O cartaz “Os Elementos Químicos e a Vida” para ensino de Geociências na educação básica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v16i0.8657238

Palavras-chave:

Vida, Biociências, Geociências, Geologia, Alimentação e saúde

Resumo

Este artigo apresenta os resultados de um projeto de pesquisa que buscou promover aprendizado significativo, junto a estudantes do ensino médio, e oferecer ao público não escolar conhecimentos sobre Ciências Naturais. As atividades lúdicas e interativas desenvolvidas possibilitaram a integração de conceitos das disciplinas Química, Geografia e Biologia, na medida em que os alunos retomaram conhecimentos sobre os ciclos da água e das rochas, o intemperismo de rochas e a formação de solos. Ao desenvolver pesquisas em campo e para fundamentar a produção de um cartaz ilustrado, exploraram informações sobre elementos químicos, minerais, rochas e distribuição de reservas naturais na crosta terrestre, além de pesquisar processos capazes de desagregar tais elementos químicos e disponibilizá-los no ambiente. Cópias do cartaz criado e produzido pelos alunos foram afixadas em locais de venda de alimentos, buscando democratizar o conhecimento científico junto ao público não escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Profeta Ramos de Araujo, Universidade Estadual de campinas

Mestre em Ensino e História de Ciências da Terra no Instituto de Geociências pela Universidade Estadual de Campinas.

Elias Araujo Bressane, Universidade Estadual de Campinas

Doutor em Ensino e História de Ciências da Terra no Instituto de Geociências pela Universidade Estadual de Campinas. Voluntário a divulgação das Geociências na educação básica e no ensino superior, por meio de aulas, palestras, visitas técnicas ou atividades de campo, oficinas e outros veículos da educação.

Celso Dal Ré Carneiro, Universidade Estadual de Campinas

Doutor em Geociências (Geoquímica e Geotectônica) pela Universidade de São Paulo. Professor colaborador do Instituto de Geociências pela Universidade Estadual de Campinas.

 

Referências

Alves, R. (2007). Filosofia da ciência. Introdução ao jogo e suas regras. 12. ed. São Paulo: Loyola.

Araujo, E. P. R. (2012). Ciências da Terra em cursos superiores de ciências biológicas que habilitam ao magistério de Ciências Naturais para o ensino fundamental. Dissertação (Mestrado). Campinas, SP: Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas.

Ausubel, D. (1963). The psychology of meaningful verbal learning. New York: Grune and Stratton.

Brasil. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. (1998a). Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Brasília, DF: MEC/SEF. Disponível em: https://www.cpt.com.br/pcn/parametros-curriculares-nacionais-ciencias-naturais. Acesso em: 13. 06. 2020.

Brasil. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. (1998b). Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos. Temas transversais. Brasília, DF: MEC/SEF. Disponível em: portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ttransversais.pdf. Acesso em: 13. 06. 2020.

Carneiro, C. D. R., Toledo, M. C. M. de, Almeida, F. F. M. de. (2004). Dez motivos para a inclusão de temas de Geologia na Educação Básica. Revista Brasileira de Geociências, 34(4), 553-560. doi: 10.25249/0375-7536.2004344553560.

Carneiro, C. D. R., Gonçalves, P. W., & Lopes, O. R. (2009). O ciclo das rochas na natureza. Terræ Didatica, 5(1), 50-62. doi: 10.20396/td.v5i1.8637502.

Freire, P. (2003). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 27. ed. São Paulo: Paz e Terra.

Lepsch, I. F. (2002). Formação e conservação de solos. São Paulo: Oficina de Textos.

Menezes, E. T., & Santos, T. H. (2001). Verbete transversalidade. Dicionário Interativo da Educação Brasileira. Educabrasil. São Paulo: Midiamix.

Moreira, M. A. (2011). Teorias de aprendizagem. 2. ed. São Paulo: EPU.

Moreira, M. A. (2015). Aprendizagem significativa. Campos conceituais e Pedagogia da Autonomia: implicações para o ensino. In: versão artigo de conferências plenárias da XVII Reuniõn de Enseñanza de la Física, Córdoba, Argentina, set 2011 e Educon, Aracaju, SE, Brasil, set 2015. (Publ. em Espanhol por Aprendizagem Significativa em Revista, 2(1), 44-65). Disponível em: http://educonse.com.br/ixcoloquio/Artigo_Aprendizagem.pdf. Acesso em: 13. 06. 2020.

Teixeira, W., Fairchild, T., Toledo, M. C. M. de, & Taioli, F. (2009). Decifrando a Terra. 2. ed. São Paulo: IBEP/Ed. Nacional-Conrad.

Toledo, M. C. M. de, Teixeira, W., & Bourotte, C. L. M. (2014). Geologia. São Paulo: Edusp.

Valmiqui, C. L., Lima, M. R., & Melo, V. F. (2007). O solo no meio ambiente: abordagem para professores do ensino fundamental e médio e alunos do ensino médio. Curitiba: Ed. UFPR.

Wicander, R., & Monroe, J. S. (2011). Fundamentos de Geologia. São Paulo: Cengage Learning.

Publicado

2020-06-16

Como Citar

ARAUJO, E. P. R. de .; BRESSANE, E. A.; CARNEIRO, C. D. R. . O cartaz “Os Elementos Químicos e a Vida” para ensino de Geociências na educação básica. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 16, p. e020027, 2020. DOI: 10.20396/td.v16i0.8657238. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8657238. Acesso em: 26 nov. 2020.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 > >>