Banner Portal
Autoformação em geociências
PDF

Palavras-chave

Meio ambiente
Transdisciplinaridade
Visão sistêmica
Cidadania
Educação

Como Citar

MARTINS, José Roberto Serra; CARNEIRO, Celso Dal Ré. Autoformação em geociências: aprendizado permanente e temporalidade na imersão sociedade-natureza . Terrae Didatica, Campinas, SP, v. 17, n. 00, p. e0211046, 2021. DOI: 10.20396/td.v17i00.8667331. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/td/article/view/8667331. Acesso em: 26 maio. 2024.

Resumo

Três dimensões compõem a construção do pensamento complexo: a heteroformação, a ecoformação e a autoformação. Esta última impacta um indivíduo adulto quando, em um círculo virtuoso de ação-reflexão-ação, ele toma as rédeas de seu amadurecimento. Autoformação requer autonomia e tempo. Evolui para aprendizagem permanente, ao se associar à transdisciplinaridade, uma perspectiva pluralista do conhecimento que transcende as fronteiras do saber e articula diferentes formas de compreensão do mundo. Identificam-se campos privilegiados para autoformação no grande campo interdisciplinar das Ciências Ambientais e, em especial, das Geociências. Este artigo descreve e analisa a oportunidade de uma proposta de autoformação em Geociências, baseada em situações polêmicas e conflituosas da interferência humana com os ecossistemas naturais, cujas consequências podem ser evidentes, dissimuladas ou até mesmo imprevisíveis. Um dos resultados esperados do processo é permitir que cada pessoa exerça, ao longo da vida, uma cidadania responsável e consequente.

https://doi.org/10.20396/td.v17i00.8667331
PDF

Referências

Ab'Sáber, A. N. (2011). Do Código Florestal para o Código da Biodiversidade. Campinas, SP, Terræ Didatica, 7(2), 117-124. doi: 10.20396/td.v7i2.8637434.

Camargo, L. O. (2016). O legado de Joffre Dumazedier: reflexões em memória do centenário de seu nascimento. Belo Horizonte, Revista Brasileira de Estudos do Lazer, 3(1), 142-166. Diponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbel/article/view/519/352. Acesso em: 19.10.2021.

Carneiro, C. D. R. (2021). Geoética, Herança Geológica e Geodiversidade: aprendendo Ciência, fazendo Direito. In: Souza-Fernandes, L. C. de. (2021). Aragão, A., & Sá, A.A. (2021). Novos rumos do Direito Ambiental: um olhar para a Geodiversidade. Campinas: Unicamp. p. 87-118.

Carneiro, C. D. R., Machado, F. B., Reis, F. A. G. V., Estrella, G. O., Dantas, A. S. L. (2019). Trajetória do conhecimento geológico no Brasil. In: Reis, F. A. G. V., Kuhn, C. E. S., Figueira, R. M., Viero, A. P. (Eds.) 2019. A Geologia na Construção e Desenvolvimento Sustentável do Brasil. São Paulo: Febrageo. p. 01-34. (Cap. 1). Disponível em: http://aguasustentavel.org.br/Download/livrogeologia2019.pdf.

Carneiro, C. D. R., Pereira, S. Y., Gonçalves, P. W., & Ricardi-Branco, F. S. T. (2021). O desafio da divulgação das Geociências em tempos de pandemia e movimentos anti-Ciência (Apresentação). Terræ Didatica, 17 (Publ. Contínua). e021001. doi: 10.20396/td.v16i0.8659116.

Carneiro, C. D. R., Toledo, M. C. M. de, Almeida, F. F. M. de. (2004). Dez motivos para a inclusão de temas de Geologia na Educação Básica. Revista Brasileira de Geociências, 34(4), 553-560. doi: 10.25249/0375-7536.2004344553560.

Duccini, L., & Sales, D. (2013). Entre a questão e o gesto: reflexões sobre o trabalho de campo de base fenomenológica. A cor das letras, UEFS, 14(1), 51-68. doi: 10.13102/cl.v14i1.1451.

Dumazedier, J. (1994). La méthode d'entraînement mental. Paris: Voies Livres.

Freud, S. (2013). As pulsões e seus destinos. Trad. Pedro H. Tavares. Belo Horizonte: Autêntica. (Ed. bilíngue).

Galvani, P. (2002). Autoformação: uma perspectiva transpessoal, transdisciplinar e transcultural. In: Sommermann, A., Mello, M. F., & Barros, V. M. (2002). Educação e transdisciplinaridade II. São Paulo: Triom/UNESCO. p. 95-121. URL: http://forumeja.org.br/node/1509. Acesso 12.10.2021.

Locke, S., Libarkin, J., & Chang, C. Y. (2012). Geoscience Education and Global Development. Journal of Geoscience Education, 60(3), 199-200. doi: 1089-9995/2012/60(3)/199/2.

Martins, J. R. S. (2020). Formação continuada de professores de ciências e transdisciplinaridade: da autoformação à operacionalização de atividades e projetos. Campinas, Universidade Estadual de Campinas. 516p. Tese (Doutorado em Ciências). Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/358218. Acesso em: 13.10.2021.

Martins, J. R. S., Carneiro, C. D. R. (2012). Plataforma continental jurídica, recursos do pré-sal e ensino de Geociências. Terræ, 9(1), 61-109. Disponível em: http://www.ige.unicamp.br/terrae/V9/T_V9_A6.html.

Merleau-Ponty, M. (1999). Fenomenologia da percepção. Trad. Carlos A. R. de Moura. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes. 666p.

Nicolescu, B. (2001). O manifesto da transdisciplinaridade. Trad. Lúcia Pereira de Souza. São Paulo: Triom. 168p.

Pineau, G. (1983). Produire sa vie: autoformation et autobiographie. Paris: Edilig. 419p.

Pineau, G. (2002). A Autoformação no decurso da Vida. In: Sommermann, A., Mello, M. F., & Barros, V. M. (2002). Educação e transdisciplinaridade II. São Paulo: Triom/UNESCO. URL: http://forumeja.org.br/node/1324. Acesso 12.10.2021.

Pineau, G. (2006). As histórias de vida em formação: gênese de uma corrente de pesquisa-ação-formação existencial. São Paulo: Educação e Pesquisa, 32(2), 329-343. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/vBbLxwHQHLFnfrS48HYbhxw/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 12.10.2021.

Pineau, G. (2021). Conquistar seu tempo através da formação dos ritmos da própria vida. Curitiba: Educar em Revista, 37, e77919. (Entrevista) doi: http://dx.doi.org/10.1590/0104-4060.77919.

Potapova M. S. (1968). Geology as an historical science of nature. In: Interaction of science in the study of the earth. Moscow: Progress. v. 1, p. 117-126.

Potapova M. S. (2008). Geologia como uma ciência histórica da natureza. Terræ Didatica, 3(1), 86-90. doi: 10.20396/td.v3i1.8637480.

Ribeiro, C. S. (2020). O conceito freudiano de pulsão e o estatuto epistemológico da psicanálise: o olhar de Heidegger e de Ricoeur. Voluntas: Revista Internacional de Filosofia, 11(2), 300-327. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/voluntas/article/view/47903/html. Acesso em: 27.02.2021.

Ribeiro Jr., J. (1991). Fenomenologia. São Paulo: Pancast. 93p.

Santa Ana, C. A. R., Boucinha, L. G., Tavarez, L. G., & Azevedo, R. F. (2020). A aula de campo na construção de significados culturais, de topofilia e do ethos socioambiental: uma experiência de percepção em Aldeia Velha, RJ. Revista Educação Ambiental em Ação, 18(70). Disponível em: http://revistaea.org/artigo.php?idartigo=3916. Acesso em: 14.04.2021.

Simondon, G. (1964). L'individu et sa genèse physico-biologique. Paris: PUF. 272p.

Sommerman, A. (2003). Formação e transdisciplinaridade: uma pesquisa sobre as emergências formativas do Cetrans. Lisboa, Portugal: Universidade Nova de Lisboa. 353p. (Dissert. Mestr. Ciências da Educação).

Tassinari, R. P. (2013). Teorias e a lógica como sistemas de operações sobre signos: os sistemas formais. UNESP/ Marília, 4p. Disponível em: https://www.marilia.unesp.br/Home/ Instituicao/Docentes/RicardoTassinari/TLSOSSF.pdf. Acesso em: 17.04.2021.

Tuan, Y. F. (2013). Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. Lívia de Oliveira (trad.). Londrina: EdUEL.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Terrae Didatica

Downloads

Não há dados estatísticos.