Banner Portal
Lugares geoeducativos da cidade de Caçapava do Sul (RS) para estudo de Geologia no ensino médio
Entrada monumental da Gruta do Lago Azul, ricamente ornamentada por estalactites e estalagmites, situada no município de Bonito, a E da Serra da Bodoquena e a sudoeste do município de Miranda. A região serrana foi edificada em unidades carbonáticas dos grupos Cuiabá e Corumbá, de idade Neoproterozoica. Fotografia: Adriano Gambarini.
PDF

Palavras-chave

Geosítios
Urbanização
Ensino
Aprender
Geologia urbana

Como Citar

GOMES, Cristiane Heredia; SPERANDIO, Diogo Gabriel; BORGES, Natália Pinheiro; SOARES, Dimitri Tallemberg; SILVA, Gabriel Smith Nunes da; DIAS, Guilherme Pazinato. Lugares geoeducativos da cidade de Caçapava do Sul (RS) para estudo de Geologia no ensino médio. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 16, p. e020032, 2020. DOI: 10.20396/td.v16i0.8658837. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8658837. Acesso em: 18 maio. 2024.

Resumo

Este artigo tem como objetivo descrever vivências obtidas a partir de atividades práticas envolvendo educandos do Ensino Médio, discentes do Curso de Geologia e seus educadores. O objetivo principal dessas atividades foi a seleção e investigação de lugares de interesse geológico com fins didáticos na cidade de Caçapava do Sul, RS, como proposta de ensino-aprendizagem. A observação e seleção dos lugares iniciou com a combinação de desenvolver debates sobre Geologia e cotidiano. Foram selecionados aqueles que estivessem próximos da escola para facilitar a mobilidade das turmas, segurança dos envolvidos e disponibilidade de tempo. Após cinco encontros, onde foi dialogado sobre o ciclo das rochas, Geologia da cidade, cotidiano e técnicas de registro digital e escrito. A participação e envolvimento efetivo dos educandos foi bem distribuída ao longo dos encontros. O engajamento durante as atividades foi positivo, o aprimoramento do aprender a conhecer, a fazer, a viver e a ser dos educandos nas atividades propostas.

https://doi.org/10.20396/td.v16i0.8658837
PDF

Referências

Alonso, A. J., & Díez Herrero, A. (2007). Paseo geológico por los alrededores de la ciudad de Toledo. Toledo: Diputación de Toledo. 91p.

Anguita, F. (1988). Procesos geológicos en las ciudades. Una escuela de observación. Henares Revista de Geología, 2, 265-276. Disponível em: https://eprints.ucm.es/34262/. Acesso em: 22. 10. 2018.

Reschly, A.L., & Chistenson, S. L. (2005). Jingle, Jangle, and Conceptual Haziness: Evolution and Future Directions of the Engagement Construct. In: Christenson, S. L., Reschly, A. L., & Wylie, C. (Ed.). (2005). Handbook of Research on Student Engagement. New York, Dordrecht, Heidelberg, London: Springer. p. 3-19. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Azkananda_Widiasani/publication/310773130_Handbook_of_Student_Engagement/links/5836a0dd08aed45931c772b7/Handbook-of-Student-Engagement.pdf . Acesso em: 10. 12. 2018.

Bach, J., & Brusi, D. (1989). Itinerari de Geologia urbana, Plaça de Catalunya-Museu de Geologia. Perspectiva Escolar. 118(10/1987). Barcelona. ICE da UAB. 20p.

Brasil. MEC. Secretaria de Educação Fundamental (SEF). (1998). PCN Parâmetros curriculares nacionais de Ciências da Natureza/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998. 136p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/ciencias.pdf. Acesso em: 15. 10. 2019.

Brasil. MEC. Secretaria de Educação Fundamental (SEF). (2000). PCN Parâmetros curriculares nacionais no Ensino Médio/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF. 109p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/blegais.pdf. Acesso em: 15. 10. 2019.

Carvalho, B. V. (1980). Literatura Infantil. Estudos. Porto Alegre: Ed. Lotus. 152p.

Corbí, H., Giannetti, A., Baeza-Carratalá, J. F., & Martínez- Martínez, J. (2013). Elaboración de itinerarios geológicos como recurso didáctico en Ciencias de la Tierra. Disponível em: http://rua.ua.es/dspace/handle/10045/31305 Acesso em: 02. 04. 2019.

Culshaw, M. G, & Price, S. J. (2018). A Contribuição da Geologia Urbana ao Desenvolvimento, Recuperação e Conservação de Cidades. São Paulo: Martins Fontes. 138p.

Del Lama, E. A., Bacci, D. L. C., Martins, L., Garcia, M. G. M., & Dehira, L. K. (2015). Urban geotourism and the Old Centre of São Paulo city, Brazil. Geoheritage, 7, 147-164.

Fernández-Martínez, E., Barbadillo, P., Castaño de Luis, R., Marcos, A., Preciado, J. M., & Serrano, E. (2012). Geoturismo en la ciudad de Burgos. Una guía de geologia urbana para todos los públicos. Ayuntamiento de Burgos: Burgos. 101p.

Fettes, D. & Desmons, J. (2014). Rochas Metamórficas: classificação e glossário. Oficina de textos: São Paulo. 313p.

Fredricks, J. A., Blumenfeld, P. C., & Paris, A. H. (2004). School Engagement: Potential of the Concept, State of the Evidence. Review of Educational Research. 74(1): 59-109. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.3102/00346543074001059. Acesso em: 02. 03. 2020.

Gomes, C. H., Dessart, R. L., Sperandio, D. G., Oliveira, J. G., Barroso, I., Xavier, C. F., & Antunes, C. C. (2017). Praticando saberes e construindo ideias em Geociências. Rev. Conexão, 13, 110-119. doi: https://doi.org/10.5212/Rev.Conexao.v.13.i1.0008.

Grebogi, J. S. & Frick, E. C. L. (2014). Explorando imagens do Google Earth para o ensino de geografia: estudo de caso no colégio estadual do campo Eunice Borges da Rocha –ens. fund. e médio. Cadernos PDE. 1, 1-20. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2014/2014_ufpr_geo_artigo_julia_salete_grebogi.pdf. Acesso em: 25. 06. 2020.

Gutiérrez, I. F., Lorenzo, E. de La Calzada. (2016). Lugares de interés geoeducativo en el medio urbano.: Potencialidad de las ciudades para la enseñanza de Geología. Enseñanza de Las Ciencias de La Terra. 2(24):195-201. Disponível em: https://www.raco.cat/index.php/ECT/article/view/312554. Acesso em: 02. 03. 2020.

Le Maitre, R. W. (2002). Igneous Rocks: A Classification and Glossary of Terms. Cambridge University Press: Cambridge. 236p.

Liccardo, A., Mantesso-Neto, V., & Piekarz, G. F. (2012). Geoturismo Urbano: Educação e Cultura. Anuário de Instituto de Geociências UFRJ, 35(1), 133-141. doi: 10.11137/2012_1_133_141.

Martello, A. R., Novais, T., Oleques, L. C., Leal, L. A., & Rosa, A. A. S. da. (2015). Uma experiência de inserção da paleontologia no ensino fundamental em diferentes regiões do Brasil. Terrae Didatica, 11(1), 33-41. doi: 10.20396/td.v11i1.8637308.

Nascimento, M. A. L., Silva, M. L. N., & Bezerra, G. B. (2018). Presença da geodiversidade em itinerário geoturístico no centro histórico de Natal/RN (NE Brasil). Terra Plural, 12(2), 238-253. doi: 10.5212/TerraPlural.v.12i2.0006

Pagel, U. R., Campos, L. M., & Batitucci, M. C. P. (2015). Metodologias e práticas docentes: uma reflexão acerca da contribuição das aulas práticas no processo de ensino aprendizagem de biologia. Experiências em Ensino de Ciências. 10(2), 14-25. Disponível em: http://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID273/v10_n2_a2015.pdf. Acesso em: 02. 03. 2020.

Pereira, J. S., & Silva, R. G. S. O. (2012). Ensino da Geomorfologia na Educação Básica a partir do Cotidiano do Aluno e o Uso de Ferramentas Digitais como Recurso Didático. Revista de Ensino de Geografia. 3(4): 69-79. Disponível em: http://www.revistaensinogeografia.ig.ufu.br/N.4/art5v3n4.pdf.

Pereira, S. Y., Gonçalves, P. W., & Campos, H. C. N. S. (2011). Uma proposta prática de aprendizado para a disciplina de Geologia Urbana. Terrae Didatica, 7(1), 49-59. doi: 10.20396/td.v7i1.8637441.

Possobom, C. C. F., & Okada, F. K., Diniz, R. E. S. (2003). Atividades práticas de laboratório no Ensino de Biologia e de Ciências: relato de uma experiência. In: Garcia W.G., & Guedes A. M. (Eds.). (2003). Núcleos de ensino. São Paulo: Unesp. Pró-Reitoria de Graduação. p. 113-123.

Regueiro, M. (2008). Los minerales industriales en la vida cotidiana. Enseñanza de las Ciencias de la Tierra. 16(3): 276-286. Disponível em: https://www.raco.cat/index.php/ECT/article/view/164750/216755%20. Acesso em: 02. 03. 2019.

Rodriguez, S. K. (1998). Geologia urbana da região metropolitana de São Paulo. Tese (Doutorado), São Paulo, Instituto de Geociências, Universidade de São Paulo. doi: 10.11606/T.44.1998.tde-19112015-093141.

Salvador, A. D. (1986). Métodos e técnicas de pesquisa bibliográfica. Porto Alegre: Sulina. 239p.

Santolin, A. S., & Brandenburg, L. T. M. (2013). O Ensino da Biologia: Atividades Experimentais como Possibilidade de uma melhor Aprendizagem. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/. Acesso em: 15. 11. 2019.

Sereia, D. A. de O., & Piranha, M. M. (2010). Aulas práticas investigativas: um a experiência no ensino fundamental para a formação de alunos participativos. Secretaria Estadual de Educação do Estado do Paraná – SEED/PR. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/diaadia/diadia/arquivos/File/conteudo/artigos_teses/Ciencias/. Acesso em: 22. 07. 2018.

Silva, E. R. A., Marques, S. G., Perceval, V. O., & Gomes, C. H. (2017). Utilização da abordagem temática em aulas de Ciências: relato de experiência em sala de aula. Experiências em Ensino de Ciências, 12(5), 293-301. Disponível em: http://if.ufmt.br/eenci/artigos/Artigo_ID395/v12_n5_a2017.pdf. Acesso em: 22. 07. 2017.

Silva, R. G. P., & Mansur, K. L. (2017). Proposta de roteiro para a prática de geoturismo urbano e para a geoeducação no centro da cidade do Rio de Janeiro. Anais do IV Simpósio Brasileiro de Patrimônio Geológico e II Encontro Luso-Brasileiro de Patrimônio Geomorfológico e Geoconservação. Ponta Grossa, Brasil. p. 482-486.

Sperandio, D. G., Gomes, C. H., & Viçozzi, A. P. (2020). Mapa geológico interativo: proposta para ensino de Geociências. Terræ Didatica, 16, 1-5, e020019. doi: 10.20396/td.v16i0.8658885.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Terrae Didatica

Downloads

Não há dados estatísticos.