Estudo da escala do tempo geológico em livros didáticos de geografia do ensino médio

Palavras-chave: Geografia escolar, Geografia física, Ensino de geociências

Resumo

Este trabalho tem por objetivo analisar como se apresenta o Tempo Geológico em livros didáticos de Geografia da 1ª série do Ensino Médio. A proposta é observar se a apresentação do tema nos livros é clara e isenta de equívocos, possibilitando abordagens interdisciplinares que fomentem a consolidação das habilidades e competências propostas nos Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio (PCNEM). Para tanto, foram 11 livros didáticos que o Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD) 2018 ofereceu às escolas públicas brasileiras no triênio 2018-2020. Os resultados mostraram a presença de erros conceituais, desatualizações e falta de aplicações práticas que comprometem o ensino de um tema relevante que permite estudar de forma interdisciplinar fatos do presente e do futuro do planeta. Dessa forma, busca-se incentivar, com esta pesquisa, trabalhos que observem detalhadamente as informações disponibilizadas nos materiais destinados aos professores e alunos na Educação Básica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre dos Santos Souza, Universidade Federal da Paraíba

Doutor em Geografia pela Universidade Federal da Paraíba. Professor da rede particular de ensino em João Pessoa.

Max Furrier, Universidade Federal da Paraíba

Doutor em Geografia pela Universidade de São Paulo. Professor Associado do Departamento de Geociências da Universidade Federal da Paraíba.

Referências

Albuquerque, M. A. M. (2005). Currículos de Geografia: da abertura política aos PCN’s. Mercator, 7, 57-74.

Bonito, J., Rebelo, D., Morgado, M., Monteiro, G., Medina, J., Marques, L., & Martins, L. (2011). O Tempo Geológico e a aprendizagem da Geologia: da complexidade da temática às concepções de alunos portugueses do 7.º ano do ensino básico (12-13 anos). Terræ Didatica, 7(2), 81-92. doi: 10.20396/td.v7i2.8637431.

Carneiro, C. D. R., Mizusaki, A. M. P., & Almeida, F. F. M. (2005). A determinação da idade das rochas. Terræ Didatica, 1(1), 6-35. doi: 10.20396/td.v1i1.8637442.

Carvalho, A. M. G. (2014). Evolução do pensamento geológico nos contextos filosófico, religioso, social e político da Europa. Lisboa: Âncora.

Cavalcanti, L. S. (1998). Geografia, escola e construção de conhecimentos. 3. ed. Campinas: Papirus Editora. 192p.

Dodick J., & Orion N. (2003). Measuring student understanding of geological time. Science Education, 87, 708-731.

Eicher, D. L. (1969). Tempo geológico. São Paulo: Edgard Blücher/EdUSP.

Eicher, D. L, & McAlester, A. L. (1980). History of the Earth. Englewood Cliffs: Prentice-Hall.

Erhart, H. (1955). Biostasie et rhesistasie: esquise d’une théorie sur le rôle de la pédogenèse en tant que phénomène géologique. Comptes Rendues Academie des Sciences Française, 241, 1218-1220.

Fairchild, T. R., Teixeira, W., & Babinski, M. (2009). Geologia e a descoberta da magnitude do tempo. In: Teixeira, W., Fairchild, T., & Toledo, M. C. (Orgs.). (2009). Decifrando a Terra. São Paulo: Oficina das Letras. p. 280-305.

Faul, H. (1978). A history of Geologic Time. American Scientist, 66(2), 159-65.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social (6. ed.). São Paulo: Atlas.

Grotzinger, J., Jordan, T. (2013). Para entender a Terra (6. ed.). Porto Alegre: Bookman.

Japiassú, H. (1976). Interdisciplinaridade e patologia do saber. Rio de Janeiro: Imago.

Libault, A. (1971). Os quatro níveis da pesquisa geográfica. Métodos em Questão, 1, 1-14.

Marques, J. M. (2007). Ciência Geomorfológica. In: Guerra, A. J. T., & Cunha, S. B. Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. (7. ed.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. p. 23-45.

Melo, M. S., Claudino-Sales, V., Peulvast, J., Saadi, A., & Mello, C. L. (2005). Processos e produtos morfogenéticos continentais. In: Souza, C. R. G., Suguio, K., Oliveira, A. M. S., & Oliveira, P. E. (Eds.). Quaternário do Brasil. Ribeirão Preto: Holos. p. 258-275.

Mendonça, F. (1992). Geografia Física: ciência humana? (3. ed.). São Paulo: Contexto. 72p.

Ministério da Educação (2000). PCN+ Ensino Médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais – Ciências Humanas e suas tecnologias. Brasília: MEC/SEB. Disponivel em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/CienciasHumanas.pdf.

Ministério da Educação. (2017a). Base Nacional Comum Curricular: Educação é a Base: Ensino Médio. Brasília: MEC/SEB. Disponivel em: https://edisciplinas.usp.br/mod/resource/view.php?id=2376745.

Ministério da Educação. (2017b). PNLD 2018: Geografia – guia de livros didáticos – Ensino Médio. Brasília: MEC/SEB/FNDE.

Ministério da Educação. (2019). Programas do livro: PNLD – dados estatísticos. Brasília: MEC/SEB/FNDE. Disponivel em: https://www.fnde.gov.br/index.php/programas/programas-do-livro/pnld/dados-estatisticos.

Moraes, A. C. R. (1998). Geografia: pequena história crítica. São Paulo: Hucitec.

Munakata, K. (2016). Livro didático como indício da cultura escolar. História da Educação, 20(50), 119-138.

Pedrinaci E., & Berjillos P. (1994). El concepto de tiempo geológico: orientaciones para su tratamiento en la educación secundaria. Enseñanza de las Ciencias de la Tierra, 2(1), 240-251.

Prodanov, C. C., & Freitas, E. C. (2013). Metodologia do Trabalho Científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico (2 ed.). Novo Hamburgo: Universidade Feevale.

Santos, V. M. N. (2011). Educar no ambiente: construção do olhar geográfico e cidadania. São Paulo: Annablume.

Suertegaray, D. M. A. (2018). Geografia Física na Educação Básica ou o que ensinar sobre natureza em Geografia. In: Morais, E. M. B., Alves, A. O., Ascenção, V. O. R. (Org.). Contribuições da Geografia Física para o Ensino de Geografia (1. ed.). Goiânia: C&A Alfa Comunicação. p. 13-32.

U. S. Geological Survey. (2007). Divisions of Geologic Time. Major Chronostratigraphic and Geochronologic Units. Reston: USGS. Disponivel em: https://pubs.usgs.gov/fs/2007/3015/fs2007-3015.pdf.

Toledo, M. C. M. (2005). Geociências no Ensino Médio brasileiro: análise dos Parâmetros Curriculares Nacionais. Geologia USP Publicação Especial, 3, 31-44. doi: 10.11606/issn.2316-9087.v3i0p31-44

Vesentini, J. W. (2007). A questão do livro didático no ensino da Geografia: novos caminhos da Geografia. In: Carlos, A. F. A. (Org.). Caminhos da Geografia (5. ed.). São Paulo: Contexto.

Publicado
2020-03-28
Como Citar
Souza, A. dos S., & Furrier, M. (2020). Estudo da escala do tempo geológico em livros didáticos de geografia do ensino médio. Terrae Didatica, 16, e020010. https://doi.org/10.20396/td.v16i0.8656709