Não me chame de mulata: uma reflexão sobre a tradução em literatura afrodescendente no Brasil no par de línguas espanhol-português

Autores

  • Liliam Ramos da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Palavras-chave:

Literatura afrodescendente. Mulato/a. Escravo/a.

Resumo

Este texto tem como objetivo analisar a carga semântica dos termos escravo/a e mulato/a no contexto brasileiro e propõe uma discussão sobre a ressignificação de seu sentido na tradução ao português brasileiro sob a ótica dos Estudos Culturais. Os teóricos dos Estudos Culturais utilizados no ensaio – Gayatri Spivak, Stuart Hall e Boaventura Sousa Santos – sustentam que o sujeito pós-colonial é alguém que se movimenta entre duas culturas e que constantemente desenvolve estratégias de tradução cultural entre diferentes povos. As pesquisadoras dos Estudos da Tradução Susan Bassnet e Rosemary Arrojo inserem os textos traduzidos em uma perspectiva intercultural, na qual o tradutor não pode se eximir e tampouco se invisibilizar. Salgueiro e Carrascosa discutem a tradução afrodiaspórica no contexto brasileiro. Será debatido o papel do tradutor que transcodifica textos incluídos na perspectiva pós-colonial e sua mediação na tradução linguística e cultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Liliam Ramos da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutora em Literaturas de Língua Estrangeira Moderna - Espanhol; professora do Departamento de Línguas Modernas da UFRGS responsável pelas disciplinas de Literatura Hispano-americana, Cultura Hispano-americana, Língua espanhola e Tradução espanhol-português; coordenadora do projeto de pesquisa Vozes negras no romance hispano-americano.

Referências

ARROJO, R. (2007). Oficina de tradução: a teoria na prática. 5.ed. São Paulo: Ática.

ARROJO, R. (1996). Os estudos da tradução na pós-modernidade, o reconhecimento da diferença e a perda da inocência. Cadernos de Tradução, v.1, n.1. Em aberto. Florianópolis. Disponível em Acesso em 28.fev.2017

ARRAES, J. Não me chame de mulata. Geledés Instituto da Mulher Negra. Em aberto. Disponível em Acesso em 09.mar.2017

BASSNET, S. (1992). Post-colonial translation: theory and practice. Brighton: Routledge.

CÁRDENAS, T. (2006). Perro Viejo. La Habana: Fondo Editorial Casa de las Américas.

CÁRDENAS, T. (2010). Cachorro Velho. Tradução de Joana Angélica D’Ávila Melo. Rio de Janeiro: Pallas.

CARRASCOSA, D. (2017). Traduzindo no Atlântico Negro. Por uma práxis teóricopolítica de tradução entre literaturas afrodiaspóricas. In: CARRASCOSA, D. (org.) Traduzindo no Atlântico Negro: cartas náuticas afrodiaspóricas para travessias literárias. Salvador: Ogum´s Toques Negros. p. 63-75.

FREYRE, G. (1933). Casa Grande & Senzala. Formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal. Rio de Janeiro: Maia & Schmidt.

GILROY, P. (2001). Atlântico Negro. Modernidade e dupla consciência. Tradução de Cid Knipel. São Paulo: Editora 34; Rio de Janeiro: Universidade Candido Mendes e Centro de Estudos Afro-Asiáticos.

HALL, S. (2003a). A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva y Guaracira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A.

HALL, S. (2003). Da diáspora. Identidades e Mediações Culturais. Organização de Liv Sovik. Tradução de Adelaine La Guardia Resende et al. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: Representação da UNESCO no Brasil.

HARKOT-DE-LA-TAILLE, E.; SANTOS, A.R. (2012). Sobre escravos e escravizados: percursos discursivos da conquista da liberdade. Anais do III Simpósio Nacional Discurso, Identidade e Sociedade. Desafios e percursos na contemporaneidade. Em aberto. Disponível em http://www.iel.unicamp.br/sidis/anais/pdf/HARKOT_DE_LA_TAILLE_ELIZABETH.pdf Acesso en 08.mar.2017

NASCIMENTO, A. do. (1978). O genocídio do negro brasileiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

NASCIMENTO, E. L. (2018). Diretora do Ipeafro rebate críticas de antropólogo a movimentos negros. Folha de São Paulo, 19.jan.2018. Em aberto. Disponível em Acesso em 04.fev.2018

OLIVEIRA, C. (2013). Palavras de carga. Blogueiras Negras. 26.jun.2013. Em aberto. Disponível em Acesso em 03.fev.2018

RISERIO, A. (2017). Movimentos negros repetem a lógica do racismo científico, diz antropólogo. Folha de São Paulo, 16.dez.2017. Em aberto. Disponível em Acesso em 04.fev.2018

RODRIGUES, S. (2017). ‘Mulata’ veio de mula? Isso torna a palavra racista? Veja.com. 10.fev.2017. Em aberto. Disponível em Acesso em 08.mar.2017

SALGUEIRO, M. A. A. (2014). Traduzir a negritude: desafio para os estudos da tradução na contemporaneidade. In: Cadernos de Letras da UFF. Rio de Janeiro, n.48. p.73-90.

SANTOS, B.S.; MENESES, M.P. (orgs.) (2009). Epistemologias do Sul. Coimbra: Edições Almedina S/A.

SILVA, L.R. (2016). A voz do protagonista afrodescendente em romances históricos hispano-americanos: invisibilidade do texto original e algumas (poucas) obras traduzidas no Brasil. Cadernos de Literatura em Tradução. São Paulo, n.16. p.73-88. Silva 88 Trab. Ling. Aplic., Campinas, n(57.1): 71-88, jan./abr. 2018 Disponível em Acesso en 30.jun.2017

SPIVAK, G.C. (2010). Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa e André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora da UFMG.

SPIVAK, G.C. (1990) The Post-Colonial Critique. In: HARASYM, Sara. (ed.) The PostColonial Critique, Interviews, Strategies, Dialogues. Nova Iorque: Routledge.

ZAPATA OLIVELLA, M. (1989) Las claves mágicas de América. Bogotá: Plaza y Janés

Downloads

Publicado

2018-03-28

Como Citar

SILVA, L. R. da. Não me chame de mulata: uma reflexão sobre a tradução em literatura afrodescendente no Brasil no par de línguas espanhol-português. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 57, n. 1, p. 71–88, 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8651618. Acesso em: 28 nov. 2022.