, R. Práticas de leitura. São Paulo, SP: Estação Liberdade, 1996. p. 221-226.

BZUNECK, J. A. Como motivar os alunos: sugestões práticas In: Boruchovich, E. Bzuneck, J. A.; Guimarães, S. E. R. (Org.). Motivação para aprender: temas atuais e aplicações no contexto educativo. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010 (no prelo).

BZUNECK, J. A. O esforço nas aprendizagens escolares: mais do que um problema motivacional do aluno. Revista Educação e Ensino-USF, Itatiba, v.6, p.7-18, 2001.

CAVALLO, G.; CHARTIER, R. (Org.). História da leitura no mundo ocidental. São Paulo, SP: Ática, 1998.

CARVALHO, M. G. Representações Sociais da leitura de professores do ensino médio. 1999. 165f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Departamento de Educação, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2009.

CHARTIER, R. A aventura do livro: do leitor ao navegador. São Paulo: UNESP, 1998.

CHARTIER, R. O mundo das representações. Estudos Avançados, São Paulo, v.11, n. 5, p. 173- 191, 1991.

CHARTIER, R. (Org.). Práticas de leitura. São Paulo, SP: Estação Liberdade, 2001.

CRAMER, E. H.; CASTLE, M. Desenvolvendo leitores para toda a vida. In: CRAMER, E. H. (Org.). Incentivando o amor pela leitura. Porto Alegre: Artes Médicas, 2001. p. 13-20.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: três artigos que se completam. 12. ed. São Paulo, SP: Cortez, 1986.

GARCIA, T. I. O giro lingüístico. In: Iñiguez, L. (Org.). Manual de análise de discurso em ciências sociais. Petrópolis: Vozes, 2004. p. 19-49.

GIMENO SACRISTÁN, J. A educação que ainda é possível: ensaios sobre a cultura para a educação. Porto: PortoEd, 2008.

GOULEMOT, J. M. Da leitura como produção de sentidos. In: CHARTER, R. Práticas da leitura. São Paulo, SP: Estação Liberdade, 1996. p. 1107-116.

GREANEY, V.; NEWMAN, S. B. The function of reading: a cross cultural perspective. Reading Research Quarterly, Newark, v.25, n.3, p. 172-195. 1990.

GUEDES, P. C.; SOUZA, J. M. de. Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português. In: Neves, I. C. B.(Org). Ler e escrever: compromisso de todas as áreas. 8. ed. Porto Alegre: UFRGS, 2007. p.17-22.

HIDI, S.; RENNINGER, K. A; KRAPP, A. Interest, a motivational variable that combines affective and cognitive functioning. In: DAI, D. Y.; STERNBERG, R. J. (Ed.). Motivation, emotion, and cognitition. Mahwah, NJ: Erlbaum, 2004. p. 89-115.

HUSMAN, J.; DERRYBERRY, W. P.; CROWSON, H.M.; E LOMAX, R. Instrumentality, task value, and intrinsic motivation: making sense of their independent interdependence. Contemporary Educational Psychology, Maryland, v. 29, p. 63-76, 2004.

JEAN, G. A escrita - memória dos homens. Rio de Janeiro, RJ: Objetiva, 2002.

LINNENBRINK, E. A.; PINTRICH, P. R. Role of affect in cognitive processing in academic contexts. In: Dai, D.Y. ; Sternberg, R. J. (Ed.). Motivation, emotion and cognition. New Jersey: Lawrence Erbaum Associates, 2004. p. 57-87.

LARROSA, J. Literatura, experiência e formação. In: COSTA, M. V. (Org.) Caminhos investigativos: novos olhares na pesquisa em educação. 2. ed. Rio de Janeiro, 2002. p.133-60.

LOPES, T. M. J; RIBEIRO, M. S. P. Funções de Leitura entre graduandos em biblioteconomia. Trans-in-formação, Campinas, v.4, n. 1; 2; 3, 1992, p. 45-54.

MARCUSCHI, L. A. Leitura e compreensão de texto falado e escrito como ato individual de uma prática social. In: ZIBERMAN, R; SILVA. E. T. Leitura: perspectivas interdisciplinares. São Paulo, SP: Ática, 1998. p. 38-57.

MARTINS, L. N. R.; COSENZA, M. Contextos de leitura em professores universitários. In: WITTER, G. P. (Org.). Leitura e Psicologia. Campinas: Alínea, 2004. p. 77-91.

MOREIRA, L. de S. G. Leitura - atitudes e práticas de futuras professoras. 2007. 175 fl. Dissertação (Mestrado em Educação) – Departamento de Educação, Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2007.

NÓVOA, A. (Org.). Os professores e sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1992.

OLIVEIRA, M. H. M. A. A leitura do universitário: estudo comparativo entre os Cursos de Engenharia e Fonoaudiologia da PUCCAMP. 168 fl. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Pontíficia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 1993.

OLIVEIRA, M. H. M. A. Funções da leitura para estudantes de graduação. Psicologia Escolar e Educacional, Campinas, v.1, n.1, p.61-68, 1996.

PERRENOUD, P. Práticas pedagógicas, profissão docente e formação: perspectivas sociológicas. Lisboa: Dom Quixote, 1993.

PINTRICH, P. R., & SCHUNK, D. H. Motivation in education: theory, research, and applications. Englewood Cliffs, NJ: Merrill–Prentice Hall, 1996.

PULLIN, E. M. M. P.; ALMEIDA, C. J. C; LAWARD, D.; FERNANDES, F. P. R. Práticas de leitura e formação de professores. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO 1, 2001, Cianorte. Anais ... Cianorte: Universidade Estadual de Maringá, 2001.

SARTI, F. M.; BUENO, B. Leituras profissionais docentes e apropriação de saberes acadêmico-profissionais. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 131, p.455-479, 2007.

SIEGEL, S. Estatística não paramétrica para as ciências do comportamento. São Paulo, SP: McGraw-Hill do Brasil, 1977.

SILVA, E. T. Concepções de leitura e suas conseqüências no ensino. Perspectiva, Florianópolis, v. 17, n. 31, p. 11-20, 1999.

SILVA, E. T. Leitura: perspectivas interdisciplinares. São Paulo, SP: Ática, 1998.

SQUIRES, D.; BLISS, T. Teacher visions: navigating beliefs about literacy learning. The Reading teacher, Newark, v. 57, n. 8, p. 756-763, 2004.

SCRIBNER, S; COLE, M. The psychology of literacy. Cambridge: Harvard University, 1999.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

LINEK, W.M.; SAMPSON, M. B. ; RAINE, I. L.; KLAKAMP, K. ; SMITH, B. Development of literacy beliefs and practices: preservice teachers with reading specializations in a field-based program. Reading Horizons, Kalamazoo, v. 46, n. 3, p.183-213, 2006.

PAJARES, M. F. Teachers' beliefs and educational research: cleaning up a messy construct. Review of Educational Research, Pittsburgh, v. 62, n. 3, p.301-332, 1992.

RAYNER, K. et al. How psychological science informs the teaching of reading. Psychological Science in the Public Interest, Washington, v. 2, n. 2, p.31-74, 2001.

WIGFIELD, A.; ECCLES, J. S. Expectancy–value theory of achievement motivation. Contemporary Educational Psychology, Maryland, v. 25, p. 68-81, 2000.

Downloads

Publicado

2009-11-06

Como Citar

Pullin, E. M. M. P., & Carvalho, M. G. de. (2009). Valoração da leitura por professores do ensino médio: considerações para a motivação para leitura de estudantes. ETD - Educação Temática Digital, 10, 273–293. https://doi.org/10.20396/etd.v10in.esp.945