The Relação de comunidades do entorno com as Unidades de Conservação

tendências em estudos brasileiros

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v16i0.8660516

Palavras-chave:

Áreas protegidas, Espaço não formal, População local, Educação ambiental

Resumo

Este estudo buscou apresentar e caracterizar aspectos de um levantamento de publicações do Catálogo de Teses e Dissertações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), defendidas entre 2013 a 2019, que abordaram a relação de comunidades do entorno com Unidades de Conservação (UC) brasileiras. O corpus documental constituiu-se de 14 publicações, o qual foi analisado quanti-qualitativamente a partir de descritores gerais e específicos. As regiões sul e sudeste são as que mais investigam em nível stricto sensu a temática, especialmente em Programas de Pós-Graduação de Ecologia. Grande parte dos trabalhos contemplou UC de proteção integral da Mata Atlântica. A técnica de entrevistas com moradores locais tem predominado nessa produção. A educação ambiental permeou a maioria das publicações. Os resultados contribuem para o maior incentivo de estudos educativos e informativos sobre as características das UC e o consequente envolvimento da população na responsabilidade pelo processo de conservação e fiscalização das áreas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alanza Mara Zanini, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca

Mestre em Ecologia pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, URI campus de Erechim. Pesquisadora colaboradora do Laboratório de Divulgação Científica e Ensino de Ciências (LABDEC) do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ).

Marcelo Borges Rocha, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca

Pós-doutor em Administração Pública pela EBAPE na Fundação Getúlio Vargas. Doutor em Ciências Biológicas (Zoologia) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor no Ensino Superior e no Programa de Pós Graduação em Ciência, Tecnologia e Educação do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (CEFET/RJ) e coordena o Laboratório de Divulgação Cientifica e Ensino de Ciências (LABDEC).

Referências

Brasil. Casa Civil. (2000a). Lei nº 9.985, 18 de julho de 2000; Decreto nº 4.340, de 22 de agosto de 2002. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. 5. ed. aum. Brasília (DF): Diário Oficial da União.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. (2000b). Avaliação e ações prioritárias para a conservação da biodiversidade da Mata Atlântica e Campos Sulinos. Brasília: MMA/ SBF. 40p.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. (2015). Conflitos: estratégias de enfrentamento e mediação. Série educação ambiental e comunicação em Unidades de Conservação. Brasília (DF): MMA. 70p.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. (2020a). Cadastro Nacional de Unidades de Conservação (CNUC). Disponível em: www.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-nacional-de-ucs. Acesso em: 14. 03. 2020.

Brasil. Ministério da Educação. (2020b). Catálogo de Teses e Dissertações. Disponível em: https://catalogodeteses.capes.gov.br/catalogo-teses/#!/. Acesso em: 21. 09. 2020

Brasil. Ministério da Educação. (2020c). Cursos avaliados e reconhecidos. Brasília (DF): MEC. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/programa/quantitativos/quantitativoAreaAvaliacao.jsf. Acesso em: 15. 07. 2020.

Brito, M. C. W. (2000). Unidades de conservação: intenções e resultados. São Paulo: Annablume. 230p.

Brito, D. M. C. (2008). Conflitos em unidades de conservação. PRACS: Revista de Humanidades do Curso de Ciências Sociais UNIFAP, 1(1), 1-12. Disponível em: https://periodicos.unifap.br/index.php/pracs/article/view/10. Acesso em: 15. 07. 2020.

Cruz, C. A., & Sola, F. (2017). As Unidades de Conservação na perspectiva da educação ambiental. Ambiente & Educação, 22(2), 208-227. doi: 10.14295/ambeduc.v22i2.6216.

Cunha, C. C., & Loureiro, C. F. B. (2012). Educação ambiental e gestão participativa de Unidades de Conservação. In: Loureiro, C. F. B. (Org.). 2012. Gestão pública do ambiente e educação ambiental: caminhos e interfaces. São Carlos: Rima Editora. p. 61-76.

Dias, C. M. (2015). Práticas pedagógicas de educação ambiental em áreas protegidas: um estudo a partir de dissertações e teses (1981-2009). Campinas: Fac. Educ. Unicamp. 208p. (Tese Doutorado).

Diegues, A. C. S. (1995). Conflitos entre populações humanas e Unidades de Conservação e mata Atlântica. São Paulo: Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras, USP. 283p.

Diegues, A. C. S. (2001). Ecologia humana e planejamento costeiro. 2 ed. São Paulo: Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras, USP. 225p.

Distrito Federal. (2010). Lei Complementar n° 827, de 22 de julho de 2010. Regulamenta o art. 279, I, III, IV, XIV, XVI, XIX, XXI, XXII, e o art. 281 da Lei Orgânica do Distrito Federal, instituindo o Sistema Distrital de Unidades de Conservação da Natureza SDUC, e dá outras providências. Diário Oficial do Distrito Federal, Brasília, DF.

Ferreira, L. C. (2004). Dimensões humanas da biodiversidade: mudanças sociais e conflitos em torno de áreas protegidas no Vale do Ribeira, SP, Brasil. Ambiente & Sociedade, 7(1), 47-66. doi: 10.1590/S1414-753X2004000100004.

Figueirêdo, C. T., & Souza, A.V. M. (2013). Conflitos socioambientais em áreas protegidas: o Parque Nacional da Serra de Itabaiana, em Sergipe. Cadernos de Ciências Sociais Aplicadas, 14, 141-163. Disponível em: http://periodicos2.uesb.br/index.php/ccsa/article/view/1992. Acesso em: 15. 07. 2020.

Fleury, L. C., & Almeida, J. P. (2009). A conservação ambiental como critério de relações entre grupos e valores: representações e conflitos no entorno do Parque Nacional das Emas, Goiás. Ambiente & Sociedade, 12(2), 357-372. doi: 10.1590/S1414-753X2009000200010.

Galindo-Leal, C., & Câmara, I. G. (2005). Mata Atlântica: biodiversidade, ameaças e perspectivas. São Paulo, SP, Fundação SOS Mata Atlântica / Belo Horizonte, MG, Conservação Internacional. 472p.

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas. 200p.

Gross, T., Johnston, S., & Barber, C. V. (2005). A Convenção sobre Diversidade Biológica: entendendo e influenciando o processo. Brasília: Instituto de Estudos Avançados da Universidade das Nações Unidas. 70p.

Guarim Neto, G. (2006). O saber tradicional pantaneiro: as plantas medicinais e a educação ambiental. REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 17, 71-89. doi: 10.14295/remea.v17i0.3025.

Guedes, M. L. S., Batista, M. A., Ramalho, M., Freitas, H. M. de B., & Silva, E. M. da. (2005). Breve incursão sobre a biodiversidade da Mata Atlântica. In: Franke, R. C., Rocha, P. L. B., Klein, W., Gomes, S. L. (Orgs.). 2005. Mata Atlântica e Biodiversidade. Salvador: Edufba. p. 39-92.

Guedes, F. B., & Seehusen, S. E. (2011). Pagamentos por serviços ambientais na Mata Atlântica: lições aprendidas e desafios. MMA, Brasília, DF. 272p.

Gurgel, H. C., Hargrave, J., França, F., Holmes, R. M., Ricarte, F. M., Dias, B. F. S., Rodrigues, C. G. O., & Brito, M. C. W. de (2009). Unidades de Conservação e o falso dilema entre conservação e desenvolvimento. IPEA: regional, urbano e ambiental, 3, 109-119.Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/5490/1/BRU_n3_unidades_conservacao.pdf. Acesso em: 17. 09. 2020.

Hassler, M. L. (2005). A importância das Unidades de Conservação no Brasil. Sociedade & Natureza, 17, 79-89.

Hoeffel, J. L., Fadini, A. A. B., Machado, M. K., & Reis, J. C. (2008). Trajetórias do Jaguary. Unidades de conservação, percepção ambiental e turismo: um estudo na APA do Sistema Cantareira. São Paulo: Ambiente & Sociedade, 11(1), 131-148. doi: 10.1590/S1414-753X2008000100010.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2015). Indicadores de desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: IBGE. 352p.

Loureiro, C. F. B., & Cunha, C. C. (2008). Educação ambiental e gestão participativa de Unidades de Conservação: elementos para se pensar a sustentabilidade democrática. Ambiente & Sociedade, 11(2), 237-253. doi: 10.1590/S1414-753X2008000200003.

Maciel, G. G., & Alves, D. (2018). Educação ambiental no Parque Nacional da Tijuca: diálogo entre a política pública e a sociedade. O Social em Questão, 21(40), 135-160. Disponível em: http://osocialemquestao.ser.puc-rio.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=579&sid=55. Acesso em: 15. 07. 2020.

Madeira, P. A., Coelho, M. A. P., Laureano, R. C., & Cherigati, W. G. (2019). A importância da educação ambiental em unidades de conservação. Revista Mythos, 10(2), 24-31. doi: 10.36674/mythos.v10i2.228.

Malhotra, N. (2006). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 4 ed. Porto Alegre: Bookman. 720p.

Megid Neto, J. (1999). Tendências da pesquisa acadêmica sobre o ensino de Ciências no nível fundamental. Campinas: Fac. Educ. Unicamp. 114p. (Tese Doutorado).

Merck, A. M. T. (2009). Metodologias Interdisciplinares em Educação ambiental. Santa Maria: Cadernos didáticos UFSM- ETIC. 53p.

Pin, J. R. O., Rocha, M., Rodrigues, L., Góes, Y. (2018). As trilhas ecológicas como espaços para o ensino de ciências: levantamento de dissertações e teses brasileiras. Revista de Educação, Ciências e Matemática, 8(2), 125-139. Disponível em: http://publicacoes.unigranrio.edu.br/index.php/recm/article/view/4415. Acesso em: 15. 07. 2020.

Pin, J. R. O., & Rocha, M. (2019). Utilização didático-pedagógica de trilhas ecológicas no ensino de ciências: um levantamento de teses e dissertações brasileiras. Ensino, Saúde e Ambiente, 12(1), 72-98. doi: 10.22409/resa2019.v12i1.a21533.

Reigota, M. (2002). Meio ambiente e representação social. 5. ed. São Paulo: Cortez. 88p.

Rylands, A. B., & Brandon, K. (2005). Unidades de Conservação Brasileiras. Megadiversidade, 1(1), 27-35. Disponível em: https://d3nehc6yl9qzo4.cloudfront.net/downloads/conservation_units.pdf. Acesso em: 15. 07. 2020.

Schäffer, W. B., & Prochnow, M. (2002). Mata Atlântica. In: Schäffer, W. B., & Prochnow, M. Eds. (2002). A Mata Atlântica e você: como preservar, recuperar e se beneficiar da mais ameaçada floresta brasileira. Brasília (DF): Apremavi. p. 12-45.

Souza, R. L. F. de. (2014). Conflitos ambientais em Unidades de Conservação: dilemas na gestão da APA Nhamundá. In: Congresso Brasileiro de Geógrafos. Anais (on-line)..., Vitória: AGB. Disponível em: http://www.cbg2014.agb.org.br/resources/anais/1/1404347311_ARQUIVO_ARTIGOCONFLITOSAMBIENTAISEMUNIDADESDECONSERVACAO.pdf. Acesso em: 15. 07. 2020.

Tabarelli, M., Pinto, L. P., Silva, J. M. C., Hirota, M. M., Bedê, L. C. (2005). Desafios e oportunidades para a conservação da biodiversidade na Mata Atlântica brasileira. Megadiversidade, 1(1), 132-138. Disponível em: http://www.avesmarinhas.com.br/Desafios%20e%20oportunidades%20para%20a%20conserva%C3%A7%C3%A3o%20da%20biodiversidade.pdf. Acesso em: 15. 07. 2020.

Teixeira, P. M. M. (2008). Pesquisa em ensino de Biologia no Brasil (1972-2004): um estudo baseado em dissertações e teses. Campinas: Fac. Educ. Unicamp. 406p. (Tese Doutorado).

Publicado

2020-09-23

Como Citar

ZANINI, A. M.; ROCHA, M. B. The Relação de comunidades do entorno com as Unidades de Conservação: tendências em estudos brasileiros. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 16, p. e020037, 2020. DOI: 10.20396/td.v16i0.8660516. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8660516. Acesso em: 26 nov. 2020.