Língua em viagem na tradução do desenvolvimento sustentável para empresários do Brasil e de Portugal

o caso do WBCSD

Autores

Resumo

O propósito deste artigo é estudar a língua em viagem na tradução do desenvolvimento sustentável para empresários do Brasil e de Portugal. O WBCSD, entidade foco deste estudo, atua no percurso de significação com a publicação de guias que visam orientar o discurso de gestão sustentável no ambiente corporativo. Na pesquisa analisou-se a disputa de poder que ocorre na definição do conceito de desenvolvimento sustentável (DS) e se propôs a metáfora think tanke como modo de traduzir a relação dos empresários com a questão socioambiental. A análise dos discursos, a luz da desconstrução de Derrida, permitiu estudar as estruturas políticas e institucionais que facilitam e dificultam a acolhida da discussão de desenvolvimento sustentável. Essas estruturas foram desenvolvidas na “história do pensamento ocidental”, seja por meio de “textos filosóficos”, ou em “formas e instituições tais como o governo, a universidade, a identidade nacional, o conceito de dom ou a ideia de enlutamento” (WOLFREYS, 2009, p. 51). Há o luto da presença, o luto da razão, o luto do sujeito e o luto de qualquer instância soberana (DERRIDA, 2013, p. 105). Verificou-se que a metáfora da Empresa Sustentável, desenvolvida neste processo de tradução, é insuficiente para acolher as diversas interpretações já que o intuito é assimilar e integrar. Na metáfora think tanke, por sua vez, reconhece-se a língua em viagem que demonstra as contradições e ambiguidades do discurso do WBCSD e acolhe as diversas traduções sobre DS. Assume-se um pensamento de alteridade que traduz-se na desconstrução da relação entre hóspede (questão socioambiental) e hospedeiro (empresa). O hospedeiro torna-se refém das imprevisibilidades do hóspede (alterações climáticas, disponibilidade de água, biodiversidade etc), já que o “hospedeiro torna-se hóspede do hóspede” (DERRIDA, 2003, p. 109).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Robson Malacarne, Instituto Federal do Espirito Santo

Doutorado em Administração de Empresas pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, Brasil, 2015.
Professor Efetivo do IFES - Instituto Federal do Espírito Santo - Campus Viana.

Janette Brunstein, Universidade Presbiteriana MacKenzie

Professora do Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Administração de Empresas

 

Referências

ARAÚJO, N. (2015). Teorizar em “Português Brasileiro”? ALEA. v.17, nº1, pp. 92-113.
BARBOSA, L. (2002). Cultura de Negócios: Ambiguidades e Contradições. RAE, v. 42, nº4, pp. 106-109.
BALDISSERA, R.; KAUFMANN, C. (2013). Comunicação Organizacional e Sustentabilidade: Sobre o Modelo Instituído no Âmbito da Organização Comunicada. ORGANICOM. v.10, nº18, pp.59-70.
BERNARDO, F. (2001) A ética da hospitalidade ou o porvir do cosmopolitismo por vir. Revista Filosófica de Coimbra, nº 20, pp. 333-426.
BERNARDO, F. (2007). “Metáfora” ou a língua em-viagem, pensar a metáfora no rastro de Derrida. Trabalhos em Linguística Aplicada, Edição Especial, pp. 137-170.
BERNARDO, F. (2005). Mal de hospitalidade. In: NASCIMENTO, E., Jacques Derrida: pensar a desconstrução. São Paulo: Editora Estação Liberdade.
COOPER, R; BURRELL, B. (1988). Modernism, postmodernism and organizational analysis: An Introduction. Organization Studies, v.9, nº1, pp. 91-112.
CULLER, J. Sobre a Desconstrução: teoria e crítica do pós-estruturalismo. Tradução de Patricia Cecilia Burrowes. Rio de Janeiro: Record Rosa dos Tempos, 1997.
DERRIDA, J. (2004). Adeus a Emanuel Lévinas. Tradução de Fábio Landa, Eva Landa. São Paulo: Perspectiva, 2013.
DERRIDA, J. (1997). Anne Dufourmantelle convida Jacques Derrida a falar Da Hospitalidade. Trad. Antônio Romane. São Paulo: Escuta, 2003.
DERRIDA, J. (1972). La diseminación. Traducción de José Martín Arancibia. Caracas: Espiral, 1997.
DERRIDA, J. (1972). Margens da filosofia. Tradução de Joaquim Torres Costa e António M. Magalhães. Porto: Rés Editora, 1986.
DERRIDA, J. (1990). O Olho da universidade. Tradução de Ricardo luri Canko e Ignacio Antonio Neis. São Paulo: Estação Liberdade, 1999.
DERRIDA, J. (2001). Universidade sem condição. Tradução de Evando Nascimento São Paulo: Estação Liberdade, 2003.
DERRIDA, J. (1967). Escritura e a diferença. Tradução de Maria Beatriz Marques Nizza da Silva. São Paulo: Perspectiva, 2002.
DERRIDA, J. (1994). Força de lei: o fundamento místico da autoridade. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2010.
DERRIDA, J. (1967). Gramatologia. Tradução de Miriam Schnaiderman e Renato Janine. São Paulo: Perspectiva, 1973.
DERRIDA, J. (1990). O outro cabo. Tradução de Fernanda Bernardo. Coimbra: Ed. Universidade de Coimbra, 1995.
DERRIDA, J. (2001). Papel-Máquina. Tradução de Evando Nascimento São Paulo: Estação Liberdade, 2004.
DERRIDA, J. (1972). Posições: Entrevista com Jacques Derrida. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.
DERRIDA, J. (2003). Vadios. Tradução de Fernanda Bernardo. Coimbra: Palimage, 2009.
DUQUE-ESTRADA, P.C. Derrida e a crítica heideggeriana do humanismo. In: Jacques Derrida: pensar a desconstrução. NASCIMENTO, E. São Paulo: Estação Liberdade, 2005.
FERREIRA, E.; OTTONI, P. Traduzir Derrida: políticas e desconstruções. Campinas: Mercado de Letras, 2006.
GITSHAM, M. (2012). Experiential learning for leadership and sustainability at IBM and HSBC. Journal of Management Development, v.31, nº3, p. 298-307.
HEUSER, E. M. D. No rastro da filosofia da diferença. Derrida & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.
LANS, T.; BLOK, V.; WESSELINK, B. (2013). Renate Wesselink Learning apart and together: towards an integrated competence framework for sustainable entrepreneurship in higher education. Journal of Cleaner Production, xxx, pp. 1-11.
KEARINS, K.; SPRINGETT, S. (2003). Educating for sustainability: Developing critical skills. Journal of Management Education, v.27, nº 2, pp. 188-204.
SANTIAGO, S. Glossário de Derrida. Departamento de Letras da PUC/RJ. Rio de Janeiro: F. Alves, 1976.
SPRINGETT, S. (2003). An ‘Incitement to discourse’: Benchmarking as a springboard to sustainable development. Business Strategy and the Environment, v.12, nº 2, pp. 1-11.
STAHEL, A. (1994). Capitalismo e Entropia: Os Aspectos Ideológicos de uma Contradição e a Busca de Alternativas Sustentáveis. CAVALCANTI, C. (Org.). In: DESENVOLVIMENTO E NATUREZA: Estudos para uma sociedade sustentável. INPSO/FUNDAJ, Instituto de Pesquisas Sociais, Fundação Joaquim Nabuco, Ministério de Educação, Governo Federal, Recife, Brasil. Acesso em: 23 Ago. 2013.
STONE, D. (2015). The group of 20 transnational policy community: governance networks, policy analysis and think tanks. International Review of Administrative Sciences. v. 81, nº 04, pp. 793–811.
TATIM, C.T.; GUARESCHI, P.A. (2012). O Nosso Negócio é o Bem Comum: Representações Sociais no Discurso da Empresa Socialmente Sustentável. PSICO. v. 43, nº2, pp. 147-154.
TILBURY, D.; WORTMAN, D. Engaging people in sustainability. Commission on Education and Communication. IUCN: Gland, Switzerland and Cambridge, UK, 2004.
VINHA, V. G. da. As empresas e o desenvolvimento sustentável: trajetória da construção de uma convenção. In: Peter H. May. (Org.). Economia do Meio Ambiente. 2ed. Rio de Janeiro: Elsevier, p. 181-204, 2010.
WOLFREYS, J. (2009). Compreender Derrida. Tradução de Caesar Souza. Petrópolis-RJ: Editora Vozes.

Downloads

Publicado

2020-06-08

Como Citar

MALACARNE, R.; BRUNSTEIN, J. . Língua em viagem na tradução do desenvolvimento sustentável para empresários do Brasil e de Portugal: o caso do WBCSD. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 59, n. 1, p. 715–745, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8655411. Acesso em: 2 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos