Literatura infanto-juvenil em consonância ao ensino de geologia na educação infantil

um relato de experiência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v17i00.8665333

Palavras-chave:

Geoeducação, Leitura, Livros, Diversão, Educação não-formal

Resumo

Este artigo objetiva descrever vivências que conciliam o Ensino de Geologia na Educação Infantil em Caçapava do Sul, Uruguaiana e Alegrete, com a literatura-infanto-juvenil, na qualidade de nutriz do fomento à Extensão. Tratou-se das experiências da construção do conhecimento científico de forma lúdico-pedagógica no âmbito do projeto “Mais Leitura para TODOS”. Por meio de atividades que conciliavam o Ensino de Geociências, Extensão Universitária e Práticas Pedagógicas. Buscou-se utilizar a “hora do conto” como estratégia de ensino para a discussão destas temáticas com as crianças. Os dados produzidos indicaram que as atividades desenvolvidas no âmbito do estudo que as crianças puderam articular de forma plausível os conhecimentos sobre Geologia, assim como os processos que envolvem a Geologia. Percebeu-se que as atividades desenvolvidas no presente trabalho se firmam como fundamentos da responsabilidade institucional, acadêmica e social da universidade para com a comunidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane Heredia Gomes, Universidade Federal do Pampa

Doutora em geociências pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Mestre e geóloga pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Professora adjunta da Universidade Federal do Pampa e Coordenadora do curso de Geologia.

Mara Elisangela Jappe Goi, Universidade Federal do Pampa

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Mestre em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Luterana do Brasil (Ulbra). Licenciada em Química pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí). Professora adjunta da Universidade Federal do Pampa e Coordenadora do Programa de Residência Pedagógica.

Arthur Pedroso Viçozzi, Universidade Federal do Pampa

Graduando em Geologia pela Universidade Federal do Pampa (Unipampa). Bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio Grande do Sul (FAPERGS).

Guilherme Pazinato Dias, Universidade Federal do Pampa

Graduando em Geologia pela Universidade Federal do Pampa (Unipampa). Bolsista de Iniciação Científica e Tecnológica do CNPq.

Diogo Gabriel Sperandio, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorando em Geologia Regional na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Geólogo pela Universidade Federal do Pampa (Unipampa).

Referências

Abramovich, F. (1993). Literatura infantil: gostosuras e bobices. São Paulo: Scipione. 174p.

Baltar, M. A. R. (2006). A competência discursiva escrita a partir dos gêneros textuais: uma proposta pedagógica para LPI. Trabalhos em linguística Aplicada, 45(2), 175-186.

Barbosa, A. C., Silva, N. S., Júnior, C. S., & Silva, L. R. L. (2016). Mediação de leitura de textos didáticos nas aulas de química: uma abordagem com foco na matriz de referência do ENEM. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 18(3), 175-198.

Britto, P. L. (1984). Em terra de surdos-mudos (um estudo sobre as condições de produção de textos escolares). In Geraldi, J. W. (Org.) O texto na sala de aula: leitura & produção. Cascavel: Assoeste. p. 109-119

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. (1997). Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa. Brasília: MEC/SEF.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. (1998). Referencial curricular nacional para a educação infantil. Introdução. volume UM: Formação pessoal e social; volume três: Conhecimento de mundo. Brasília: MEC/SEF.

Carvalho, B. V. (1980). Literatura Infantil: estudos. São Paulo: Ed. Lotus. 221p.

Cauduro, M. L. F. (2011). Escrita e Ensino: ecos do discurso pedagógico. São Carlos: Pedro & João Eds.

Coelho, N. N. (2000). Literatura infantil: teoria, análise e didática. São Paulo: Ed. Moderna. 287p.

Curia, D. F. S. (2012). A Literatura Infanto-juvenil na Contemporaneidade: um outro olhar para o literário em sala de aula. Revista Thema, 9(2), 1-17.

Dohme, V. D. A. (2010). Técnicas de Contar histórias: um guia para desenvolver as suas habilidades e obter sucesso na apresentação de uma história. São Paulo: Informal Ed. 224p.

Ferreira, L. S. (2001). Produção de Leitura na escola: a interpretação do texto literário nas séries iniciais. Ijuí: Ed. Unijuí.

Gallo, S. L. (1992). Discurso da escrita e ensino: ALP. Campinas: Ed. Unicamp.

Geraldi, J. W. (1984). Prática da leitura de textos na escola. Leitura: teoria e prática, 3(3), 25-32.

Gomes, C. H., Sperandio, D. G., Borges, N. P., Dessart, R. L. (2018). Abordagem das Geociências no Ensino Infantil de Caçapava do Sul, RS: a form[ação] dos vulcões. Revista Areté, Revista Amazônica de Ensino de Ciências, 11(24), 44-56.

Guedes, P. C. (2002). Da redação escolar ao texto: um manual de redação. Porto Alegre: Editora UFRGS. 102p.

Junior, W. E. F. (2010). Estratégias de leitura e educação química: que relações. Química Nova na Escola, 32(4), 220-226.

Nunes, J. H. (1998). Aspectos da forma histórica do leitor brasileiro na atualidade. A leitura e os leitores. Campinas: Pontes. p. 25-46.

Orlandi, E. P. (1987). O Inteligível, o interpretável e o compreensível. In: Zilberman, R. & Silva, E. T (Org.). Leitura: perspectivas interdisciplinares. São Paulo: Ed. Ática.

Orlandi, E. P. (1998). Paráfrase e polissemia: a fluidez nos limites do simbólico. Rua (Unicamp), 4(1), 9-20.

Orlandi, E. P. (1999). Discurso e Leitura. São Paulo: Ed. Cortez.

Pécora, A. (1983). Problemas de Redação. São Paulo: Ed. Martins Fontes. 128p.

Possobom, C. C. F, Okada, F. K., & Diniz, R. E. S. (2003) Atividades práticas de laboratório no Ensino de Biologia e de Ciências: relato de uma experiência. In: Garcia W. G., Guedes A. M. (Ed.). Núcleos de ensino. São Paulo: Ed. UNESP. p. 113-123.

Santolin, A. S., & Brandenburg, L. T. M. (2013). O Ensino da Biologia: Atividades Experimentais como Possibilidade de uma melhor Aprendizagem. Cadernos PDE, 2013(1), 1-16.

Santos, L. W. dos, Gens, R., & Martins, G. (2010). Literatura infantil e juvenil na prática docente. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico. 205p.

Silva, E. T. (1998). Criticidade e leitura: ensaios–Campinas. São Paulo: Ed. Mercado de Letras da Associação de Leitura do Brasil. 805p.

Silva, J. S. (2011). O Planejamento no Enfoque Emergente: Uma experiência no 1º Ano do Ensino Fundamental de Nove Anos, Porto Alegre. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação. (Tese Doutorado).

Sim-Sim, I. (2001) A formação para o ensino da leitura. In: Sim-Sim (Org.), A formação para o ensino da língua portuguesa na educação pré-escolar e no 1° ciclo do ensino básico. Brasil: Porto Ed. 2, 51-64.

Souza, R. J., & Feba, B. L. T. (2011). Leitura Literária na escola: reflexões e propostas na perspectiva do letramento. Campinas: Ed Mercado de Letras. 256p.

Souza, S. C., & Nascimento, T. G. (2006). Um diálogo com as histórias de leituras de futuros professores de ciências: História e linguagens. Pro-posições, 17(1), 105-116.

Teixeira júnior, J. G., & Silva, R. M. G. (2007). Perfil de leitores em um curso de Licenciatura em Química. Química Nova, 30(5), 1365-1368.

Thiollent, M. Pesquisa-Ação nas Organizações. São Paulo: Atlas. 1997.

Zilberman, R. (2015). A literatura infantil na escola. São Paulo: Global Ed. 177p.

Downloads

Publicado

2021-09-30

Como Citar

GOMES, C. H.; GOI, M. E. J.; VIÇOZZI, A. P.; DIAS, G. P.; SPERANDIO, D. G. Literatura infanto-juvenil em consonância ao ensino de geologia na educação infantil: um relato de experiência. Terræ Didatica, Campinas, SP, v. 17, n. 00, p. e021028, 2021. DOI: 10.20396/td.v17i00.8665333. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8665333. Acesso em: 8 dez. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)