Autoformação em Geociências

aprendizado permanente e temporalidade na imersão sociedade-natureza

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/td.v17i00.8667331

Palavras-chave:

Meio ambiente, Transdisciplinaridade, Visão sistêmica, Cidadania, Educação

Resumo

Três dimensões compõem a construção do pensamento complexo: a heteroformação, a ecoformação e a autoformação. Esta última impacta um indivíduo adulto quando, em um círculo virtuoso de ação-reflexão-ação, ele toma as rédeas de seu amadurecimento. Autoformação requer autonomia e tempo. Evolui para aprendizagem permanente, ao se associar à transdisciplinaridade, uma perspectiva pluralista do conhecimento que transcende as fronteiras do saber e articula diferentes formas de compreensão do mundo. Identificam-se campos privilegiados para autoformação no grande campo interdisciplinar das Ciências Ambientais e, em especial, das Geociências. Este artigo descreve e analisa a oportunidade de uma proposta de autoformação em Geociências, baseada em situações polêmicas e conflituosas da interferência humana com os ecossistemas naturais, cujas consequências podem ser evidentes, dissimuladas ou até mesmo imprevisíveis. Um dos resultados esperados do processo é permitir que cada pessoa exerça, ao longo da vida, uma cidadania responsável e consequente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Roberto Serra Martins, Instituto Federal de São Paulo

Doutor pelo Programa de Pós-graduação em Ensino e História de Ciência da Terra, Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil. Professor efetivo do Instituto Federal de São Paulo, São João da Boa Vista, SP. 

Celso Dal Ré Carneiro, Universidade Estadual de Campinas

Doutor em Geologia pela Universidade de São Paulo. Professor livre-docente da Universidade Estadual de Campinas.

Referências

Ab'Sáber, A. N. (2011). Do Código Florestal para o Código da Biodiversidade. Campinas, SP, Terræ Didatica, 7(2), 117-124. doi: 10.20396/td.v7i2.8637434.

Camargo, L. O. (2016). O legado de Joffre Dumazedier: reflexões em memória do centenário de seu nascimento. Belo Horizonte, Revista Brasileira de Estudos do Lazer, 3(1), 142-166. Diponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbel/article/view/519/352. Acesso em: 19.10.2021.

Carneiro, C. D. R. (2021). Geoética, Herança Geológica e Geodiversidade: aprendendo Ciência, fazendo Direito. In: Souza-Fernandes, L. C. de. (2021). Aragão, A., & Sá, A.A. (2021). Novos rumos do Direito Ambiental: um olhar para a Geodiversidade. Campinas: Unicamp. p. 87-118.

Carneiro, C. D. R., Machado, F. B., Reis, F. A. G. V., Estrella, G. O., Dantas, A. S. L. (2019). Trajetória do conhecimento geológico no Brasil. In: Reis, F. A. G. V., Kuhn, C. E. S., Figueira, R. M., Viero, A. P. (Eds.) 2019. A Geologia na Construção e Desenvolvimento Sustentável do Brasil. São Paulo: Febrageo. p. 01-34. (Cap. 1). Disponível em: http://aguasustentavel.org.br/Download/livrogeologia2019.pdf.

Carneiro, C. D. R., Pereira, S. Y., Gonçalves, P. W., & Ricardi-Branco, F. S. T. (2021). O desafio da divulgação das Geociências em tempos de pandemia e movimentos anti-Ciência (Apresentação). Terræ Didatica, 17 (Publ. Contínua). e021001. doi: 10.20396/td.v16i0.8659116.

Carneiro, C. D. R., Toledo, M. C. M. de, Almeida, F. F. M. de. (2004). Dez motivos para a inclusão de temas de Geologia na Educação Básica. Revista Brasileira de Geociências, 34(4), 553-560. doi: 10.25249/0375-7536.2004344553560.

Duccini, L., & Sales, D. (2013). Entre a questão e o gesto: reflexões sobre o trabalho de campo de base fenomenológica. A cor das letras, UEFS, 14(1), 51-68. doi: 10.13102/cl.v14i1.1451.

Dumazedier, J. (1994). La méthode d'entraînement mental. Paris: Voies Livres.

Freud, S. (2013). As pulsões e seus destinos. Trad. Pedro H. Tavares. Belo Horizonte: Autêntica. (Ed. bilíngue).

Galvani, P. (2002). Autoformação: uma perspectiva transpessoal, transdisciplinar e transcultural. In: Sommermann, A., Mello, M. F., & Barros, V. M. (2002). Educação e transdisciplinaridade II. São Paulo: Triom/UNESCO. p. 95-121. URL: http://forumeja.org.br/node/1509. Acesso 12.10.2021.

Locke, S., Libarkin, J., & Chang, C. Y. (2012). Geoscience Education and Global Development. Journal of Geoscience Education, 60(3), 199-200. doi: 1089-9995/2012/60(3)/199/2.

Martins, J. R. S. (2020). Formação continuada de professores de ciências e transdisciplinaridade: da autoformação à operacionalização de atividades e projetos. Campinas, Universidade Estadual de Campinas. 516p. Tese (Doutorado em Ciências). Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/358218. Acesso em: 13.10.2021.

Martins, J. R. S., Carneiro, C. D. R. (2012). Plataforma continental jurídica, recursos do pré-sal e ensino de Geociências. Terræ, 9(1), 61-109. Disponível em: http://www.ige.unicamp.br/terrae/V9/T_V9_A6.html.

Merleau-Ponty, M. (1999). Fenomenologia da percepção. Trad. Carlos A. R. de Moura. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes. 666p.

Nicolescu, B. (2001). O manifesto da transdisciplinaridade. Trad. Lúcia Pereira de Souza. São Paulo: Triom. 168p.

Pineau, G. (1983). Produire sa vie: autoformation et autobiographie. Paris: Edilig. 419p.

Pineau, G. (2002). A Autoformação no decurso da Vida. In: Sommermann, A., Mello, M. F., & Barros, V. M. (2002). Educação e transdisciplinaridade II. São Paulo: Triom/UNESCO. URL: http://forumeja.org.br/node/1324. Acesso 12.10.2021.

Pineau, G. (2006). As histórias de vida em formação: gênese de uma corrente de pesquisa-ação-formação existencial. São Paulo: Educação e Pesquisa, 32(2), 329-343. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/vBbLxwHQHLFnfrS48HYbhxw/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 12.10.2021.

Pineau, G. (2021). Conquistar seu tempo através da formação dos ritmos da própria vida. Curitiba: Educar em Revista, 37, e77919. (Entrevista) doi: http://dx.doi.org/10.1590/0104-4060.77919.

Potapova M. S. (1968). Geology as an historical science of nature. In: Interaction of science in the study of the earth. Moscow: Progress. v. 1, p. 117-126.

Potapova M. S. (2008). Geologia como uma ciência histórica da natureza. Terræ Didatica, 3(1), 86-90. doi: 10.20396/td.v3i1.8637480.

Ribeiro, C. S. (2020). O conceito freudiano de pulsão e o estatuto epistemológico da psicanálise: o olhar de Heidegger e de Ricoeur. Voluntas: Revista Internacional de Filosofia, 11(2), 300-327. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/voluntas/article/view/47903/html. Acesso em: 27.02.2021.

Ribeiro Jr., J. (1991). Fenomenologia. São Paulo: Pancast. 93p.

Santa Ana, C. A. R., Boucinha, L. G., Tavarez, L. G., & Azevedo, R. F. (2020). A aula de campo na construção de significados culturais, de topofilia e do ethos socioambiental: uma experiência de percepção em Aldeia Velha, RJ. Revista Educação Ambiental em Ação, 18(70). Disponível em: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=3916. Acesso em: 14.04.2021.

Simondon, G. (1964). L'individu et sa genèse physico-biologique. Paris: PUF. 272p.

Sommerman, A. (2003). Formação e transdisciplinaridade: uma pesquisa sobre as emergências formativas do Cetrans. Lisboa, Portugal: Universidade Nova de Lisboa. 353p. (Dissert. Mestr. Ciências da Educação).

Tassinari, R. P. (2013). Teorias e a lógica como sistemas de operações sobre signos: os sistemas formais. UNESP/ Marília, 4p. Disponível em: https://www.marilia.unesp.br/Home/ Instituicao/Docentes/RicardoTassinari/TLSOSSF.pdf. Acesso em: 17.04.2021.

Tuan, Y. F. (2013). Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Lívia de Oliveira (trad.). Londrina: EdUEL.

Downloads

Publicado

2021-12-03

Como Citar

MARTINS, J. R. S.; CARNEIRO, C. D. R. Autoformação em Geociências: aprendizado permanente e temporalidade na imersão sociedade-natureza . Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 17, n. 00, p. e0211046, 2021. DOI: 10.20396/td.v17i00.8667331. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8667331. Acesso em: 21 maio. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 > >>