Banner Portal
Argamassas das ruínas do Matadouro Imperial de Santa Cruz
Entrada monumental da Gruta do Lago Azul, ricamente ornamentada por estalactites e estalagmites, situada no município de Bonito, a E da Serra da Bodoquena e a sudoeste do município de Miranda. A região serrana foi edificada em unidades carbonáticas dos grupos Cuiabá e Corumbá, de idade Neoproterozoica. Fotografia: Adriano Gambarini.
PDF

Palavras-chave

Cal
Guaratiba
Sepetiba
História da mineração
Patrimônio

Como Citar

ALMEIDA, S.; IZAIAS, M. G. S. . Argamassas das ruínas do Matadouro Imperial de Santa Cruz: conectando História e Geologia. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 16, p. e020034, 2020. DOI: 10.20396/td.v16i0.8659625. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8659625. Acesso em: 4 mar. 2024.

Resumo

O Matadouro Imperial de Santa Cruz foi inaugurado em 1881 e era responsável pelo abastecimento da carne consumida na cidade do Rio de Janeiro. Após sua desativação, alguns de seus edifícios foram tombados como tipologias da revolução industrial no Brasil. Análises de argamassas de quatro dessas construções, hoje conhecidas como as “Ruínas do Matadouro”, identificaram quartzo e calcita como constituintes principais. Fragmentos de conchas e carvão revelam que a cal utilizada como aglutinante foi obtida por meio da calcinação de moluscos, uma técnica utilizada na região desde o século XVIII, quando a Fazenda Santa Cruz pertencia a Companhia de Jesus. Os dados técnicos integrados à pesquisa histórica indicam serem os depósitos sedimentares locais as fontes tanto das conchas como das areias utilizadas na formulação das argamassas. Os depósitos da Areia Branca e da Praia da Brisa, áreas atualmente urbanizadas, destacam-se como os mais prováveis locais de extração.

https://doi.org/10.20396/td.v16i0.8659625
PDF

Referências

Abreu, S. F. (1957). O Distrito Federal e seus recursos naturais. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia. 318p.

Almanak Laemmert. (1896). Almanak Laemmert. Edição 53. (1) Rio de Janeiro: Companhia Typographica do Brazil. 462p.

Almanak Laemmert. (1924). Almanak Laemmert. Edição 80. Rio de Janeiro: A. Hénaut &Cia. 5250p.

Almanak Laemmert. (1934). Almanak Laemmert. Edição 90. (1). Rio de Janeiro: Empresa Almake Laemmert Ltda. 294p.

Backheuser, E. (1945). Os Sambaquis do Distrito Federal. Trans. Conf. pronunciada em 10 de outubro de 1918 na Escola Politécnica. Boletim Geográfico, 3(32), 1058-1068.

Bauer, L. A. (1987). Materiais de Construção 1. São Paulo: Livros Técnicos e Científicos Editora. 403p.

Beltrão, M. C. M. C. (1978). Pré-história do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária. 276p.

Cavalcanti, N. (2003). Santa Cruz uma paixão. Rio de Janeiro: Relume Dumará Ed. 62p.

Cunha, E. M. S. (1965).Sambaquis do Litoral Carioca. Revista Brasileira de Geografia, 27 (1), 3-70.

¬¬Cunha, E. S. (1963). Sambaquis e outras jazidas arqueológicas. Paleontologia Dentária e outros assuntos. Rio de Janeiro: Editora Científica. 154p. In: Beltrão, M. C. M. C. (1978). Pré-história do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária. 276p.

Debret, J. B. (1989).[1835] Viagem pitoresca e histórica ao Brasil. Tomo III. São Paulo: Editora USP. 272p.

Faria, L. A. (2015). Estudo Petrográfico e Arqueológico das Ruínas do Matadouro Imperial de Santa Cruz. Seropédica. UFRRJ. 76p. (Monografia).

Freitas, B. (1977).O Matadouro de Santa Cruz - Cem Anos a Serviço de uma Comunidade. Rio de Janeiro: Edição do Autor. 136p.

Freitas, B. (1985). História de Santa Cruz. I. A Era Jesuítica (1567-1759). Rio de Janeiro: Edição do Autor. 287p.

Freitas, B. (1987). História de Santa Cruz. III. Império (1822-1889). Rio de Janeiro: Edição do autor. 645p.

Gama, J. S. (1875). História da Fazenda Imperial de Santa Cruz. Revista do IHGB, 38 (2), 165-230.

Jornal do Brasil. (1975). (01,05,1975). Edição 23, p. 16. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/030015_09/121709. Acesso em: 05.09.2019

Kanan, M. I. (2008). Manual de conservação e intervenção em argamassas e revestimentos à base de cal. Brasília: IPHAN. Programa Monumenta. Cadernos Técnicos. 172p.

Leite, S. S. (1953). Artes e ofícios dos jesuítas no Brasil. (1549-1760). Rio de Janeiro: Edições Brotéria. Lisboa: Editora Livros de Portugal. 324p.

Lodi, C. (Coord.). (2008). Guia do Patrimônio Cultural Carioca. Bens Tombados Rio de Janeiro. Prefeitura do Rio de Janeiro. 263p.

Ministério do Exército. (1987). Santa Cruz. 1:50.000. Cartografia. Folhas SF 23-Z-A-VI-4 e SF 23-Z-C-II-Z. Rio de Janeiro. Departamento de Engenharia e Comunicações. Brasil. Diretoria do Serviço Geográfico.

Munsell, A. H. (1950). Munsell soil color charts. Maryland: Macbeth Division of Kollmorgen Corporation. Baltimore Ed. 117p.

Pohl, J. E. (1976). [1832]Viagem ao interior do Brasil. São Paulo: Edusp. 417p.

Powers, M. C. (1953). A new roundness scale for sedimentary particles. Journal of Sedimentary Research. 23(2), 117-119

Rosa, A. F. (1995). História de Sepetiba. Rio de Janeiro: Imprensa Oficial do Rio de Janeiro. 80p.

Saint-Hilaire, A. (1975).[1830] Viagem pelas províncias do Rio de Janeiro e Minas Gerais. São Paulo: Editora Universidade de São Paulo. 378p.

Sauer, A. (Org.) (1891). Almanak Laemmert. Edição 48. Rio de Janeiro: Companhia Typographica do Brazil. 2171p.

Serviço Geográfico Militar. (1922). Carta do Districto Federal. 1:25.000. Rio de Janeiro. Serviço Geográfico Militar

Souza, G. S. (1879). Tratado Descriptivo do Brasil em 1587. Rio de Janeiro: Typographia de João Ignacio da Silva. 383p.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Terrae Didatica

Downloads

Não há dados estatísticos.