1º plano municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de São Paulo/SP (PLAMSAN)

participação e protagonismo do conselho municipal (COMUSAN)

Palavras-chave: Segurança alimentar e nutricional, Promoção da saúde, Políticas públicas, Participação social, Intersetorialidade.

Resumo

A elaboração e publicação do 1º Plano Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de São Paulo, o PLAMSAN 2016-2020, evidencia avanços da Segurança Alimentar e Nutricional no cenário municipal. O presente estudo apoiou-se na triangulação de métodos, envolvendo as seguintes técnicas: observação participante, entrevista com informante-chave, constructo de um modelo lógico. A metodologia regeu-se por critérios de validade da pesquisa participativa em saúde. Verificou-se que a participação social foi um dos mecanismos utilizados para envolver governo e população, a partir do estabelecimento de compromissos voltados à consolidação desta política pública, destacando os conselhos municipais como protagonistas do processo analisado. A intersetorialidade ocorreu devido à composição da Câmara Intersecretarial de Segurança Alimentar e Nutricional (CAISAN Municipal), envolvendo sete secretarias municipais, e aos esforços de quem liderou o processo, como os conselheiros municipais. Conclui-se que a descentralização das ações permitiu que as propostas locais fossem contempladas no plano. A participação social e a intersetorialidade, princípios da Promoção da Saúde, foram esteio do processo contribuindo para o êxito da experiência, a qual demonstrou viabilidade para ser replicada em outros municípios de qualquer cidade no mundo.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvana Maria Ribeiro, Universidade de São Paulo

Possui doutorado e mestrado em Ciências pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo.

Cláudia Maria Bógus, Universidade de São Paulo

Professora Associada da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo

Jaqueline Dourado Lins, Universidade de São Paulo

Graduanda em Nutrição pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo.

Referências

Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional (CAISAN). Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional: PLANSAN 2012/2015. Brasília (DF); 2011.

Castro IRR. A extinção do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional e a agenda de alimentação e nutrição. Cadernos de Saúde Pública. 2019;35(2):e00009919.

Costa CA, Bógus CM. Significados e Apropriações da Noção de Segurança Alimentar e Nutricional pelo Segmento da Sociedade Civil do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Saúde e Sociedade. 2012;21(1):103-114.

Yin RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2.ed. Porto Alegre: Bookman; 2001.

International Collaboration for Participatory Health Research (ICPHR). Position Paper 1: What is Participatory Health Research? Berlin: International Collaboration for Participatory Health Research; 2013.

Becker HS. Problemas de inferência e prova na observação participante. In: Becker HS. Métodos de pesquisa em Ciências Sociais. 2.ed. São Paulo: Hucitec; 1994. p. 47-64.

Fernandez JCA, Sacardo DP. Abordagem qualitativa para avaliação de políticas públicas: implicações teóricas, éticas e políticas. In: Campos M, Cazzuni DH. Avaliar para compreender: uma experiência na gestão de programa social com jovens em Osasco, SP. São Paulo: Hucitec; 2008. p. 59-95.

Cassiolato M, Gueresi S. Como elaborar Modelo Lógico: roteiro para formular programas e organizar avaliação. Brasília (DF): IPEA; 2010.

Pinheiro ARDO, Carvalho MDFCC. Transformando o problema da fome em questão alimentar e nutricional: uma crônica desigualdade social. Rev. Ciência e Saúde Coletiva. 2010;15(1):121-130.

Brasil. Ministério da Saúde. Relatório Final da 8a Conferência Nacional de Saúde, de 17 a 21 de março de 1986 [Internet] 1986 [Acesso em 05 jan 2017]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/8_conferencia_nacional_saude_relatorio_final.pdf.

Pinheiro ARDO. Análise histórica do processo de formulação da Política Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (2003-2006): atores, ideias, interesses e instituições na construção de consenso político [tese].Brasília: Universidade de Brasília; 2009.

Brasil. Pacto Internacional sobre os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais. Brasília (DF): Assembleia Geral das Nações Unidas; 1992.

Burity V,Franceschini T, Valente F, Recine E, Leão M, Carvalho MF. Direito humano à alimentação adequada no contexto da segurança alimentar e nutricional. Brasília (DF): Abrandh; 2010.

Cervato-Mancuso AM, Fiore EG, Redolfi SCS. Guia de segurança alimentar e nutricional. Barueri: Manole; 2015.

Câmara Interministerial de Segurança Alimentar e Nutricional (CAISAN). Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional: PLANSAN 2016/2019. Brasília (DF); 2016.

Prefeitura do Município de São Paulo. Panorama da Segurança Alimentar e Nutricional na Cidade de São Paulo: ações, desafios e perspectivas do papel da cidade na alimentação. São Paulo: PMSP; 2016.

Sacardo DP, Gonçalves CCM, Andrade EA. Território: potencialidades na construção de sujeitos. In: Fernandez JCA,Mendes R. Promoção da saúde e gestão local. 2.ed. São Paulo: Hucitec; 2014.

Raffestin C. Por uma geografia do poder. Rio de Janeiro: Ática; 1993.

Junqueira LAP. Novas formas de gestão na saúde: descentralização e intersetorialidade. Saúde e Sociedade. 1997;6(2):31-46.

Sousa Santos B. Renovar la teoría crítica y reinventar la emancipación social. Buenos Aires: CLACSO; 2006.

Saquet MA. Participação social em territórios de identidade e desenvolvimento numa práxis dialógica e cooperada. In: da Silva AO, Santos EMC, Coelho Neto AS. Identidade, território e resistência. Rio de Janeiro: Consequência; 2014.

Bandeira P. Participação, articulação de atores sociais e desenvolvimento regional. Brasília – Rio de Janeiro: IPEA; 1999.

Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de São Paulo (COMUSAN). Prefeitura Municipal de São Paulo (PMSP). Relatório Final. Declarações e Proposições da 6aConferência Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de São Paulo “Comida de Verdade no Campo e na Cidade: por Direitos e Soberania Alimentar”. São Paulo; 2015.

Rigon SDA, Schmidt ST, Bógus CM. Desafios da nutrição no Sistema Único de Saúde para construção da interface entre a saúde e a segurança alimentar e nutricional. Cadernos de Saúde Pública. 2016;32(3):e00164514.

Costa CGA. Segurança alimentar e nutricional: significados e apropriações [tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2008.

Nascimento S. Reflexões sobre a intersetorialidade entre as políticas públicas. Serviço Social & Sociedade. 2010;101:95-120.

Westphal MF, Mendes R. Cidade saudável: uma experiência de interdisciplinaridade e intersetorialidade. Revista de Administração Pública. 2000;34(6):47-61.

Sposati A. Gestão pública intersetorial: sim ou não? Comentários de experiência. Serviço Social e Sociedade. 2006;89:133-141.

Warschauer M, De Carvalho YM. O conceito “intersetorialidade”: contribuições ao debate a partir do Programa Lazer e Saúde da Prefeitura de Santo André/SP. Saúde e Sociedade. 2014;23(1):191-203.

Brasil. Presidência da República. Medida Provisória no 870, de 2019 [Internet] 2019 [Acesso em 15 ago 2019]. Disponível em: https://www.congressonacional.leg.br/materias/medidas-provisorias/-/mpv/135064

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Mensagem no 254, de 18 de junho de 2019 [Internet] 2019 [Acesso em 20 ago 2019]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2019-2022/2019/Msg/VEP/VEP-254.htm

Jaime CP. Por que o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional é necessário? São Paulo: Jornal da USP; 2019.

Prefeitura do Município de São Paulo. Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional – COMUSAN/SP [Internet] 2019 [Acesso em 28 fev 2019]. Disponível em: https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/desenvolvimento/abastecimento/index.php?p=207805

Publicado
2019-09-18
Como Citar
Ribeiro, S. M., Bógus, C. M., & Lins, J. D. (2019). 1º plano municipal de Segurança Alimentar e Nutricional de São Paulo/SP (PLAMSAN). Segurança Alimentar E Nutricional, 26, e019029. https://doi.org/10.20396/san.v26i0.8655894
Seção
Artigo de Segurança Alimentar e Nutricional