Aprendendo com a Natureza: geodiversidade, atividades audiovisuais e trilhas interpretativas no ensino das Ciências da Terra

Palavras-chave: Geoeducação, Educação ambiental, Trilhas, Educação não formal, Ensino de Geociências

Resumo

Este artigo descreve e avalia uma metodologia simples e robusta para estimular e orientar alunos de licenciatura e áreas afins ao longo de atividades de campo como instrumento pedagógico no processo de ensino-aprendizagem das ciências e na sensibilização ambiental. A oficina divide-se em três fases: i) pré-campo, quando aulas expositivas são associadas a estratégias de produção audiovisual e de mapas, na preparação de atividades de campo; ii) campo, em que é aplicado o conhecimento visto na fase anterior; iii) pós-campo, quando são entregues os produtos como: fotos, vídeos, esboços, mapas e relatórios de campo; avaliado o aprendizado; discutidos os estímulos gerados em campo e feita uma análise crítica do método. Após a oficina, a maior parte dos alunos se mostrou motivada a implementar o método em suas vidas profissionais. Trata-se de uma contribuição para o entendimento de quão simples e importante é o olhar atento e cuidadoso para a Natureza.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Farias do Amaral, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Centro de Ciências Exatas e da Terra, Departamento de Geologia

Doutor em Geociências. Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Centro de Ciências Exatas, Departamento de Geologia. Natal/RN, Brasil. 

Daniel Fernando Bovolenta Ovigli, Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Instituto de Ciências Exatas, Naturais e Educação.

Doutor em Educação para a Ciência. Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Instituto de Ciências Exatas, Naturais e Educação. Uberaba/MG, Brasil

Pedro Donizete Colombo Junior , Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Instituto de Ciências Exatas, Naturais e Educação

Doutor em Ensino de Física. Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM), Instituto de Ciências Exatas, Naturais e Educação. Uberaba/MG, Brasil

Referências

Amaral, R. F., Ferreira, M. C. S. D., & Silva, C.B. (2014). Levantamento florístico como subsídio para implantação de trilhas em dunas no litoral oriental do Rio Grande do Norte. Nature and Conservation, 6, 59-69. doi: 10.6008/ESS2318-2881.2013.002.0006.

Anastasiou, L. G. C; & Alves, L. P. Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. (2004). 3ª. edição, 2ª. Tiragem. 145p. Editora Univille.

Braga, M. (2001). Realidade Virtual e Educação. Revista de Biologia e Ciências da Terra, 1(1), 1-8.

D’Aquino, C. A., & Bonetti, J. (2015). Estratégias para o acompanhamento e avaliação de atividades práticas e saídas de campo em Geociências. Terræ Didatica, 11(2), 78-87. doi: 10.20396/td.v11i2.8640710.

Cortês, A. T., Monteiro, J. C., Malta, J. V., & Amaral, R. F. (2018). Utilização de narrativas audiovisuais para preservação e entendimento do meio ambiente. In: V Congresso Nacional de Educação (CONEDU), Anais do V CONEDU, 1, 1-4. URL: http://www.editorarealize.com.br/revistas/conedu/trabalhos/TRABALHO_EV117_MD4_SA14_ID10469_10092018141650.pdf. Acesso 08.01.2020.

Dantas, A. L. F., Dias, M. C. S. S., & Amaral, R. F. (2019). Trilhas Pedagógicas na Praia de Tabatinga, Litoral Sul do Rio Grande do Norte. In: 28º Simpósio de Geologia do Nordeste. Anais do Simpósio de Geologia do Nordeste, Aracaju (SE), 28:122. URL: http://sbgeo.org.br/assets/admin/imgCk/files/Anais/Anais_28o_Simposio_de_Geologia_do_Nordeste-ISBN.pdf. Acesso 08.01.2020.

Evangelista, A. M., Morais, M. V. A. R., & Silva, C. V. R. (2017). Os usos e aplicações do Google Earth como recurso didático no ensino de Geografia. Revista Percursos, 18(38), 152-166. doi: 10.5965/1984724618382017152.

Fernandes, J. A. B. (2007). Você vê essa adaptação? A aula de campo em ciências entre o retórico e o empírico. São Paulo, 2007. 326p. Tese (Doutorado em Educação) São Paulo, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo.

Lima, R. N. S. (2012). Google Earth aplicado a pesquisa e ensino da geomorfologia. Revista de Ensino de Geografia, Uberlândia, 3(5): 17-30.

Melo, L. B., Milanez, C. L., Silva, D. C., & Amaral, R. F. (2019). Geodiversidade Costeira: Metodologia para a Construção de Trilha Interpretativa no Campo de Dunas de Búzios, Nísia Floresta/RN. 28º Simpósio de Geologia do Nordeste. Aracaju (SE), p. 132. URL: http://sbgeo.org.br/assets/admin/imgCk/files/Anais/Anais_28o_Simposio_de_Geologia_do_Nordeste-ISBN.pdf. Acesso 08.01.2020.

Monteiro, J. C., Cruz, L. B., Cortês, A. T., Malta, J. V., & Amaral, R. F. (2018). A escola nas trilhas do litoral: conhecendo e valorizando os elementos formadores do ambiente. In: V Congresso Nacional de Educação (CONEDU), Anais do V CONEDU, 1, 1-8. URL: http://www.editorarealize.com.br/revistas/conedu/trabalhos/TRABALHO_EV117_MD1_SA16_ID9936_08092018203423.pdf. Acesso 08.01.2020.

Monteiro, M.B. (2000). Teoria dos universos circundantes percepção, espaço e fotografia: uma abordagem metodológica. Revista de Biblioteconomia & Comunicação, 8(1): 251-271. URL: http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/99855. Acesso 08.01.2020.

Pedrinaci, E. (2002). La Geología en el bachillerato: un análisis del nuevo curriculum. Revista Enseñanza de las Ciencias de la Tierra, 10(2), 125-133.

Portz, L. C., Manzolli, R. P., Rosa, M. L. C. C., Gruber, N. S., Barboza, E. G., Tomazelli, L. J. (2018). Práticas em Geociências: roteiro de campo para compreender a evolução costeira no Rio Grande do Sul, Brasil. Terræ Didatica, 14(2), 119-133. doi: 10.20396/td.v14i2.8651854.

Richardson, R. J. (2012). Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Ruef, K. (2006). O segredo da lupa: olhar de perto, mudar a escala. In: Stone, M. K. e Barlow, Z. Orgs. (2006). Alfabetização ecológica: a educação das crianças para um mundo sustentável. São Paulo: Cultrix.

Santos, M. C. (2011). Trilhas Interpretativas como Instrumento de Interpretação, Sensibilização e Educação Ambiental na APAE de Erechim/RS. Vivências Revista Eletrônica Extensão 7, 189-197.

Scortegagna, A., & Negrão, O. B. M. (2015). Trabalhos de campo na disciplina de Geologia Introdutória: a saída autônoma e seu papel didático. Terræ Didatica, 1(1), 36-43. doi: 10.20396/td.v1i1.8637443.

Silva, D. C. C., Melo, L. B., Milanez, C. L., Nogueira, A. E. E., & Amaral, R. F. (2018). Vivência da geodiversidade através de trilhas pedagógicas: aplicação em escolas da rede pública municipal de ensino em Parnamirim/RN. In: V Congresso Nacional de Educação (CONEDU), Anais do V CONEDU, 1, 1-5. URL: http://www.editorarealize.com.br/revistas/conedu/trabalhos/TRABALHO_EV117_MD4_SA16_ID9893_08092018201045.pdf. Acesso 08.01.2020.

Silva, D. C., Milanez, C. L., & Amaral, R. F. (2019). Divulgação do conhecimento geológico na XXII Olimpíada Brasileira de Astronomia (Ensino fundamental). In: 28º Simpósio de Geologia do Nordeste. Anais do Simpósio de Geologia do Nordeste, Aracaju (SE), p. 136. URL: http://sbgeo.org.br/assets/admin/imgCk/files/Anais/Anais_28o_Simposio_de_Geologia_do_Nordeste-ISBN.pdf. Acesso 08.01.2020.

Silva, D. M., Júnior, A. L. (2010). A relação entre trilhas interpretativas, Interpretação Ambiental e Educação Ambiental, e a importância das espécies arbóreas para essas atividades. In: II Simpósio Nacional de Ensino de Ciência e Tecnologia. Universidade Tecnológica Federal do Paraná, UTFPR, p. 1–11. URL: http://www.sinect.com.br/anais2010/artigos/EC/160.pdf. Acesso 08.01.2020.

Teixeira, L. G. P., & Abreu, A. E. S. de. (2018). Conceitos básicos sobre segurança em trabalhos de campo para cursos de graduação em Geologia e Engenharia Geológica. Terræ Didatica, 13(3), 323-331. doi: 10.20396/td.v13i3.8651227. Acesso 19.01.2020.

Tracana, R. B., Lopez, A., Direito, A. F., & Ferreira, M. E. (2018). A descoberta de recursos naturais: uma atividade outdoor com alunos do ensino primário. Terræ Didatica, 14(4), 177-186. doi: 10.20396/td.v14i4.8654196.

Vasconcellos, J. M. O. (2006). Educação e interpretação ambiental em unidades de conservação. Fundação O Boticário de proteção à natureza. Cadernos de Conservação, 3(4).

Vasconcellos, J. M. O. (1998). Avaliação da visitação pública e da eficiência de diferentes tipos de Trilhas Interpretativas do Parque Estadual Pico do Marumbi e Reserva Natural Salto Morato PR. Curitiba, Universidade Federal do Paraná (UFPR), Setor de Ciências Agrárias. 88p. (Tese Doutorado em Engenharia Florestal).

Viveiro, A. A. (2009). As atividades de campo no ensino de ciências: reflexões a partir das perspectivas de um grupo de professores. In: Nardi, R. org. (2009). Ensino de ciências e matemática, I: temas sobre a formação de professores [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica. 258p. URL: http://books.scielo.org/id/g5q2h/pdf/nardi-9788579830044-03.pdf. Acesso 19.01.2020.

Publicado
2020-05-19
Como Citar
Amaral, R. F. do, Ovigli, D. F. B., & Colombo Junior , P. D. (2020). Aprendendo com a Natureza: geodiversidade, atividades audiovisuais e trilhas interpretativas no ensino das Ciências da Terra. Terrae Didatica, 16. https://doi.org/10.20396/td.v16i0.8658702