Banner Portal
Relação de comunidades do entorno com as unidades de conservação
Entrada monumental da Gruta do Lago Azul, ricamente ornamentada por estalactites e estalagmites, situada no município de Bonito, a E da Serra da Bodoquena e a sudoeste do município de Miranda. A região serrana foi edificada em unidades carbonáticas dos grupos Cuiabá e Corumbá, de idade Neoproterozoica. Fotografia: Adriano Gambarini.
PDF

Palavras-chave

Áreas protegidas
Espaço não formal
População local
Educação ambiental

Como Citar

ZANINI, Alanza Mara; ROCHA, Marcelo Borges. Relação de comunidades do entorno com as unidades de conservação: tendências em estudos brasileiros. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 16, p. e020037, 2020. DOI: 10.20396/td.v16i0.8660516. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8660516. Acesso em: 20 abr. 2024.

Resumo

Este estudo buscou apresentar e caracterizar aspectos de um levantamento de publicações do Catálogo de Teses e Dissertações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), defendidas entre 2013 a 2019, que abordaram a relação de comunidades do entorno com Unidades de Conservação (UC) brasileiras. O corpus documental constituiu-se de 14 publicações, o qual foi analisado quanti-qualitativamente a partir de descritores gerais e específicos. As regiões sul e sudeste são as que mais investigam em nível stricto sensu a temática, especialmente em Programas de Pós-Graduação de Ecologia. Grande parte dos trabalhos contemplou UC de proteção integral da Mata Atlântica. A técnica de entrevistas com moradores locais tem predominado nessa produção. A educação ambiental permeou a maioria das publicações. Os resultados contribuem para o maior incentivo de estudos educativos e informativos sobre as características das UC e o consequente envolvimento da população na responsabilidade pelo processo de conservação e fiscalização das áreas.

https://doi.org/10.20396/td.v16i0.8660516
PDF

Referências

Brasil. Casa Civil. (2000a). Lei nº 9.985, 18 de julho de 2000; Decreto nº 4.340, de 22 de agosto de 2002. Regulamenta o art. 225, § 1o, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. 5. ed. aum. Brasília (DF): Diário Oficial da União.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. (2000b). Avaliação e ações prioritárias para a conservação da biodiversidade da Mata Atlântica e Campos Sulinos. Brasília: MMA/ SBF. 40p.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. (2015). Conflitos: estratégias de enfrentamento e mediação. Série educação ambiental e comunicação em Unidades de Conservação. Brasília (DF): MMA. 70p.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. (2020a). Cadastro Nacional de Unidades de Conservação (CNUC). DISPONÍVEL EM: www.mma.gov.br/areas-protegidas/cadastro-nacional-de-ucs. Acesso em: em: 14.03.2020.

Brasil. Ministério da Educação. (2020b). Catálogo de Teses e Dissertações. Disponível em: https://catalogodeteses.capes.gov.br/catalogo-teses/#!/. Acesso em: em: 21.09.2020

Brasil. Ministério da Educação. (2020c). Cursos avaliados e reconhecidos. Brasília (DF): MEC. Disponível em: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/public/consultas/coleta/programa/quantitativos/quantitativoAreaAvaliacao.jsf. Acesso em: 15.07.2020.

Brito, M. C. W. (2000). Unidades de conservação: intenções e resultados. São Paulo: Annablume. 230p.

Brito, D. M. C. (2008). Conflitos em unidades de conservação. PRACS: Revista de Humanidades do Curso de Ciências Sociais UNIFAP, 1(1), 1-12. Disponível em: https://periodicos.unifap.br/index.php/pracs/article/view/10. Acesso em: 15.07.2020.

Cruz, C. A., & Sola, F. (2017). As Unidades de Conservação na perspectiva da educação ambiental. Ambiente & Educação, 22(2), 208-227. doi: 10.14295/ambeduc.v22i2.6216.

Cunha, C. C., & Loureiro, C. F. B. (2012). Educação ambiental e gestão participativa de Unidades de Conservação. In: Loureiro, C. F. B. (Org.). 2012. Gestão pública do ambiente e educação ambiental: caminhos e interfaces. São Carlos: Rima Editora. p. 61-76.

Dias, C. M. (2015). Práticas pedagógicas de educação ambiental em áreas protegidas: um estudo a partir de dissertações e teses (1981-2009). Campinas: Fac. Educ. Unicamp. 208p. (Tese Doutorado).

Diegues, A. C. S. (1995). Conflitos entre populações humanas e Unidades de Conservação e mata Atlântica. São Paulo: Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras, USP. 283p.

Diegues, A. C. S. (2001). Ecologia humana e planejamento costeiro. 2 ed. São Paulo: Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras, USP. 225p.

Distrito Federal. (2010). Lei Complementar n° 827, de 22 de julho de 2010. Regulamenta o art. 279, I, III, IV, XIV, XVI, XIX, XXI, XXII, e o art. 281 da Lei Orgânica do Distrito Federal, instituindo o Sistema Distrital de Unidades de Conservação da Natureza SDUC, e dá outras providências. Diário Oficial do Distrito Federal, Brasília, DF.

Ferreira, L. C. (2004). Dimensões humanas da biodiversidade: mudanças sociais e conflitos em torno de áreas protegidas no Vale do Ribeira, SP, Brasil. Ambiente & Sociedade, 7(1), 47-66. doi: 10.1590/S1414-753X2004000100004.

Figueirêdo, C. T., & Souza, A.V. M. (2013). Conflitos socioambientais em áreas protegidas: o Parque Nacional da Serra de Itabaiana, em Sergipe. Cadernos de Ciências Sociais Aplicadas, 14, 141-163. Disponível em: http://periodicos2.uesb.br/index.php/ccsa/article/view/1992. Acesso em: 15.07.2020.

Fleury, L. C., & Almeida, J. P. (2009). A conservação ambiental como critério de relações entre grupos e valores: representações e conflitos no entorno do Parque Nacional das Emas, Goiás. Ambiente & Sociedade, 12(2), 357-372. doi: 10.1590/S1414-753X2009000200010.

Galindo-Leal, C., & Câmara, I. G. (2005). Mata Atlântica: biodiversidade, ameaças e perspectivas. São Paulo, SP, Fundação SOS Mata Atlântica / Belo Horizonte, MG, Conservação Internacional. 472p.

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas. 200p.

Gross, T., Johnston, S., & Barber, C. V. (2005). A Convenção sobre Diversidade Biológica: entendendo e influenciando o processo. Brasília: Instituto de Estudos Avançados da Universidade das Nações Unidas. 70p.

Guarim Neto, G. (2006). O saber tradicional pantaneiro: as plantas medicinais e a educação ambiental. REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 17, 71-89. doi: 10.14295/remea.v17i0.3025.

Guedes, M. L. S., Batista, M. A., Ramalho, M., Freitas, H. M. de B., & Silva, E. M. da. (2005). Breve incursão sobre a biodiversidade da Mata Atlântica. In: Franke, R. C., Rocha, P. L. B., Klein, W., Gomes, S. L. (Orgs.). 2005. Mata Atlântica e Biodiversidade. Salvador: Edufba. p. 39-92.

Guedes, F. B., & Seehusen, S. E. (2011). Pagamentos por serviços ambientais na Mata Atlântica: lições aprendidas e desafios. MMA, Brasília, DF. 272p.

Gurgel, H. C., Hargrave, J., França, F., Holmes, R. M., Ricarte, F. M., Dias, B. F. S., Rodrigues, C. G. O., & Brito, M. C. W. de (2009). Unidades de Conservação e o falso dilema entre conservação e desenvolvimento. IPEA: regional, urbano e ambiental, 3, 109-119. Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/5490/1/BRU_n3_unidades_conservacao.pdf. Acesso em: 17.09.2020.

Hassler, M. L. (2005). A importância das Unidades de Conservação no Brasil. Sociedade & Natureza, 17, 79-89.

Hoeffel, J. L., Fadini, A. A. B., Machado, M. K., & Reis, J. C. (2008). Trajetórias do Jaguary. Unidades de conservação, percepção ambiental e turismo: um estudo na APA do Sistema Cantareira. São Paulo: Ambiente & Sociedade, 11(1), 131-148. doi: 10.1590/S1414-753X2008000100010.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2015). Indicadores de desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: IBGE. 352p.

Loureiro, C. F. B., & Cunha, C. C. (2008). Educação ambiental e gestão participativa de Unidades de Conservação: elementos para se pensar a sustentabilidade democrática. Ambiente & Sociedade, 11(2), 237-253. doi: 10.1590/S1414-753X2008000200003.

Maciel, G. G., & Alves, D. (2018). Educação ambiental no Parque Nacional da Tijuca: diálogo entre a política pública e a sociedade. O Social em Questão, 21(40), 135-160. Disponível em: http://osocialemquestao.ser.puc-rio.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=579&sid=55. Acesso em: 15.07.2020.

Madeira, P. A., Coelho, M. A. P., Laureano, R. C., & Cherigati, W. G. (2019). A importância da educação ambiental em unidades de conservação. Revista Mythos, 10(2), 24-31. doi: 10.36674/mythos.v10i2.228.

Malhotra, N. (2006). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 4 ed. Porto Alegre: Bookman. 720p.

Megid Neto, J. (1999). Tendências da pesquisa acadêmica sobre o ensino de Ciências no nível fundamental. Campinas: Fac. Educ. Unicamp. 114p. (Tese Doutorado).

Merck, A. M. T. (2009). Metodologias Interdisciplinares em Educação ambiental. Santa Maria: Cadernos didáticos UFSM- ETIC. 53p.

Pin, J. R. O., Rocha, M., Rodrigues, L., Góes, Y. (2018). As trilhas ecológicas como espaços para o ensino de ciências: levantamento de dissertações e teses brasileiras. Revista de Educação, Ciências e Matemática, 8(2), 125-139. Disponível em: http://publicacoes.unigranrio.edu.br/index.php/recm/article/view/4415. Acesso em: 15.07.2020.

Pin, J. R. O., & Rocha, M. (2019). Utilização didático-pedagógica de trilhas ecológicas no ensino de ciências: um levantamento de teses e dissertações brasileiras. Ensino, Saúde e Ambiente, 12(1), 72-98. doi: 10.22409/resa2019.v12i1.a21533.

Reigota, M. (2002). Meio ambiente e representação social. 5. ed. São Paulo: Cortez. 88p.

Rylands, A. B., & Brandon, K. (2005). Unidades de Conservação Brasileiras. Megadiversidade, 1(1), 27-35. Disponível em: https://d3nehc6yl9qzo4.cloudfront.net/downloads/conservation_units.pdf. Acesso em: 15.07.2020.

Schäffer, W. B., & Prochnow, M. (2002). Mata Atlântica. In: Schäffer, W. B., & Prochnow, M. Eds. (2002). A Mata Atlântica e você: como preservar, recuperar e se beneficiar da mais ameaçada floresta brasileira. Brasília (DF): Apremavi. p. 12-45.

Souza, R. L. F. de. (2014). Conflitos ambientais em Unidades de Conservação: dilemas na gestão da APA Nhamundá. In: Congresso Brasileiro de Geógrafos. Anais (on-line)..., Vitória: AGB. Disponível em: http://www.cbg2014.agb.org.br/resources/anais/1/1404347311_ARQUIVO_ARTIGOCONFLITOSAMBIENTAISEMUNIDADESDECONSERVACAO.pdf. Acesso em: . 15.07.2020.

Tabarelli, M., Pinto, L. P., Silva, J. M. C., Hirota, M. M., Bedê, L. C. (2005). Desafios e oportunidades para a conservação da biodiversidade na Mata Atlântica brasileira. Megadiversidade, 1(1), 132-138. Disponível em: http://www.avesmarinhas.com.br/Desafios%20e%20oportunidades%20para%20a%20conserva%C3%A7%C3%A3o%20da%20biodiversidade.pdf. Acesso em: 15.07.2020.

Teixeira, P. M. M. (2008). Pesquisa em ensino de Biologia no Brasil (1972-2004): um estudo baseado em dissertações e teses. Campinas: Fac. Educ. Unicamp. 406p. (Tese Doutorado).

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Terrae Didatica

Downloads

Não há dados estatísticos.