Banner Portal
Relevância científica e educacional da coleção de macrofósseis da Universidade Federal do Rio de Janeiro
PDF

Palavras-chave

Museologia
Paleontologia
Curadoria
Fóssil
Patrimônio geológico

Como Citar

FIGUEIREDO, F. A. da S.; BOSIO, P. S.; RIBEIRO, R. P.; CARVALHO, I. de S. Relevância científica e educacional da coleção de macrofósseis da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 17, n. 00, p. e021035, 2021. DOI: 10.20396/td.v17i00.8665780. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8665780. Acesso em: 1 mar. 2024.

Resumo

Este estudo analisa o histórico de formação e as práticas de gestão para a salvaguarda da Coleção de Macrofósseis do Departamento de Geologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Trata-se de um acervo de aproximadamente 35.000 exemplares de fósseis, resultado das pesquisas da instituição. A coleção possibilita a análise comparativa de distintos intervalos temporais e de áreas geográficas, possibilitando a análise de bacias sedimentares e prospecção de recursos de interesse econômico. É uma das mais importantes coleções científicas do Brasil, destinada à qualificação de profissionais para atividades de pesquisa em bioestratigrafia, paleoecologia e análise paleoambiental. Os fósseis, considerados patrimônio da União, são analisados no contexto de uma coleção científica musealizada integrante de uma instituição universitária. A relevância das coleções paleontológicas como o registro da memória da Terra demanda procedimentos curadoriais específicos para a preservação deste patrimônio geológico ex-situ.

https://doi.org/10.20396/td.v17i00.8665780
PDF

Referências

Abreu, R. M. (2007). Patrimônio Cultural: Tensões e Disputas no Contexto de uma Nova Ordem Discursiva. In: Lima Filho, M.F., Beltrao, J.F., Eckert, C. (Orgs.). Antropologia e patrimônio cultural: diálogos e Desafios contemporâneos. Associação Brasileira de Antropologia, Blumenau: Nova Letra, 263-285.

Agência Nacional de Mineração (ANM). 2021. Sistema COPAL. Disponível em: https://app.anm.gov.br/Copal/Login?ReturnUrl=%2fcopal. Acesso em: 27.08.2021.

Brasil (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF. Disponível em: https://www.senado.leg.br/atividade/const/con1988/con1988_08.09.2016/art_20_.asp. Acesso em: 01.10.2021.

Brilha, J. (2005). Patrimônio Geológico e Geoconservação: a conservação da natureza na sua vertente geológica. Viseu: Palimage Editores. 190p.

Cândido, M. I. (2006). Documentação Museológica. Caderno de diretrizes museológicas I. 2 ed. Brasília: Ministério da Cultura / Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional /Departamento de Museus e Centros Culturais, Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Cultura / Superintendência de Museus. p. 33-79.

Carvalho, I. S. (2010). Curadoria paleontológica. In: Carvalho, I. S. (Ed.). (2010). Paleontologia: conceitos e métodos, v. 1, 3 ed. Rio de Janeiro: Interciência. p. 373-383.

Chagas, M. S. (2003). O Pai de Macunaíma e o patrimônio espiritual. In: Abreu, R., Chagas, M. S. (Org.). (2003). Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: DP&A. p. 95-108.

Cruz, L. A. (2019). O papel da curadoria no gerenciamento de coleções museológicas de paleontologia no Brasil. Dissertação (Mestrado em Preservação e Gestão do Patrimônio Cultural das Ciências e da Saúde), Fundação Oswaldo Cruz. Casa de Oswaldo Cruz, 133p.

Ferrez, H. D. (1994). Documentação museológica: teoria para uma boa prática. IPHAN. Rio de Janeiro: IPHAN, Estudos Museológicos. p. 65-74 (Cadernos de Ensaios, 2). Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/38689114/Documentacao-Museologica-Helena-Dodd-Ferrez. Acesso em: 25.08.2021.

Figueiredo, F. A. S. (2014). Salvaguarda do patrimônio fossilífero no espaço museu: um estudo de caso sobre os processos de formação e curadoria das coleções paleontológicas pertencentes ao Museu da Geodiversidade. Dissertação de Mestrado em Museologia e Patrimônio, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio), Museu de Astronomia e Ciências Afins (MAST). 249p.

Gonçalves, J. R. S. (2007). Antropologia dos objetos: coleções, museus e patrimônios. Museu, memória e cidadania. Rio de Janeiro, 256p.

Kunzler, J., Machado, D. M. C., Novaes, M. G. L., Ponciano, L. C. M. O. (2014). Coleções Paleontológicas como Proteção do Patrimônio Científico Brasileiro. In: III Seminário Internacional Cultural Material e Patrimônio da Ciência e Tecnologia, Rio de Janeiro. Anais do III Seminário Internacional. v. 01.

Brasil. (2009). Lei Nº 11.904, de 14 de janeiro de 2009. Institui o Estatuto de Museus e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L11904.htm. Brasília, Presidência da República, Casa Civil. Acesso em: 27 ago. 2021.

Lemos, C. A. C. (1981). O que é patrimônio histórico. São Paulo: Ed. Brasiliense. 115p. (Col. Primeiros Passos, 51).

Lima, J. T. M., & Carvalho, I. S. (2020). Políticas de curadoria e preservação em acervos de ciência e tecnologia: uma análise comparativa da gestão de coleções de geologia e paleontologia no Brasil. Boletim do Centro Português de Geo-História e Pré-História, 2(1), 17-27.

Museu da Geodiversidade (MGeo). Rio de Janeiro, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Disponível em: http://www.museu.igeo.ufrj.br/author/mgeo. Acesso em: 26.08.2021.

Pomian, K. (1984). Colecção. Enciclopédia Einaudi. Porto: Imprensa Nacional / Casa da Moeda. p. 51-86.

Semedo, A. (2005). Que museus universitários de ciências físicas e tecnológicas. Colecções de ciências físicas e tecnológicas em museus universitários: homenagem a Fernando Bragança Gil. Porto, Universidade do Porto. Faculdade de Letras. Departamento de Ciências e Técnicas do Património. Secção de Museologia, 265-281. Disponível em: http://ler.letras.up.pt/site/geral.aspx?id=3&tit=Lista%20de%20autores&tp=4&a=Semedo&n=Alice&ida=846. Acesso em: 24.08.2021.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Terrae Didatica

Downloads

Não há dados estatísticos.