Banner Portal
Confecção de maquetes geológicas
PDF

Palavras-chave

Geologia
Relevo
Ensino de Geociências
Divulgação científica
Modelo

Como Citar

MAURI, Sandro; SCHETTINO, Vítor Roberto; MARQUES, Rodson de Abreu; SOARES, Caroline Cibele Vieira; GOUVÊA, Lucas Pequeño. Confecção de maquetes geológicas: o exemplo da Serra do Caparaó (Minas Gerais e Espírito Santo, Brasil). Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 17, n. 00, p. e021002, 2021. DOI: 10.20396/td.v17i00.8661553. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8661553. Acesso em: 19 abr. 2024.

Resumo

O presente trabalho traz a experiência da confecção de uma maquete geológica na escala de 1:20.000 da Serra do Caparaó, monumento geológico complexo do sudeste brasileiro, com o objetivo de ilustrar aspectos da geologia regional e definir uma rotina para construção de maquetes didáticas. Para tanto, foram utilizados dados de campo e dados espaciais em ambiente SIG para projeção do relevo sobre placas de isopor a partir de curvas de nível. Os resultados da confecção da maquete compreendem um modelo tridimensional da geologia da Serra do Caparaó e a proposta de um roteiro para confecção de maquetes didáticas. As primeiras exposições da maquete ao público proporcionaram boa interação da sociedade com as informações geológicas da região, com a introdução de conceitos de Geomorfologia, Geologia Estrutural, Cartografia e Geodiversidade.

https://doi.org/10.20396/td.v17i00.8661553
PDF

Referências

Becker, E. L. S. & Nunes, M. P. (2012). Relevo do Rio Grande do Sul, Brasil, e sua representação em maquete. Revista Percurso, NEMO, 4(2): 113-132. URL: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/Percurso/article/view/49542. Acesso 13.01.2021.

Castro, I. E. (1995). O problema da escala. In: Castro, I. E. (1995). Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p.117-140.

Coelho, A. L. N., Goulart, A. C. O., Bergamaschi, R. B. & Teubner Jr., F.J. (2012). Mapeamento Geomorfológico do estado do Espírito Santo. Vitória: IJSN.

Constante, A. & Vasconcelos, C. (2010). Atividades lúdico-práticas no ensino da Geologia: Complemento motivacional para a aprendizagem. Terræ Didatica, 6(2), 101-123. doi: 10.20396/td.v6i2.8637467.

Garcia, C. B., Imbernon, R. A. L. & Lacerda R. A. V. (2014). Desenvolvimento de recursos didáticos para o ensino de Geociências para a banca das Ciências e Experimentoteca da EACH/USP. Terræ Didatica, 10(3), 331-335. doi: 10.20396/td.v10i3.8637348.

Horn, A. H., Faria, B., Gardini, G. M., Vasconcellos, L. & Oliveira, M. R. (2007). Folha Espera Feliz. SF.24-V-A-IV, 1:100.000. Belo Horizonte: UFMG/CPRM.

ICMBio. (2020). Parque Nacional do Caparaó. URL: https://www.icmbio.gov.br/parnacaparao/. Acesso 08.10.2020.

Libarkin, J. C. & Brick, C. (2002). Research methodologies in science education: Visualization and the Geoscienses. Journal of Geoscience Education, 50(4), 449-455. doi: 10.5408/1089-9995-50.4.449.

Marques, R. A., Ferreira, S. L. M., Silva, D. A. M., Perdoná, M. V., Vardieiro, L. G. G., Velasco, T. C., Medeiros Jr., E. B., Oliveira, G. J., ... & Melo, M. G. (2019). Schematic models of wood for optic mineralogy and geoscience teaching. Brazillian Journal of Development, 5(7), 9153-9162. doi: 10.34117/bjdv5n7-113.

Novo, T. A., Noce, C. M., Batista, G. A. P., Quemeeur, J. J. G., Martins, B. S., Santos, S. W. M., Carneiro, G. A. & Horn, A. H. (2010). Folha Manhumirim.- SF.24-V-A-I, 1:100.000. UFMG/CPRM.

Novo, T. A., Noce, C. M., Pedrosa-Soares, A. C. & Batista, G. A. P. (2011). Rochas granulíticas da Suíte Caparaó na região do Pico da Bandeira: Embasamento Oriental do Orógeno Araçuaí. Geonomos, 19(2), 70-77. doi: 10.18285/geonomos.v19i2.42.

Pereira, J. & Silva, R. (2012). O ensino de geomorfologia na educação básica a partir do cotidiano do aluno e o uso de ferramentas digitais como recurso didático. Revista de Ensino em Geografia, 3(4), 69-79. URL: http://www.revistaensinogeografia.ig.ufu.br/N.4/art5v3n4.pdf. Acesso 13.01.2021.

Pitano, S. C. & Roqué, B. B. (2015). O uso de maquetes no processo de ensino-aprendizagem segundo licenciandos em Geografia. Educação Unisinos, 19(2), 273-282. doi: 10.4013/edu.2015.192.11.

Santos, M. S., Duarte, G. S. & Rosa, O. (2015). O uso de maquetes no ensino aprendizagem em Geografia. Enciclopédia Biosfera, 11(20), 620-625. URL: http://www.conhecer.org.br/enciclop/2015a/o%20uso%20de%20maquetes.pdf. Acesso 13.01.2021.

Silva, L. C., Armstrong, R., Noce, C. M., Carneiro, M., Pimentel, M., Pedrosa-Soares, A. C., Leite, C., Vieira, V. S., Silva, M., Paes, V. & Cardoso-Filho, J. (2002). Reavaliação da evolução geológica em terrenos pré-cambrianos brasileiros com base em novos dados U-Pb SHRIMP, parte II: Orógeno Araçuaí, Cinturão Móvel Mineiro e Cráton São Francisco Meridional. Revista Brasileira de Geociências, 32(1), 513-528. URL: http://www.ppegeo.igc.usp.br/index.php/rbg/article/view/9847. Acesso 13.01.2021.

Sousa, R. R. (2014). Oficina de maquete de relevo: um recurso didático. Terræ Didatica, 10, 22-28. doi: 10.20396/td.v10i1.8637385.

Souza, C. J. O. & Valadão, R. C. (2013). Visualização e representação espaciais no ensino de Geomorfologia. Terræ Didatica, 9(2), 105-113. doi: 10.20396/td.v9i2.8637399.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Sandro Mauri, Vítor Roberto Schettino, Rodson de Abreu Marques, Caroline Cibele Vieira Soares, Lucas Pequeño Gouvêa

Downloads

Não há dados estatísticos.