Redes de afloramentos artificiais para o ensino de Geociências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v17i00.8663959

Palavras-chave:

Mapeamento geológico, Teoria e prática, Geologia de campo, Didática, Estratégias de ensino

Resumo

Durante o curso de geologia, ao mesmo tempo em que aprendem sobre o funcionamento do Sistema Terra, os estudantes são demandados a desenvolver um grande conjunto de habilidades práticas, tais como raciocínio espacial e tridimensional, técnicas de desenho e uso de equipamentos específicos. Estas duas dimensões – teoria e prática – se fundem de maneira indissociável na práxis do geólogo e, por isso, sua integração é central também durante formação em geologia. Este trabalho tem como objetivo apresentar a montagem de redes de afloramentos artificiais como estratégia didática para o ensino de geociências, tomando-se como exemplo uma rede piloto montada na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina-MG. A partir desta experiência, discute-se os métodos para o dimensionamento da rede, construção e instalação dos afloramentos artificiais e as vastas possibilidades pedagógicas associadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Kuchenbecker, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Doutorado em Geologia Regional pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professor Adjunto da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM).

Geysianne Ferreira de Morais, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Mestrando na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM).

Vinícius César Maciel Silva, Geólogo na Nexa Resources S.A.

Graduação em Engenharia Geológica pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). Geólogo na Nexa Resources S.A.

João Pedro Ribeiro Pimenta, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Mestrando na Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM).

Referências

Andrade, W.S. & Carneiro, C.D.R. (2019). Ilustrar ou induzir? Eis a questão... Os trabalhos de campo e seus papéis didáticos. Terræ Didatica, 15, 1-8, e19050

Benison, K. C. (2005). Artificial Outcrops Give Real Experience in Interpreting a Geologic History: The CMUland Group Project for Historical Geology Courses, Journal of Geoscience Education, 53:5, 501-507

Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. (2015). Resolução 1, de 6 de janeiro de 2015. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação na área da Geologia, abrangendo os cursos de bacharelado em Geologia e em Engenharia Geológica e dá outras providências. Brasília (DF), 6 jan. 2015.

Brusi, D. (1992). Reflexiones en torno a la didactica de las salidas de campo en Geologia (I): aspectos metodológicos. In: Simposio sobre enseñanza de la Geología, 7, Santiago de Compostela. Anais... Instituto de Ciências de Educación, Universidad Santiago de Compostela, p.363-389.

Carneiro, C. D. R. (2015). O Fórum Nacional de Cursos de Geologia e as diretrizes curriculares nacionais: histórico e perspectivas. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 10, n. 3, p. 191–203.

Carneiro C.D.R. & Gonçalves P.W. (2011). Actividades de campo en la asignatura Ciencia del Sistema Tierra: la Geología como estructura básica. Rev. de la Enseñanza de las Ciencias de la Tierra, 19(1):48-56.

Carneiro, C.D.R, Cunha, C.A.L.S. & Campanha, G.A.C. (1993). A teoria e a prática em geologia e o eterno retorno. Revista Brasileira de Geociências, São Paulo, v.23, n.4, p. 339-346.

Compiani, M. & Carneiro, C.D.R. (1993). Os papéis didáticos das excursões geológicas. Enseñanza de las Ciências de la Tierra, 1(2):90-98.

Dillon, D. L., Hicock, S. R., Secco, R. A. & Tsujita, C. J. (2000). A Geologic Rock Garden as an Artificial Mapping Area for Teaching and Outreach. Journal of Geoscience Education, 48(1), 24–29.

Fantinel, L. M. (2000). Práticas de campo em geologia introdutória: papel das atividades de campo no ensino de fundamentos de geologia do curso de geografia. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas. 124p.

Fantinel, L. M. (2005). O ensino de mapeamento geológico no Centro de Geologia Eschwege, Diamantina – MG: análise de três décadas de práticas de campo (1970 - 2000). Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas, 257p.

Frodeman, R. (1995). Geological reasoning: geology as an interpretative and historical science. Geological Society of America Bulletin, v.107, n.8, p. 960-968.

Kastens, K. and Ishikawa, T., 2004, Mentally visualizing large geologic structures from field observations, NAGT On the Cutting Edge Workshop: Teaching structural geology in the 21st century, Smith College, Northampton,MA; Dispinível em: http://serc.carleton.edu/files/NAGTWorkshops/structure04/Mentally_visualizing_large_ structures.doc

Rudwick, M. (1996). Geological travel and theoretical innovation: the role of 'liminal' experience. Social Studies of Science, XXVI:143-59.

Scortegagna, A. & Negrão, O.B.M. (2005). Trabalhos de campo na disciplina de Geologia Introdutória: a saída autônoma e seu papel didático. Terræ Didatica, 1(1):36-43.

Totten, I.M. (2003). Using an artificial rock outcrop to augment student learning at an urban university. Tese de Doutorado. University of New Orleans, 169p.

Downloads

Publicado

2021-03-19

Como Citar

KUCHENBECKER, M.; MORAIS, G. F. de; SILVA, V. C. M. .; PIMENTA, J. P. R. Redes de afloramentos artificiais para o ensino de Geociências. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 17, n. 00, p. e021013, 2021. DOI: 10.20396/td.v17i00.8663959. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8663959. Acesso em: 23 out. 2021.