O ensino e a aprendizagem da escrita na língua materna

da transdisciplinaridade ao colonialismo implícito nos gêneros exames de larga escala e avaliações do desempenho da aprendizagem dos alunos nas salas de aula

Autores

Palavras-chave:

Linguística Aplicada, Avaliação escolar, Exames de larga escala, Educação humanizadora

Resumo

A reflexão desenvolvida ao longo do artigo procura desvendar relações de poder que, discursivamente, estão presentes e causam efeitos de dominação, no confronto entre a avaliação escolar aplicada por um professor de disciplina do currículo escolar, desde a educação básica ao ensino médio, e os exames de larga escala que geram os dados e índices do SAEB – Sistema de Avaliação da Educação Básica, e o Programa Internacional de Avaliação de Estudantes - PISA, por exemplo. Entre os efeitos discursivos estão propostas de condicionamento autoritário, de padronização cultural e do conhecimento impostas a estudantes da escrita da língua materna que estas avaliações exercem entre si e sobre a aprendizagem. Busca-se apoio teórico e filosófico na dialogia e teoria de gênero, no conceito de transdisciplinaridade desenvolvido na Linguística Aplicada, LA, na análise crítica do discurso, na pedagogia histórico-crítica, interativa e da libertação. Relata-se sobre um histórico das ideias pedagógicas e um contexto das instituições nacionais e internacionais que aplicam as avaliações e os exames de larga escala.  Desenvolve-se uma análise ideológica sobre como os exames de larga escala interferem nas provas aplicadas pelo professor nas escolas. Mostra-se uma análise comparativa entre as avaliações escolares e as avaliações de larga escala como resposta às inquietações que surgiram ao longo da reflexão, com sugestão para uma educação humanizadora, de superação e transformação social.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberto Baron, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorando do programa de pós-graduação em linguística da Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC desde março de 2017.

Referências

ADORNO, Theodor W. (1995). Educação e Emancipação. Debate da rádio de Hessen; transmitido em 13 de agosto de 1969 (p. 188). Tradução Wolfgang Leo Maar. São Paulo: Editora Paz e Terra.

ADORNO, Theodor W.(1951). A teoria freudiana e o padrão da propaganda fascista. Disponível em https://nupese.fe.ufg.br/up/208/o/Theodor_Adorno_-_A_Teoria_freudiana_e_o_modelo_fascista_de_propaganda__1951__.htm?1349568035 Acesso em 20 Jan. 2020. Reproduzido em Gesammelte Schriften Vol. 8, T. I [Soziologische Schriften] Frankfurt : Surhkamp Verlag, 1975, p. 408-433. Traduzido por Francisco Rüdiger. Publicado originalmente em Psychoanalysis and the Social Sciences 3 (408-433) 1951.

ANTUNES, Irandé (2014). Muito além da Gramática – por um ensino de línguas sem pedras no caminho. Série Estratégias de Ensino 5. 1ª ed. 6ª reimpressão. São Paulo: Parábola Editorial.

BAKHTIN, Mikhail (1979). Estética da Criação Verbal. Tradução do russo: Paulo Bezerra. 1ª ed. 1992. 6ª ed. 2011. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

BONINI, A. (2012). Ensino de gêneros textuais: A questão das escolhas teórica e metodológicas. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8639323 Acessado em 24 de janeiro de 2020. Publicado na revista Trabalhos Em Linguística Aplicada. v.37 (2001). pp. 7-23.

BONINI, Adair (2014). Os gêneros do jornal: o que aponta a literatura da área de comunicação no Brasil?. In: Bonini e outros (Orgs). Os gêneros do jornal. Coleção Linguística volume 4. Florianópolis: Editora Insular. p. 51-70.

COSTA, Danielle Dias da (2017). e FERREIRA, Norma-Iracema de Barros. O PROUNI na educação superior brasileira: indicadores de acesso e permanência. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/aval/v22n1/1982-5765-aval-22-01-00141.pdf e DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-40772017000100008 Acesso em 30 de julho de 2018. Artigo publicado na revista Avaliação (Campinas) vol.22 no.1 Sorocaba jan./abr. 2017, pp. 141-163.

DANGIÓ, Meire Cristina dos Santos; e MARTINS, Lígia Márcia. (2018). A alfabetização sob o enfoque histórico-crítico. Contribuições didáticas. Campinas (SP): Autores Associados.

DARDOT, Pierre, e LAVAL, Christian (2009-2010). A nova razão do mundo – ensaio sobre a sociedade neoliberal. Tradução de Mariana Echalar. Publicação original: Editions La Découverte. Paris: 2009/2010. Boitempo: São Paulo, 2016.

DARDOT, Pierre, e LAVAL, Christian (2014). COMUM – ensaio sobre a revolução no século XXI. Tradução de Mariana Echalar. Publicação original: Editions La Découverte. Paris: 2014. Boitempo: São Paulo, 2017.

D’SOUZA, Radia (2010). As prisões do conhecimento: pesquisa ativista e revolução na era da “globalização”. In: Santos, Boaventura Souza e Meneses, Maria Paula. ((Org) 2014 publicado no Brasil). Epistemologia do Sul. São Paulo: Cortez Editora, p. 111-133.

DUARTE, Newton (2008). Sociedade do Conhecimento ou Sociedade das Ilusões? Polêmicas do nosso tempo. 1ª Ed. 1ª Reimpressão. Campinas, SP: Autores Associados.

DUARTE, Newton (2016). Os conteúdos escolares e a ressureição dos mortos. Contribuição à teoria histórico-crítica do currículo. Campinas, SP: Autores Associados.

FREIRE, Paulo (1999). Pedagogia da Autonomia – Saberes necessários à prática educativa. Coleção leitura. 12ª ed. São Paulo: Paz e Terra.

FREIRE, Paulo e MACEDO, Donaldo (2011). Alfabetização: leitura do mundo, leitura da palavra. Tradução: Lólio Lourenço de Oliveira. São Paulo: Editora Paz e Terra Ltda.

GALASTRI, Leandro (2015). Gramsci, Marxismo e Revisionismo. Coleção Educação Contemporânea. Campinas: Autores Associados.

GHIRALDELLI JUNIOR, Paulo (2014). O que é Pedagogia. Coleção Primeiros Passos. 4ª ed. 13ª reimpressão. São Paulo: Brasiliense.

HOFFMANN, Jussara (2013). Avaliando redações – metodologias e instrumentos de avaliação. 3ª ed. Porto Alegre: Editora Mediação.

LINS, Ana Maria Moura (2003). Educação Moderna – Contradições entre o projeto Civilizatório Burguês e as Lições do Capital. Campinas, SP: Autores Associados.

LUCKESI, Cipriano Carlos (2015). Avaliação da aprendizagem – componente do ato pedagógico. 1ª ed. 5ª impressão. São Paulo: Cortez Editora.

MARIANO, Alessandro Santos (2011). A luta do MST por escolas públicas no campo: possibilidades de fazer uma escola comprometida com a transformação da sociedade. In: História, Educação e Transformação – Tendências e perspectivas para a educação pública no Brasil. Lombardi, José Claudinei e Saviani, Demerval (org.) Coleção memória da Educação. Campinas, SP: Autores Associados. (p. 187-201).

MOITA LOPES, Luiz Paulo da (Org.) (2016). Fotografias da Linguística Aplicada brasileira na modernidade recente: contextos escolares. In: Linguística Aplicada na Modernidade Recente. Festschriff para Antonieta Celani. 1ª ed. 2013. 2ª reimpressão. São Paulo: Parábola, pp. 15-37.

MORTATTI, Maria Rosário Longo (2006). História dos métodos de alfabetização no Brasil. Conferência proferida durante o Seminário “Alfabetização e letramento em debate”, promovido pelo Departamento de Políticas de Educação Infantil e Ensino Fundamental da Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação, realizado em Brasília, em 27/04/2006. Disponível em http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/alf_mortattihisttextalfbbr.pdf acesso em 24 de Jan. 2020.

RAJAGOPALAN, Kanavillil (2016). Por uma linguística crítica. Linguagem, Identidade e a questão ética. Língua[gem] 3. 1ª ed. 2003, 5ª reimpressão, julho de 2016. São Paulo: Parábola.

ROJO, Roxane Elena Rodrigues (2016). Fazer linguística aplicada em perspectiva sócio-histórica – privação sofrida e leveza de pensamento. In: Moita Lopes, Luiza Paulo da (org.). In: Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 1ª ed. 5ª reimpressão, pp. 253-276.

SAVIANI, Demerval (2013). História das Ideias Pedagógicas no Brasil. (Coleção memória da Educação). 4ª ed. Campinas, SP: Autores Associados.

SAVIANI, Demerval. e DUARTE, Newton (2015). Pedagogia histórico-crítica e luta de classes na educação escolar. Coleção Polêmicas do nosso tempo. Campinas, SP: Autores Associados.

SOUZA, Joeline Rodrigues de (2012). A formação humana omnilateral e a proposição da escola unitária de Antonio Gramsci: uma análise à luz da ontologia marxiana. Dissertação de Mestrado no Programa de Pós-graduação em Educação Brasileira – FACED – da Universidade Federal do Ceará. Fortaleza.

VIGOTSKII, L. S. (2017). Aprendizagem e Desenvolvimento Intelectual na Idade Escolar. In: Vigotskii, L. S.; Luria, A. R.; Leontiev, A. N. In: Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 15ª edição. Tradução: Maria da Penha Villalobos. Coleção Educação Crítica. São Paulo: Ícone Editora Ltda. p. 103-117.

Downloads

Publicado

2021-05-21

Como Citar

BARON, R. O ensino e a aprendizagem da escrita na língua materna: da transdisciplinaridade ao colonialismo implícito nos gêneros exames de larga escala e avaliações do desempenho da aprendizagem dos alunos nas salas de aula. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 1, p. 233–247, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8658193. Acesso em: 18 set. 2021.