O ensino de Geografia física e os jogos digitais

trabalhando suscetibilidade, vulnerabilidade e resiliência frente aos desastres naturais

Palavras-chave: Jogos digitais, Climatologia, Prática docente.

Resumo

O presente trabalho tem como finalidade o desenvolvimento de uma prática de ensino-aprendizagem no Ensino Básico, por meio de jogo digital e aplicada ao estudo do meio natural. O tema selecionado foi a observação do tempo atmosférico, conteúdo do 6° ano dos anos finais do Ensino Fundamental e a dinâmica natural do planeta Terra, conteúdo do 8° ano dos anos finais do Ensino Fundamental, ambos expressos na Matriz de Avaliação Processual de Geografia, da rede pública do Estado de São Paulo. O jogo Roblox, familiar entre os alunos, teve uma de suas plataformas, denominada Natural Disaster Survival, selecionada para o desenvolvimento da aula prática e trouxe à tona a necessidade de ressignificar o uso dos dispositivos eletrônicos no espaço escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatriz Siqueira, Universidade Estadual de Campinas

Mestra e doutoranda em Geografia, DGEO, IG-UNICAMP. Professora Efetiva de Educação Básica II na Secretaria da Educação do Estado de São Paulo.

Referências

Alcántara-Ayala I. (2002). Geomorphology, natural hazards, vulnerability and prevention of natural disasters in developing countries. Geomorphology 47 (2-4): 107–124.

Alexander D.E. (1995). A survey of the field of natural hazards and disaster studies. In: Carrara A., Guzzetti F. (Ed.). (1995). Geographical information systems in assessing natural hazards. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers. p. 1-19.

Brauch H.G. (2005). Treats, challenges, vulnerabilities and risks in environmental and human security. Bonn: SOURCE (Studies of the University research, counsel, education) UNU-EHS N°1.

Breda T.V. (2018). Jogos geográficos na sala de aula. Curitiba: Appris.123 p.

Bryant E.A. (1997). Climate process and change. Cambridge: Cambridge Univ. Press. 228 p.

Burroughs W.J. (1997). Does the weather really matters? the social implications of climate change. Cambridge: Cambridge University Press. 244 p.

Cardona O.D. (2004). The need for the rethinking the concepts of vulnerability and risk from a holistic perspective: a necessary review and criticism for effective risk management. In: Bankoff G. et al. (2003). Mapping vulnerability: disasters, development and people. London: Earthscan Publishers. 256 p.

Castellar, S. (Org). (2005). Educação geográfica: teorias e práticas docentes. São Paulo: Contexto. 167 p.

Cavalcanti, L.S. (1998). Geografia, escola e construção de conhecimentos. Campinas: Papirus. 351 p.

Chauteau J. (1987). O Jogo e a criança. Tradução Guido de Almeida. São Paulo: Summus Editorial. 139 p.

Christofoletti A. (1995). A Geografia física no estudo das mudanças ambientais. In: Becker B. et al. (1995). Geografia e meio ambiente no Brasil. São Paulo: Hucitec. p. 334-345.

Cutter S., Barnes L., Berry, M., Burton C., Evans, E., Tate E. & Webb J. (2008). A place-based model for understanding community resilience to natural disasters. Global Environmental Change, 18:598–606.

Degg M. (1992). Natural disasters: recent trends and future prospects. Geography. 77 (336). p. 198-209.

Gonçalves C.D. (2012). Desastres naturais, algumas considerações: vulnerabilidade, risco e resiliência. Revista Territorium, 19: 5-14.

Gonçalves N.M.S. (2003). Impactos pluviais e desorganização do espaço urbano em Salvador. In: Monteiro C.A.de F., Mendonça, F. de A. (Org). (2003). Clima urbano. São Paulo: Contexto. 192 p.

Governo Federal. TV NBR. (2019). Conexão ciência: gestão e prevenção de desastres naturais no Brasil. 26min e 13s.

Lévy P. (1999). Cibercultura. São Paulo: Editora 34. 257 p.

Lévy, P. (1994). L’ intelligence collective: pour une anthropologie du cyberspace. Paris: Éditions La Découverte. 245 p.

Marcelino E.V., Nunes, L.H., Kobiyama M. (2006). Banco de dados de desastres naturais: análise de dados globais e regionais. Caminhos de Geografia. 6 (19). p. 130-149.

McBean G. (2004). Climate change and extreme weather: a basis for action. Natural Hazards. 31:177– 190.

Nery J.T., Carfan A.C. (2013). Glossário de termos técnicos em Meteorologia e Climatologia. Jundiaí: Paco Ed. 441 p.

Nunes L.H. (2015). Urbanização e desastres naturais. São Paulo: Oficina de Textos. 112 p.

O’Riordan T., Jordan A. (2000). Reinterpreting the precautionary principle. London: Cameron May. 284 p.

Rosenfeld C. L. (1994). The geomorphological dimensions of natural disasters. Geomorphology. 10: 27-36.

Santos M. (2014). A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo. 384 p.

São Paulo (Estado) Secretaria da Educação. (2016). Matriz de avaliação processual: geografia e história, ciências humanas, encarte do professor / Secretaria da Educação; coordenação, Ghisleine Trigo Silveira, Regina Aparecida Resek Santiago; elaboração, equipe curricular de Geografia e de História. São Paulo: SE. 88 p.

Tobin G.A, Montz, B.E. (1997). Natural hazards – explanation and integration. New York: The Guilford Press. 388p.

Van Molle M. (1993). Natural hazards. In: Nath B., Hens L., Comptan P., Devuyst D. (Ed.). Environmental management: the compartmental approach. Brussels: VUB University Press. 1:305-340.

Xavier A.C. (2011). Letramento digital: impactos das tecnologias na aprendizagem da Geração Y. Calidoscópio. 9 (1). P. 3-14.

Publicado
2019-07-11
Como Citar
Siqueira, B. (2019). O ensino de Geografia física e os jogos digitais. Terrae Didatica, 15, e019022. https://doi.org/10.20396/td.v15i0.8653224