O solo como estratégia de integração e mudança social na educação formal (durante a pandemia)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v17i00.8667180

Palavras-chave:

Ensino híbrido, Educação ambiental, Agroecologia

Resumo

O estudo do solo na educação formal, por meio do plantio de hortaliças na escola e na comunidade, envolve, em geral, a implantação da horta escolar. A partir da aprendizagem remota, adotada como estratégia de ensino desde o início do isolamento social provocado pela pandemia de Covid-19, em substituição às atividades presenciais na escola, a “horta escolar” vem sendo desenvolvida na E. E. Prof. Francisco de Paula Conceição Jr., localizada na zona sul da cidade de São Paulo, com alunos do 8º ano do ensino fundamental, em atividades interdisciplinares e transversais com 20 alunos. A pesquisa-ação e a roda de conversa, adotadas como referencial metodológico, partiram de problemas cotidianos, observados durante o isolamento social, que foram retomados na fase presencial na escola. A proposta utiliza o solo/horta como espaços de aprendizagem, como um desafio emergente à pandemia com o ensino remoto, e como elemento de integração no retorno às aulas presenciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Hermom Reis Silva, Universidade Estadual de Campinas

Graduado em Licenciatura em Ciências da Natureza pela Universidade de São Paulo. Pós-graduação em Ensino e História das Ciências da Terra Universidade Estadual de Campinas (IG).

Rosely Aparecida Liguori Imbernon, Universidade de São Paulo

Livre Docente em Ensino de Geociências pela Universidade de São Paulo. Professor Associado MS-5.3 da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da Universidade de São Paulo.

Referências

Almeida, F. J., Almeida, M. E. B., & Silva, M. G. M. (2020). In: Almeida, F. J. de, Almeida, M. E. B. de, & Silva, M. G. M. da (Orgs). (2020). De Wuhan a Perdizes. Trajetos educativos. São Paulo: EDUC. e-book. ISBN 978-65-87387-15-4. Disponível em: https://www.pucsp.br/educ/downloads/trajetos_educativos.pdf. Acesso em: 07.09.2021.

Almeida, M. E. B. (2004). Inclusão digital do professor: formação e prática pedagógica. São Paulo: Articulação Universidade Escola.

Bacich, L., Tanzi Neto, A., & Trevisani, F. M. D. (2019). Ensino Híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre, Penso.

Barbosa, M. C. S., & Horn, M. G. S. (2008) Projetos pedagógicos na Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed, 2008.

Bhabha, H. (2002). O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Brasil. Ministério da Educação. (2018). Base Nacional Comum Curricular: versão final. Brasília. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 15.04.2021.

Carson, R. (1964). Primavera silenciosa. São Paulo: Melhoramentos.

Cristol, D., Gimbert, B. (2021). Preservice teachers self-awareness needs post-pandemic. Academia Letters, Article 256, 1-10. doi: 10.20935/AL256.

Darling-Hammond, L., & Hyler, M. E. (2020). Preparing educators for the time of COVID… and beyond. European Journal of Teacher Education, 43(4), 457-465. doi: 10.1080/02619768.2020.1816961

Food and Agriculture Organization (FAO), Intergovernmental Technical Panel on Soils (ITPS), Global Soil Biodiversity Initiative (GSBI), U.S. National Cooperative Soil Survey Characterization Database (NCSS–SCDB), European Commission (EC). (2020) State of knowledge of soil biodiversity: Status, challenges and potentialities, Summary for policy makers. Roma, FAO. Disponível em: https://doi.org/10.4060/cb1929en.

Food and Agriculture Organization, FAO (2021). Food and Agriculture Organization of the United Nations. ONU.

Food and Agriculture Organization, FAO (2015). Food and Agriculture Organization of the United Nations. Soil is a non-renewable resource. Its preservation is essential for food security and our sustainable future. Italy. ONU.

Freire, P. (1996). Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (1983). Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra.

Gabriel, N. S., Marçal, G. A., Imbernon, R. A. L., & Pioker-Hara, F. C. (2021) O retorno às aulas no pós-pandemia: estudo de caso e análise comparativa entre o ensino público e o ensino privado. Terræ Didatica, 17(Publ. Contínua), 1-13, e021005. doi: 10.20396/td.v17i0.8663375.

Giroux, H. A. (1997). Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Trad. Daniel Bueno. Porto Alegre: Artes Médicas. 528p. ISBN 85-7307-301-2.

Guarda, G. N., Luz, T. N., Rodrigues, T., & Beltrame, L. M. (2017). A roda de conversa como metodologia educativa: o diálogo e o brincar oportunizando o protagonismo infantil na sala de aula. In: EDUCERE, Formação de professores: contexto, sentidos e prática. IV Sem. Int. de Representações Sociais, Subjetividade e Educação-SIRSSE; VI Sem. Intern. Profissionalização Docente (SIPD/Cátedra UNESCO). Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2017/26991_13947.pdf. Acesso em: 30.08.2021.

Haleem, A., Javaid, M., Vaishya, R., Deshmukh, S. G. (2020). Areas of academic research with the impact of COVID-19. The American Journal of Emergency Medicine, 38(7): 1524–1526. doi: 10.1016/j.ajem.2020.04.022.

Harrison, R., Strahm, B., & Yi, X. (2010). Soil education and public awareness. In: Verheye, W. H. ed., (2010). Plant Growth and Crop Production, v. 3, Cap. 33, e-ISBN: 978-1-84826-369-7. ISBN: 978-1-84826-819-7, 492p.

Jensen, C. D., Kotaish, M., Chopra, A., Jacob, K. A., Widekar, T. I., & Alam, R. (2019). Piloting a Methodology for Sustainability Education: Project Examples and Exploratory Action Research Highlights. Emerg. Sci. J. 3, 312-326.

Lins, M. R. C., Araújo, M. R., & Minervino, C. A.. S. M. (2013). Estratégias de aprendizagem: um estudo teórico. In: Minervino, C. A. S. M., & Nóbrega, J. N. (Orgs.). (2013). Aprendizagem e emoção: estudos na infância e adolescência. Casa do Psicólogo. p. 60-91.

Morin, E. (2003) Uma ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 350 p. ISBN 8528605795.

Morin, E. (2000) Os sete saberes necessários à educação do futuro. Trad. Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya Carvalho. 2 ed. São Paulo. Cortez. Brasília, DF: UNESCO.

Organização das Nações Unidas, ONU. (2015). Agenda 2030. ONU. Disponível em: http://www.agenda2030.org.br/sobre/. Acesso em: 20.02.2017.

Ortega, L. M. R., & Rocha, V. F. (2020). O Dia Depois de Amanhã. Na realidade e nas Mentes. O que esperar e a Escola Pós-Pandemia? Pedagogia em Ação, 13(1), 302-314. Disponível em: http://200.229.32.43/index.php/pedagogiacao/article/view/23782. Acesso em: 20.03.2021.

Robinson-Neal, A. (2021). Reflections on Educational Practice: Covid-19 Influences. Academia Letters, Article 176, 1-6. 10.20935/AL176.

Roldão, M. C. (2010). Ensinar e aprender: o saber e o agir distintivos do profissional docente. In: Ens, R. T., & Behrens, M. A. orgs. (2010). Formação do professor: profissionalidade, pesquisa e cultura escolar. Curitiba: Champagnat. p. 25-42.

Santamaria Filho, A. R., Nogueira, J. M., Cabral, P. G. F., Ramos, E. N., & Sandri, E. B. (2015). Eixo 3. Sustentabilidade da Produção Agropecuária, Segurança Alimentar e Serviços Ambientais. In: Relatório, Conferência Governança do Solo, 25 a 27 de março de 2015, Brasília, DF. Tribunal de Contas da União. 56p.

Schroeder, D. (2017). Solos. Fatos e Conceitos. Trad. Lopes, A. S. São Paulo, ANDA. 2017. Sistema Brasileiro de Classificação de Solo. 5 ed. Brasília. DF: Embrapa.

Silveira, A. P. D., & Freitas, S. S. (2007). Microbiota do Solo e Qualidade Ambiental. Campinas: Instituto Agronômico. 312p. ISBN: 978-85-85564-14-8

Souza, A. S., Furrier, M., & Lavor, L. F. de. (2021). Solos nos livros didáticos: contextualização e proposta de mapas didáticos. Terræ Didatica, 17(Publ. Cont.), 1-13, e021010. doi: 10.20396/td.v17i0.8663686.

Thiollent, M. (2005) Metodologia da Pesquisa-ação. 14 ed. São Paulo: Cortez.

Thiollent, M. (2011) Metodologia da Pesquisa-ação. 18 ed. São Paulo: Cortez.

Valente, J. A. (2014) Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educar em Revista, (spe 4). Dossiê Educação a Distância. doi: 10.1590/0104-4060.38645.

Vasconcelos, C., Orion, N. (2021) Earth Science Education as a Key Component of Education for Sustainability. Sustainability, 13, 1316. doi: 10.3390/su13031316.

Vicente, M. C., Bertholoto, D. M. (2020) O ensino de solos nos anos iniciais do Ensino Fundamental: uma abordagem baseada em livros didáticos de Ciências após aprovação da Base Nacional Comum Curricular. Revista Educação Pública, 20(39). doi: 10.18264/REP.

Wamsler, C. (2020). Education for sustainability: Fostering a more conscious society and transformation towards sustainability. Int. J. Sustain. High. Educ., 21, 112-130. doi: 10.1108/IJSHE-04-2019-0152.

Yin, R. K. (2001). Estudos de casos Planejamentos e Métodos. Trad. Grassi, D. Porto Alegre: Bookman.

Yin, R. K. (2016). Pesquisa qualitativa do início ao fim. Trad. Bueno, D. Penso. Porto Alegre, 2016.

Zanella, A. G. (2019). Avaliação de bioporos na vitrine tecnológica de agroecologia do município de Cascavel, PR. Universidade Federal de Fronteira do Sul, Curso de Agronomia, Trabalho de Conclusão de Curso, TCC. 33p. Disponível em: https://rd.uffs.edu.br/bitstream/prefix/3740/1/ZANELLA.pdf. Acesso em: 25.01.2021.

Zuñiga, R. (1981). La recherche-action et le controle du savoir. Revue Internationale d′Action Communautaire, 45(5), 35-44.

Publicado

2021-12-03

Como Citar

SILVA, H. R.; IMBERNON, R. A. L. O solo como estratégia de integração e mudança social na educação formal (durante a pandemia). Terræ Didatica, Campinas, SP, v. 17, n. 00, p. e021042, 2021. DOI: 10.20396/td.v17i00.8667180. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8667180. Acesso em: 28 nov. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)