Aula de campo para ensino e aprendizagem de Geociências a partir de atividades de reconhecimento do sambaqui do rio Salinas (ES)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v16i0.8661195

Palavras-chave:

Alfabetização Científica, Espaço não-formal, Ensino de Geociências

Resumo

A alfabetização científica, no que diz respeito às atividades escolares, utiliza-se da aula de campo como metodologia pedagógica, com vistas ao desenvolvimento de saberes científicos no processo de ensino-aprendizagem de Ciências. Desta maneira, o objetivo da pesquisa foi empreender uma aula de campo no sambaqui do rio Salinas, considerado espaço não-formal de ensino, a partir de atividades desenvolvidas em temas geradores de conhecimentos. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, com procedimentos do tipo “observação participante”, que contou com a participação de estudantes do 7º ano da Escola Municipal de Ensino Fundamental “Professora Zuleika Flores da Purificação”, Anchieta, Espírito Santo, Brasil. Como resultados, apontamos que a totalidade dos dados coletados pelos grupos conseguiu caracterizar alguns aspectos do sambaqui, revelando potencialidades pedagógicas. Podemos afirmar que, do ponto de vista do processo de ensino-aprendizagem, os resultados demonstram avanços na alfabetização científica do grupo de estudantes participante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Deovair Monteiro César, Instituto Federal do Espírito Santo

Mestre em Educação em Ciências e Matemática pelo Instituto Federal do Espírito Santo (IFES). Professor de Ciências do ensino fundamental no sistema de ensino municipal de Anchieta, Espírito Santo, Brasil.

Referências

Cardoso, J. M. Renata E. da S. Bruna C. Z. (2019). Sambaquis : uma história antes do Brasil: guia didático. São Paulo: MAE/USP, 33 p. ISBN: 978-85-60984-65-7 10.11606/9788560984657.

Compiani, M.; Carneiro, C. D. R. (1993). Os papeis didáticos das excursões geológicas. Enseñanza de las Ciencias de la Tierra, 1 (2). 90-98. Madrid, Asociación Española para la Enseñanza de las Ciencias de la Tierra (AEPECT). Disponível em: http://www.raco.cat/index.php/ECT/article/view/88098/140821. Acesso em: 18.08.2019.

Chassot, A. (2016). Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. Ijuí: Unijuí.

Chassot, A. (2003). Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, 22, 89-100. doi: 10.1590/S1413-24782003000100009.

Blasis, P. A. D. de, Kneip, A., Scheel-Ybert, R., Giannini, P. C. F., & Gaspar, M. D. (2007). Sambaquis e paisagem: dinâmica natural e arqueologia regional no litoral do sul do Brasil. Arqueología Suramericana = Arqueologia Sul-Americana, 3(1), 29- 61.

Durant, J. (2005). O que é alfabetização científica? Terra incógnita: a interface entre Ciência e público, 5(1), 14-26.

Freire, P. (1987). Educação e Mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 46p.

Freire, P. (2011). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa.28. ed. São Paulo: Paz e Terra, 148 p.

Gaspar, M. D. (2000). Sambaqui: arqueologia do litoral brasileiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. (Col. Descobrindo o Brasil).

Jacobucci, D. F. C. (2008). Contribuições dos espaços não-formais de educação para a formação da cultura científica. Uberlândia, Em extensão, 7(1), 55-66.

Lüdke, M. André, M. E. D. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Sasseron, L. H., Carvalho, A. M. P. (2011). Alfabetização Científica: uma revisão bibliográfica. São Paulo, Investigações em Ensino de Ciências, 16(1), 59-77.

Sasseron, L. H., Carvalho, A. M. P. (2008). Almejando a alfabetização científica no ensino fundamental: a proposição e a procura de indicadores do processo. São Paulo, Investigações em Ensino de Ciências, 13(1), 333-352.

Scheel-Ybert, R. (1999). Paleoambiente e paleoetnologia de populações sambaquieiras do sudeste do Estado do Rio de Janeiro. São Paulo, Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, 9. p. 43-59. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revmae/article/view/109341/107829. Acesso em: 05.05.2017.

Scheel-Ybert, R. (2001). Man and vegetation in the Southeastern Brazil during the Late Holocene. Journal of Archaeological Science, 28, 471-480.

Souza, R. C. C. L. (2011). Conchas marinhas de sambaquis do Brasil. Rio de Janeiro: Technical Books.

Downloads

Publicado

2020-12-09

Como Citar

CÉSAR, D. M. Aula de campo para ensino e aprendizagem de Geociências a partir de atividades de reconhecimento do sambaqui do rio Salinas (ES). Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 16, p. e020047, 2020. DOI: 10.20396/td.v16i0.8661195. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8661195. Acesso em: 31 jan. 2023.