Percepção de estudantes de Engenharia Ambiental sobre a contribuição das atividades extraclasse em sua formação acadêmico-profissional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v16i0.8659791

Palavras-chave:

Engenharias, Ensino superior, Análise de conteúdo, Escala Likert

Resumo

As atividades extraclasse são importantes para agregar novas experiências, conhecimentos e oportunidades. Assim, o presente estudo analisou a percepção de estudantes de Engenharia Ambiental sobre as contribuições destas atividades em sua formação acadêmico-profissional. Foi aplicado um questionário a 100 estudantes, contendo perguntas abertas e fechadas, neste caso utilizou-se a Escala Likert de cinco pontos. A maioria dos alunos é do gênero masculino, possui de 17 a 22 anos e concorda plenamente com o fato de que as atividades extraclasse são importantes por ampliar as opções para a atuação profissional. Os estudantes que já haviam participado de palestras, saídas de campo e workshops, por exemplo, destacaram a relevância das atividades para sua formação. Os resultados do estudo sinalizam a necessidade de se aprofundar a discussão sobre a importância das atividades extraclasse, tendo em vista sua contribuição para a formação acadêmica e profissional dos estudantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliane Pereira Zago, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca

Graduanda em Engenharia Ambiental pelo Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca

Marcelo Borges Rocha, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca

Doutor em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pós-Doutorado pela Fundação Getúlio Vargas. Professor pelo Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca.

Pedro Miguel Marques da Costa, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca

Doutorando em Ciência, Tecnologia e Educação pelo Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca. Professor das disciplinas de Física, Química e Ciências do Ambiente no ensino fundamental e ensino médio

Referências

Alonso, R. R. P., & Alonso, A. A. (2014). O Papel do Engenheiro Ambiental na Construção da Sustentabilidade. Revista Eletrônica de Educação da Faculdade Araguaia, 201-204. Disponível em: http://www.fara.edu.br/sipe/index.php/renefara/article/view/200/183. Acesso em: 01. 05. 2020.

Araujo, F. J. C., Bezera, I. V., Pinto, J. B. S de S., Vasconcelos, M. L. S., Pessoa, T. A. Q., & Silva, T. D. (2013). A Engenharia a serviço da Ética, Sociedade e Meio Ambiente. In: XLI Congresso Brasileiro de Educação em Engenharia. Gramado (RS). p. 1-10. Disponível em: https://www.unidep.edu.br/engenharia-eletrica/congresso/pdf/118669_1.pdf. Acesso em: 03. 05. 2020.

Assumpção, G. de. S., Hamada, P. C., & Castro, A. de. C. (2018). Análise do perfil dos alunos do primeiro curso de EAD em engenharia de produção em instituição de ensino superior pública. Florianópolis (SC), Revista Produção Online, 18(2), 404-423. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/325800267_Analise_do_perfil_dos_alunos_do_primeiro_curso_de_ead_em_engenharia_de_producao_em_instituicao_de_ensino_superior_publica. Acesso em: 19. 05. 2020.

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo: edição revista e ampliada. São Paulo: Edições 70. 277p.

Bigotto, A. C. (2008). Educação Ambiental e o desenvolvimento de atividades de ensino na escola pública. Dissertação (Mestrado), São Paulo: Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo. 135p. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-12062008-152040/publico/DissertacaoAntonioCesarBigotto.pdf. Acesso em: 18. 05. 2020.

Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea). (1973). Resolução nº 218, de 29 de junho de 1973. Discrimina atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. Brasília, DF: Confea. Disponível em: http://normativos.confea.org.br/downloads/0218-73.pdf. Acesso em: 20. 04. 2020.

Conselho Federal de Engenharia e Agronomia (Confea). (2000). Resolução nº 447, de 22 de setembro de 2000. Dispõe sobre o registro profissional do engenheiro ambiental e discrimina suas atividades profissionais. Brasília, DF: Confea. Disponível em: http://normativos.confea.org.br/downloads/0447-00.pdf. Acesso em: 20. 04. 2020.

Cruvinel, K. A., Marçal, D. R., & Lima, Y. C. R. (2014). Evolução da Engenharia Ambiental no Brasil. V Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental. Belo Horizonte (MG), 1-4. Disponível em: https://www.ibeas.org.br/congresso/Trabalhos2014/XI-028.pdf. Acesso em: 21. 05. 2020.

Dick, A. P., Silva, J. C. R. da, Henckes, S. B. R., Marchi, M. I. & Strohschoen, A. A. G. (2020). Saídas de campo: uma possibilidade para o ensino de matemática. Research, Society and Development. 9(1), 1-18. doi: 10.33448/rsd-v9i1.1563.

Falcão, W. S., & Pereira, T. B. (2009). A aula de campo na formação crítico/cidadã do aluno: uma alternativa para o ensino de geografia. In: 10º Encontro Nacional de Prática de Ensino em Geografia (ENPEG). p. 1-21. Disponível em: http://docplayer.com.br/22646088-A-aula-de-campo-na-formacao-critico-cidada-do-aluno-uma-alternativa-para-o-ensino-de-geografia.html. Acesso em: 23. 06. 2020.

Figueiredo, J. L., Aquino, A. F. C. de., Andrade, E. N. de., & Rosas, L. S. (2016). A importância da participação dos estudantes do ensino superior em eventos científicos para sua formação. In: III Congresso Nacional de Educação (CONEDU). p. 1-10. Disponível em: https://editorarealize.com.br/revistas/conedu/trabalhos/TRABALHO_EV056_MD4_SA4_ID2844_15082016151347.pdf. Acesso em: 04. 05. 2020.

Filho, A. J. S. R., Andrade, B. B., Mendonça, V. R. R. de., & Barral-Netto, M. (2010). Conhecimento científico na graduação do Brasil: comparação entre estudantes de Medicina e Direito. Einstein. 8(3 pt 1), 273-280. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/eins/v8n3/pt_1679-4508-eins-8-3-0273.pdf. Acesso em: 21. 06. 2020.

Gerhard, A. C., & Filho, J. B. da R. (2012). A fragmentação dos saberes na educação científica escolar na percepção de professores de uma escola de ensino médio. Investigações em Ensino de Ciências, 17(1), 125-145. Disponível em: https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/download/210/144. Acesso em: 20. 06. 2020.

Hencklein, F. A. (2013). Aulas de campo: uma estratégia de ensino necessária?. In: Atas do IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – IX ENPEC. Águas de Lindóia (SP), 1-8. Disponível em: http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/ixenpec/atas/resumos/R1623-1.pdf. Acesso em: 01. 05. 2020.

Lei nº 6.545. (1978). Dispõe sobre a transformação das Escolas Técnicas Federais de Minas Gerais, do Paraná e Celso Suckow da Fonseca em Centros Federais de Educação Tecnológica e dá outras providências. Brasília, DF. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L6545.htm. Acesso em: 26. 04. 2020.

Likert, R. (1932). A technique for the measurement of attitudes. Archives of Psychology, 22(140), 1-55.

Lima, M. R. P. de., Lima, J. Q., Alcântara, P. B., Cruz, W. T da., Oliveira, J. L., Barros, F. C. N., ..., & Oliveira, L. C. de. (2015). Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Engenharia Ambiental. Juazeiro do Norte, CE. Juazeiro do Norte, CE: IFCE. 194p. Disponível em: https://ifce.edu.br/juazeirodonorte/campus_juazeiro/cursos/superiores/bacharelados/engenhariaambiental/pdf/projeto-pedagogico-bacharelado-em-engenharia-ambiental.pdf/@@download/file/Projeto%20pedag%C3%B3gico%20Bacharelado%20em%20Engenharia%20Ambiental.pdf. Acesso em: 04. 05. 2020.

Lima, R. A., & Braga, A. G. S. (2014). A Relação da Educação Ambiental com as Aulas de Campo e o Conteúdo de Biologia no Ensino Médio. Santa Maria, Revista do Centro de Ciências Naturais e Exatas, UFSM, 18(4), 1345-1350. doi: 10.5902/2236117014799.

Mello, M. F., Jung, P. L., & Stamm, G. R. (2017). Perfil e expectativas dos acadêmicos de Engenharia de Produção de uma universidade federal. São Paulo, Exacta, 15(3), 471-486. doi: 10.5585/ExactaEP.v15n3.7034.

Monezi, C. A., & Almeida Filho, O. C. de. (2005). A Visita Técnica como Recurso Metodológico aplicado ao curso de Engenharia. In: XXXIII Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia, Campina Grande (PB), 1-7. Disponível em: http://www.abenge.org.br/cobenge/arquivos/14/artigos/SP-5-04209359831-1118661953275.pdf. Acesso em: 01. 05. 2020.

Pacheco, R. C. S., Sell, D., Steil, A. V., Ceci, F., Fernandes, V., & Andreoli, C. V. (2015). A Revista Engenharia Sanitária e Ambiental no Sistema Brasileiro de Ciência, Tecnologia e Inovação. Revista Engenharia Sanitária e Ambiental. 20(1), 1-16. doi: 10.1590/S1413-41522015020000132891.

Parente, T. C., Cabral, A. C. de. A., Andrade, A. G. de., Bonadies, G. R. M., & Pessoa, M. N. M. (2009). A Importância da Prática no Ensino: a Opinião dos Alunos de Administração de uma Instituição de Ensino Superior. In: II Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade. Curitiba (PR). p. 1-15. Disponível em: http://www.anpad.org.br/admin/pdf/EnEPQ130.pdf. Acesso em: 21. 05. 2020.

Pereira, R. A. (2013). A importância da Iniciação Científica na formação acadêmica e profissional do aluno. In: III Congresso de Iniciação Científica na Faculdade Batista de Minas Gerais (FBMG). p. 1-11. Disponível em: http://periodicos.redebatista.edu.br/index.php/DP/article/download/252/191. Acesso em: 02. 05. 2020.

Pileggi, G. C. F., Mendes, J. V., Gramani, M. C. N., & Theophilo Junior, R. (2005). Formação do Engenheiro de Produção: Participação Discente em Atividades Complementares. In: XXXIII Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia (COBENGE). Campina Grande (PB). p. 1-7. Disponível em: http://www.abenge.org.br/cobenge/arquivos/14/artigos/SP-3-18647171810-1119055555555.pdf. Acesso em: 21. 06. 2020.

Pinheiro, A. C. da F. B. P., & Vieira, J. L. (2003). As Atividades Complementares nos cursos de Engenharia como Agentes Integradores na Formação Profissional. In: XXXI Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia (COBENGE), Rio de Janeiro (RJ). p. 1-9. Disponível em: http://www.abenge.org.br/cobenge/arquivos/16/artigos/DCS317.pdf. Acesso em: 01. 05. 2020.

Reis, E. F. F., Pastana, C. de O., Henckes, S. B. R., Marchi, M. I., & Strohschoen, A. A. G. (2017). Saídas a Campo: Possibilidades de Ensino e Aprendizagem em Ambiente Não Formal. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Ciência em Tela, 10(1), 1-11. Disponível em: http://www.cienciaemtela.nutes.ufrj.br/artigos/1001es.pdf. Acesso em: 04. 05. 2020.

Scheidemantel, S. E., Klein, R., & Teixeira, L. I. (2004). A importância da extensão universitária: o Projeto Construir. In: Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte, 1-6. Disponível em: https://www.ufmg.br/congrext/Direitos/Direitos5.pdf. Acesso em: 04. 05. 2020.

Silva Junior, S. D., & Costa, F. J. (2014). Mensuração e Escalas de Verificação: uma Análise Comparativa das Escalas de Likert e Phrase Completion. São Paulo, Revista Brasileira de Pesquisas de Marketing, Opinião e Mídia, PMKT, 15, 1-16. Disponível em: http://www.revistapmkt.com.br/Portals/9/Volumes/15/1_Mensura%C3%A7%C3%A3o%20e%20Escalas%20de%20Verifica%C3%A7%C3%A3o%20uma%20An%C3%A1lise%20Comparativa%20das%20Escalas%20de%20Likert%20e%20Phrase%20Completion.pdf. Acesso em: 03. 05. 2020.

Souza, C. F. de., Ferreira, A. M.G., Silva, C. da., Chaves, F. F., & Silva, P. H. G. da. (2012). O papel da visita técnica na educação profissional: estudo de caso no Campus Araguatins do Instituto Federal do Tocantins. In: VII Congresso Norte Nordeste de Pesquisa e Inovação (CONNEPI). Palmas (TO). p. 1-5. Disponível em: http://propi.ifto.edu.br/ocs/index.php/connepi/vii/paper/viewFile/3806/2732. Acesso em: 22. 06. 2020.

Tischner, A. B. (2018). A Saída de Campo como Estratégia Metodológica para desenvolver Educação Ambiental no Ensino Formal. Universidade Tecnológica Federal do Paraná (Monografia). p. 1-38. Disponível em: https://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/15844/1/saidacampoestrategiametodologica.pdf. Acesso em: 19. 06. 2020.

Viveiro, A. A. (2006). Atividades de campo no ensino das ciências: investigando concepções e práticas de um grupo de professores. Dissertação (Mestrado). Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista. 172p. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/90877/viveiro_aa_me_bauru.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 20. 02. 2020.

Yoder, B. L. (2017). Engineering by the Numbers. American Society for Engineering Education (ASEE), 37p. Disponível em: https://www.asee.org/documents/papers-and-publications/publications/college-profiles/2017-Engineering-by-Numbers-Engineering-Statistics.pdf. Acesso em: 05. 05. 2020.

Yoder, B. L. (2018). Engineering by the Numbers. American Society for Engineering Education (ASEE), 40p. Disponível em: https://www.asee.org/documents/papers-and-publications/publications/college-profiles/2018-Engineering-by-Numbers-Engineering-Statistics-UPDATED-15-July-2019.pdf. Acesso em: 05. 05. 2020.

Downloads

Publicado

2020-07-01

Como Citar

ZAGO, J. P.; BORGES ROCHA, M.; COSTA, P. M. M. da. Percepção de estudantes de Engenharia Ambiental sobre a contribuição das atividades extraclasse em sua formação acadêmico-profissional. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 16, p. e020033, 2020. DOI: 10.20396/td.v16i0.8659791. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8659791. Acesso em: 26 nov. 2020.