Banner Portal
Aula de campo para ensino e aprendizagem de Geociências a partir de atividades de reconhecimento do sambaqui do rio Salinas (ES)
Entrada monumental da Gruta do Lago Azul, ricamente ornamentada por estalactites e estalagmites, situada no município de Bonito, a E da Serra da Bodoquena e a sudoeste do município de Miranda. A região serrana foi edificada em unidades carbonáticas dos grupos Cuiabá e Corumbá, de idade Neoproterozoica. Fotografia: Adriano Gambarini.
PDF

Palavras-chave

Alfabetização Científica
Espaço não-formal
Ensino de Geociências

Como Citar

CÉSAR, D. M. Aula de campo para ensino e aprendizagem de Geociências a partir de atividades de reconhecimento do sambaqui do rio Salinas (ES). Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 16, p. e020047, 2020. DOI: 10.20396/td.v16i0.8661195. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8661195. Acesso em: 1 mar. 2024.

Resumo

A alfabetização científica, no que diz respeito às atividades escolares, utiliza-se da aula de campo como metodologia pedagógica, com vistas ao desenvolvimento de saberes científicos no processo de ensino-aprendizagem de Ciências. Desta maneira, o objetivo da pesquisa foi empreender uma aula de campo no sambaqui do rio Salinas, considerado espaço não-formal de ensino, a partir de atividades desenvolvidas em temas geradores de conhecimentos. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, com procedimentos do tipo “observação participante”, que contou com a participação de estudantes do 7º ano da Escola Municipal de Ensino Fundamental “Professora Zuleika Flores da Purificação”, Anchieta, Espírito Santo, Brasil. Como resultados, apontamos que a totalidade dos dados coletados pelos grupos conseguiu caracterizar alguns aspectos do sambaqui, revelando potencialidades pedagógicas. Podemos afirmar que, do ponto de vista do processo de ensino-aprendizagem, os resultados demonstram avanços na alfabetização científica do grupo de estudantes participante.

https://doi.org/10.20396/td.v16i0.8661195
PDF

Referências

Cardoso, J. M. Renata E. da S. Bruna C. Z. (2019). Sambaquis : uma história antes do Brasil: guia didático. São Paulo: MAE/USP, 33 p. ISBN: 978-85-60984-65-7 10.11606/9788560984657.

Compiani, M.; Carneiro, C. D. R. (1993). Os papeis didáticos das excursões geológicas. Enseñanza de las Ciencias de la Tierra, 1 (2). 90-98. Madrid, Asociación Española para la Enseñanza de las Ciencias de la Tierra (AEPECT). Disponível em: http://www.raco.cat/index.php/ECT/article/view/88098/140821. Acesso em: 18.08.2019.

Chassot, A. (2016). Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. Ijuí: Unijuí.

Chassot, A. (2003). Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, 22, 89-100. doi: 10.1590/S1413-24782003000100009.

Blasis, P. A. D. de, Kneip, A., Scheel-Ybert, R., Giannini, P. C. F., & Gaspar, M. D. (2007). Sambaquis e paisagem: dinâmica natural e arqueologia regional no litoral do sul do Brasil. Arqueología Suramericana = Arqueologia Sul-Americana, 3(1), 29- 61.

Durant, J. (2005). O que é alfabetização científica? Terra incógnita: a interface entre Ciência e público, 5(1), 14-26.

Freire, P. (1987). Educação e Mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 46p.

Freire, P. (2011). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa.28. ed. São Paulo: Paz e Terra, 148 p.

Gaspar, M. D. (2000). Sambaqui: arqueologia do litoral brasileiro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. (Col. Descobrindo o Brasil).

Jacobucci, D. F. C. (2008). Contribuições dos espaços não-formais de educação para a formação da cultura científica. Uberlândia, Em extensão, 7(1), 55-66.

Lüdke, M. André, M. E. D. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

Sasseron, L. H., Carvalho, A. M. P. (2011). Alfabetização Científica: uma revisão bibliográfica. São Paulo, Investigações em Ensino de Ciências, 16(1), 59-77.

Sasseron, L. H., Carvalho, A. M. P. (2008). Almejando a alfabetização científica no ensino fundamental: a proposição e a procura de indicadores do processo. São Paulo, Investigações em Ensino de Ciências, 13(1), 333-352.

Scheel-Ybert, R. (1999). Paleoambiente e paleoetnologia de populações sambaquieiras do sudeste do Estado do Rio de Janeiro. São Paulo, Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, 9. p. 43-59. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revmae/article/view/109341/107829. Acesso em: 05.05.2017.

Scheel-Ybert, R. (2001). Man and vegetation in the Southeastern Brazil during the Late Holocene. Journal of Archaeological Science, 28, 471-480.

Souza, R. C. C. L. (2011). Conchas marinhas de sambaquis do Brasil. Rio de Janeiro: Technical Books.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2020 Terrae Didatica

Downloads

Não há dados estatísticos.