Banner Portal
Sequência didática como estratégia para ensino sobre desafios socioambientais relacionados às mudanças climáticas
PDF

Palavras-chave

Mudanças climáticas
Educação
Ensino
Geociências
Aprendizagem baseada em projetos

Como Citar

FARIA, D. R. de; RAMOS, M. C.; COLTRI, P. P. Sequência didática como estratégia para ensino sobre desafios socioambientais relacionados às mudanças climáticas. Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 17, n. 00, p. e021052, 2021. DOI: 10.20396/td.v17i00.8667126. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8667126. Acesso em: 22 fev. 2024.

Resumo

Questões socioambientais ligadas às mudanças climáticas ainda são pouco trabalhadas e estudadas na Educação Básica, sobretudo na etapa do Ensino Médio. Profundamente relacionadas aos problemas urbanos que atingem as comunidades, são as populações mais vulneráveis aquelas que estão mais propensas a serem impactadas com suas consequências. Partindo do entendimento de que todos têm direito a um meio ambiente equilibrado para a sua sobrevivência, este estudo tem como objetivo apresentar uma sequência didática para o ensino da temática socioambiental dentro do tema “Mudanças Climáticas” em consonância com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). A sequência didática foi elaborada com base na Aprendizagem Baseada em Projetos (ABP) e seu desenvolvimento pretende promover uma atuação protagonista dos estudantes, fundamentada em temas da atualidade, o que fomentará o desenvolvimento do pensamento crítico para a compreensão de uma realidade complexa, auxiliando a inserção do tema mudanças climáticas na etapa do Ensino Médio.

https://doi.org/10.20396/td.v17i00.8667126
PDF

Referências

Artaxo, P. (2020). As três emergências que nossa sociedade enfrenta: saúde, biodiversidade e mudanças climáticas. Estudos Avançados, 34, 53-66. doi: 10.1590/s0103-4014.2020.34100.005

Bacich, L. (2020). WebQuest: como organizar uma atividade significativa de pesquisa. São Paulo, Inovação na educação. 22 de março de 2020. Disponível em: https://lilianbacich.com/2020/03/22/webquest-como-organizar-uma-atividade-significativa-de-pesquisa/. Acesso em: 23.07.2021.

Barcellos, C., Monteiro, A. M. V., Corvalán, C. Gurgel, H. C., Carvalho, M. S., Artaxo, P., Hacon, S., & Ragoni, V. (2009). Mudanças climáticas e ambientais e as doenças infecciosas: cenários e incertezas para o Brasil. Epidemiol. Serv. Saúde, 18(3), 285-304. doi: 10.5123/S1679-49742009000300011

Bender, W.N. (2014). Aprendizagem baseada em projetos. Educação diferenciada para o século XXI. Porto Alegre: Penso.

Blank, D. M. P. (2015). O contexto das mudanças climáticas e as suas vítimas. Fortaleza: Mercator,14, 157-172. doi: 10.4215/RM2015.1402.0010

Brasil, Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos (2007). Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, UNESCO. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/2191-plano-nacional-pdf/file. Acesso em: 16.11.2021.

Brasil. Ministério da Educação. (2018). Base Nacional Comum Curricular: versão final. Brasília, MEC. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 15.04.2021.

Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil [online]. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 12.07.2021.

Brasil. (2012). Lei 4771/1965. Código Florestal Brasileiro [online]. Brasília. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil03/leis/L4771.htm. Acesso em: 12.07.2021.

Brasil. Ministério da Educação (2012). Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos. Resolução nº 1, de 30.05.2012. Brasília, DF: Diário Oficial da União, 21.maio.2012, Seção 1, p. 48. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Decreto/D7037.htm. Acesso em: 09.09.2021.

Brasil. Superior Tribunal de Justiça (STJ) (2009). Recurso Especial: REsp 1000731 RO 2007/0254811-8. Relator: Ministro Herman Benjamin. Data de Julgamento: 25/08/2009, T2 Segunda Turma, Data de Publicação: DJe 08/09/2009. Disponível em: https://processo.stj.jus.br/processo/revista/inteiroteor/?num_registro=200702548118&dt_publicacao=08/09/2009. Acesso em: 28.11.2021

Façanha, A. A. B., Chianca, R. C., & Félix, C. P. (2019). O pensamento crítico no contexto da alfabetização científica: um estudo com futuros professores de ciências. Revista Ciências & Ideias, 10(2), 42-55. Disponível em: https://revistascientificas.ifrj.edu.br/revista/index.php/reci/article/view/946/677. Acesso em: 12.03.2020.

Faria, A. F., & Vaz, A. M. (2018). Experiências de Pensamento Científico em aulas de Física. Investigações em Ensino de Ciências, 23(1), 266-294. 10.22600/1518-8795.ienci2018v23n1p266

Fernandes, L. C. S. (2020). Unicidade do Direito para a proteção ambiental. Revista Internacional da Academia Paulista de Direito, (6), 21.

Fortner, R. W. (2001). Climate change in school: Where does it fit and how ready are we? Canadian Journal of Environmental Education (CJEE), 6(1), 18-31.Disponível em: https://cjee.lakeheadu.ca/article/view/285. Acesso em: 28.12.2020.

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática. São Paulo: Paz e Terra.

Grostein, M. D. (2001). Metrópole e expansão urbana: a persistência de processos “insustentáveis”. São Paulo em perspectiva, 15, 13-19. doi: 10.1590/S0102-88392001000100003

Jacaúna, C. L. F. S., & Greco, R. (2019). Ensino por projeto: uma experiência com estudantes de escolas de várzea no amazonas. Geografia ensino & pesquisa, 23, 1-17. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/view/39980. Acesso em: 31.08.2021.

Levy, B. S. & Patz, J. (2015). Climate change, human rights, and social justice. Annals of global health, v. 81, n. 3, p. 310-322. doi: 10.1016/j.aogh.2015.08.008

Morin, E. (2011). Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2011.

Morin, E. (2015). Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2015.

Monroe, M. C., Plate, R. R., Oxarart, A, Bowers, A., & Chaves, W. A. (2017). Identifying effective climate change education strategies: a systematic review ofthe research, Environmental Education Research, 25(6), 791-812. doi: 10.1080/13504622.2017.1360842.

Oliva, A. (2011). Teoria do Conhecimento. Rio de Janeiro: Zahar.

Organização das Nações Unidas (ONU). (2019). Informe sobre a Questão das Obrigações de Direitos Humanos Relacionadas com o Gozo de um Meio Ambiente Seguro, Limpo, Saudável e Sustentável (A/74/161). ONU, Relator especial sobre Direitos Humanos e Meio Ambiente do Alto Comissariado de Direitos Humanos., par. 65, 22p. Disponível em: https://documents-dds-ny.un.org/doc/UNDOC/GEN/N19/216/45/PDF/N1921645.pdf?OpenElement. Acesso em: 27.11.2021.

Orion, N. (2019). The future challenge of Earth science education research. Disciplinary and Interdisciplinary Science Education Research, 1(1), 3-8. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1186/s43031-019-0003-z. Acesso em: 12.12.2020.

Palma, C. M. (2018). Do Direito Ambiental à Educação Ambiental. Contribuições do pensamento vida e obra de Paulo Afonso Leme Machado. São Paulo: Letras Jurídicas.

Piovesan, F. C. (2009). Direitos humanos: desafios e perspectivas contemporâneas. Brasília, Revista TST, 75(1),.

Ramacciotti, B. L., Souza, C. Q. da, & Dantas, L. R. A. S. (2020). O princício da proibição do retrocesso ambiental aplicado às políticas públicas ambientais. [S.l.], REI, Revistas de Estudos Institucionais, 6(2), 685-706. ISSN 2447-5467. doi: 10.21783/rei.v6i2.481.

Santos, V. M. N. dos & Bacci, D. L. C. (2017). Proposta para governança ambiental ante os dilemas socioambientais urbanos. Estudos Avançados, 31, 199-212. doi: 10.1590/s0103-40142017.31890017.

Sachs, W. (2008). Climate change and human rights. Development, 51(3), 332-337. doi: 10.1057/dev.2008.35.

Sagala, R., Nuangchalerm, P., Saregar, A., El Islami, R. A. Z. (2019). Environment-friendly education as a solution to against global warming: a case study at Sekolah Alam Lampung, Indonesia. Journal for the Education of Gifted Young Scientists, 7(2), 85-97. Disponível em: https://dergipark.org.tr/en/pub/jegys/article/565454. Acesso em: 12.12.2020.

Sarlet, I. W. & Fensterseifer, T. (2021). Curso de Direito Ambiental. 2ed. Rio de Janeiro: Forense. p.390-399.

Siegner, A. & Stapert, N. (2020). Climate chance education in the humanities classroom: a case study of Lowell School curriculum pilot. Environmental Education Research, 26, 511-531. doi: 10.1080/13504622.2019.1607258.

Silva, C. P. da, Figuerôa, S. F. M., & Newerla, V. B. (2008). Subsídios para o uso da história das ciências no ensino: exemplos extraídos das Geociências. Ciência & Educação (Bauru), 14, 497-517. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ciedu/a/h8SpWTgmpxZDQrgCCPjn5NF/abstract/?format=html&lang=pt. Acesso em: 22.08.2021.

Sinden, A. (2007). Climate change and human rights. J. Land Resources & Envtl. L., 27, 255-271.

Souza, J. A. G. de (coord.) (2008). A Defensoria Pública e os processos coletivos: comemorando a Lei Federal 11.448, de 15 de janeiro de 2007. Rio de Janeiro: Lúmen Juris.

Stevenson, R. B., Nicholls, J., Whitehouse, H.(2017). What is climate change education? Curriculum Perspectives, 37(1), 67-71. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1007/s41297-017-0015-9. Acesso em: 15.12.2020.

Zezzo, L. V., Oliveira, J. P. de, & Coltri, P. P. (2020). Clima em jogo: uma ferramenta pedagógica para aprendizagem de conceitos em Geociências, com ênfase na Climatologia. Terræ Didatica, 16(Publ. Contínua), 1-10, e020003. doi: 10.20396/td.v16i0.8656203.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Terrae Didatica

Downloads

Não há dados estatísticos.