Roteiro geoecológico na escola

uma proposta para a formação continuada de professores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v16i0.8655877

Palavras-chave:

Unidades de conservação, Painéis interativos, Educação científica

Resumo

O Roteiro Geoecológico descrito neste artigo percorre três Unidades de Conservação da Costa de Araranguá, com painéis interpretativos implantados em 2017, atualmente em fase de reforma. Painéis são importantes aliados na educação científica. Apresenta-se a experiência de dois cursos voltados aos professores da educação básica local, com parte teórica e saída de campo, além do preenchimento de formulários Google, que compõem a base de dados para a cocriação de novos conteúdos e layout dos painéis. Observou-se o desconhecimento dos docentes acerca de instrumentos de conservação e divulgação da natureza local; a principal dificuldade para saídas de campo é o transporte. A participação dos docentes na cocriação do roteiro e a articulação de transporte pelo Departamento de Turismo do município podem estimular os docentes a efetuar saídas de campo em suas práticas docentes, e assim contribuir para a formação de cidadãos críticos e ativos para a conservação da natureza local.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Samanta da Costa Cristiano, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Geociências pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Júlia Pires da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestranda em Design pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Ícaro Aronovich da Cunha, Universidade Federal do Rio Grande

Doutor em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo e professor no Instituto de Oceanografia da Universidade Federal de Rio Grande.

Maurício de Melo Dalpiaz, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Santa Catarina e professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina-Campus Araranguá

Referências

Baldissera, A. (2001). Pesquisa-ação: uma metodologia do “conhecer” e do “agir” coletivo. Sociedade em Debate, 7(2), 5-25.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70. 225p.

Brasil. (1999). Lei nº 9.795, Política Nacional de Educação Ambiental, de 27 de abril de 1999. URL: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9795.htm. Acesso 02.02.2019.

Caetano, A. C., Gomes B. N., Jesus J. S., Garcia L. M., & Reis S. T. (2018). Interpretação Ambiental nas Unidades de Conservação Federais. Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). 38p.

Candotti, E. (2002). Ciência na educação popular. In: Massarani, L., Moreira, I. C., & Brito, F. (2002). Ciência e Público: caminhos da divulgação científica no Brasil. Rio de Janeiro: Casa da Ciência/UFRJ. p. 15-23.

Cristiano, S. C., Santos, I. A., Martinez, D. I., Nasser, P. C., Silva, J. P., Magano, M., & Melo, M. D. (2018). Interação da comunidade local com as ferramentas de conservação e divulgação da costa de Araranguá (Santa Catarina, Brasil). In: Anais de Resumos do VIII Encontro da Rede BRASPOR. Proc... AOCEANO, Rio Grande. URL: http://www.braspor2018.com.br/theme/images/ANAIS_BRASPOR_2018_final.pdf. Acesso 02.02.2019.

Cristiano S.C. (2018) Interfaces entre a Geoconservação e a Gestão Costeira no município de Araranguá (Santa Catarina, Brasil). Porto Alegre: Inst. Geoc. UFRGS. 252p. (Tese Doutorado).

Gil-Perez D., & Carvalho A. M. P. (2001). Formação de professores de ciências: tendências e inovações. 5 ed. São Paulo: Ed. Cortez. 128p.

Gould, S. J. (1992). Viva o Brontossauro: reflexões sobre história natural. São Paulo: Companhia das Letras. 523 p.

Guimarães, T. O., Mariano, G., & Sá, A. A. (2017). Jogos “geoeducativos” como subsídio à Geoconservação no litoral sul de Pernambuco (NE Brasil): uma proposta. Terræ Didatica, 1(1), 31-43. doi: 10.20396/td.v13i1.8648626.

Mansur K.L. (2009). Projetos Educacionais para a Popularização das Geociências e para a Geoconservação. Geologia USP. 5: 63-74. URL: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2316-9087.v5i0p63-74.

Ministério do Meio Ambiente (MMA), Instituto Chico Mendes da Biodiversidade (ICMBio). (2009). Estratégia Nacional de Comunicação e Educação Ambiental em Unidades de Conservação – ENCEA. Brasília, DF. ICMBio/MMA. URL: http://www.icmbio.gov.br/educacaoambiental/images/stories/Politica/politica-encea/encea.pdf. Acesso 02.02.2019.

Pereira, R. G. F. A., Rios, D. C., & Garcia, P. M. P. (2016). Geodiversidade e Patrimônio Geológico: ferramentas para a divulgação e ensino das Geociências. Terræ Didatica, 12(3), 196-208. doi: 10.20396/td.v12i3.8647897.

Queiroz, R. M., Teixeira, H. B., Veloso, A. S., Terán, A. F., & Queiroz, A. G. (2011). Caracterização dos espaços não formais de educação científica para o ensino de ciências. In: Resumos do VIII Encontro Nacional em Pesquisa em Educação e Ciências. Proc... ABRAPEC, Campinas. URL: http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/viiienpec/resumos/R1579-2.pdf. Acesso 02.02.2019.

Santos, V. M. N. (2011). Educar no Ambiente: construção do olhar geocientífico e cidadania. São Paulo: Editora Annablume. 178p.

Semken, S. (2005). Sense of place and place-based intro­ductory geoscience teaching for American Indian and Alaska Native undergraduates. Journal of Geoscience Education. 53, 149-157. URL: https://www.uccs.edu/Documents/coga/semken05_sop.pdf. Acesso 02.02.2019.

Trofimov, V. T. (2006). New theoretical approach to determining the contents and evolution of geoecology, Geoekologiya, 2, 216-225.

Trofimov, V. T. (2009). The ecological geological system, its types and position in the structure of an ecosystem, Moscow University Geology Bulletin, 64(2), 111-115.

United Nations Educational Scientific and Cultural Organization / Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO). (1999). Declaração sobre a ciência e o uso do conhecimento científico. Versão adotada pela Conferência Budapeste, 1 de Julho de 1999. 26 p. URL: http://livros01.livrosgratis.com.br/ue000111.pdf. Acesso 02.02.2019.

Downloads

Publicado

2020-02-08

Como Citar

CRISTIANO, S. da C.; SILVA, J. P. da; CUNHA, Ícaro A. da; DALPIAZ, M. de M. Roteiro geoecológico na escola : uma proposta para a formação continuada de professores. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 16, p. e020006, 2020. DOI: 10.20396/td.v16i0.8655877. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8655877. Acesso em: 30 jan. 2023.