Banner Portal
Percepção de estudantes de Engenharia Ambiental sobre a contribuição das atividades extraclasse em sua formação acadêmico-profissional
Entrada monumental da Gruta do Lago Azul, ricamente ornamentada por estalactites e estalagmites, situada no município de Bonito, a E da Serra da Bodoquena e a sudoeste do município de Miranda. A região serrana foi edificada em unidades carbonáticas dos grupos Cuiabá e Corumbá, de idade Neoproterozoica. Fotografia: Adriano Gambarini.
PDF

Palavras-chave

Engenharias
Análise de conteúdo
Escala Likert
Ensino Superior

Como Citar

ZAGO, Juliane Pereira; BORGES ROCHA, Marcelo; COSTA, Pedro Miguel Marques da. Percepção de estudantes de Engenharia Ambiental sobre a contribuição das atividades extraclasse em sua formação acadêmico-profissional. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 16, p. e020033, 2020. DOI: 10.20396/td.v16i0.8659791. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8659791. Acesso em: 14 abr. 2024.

Resumo

As atividades extraclasse são importantes para agregar novas experiências, conhecimentos e oportunidades. Assim, o presente estudo analisou a percepção de estudantes de Engenharia Ambiental sobre as contribuições destas atividades em sua formação acadêmico-profissional. Foi aplicado um questionário a 100 estudantes, contendo perguntas abertas e fechadas, neste caso utilizou-se a Escala Likert de cinco pontos. A maioria dos alunos é do gênero masculino, possui de 17 a 22 anos e concorda plenamente com o fato de que as atividades extraclasse são importantes por ampliar as opções para a atuação profissional. Os estudantes que já haviam participado de palestras, saídas de campo e workshops, por exemplo, destacaram a relevância das atividades para sua formação. Os resultados do estudo sinalizam a necessidade de se aprofundar a discussão sobre a importância das atividades extraclasse, tendo em vista sua contribuição para a formação acadêmica e profissional dos estudantes.

https://doi.org/10.20396/td.v16i0.8659791
PDF

Referências

Alonso, R. R. P., & Alonso, A. A. (2014). O Papel do Engenheiro Ambiental na Construção da Sustentabilidade. Revista Eletrônica de Educação da Faculdade Araguaia, 201-204. Disponível em: http://www.fara.edu.br/sipe/index.php/renefara/article/view/200/183. Acesso em: 01.05.2020.

Araujo, F. J. C., Bezera, I. V., Pinto, J. B. S de S., Vasconcelos, M. L. S., Pessoa, T. A. Q., & Silva, T. D. (2013). A Engenharia a serviço da Ética, Sociedade e Meio Ambiente. In: XLI Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia. Gramado (RS). p. 1-10. Disponível em: https://www.unidep.edu.br/engenharia-eletrica/congresso/pdf/118669_1.pdf. Acesso em: 03.05.2020.

Assumpção, G. de. S., Hamada, P. C., & Castro, A. de. C. (2018). Análise do perfil dos alunos do primeiro curso de EAD em engenharia de produção em instituição de ensino superior pública. Florianópolis (SC), Revista Produção Online, 18(2), 404-423. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/325800267_Analise_do_perfil_dos_alunos_do_primeiro_curso_de_ead_em_engenharia_de_producao_em_instituicao_de_ensino_superior_publica. Acesso em: 19.05.2020.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo: edição revista e ampliada. São Paulo: Edições 70. 277p.

Bigotto, A. C. (2008). Educação Ambiental e o desenvolvimento de atividades de ensino na escola pública. Dissertação (Mestrado), São Paulo: Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo. 135p. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-12062008-152040/publico/DissertacaoAntonioCesarBigotto.pdf. Acesso em: 18.05.2020.

Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea). (1973). Resolução nº 218, de 29 de junho de 1973. Discrimina atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. Brasília, DF: Confea. Disponível em: http://normativos.confea.org.br/downloads/0218-73.pdf. Acesso em: 20.04.2020.

Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea). (2000). Resolução nº 447, de 22 de setembro de 2000. Dispõe sobre o registro profissional do engenheiro ambiental e discrimina suas atividades profissionais. Brasília, DF: Confea. Disponível em: http://normativos.confea.org.br/downloads/0447-00.pdf. Acesso em: 20.04.2020.

Cruvinel, K. A., Marçal, D. R., & Lima, Y. C. R. (2014). Evolução da Engenharia Ambiental no Brasil. V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental. Belo Horizonte (MG), 1-4. Disponível em: https://www.ibeas.org.br/congresso/Trabalhos2014/XI-028.pdf. Acesso em: 21.05.2020.

Dick, A. P., Silva, J. C. R. da, Henckes, S. B. R., Marchi, M. I. & Strohschoen, A. A. G. (2020). Saídas de campo: uma possibilidade para o ensino de matemática. Research, Society and Development, 9(1), 1-18. doi: 10.33448/rsd-v9i1.1563.

Falcão, W. S., & Pereira, T. B. (2009). A aula de campo na formação crítico/cidadã do aluno: uma alternativa para o ensino de geografia. In: 10º Encontro Nacional de Prática de Ensino em Geografia (ENPEG). p. 1-21. Disponível em: http://docplayer.com.br/22646088-A-aula-de-campo-na-formacao-critico-cidada-do-aluno-uma-alternativa-para-o-ensino-de-geografia.html. Acesso em: 23.06.2020.

Figueiredo, J. L., Aquino, A. F. C. de., Andrade, E. N. de., & Rosas, L. S. (2016). A importância da participação dos estudantes do ensino superior em eventos científicos para sua formação. In: III Congresso Nacional de Educação (CONEDU). p. 1-10. Disponível em: https://editorarealize.com.br/revistas/conedu/trabalhos/TRABALHO_EV056_MD4_SA4_ID2844_15082016151347.pdf. Acesso em: 04.05.2020.

Filho, A. J. S. R., Andrade, B. B., Mendonça, V. R. R. de., & Barral-Netto, M. (2010). Conhecimento científico na graduação do Brasil: comparação entre estudantes de Medicina e Direito. Einstein. 8(3 pt 1), 273-280. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/eins/v8n3/pt_1679-4508-eins-8-3-0273.pdf. Acesso em: 21.06.2020.

Gerhard, A. C., & Filho, J. B. da R. (2012). A fragmentação dos saberes na educação científica escolar na percepção de professores de uma escola de ensino médio. Investigações em Ensino de Ciências, 17(1), 125-145. Disponível em: https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/download/210/144. Acesso em: 20.06.2020.

Hencklein, F. A. (2013). Aulas de campo: uma estratégia de ensino necessária? In: Atas do IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – IX ENPEC. Águas de Lindóia (SP), 1-8. Disponível em: http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/ixenpec/atas/resumos/R1623-1.pdf. Acesso em: 01.05.2020.

Lei nº 6.545. (1978). Dispõe sobre a transformação das Escolas Técnicas Federais de Minas Gerais, do Paraná e Celso Suckow da Fonseca em Centros Federais de Educação Tecnológica e dá outras providências. Brasília, DF. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6545.htm. Acesso em: 26.04.2020.

Likert, R. (1932). A technique for the measurement of attitudes. Archives of Psychology, 22(140), 1-55.

Lima, M. R. P. de., Lima, J. Q., Alcântara, P. B., Cruz, W. T da., Oliveira, J. L., Barros, F. C. N., ..., & Oliveira, L. C. de. (2015). Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental. Juazeiro do Norte, CE. Juazeiro do Norte, CE: IFCE. 194p. Disponível em: https://ifce.edu.br/juazeirodonorte/campus_juazeiro/cursos/superiores/bacharelados/engenhariaambiental/pdf/projeto-pedagogico-bacharelado-em-engenharia-ambiental.pdf/@@download/file/Projeto%20pedag%C3%B3gico%20Bacharelado%20em%20Engenharia%20Ambiental.pdf. Acesso em: 04.05.2020.

Lima, R. A., & Braga, A. G. S. (2014). A Relação da Educação Ambiental com as Aulas de Campo e o Conteúdo de Biologia no Ensino Médio. Santa Maria, Revista do Centro de Ciências Naturais e Exatas, UFSM, 18(4), 1345-1350. doi: 10.5902/2236117014799.

Mello, M. F., Jung, P. L., & Stamm, G. R. (2017). Perfil e expectativas dos acadêmicos de Engenharia de Produção de uma universidade federal. São Paulo, Exacta, 15(3), 471-486. doi: 10.5585/ExactaEP.v15n3.7034.

Monezi, C. A., & Almeida Filho, O. C. de. (2005). A Visita Técnica como Recurso Metodológico aplicado ao curso de Engenharia. In: XXXIII Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia, Campina Grande (PB), 1-7. Disponível em: http://www.abenge.org.br/cobenge/arquivos/14/artigos/SP-5-04209359831-1118661953275.pdf. Acesso em: 01.05.2020.

Pacheco, R. C. S., Sell, D., Steil, A. V., Ceci, F., Fernandes, V., & Andreoli, C. V. (2015). A Revista Engenharia Sanitária e Ambiental no Sistema Brasileiro de Ciência, Tecnologia e Inovação. Revista Engenharia Sanitária e Ambiental. 20(1), 1-16. doi: 10.1590/S1413-41522015020000132891.

Parente, T. C., Cabral, A. C. de. A., Andrade, A. G. de., Bonadies, G. R. M., & Pessoa, M. N. M. (2009). A Importância da Prática no Ensino: a Opinião dos Alunos de Administração de uma Instituição de Ensino Superior. In: II Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade. Curitiba (PR). p. 1-15. Disponível em: http://www.anpad.org.br/admin/pdf/EnEPQ130.pdf. Acesso em: 21.05.2020.

Pereira, R. A. (2013). A importância da Iniciação Científica na formação acadêmica e profissional do aluno. In: III Congresso de Iniciação Científica na Faculdade Batista de Minas Gerais (FBMG). p. 1-11. Disponível em: http://periodicos.redebatista.edu.br/index.php/DP/article/download/252/191. Acesso em: 02.05.2020.

Pileggi, G. C. F., Mendes, J. V., Gramani, M. C. N., & Theophilo Junior, R. (2005). Formação do Engenheiro de Produção: Participação Discente em Atividades Complementares. In: XXXIII Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia (COBENGE). Campina Grande (PB). p. 1-7. Disponível em: http://www.abenge.org.br/cobenge/arquivos/14/artigos/SP-3-18647171810-1119055555555.pdf. Acesso em: 21.06.2020.

Pinheiro, A. C. da F. B. P., & Vieira, J. L. (2003). As Atividades Complementares nos cursos de Engenharia como Agentes Integradores na Formação Profissional. In: XXXI Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia (COBENGE), Rio de Janeiro (RJ). p. 1-9. Disponível em: http://www.abenge.org.br/cobenge/arquivos/16/artigos/DCS317.pdf. Acesso em: 01.05.2020.

Reis, E. F. F., Pastana, C. de O., Henckes, S. B. R., Marchi, M. I., & Strohschoen, A. A. G. (2017). Saídas a Campo: Possibilidades de Ensino e Aprendizagem em Ambiente Não Formal. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Ciência em Tela, 10(1), 1-11. Disponível em: http://www.cienciaemtela.nutes.ufrj.br/artigos/1001es.pdf. Acesso em: 04.05.2020.

Scheidemantel, S. E., Klein, R., & Teixeira, L. I. (2004). A importância da extensão universitária: o Projeto Construir. In: Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte, 1-6. Disponível em: https://www.ufmg.br/congrext/Direitos/Direitos5.pdf. Acesso em: 04.05.2020.

Silva Junior, S. D., & Costa, F. J. (2014). Mensuração e Escalas de Verificação: uma Análise Comparativa das Escalas de Likert e Phrase Completion. São Paulo, Revista Brasileira de Pesquisas de Marketing, Opinião e Mídia, PMKT, 15, 1-16. Disponível em: http://www.revistapmkt.com.br/Portals/9/Volumes/15/1_Mensura%C3%A7%C3%A3o%20e%20Escalas%20de%20Verifica%C3%A7%C3%A3o%20uma%20An%C3%A1lise%20Comparativa%20das%20Escalas%20de%20Likert%20e%20Phrase%20Completion.pdf. Acesso em: 03.05.2020.

Souza, C. F. de., Ferreira, A. M.G., Silva, C. da., Chaves, F. F., & Silva, P. H. G. da. (2012). O papel da visita técnica na educação profissional: estudo de caso no Campus Araguatins do Instituto Federal do Tocantins. In: VII Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação (CONNEPI). Palmas (TO). p. 1-5. Disponível em: http://propi.ifto.edu.br/ocs/index.php/connepi/vii/paper/viewFile/3806/2732. Acesso em: 22.06.2020.

Tischner, A. B. (2018). A Saída de Campo como Estratégia Metodológica para desenvolver Educação Ambiental no Ensino Formal. Universidade Tecnológica Federal do Paraná (Monografia). p. 1-38. Disponível em: https://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/15844/1/saidacampoestrategiametodologica.pdf. Acesso em: 19.06.2020.

Viveiro, A. A. (2006). Atividades de campo no ensino das ciências: investigando concepções e práticas de um grupo de professores. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista. 172p. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/90877/viveiro_aa_me_bauru.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 20.02.2020.

Yoder, B. L. (2017). Engineering by the Numbers. American Society for Engineering Education (ASEE), 37p. Disponível em: https://www.asee.org/documents/papers-and-publications/publications/college-profiles/2017-Engineering-by-Numbers-Engineering-Statistics.pdf. Acesso em: 05.05.2020.

Yoder, B. L. (2018). Engineering by the Numbers. American Society for Engineering Education (ASEE), 40p. Disponível em: https://www.asee.org/documents/papers-and-publications/publications/college-profiles/2018-Engineering-by-Numbers-Engineering-Statistics-UPDATED-15-July-2019.pdf. Acesso em: 05.05.2020.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Terrae Didatica

Downloads

Não há dados estatísticos.