Ensino (d)e literatura

(des)encontros na formação do professor de inglês

Autores

Palavras-chave:

Literatura, Ensino-aprendizagem de língua inglesa, Formação docente

Resumo

Neste artigo, visamos refletir sobre o uso da literatura em aulas de língua inglesa (LI) voltadas para a formação do professor. Mais especificamente, interessa-nos responder a dois principais questionamentos, a saber: como ensejar práticas de leitura na universidade que possibilitem ao licenciando trabalhar o texto como materialidade linguístico-discursiva, por meio da qual ele possa se constituir leitor e (futuro) professor? E de que forma o trabalho com o texto literário pode contribuir para tal processo? Para isso, partimos da desconstrução das dicotomias entre língua/literatura e aprender língua/aprender a ser professor de língua. Nossa discussão se delimita a algumas considerações sobre o currículo de um curso de Letras/Inglês, em uma universidade pública mineira, e sobre uma experiência com textos literários, em uma disciplina voltada para o desenvolvimento da leitura em LI, na referida instituição. Nossas análises apontam que, apesar de mudanças, o foco do currículo ainda recai sobretudo na periodização literária, havendo pouco espaço para a relação com o ensino. As propostas de abordagem do texto literário, por sua vez, acenam para possibilidades de se trabalhar uma estética-ética discursiva que possa incidir na constituição do futuro professor ao promover experiências de tomada responsivo-responsável da palavra em uma língua outra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane Carvalho de Paula Brito, Universidade Federal de Uberlândia

Professora Associada na Universidade Federal de Uberlândia (UFU), Brasil.

Ivan Marcos Ribeiro, Universidade Federal de Uberlândia

Doutorado em Teoria da Literatura e Literatura Comparada pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Coordenador Pro-Tempore do PPLET da Universidade Federal de Uberlândia, Brasil.

Referências

BAKHTIN, M. (1979). Estética da criação verbal. 3. ed. Trad. Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. (2017). Base Nacional Comum Curricular. Versão final. Brasília: Ministério da Educação. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/ Acesso em: 30 abril 2020.

BRITO, C. C. P.; GUILHERME, M. F. F. (2017). A constituição do professor de inglês pré-serviço em um curso de Letras EaD: representações sobre formação, ensino-aprendizagem e tecnologia. Linguagem em (Dis)curso, v. 17, n. 1, pp. 117-136.

BRITO, C. C. P.; GUILHERME, M. F. F. (2014). Memorial de aprendizagem e a formação do professor: vozes constitutivas da relação aprender/ensinar línguas estrangeiras. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 14, n. 3, pp. 511-532.

BRITO, C. C. P.; HASHIGUTI, S. T. (2019). Produção e avaliação de material didático em um curso de Letras Inglês a distância: sobre a tomada da palavra em LE e um lugar discursivo crítico. Caminhos em Linguística Aplicada, v. 21, n.2, pp. 108-132.

BRITO, C. C. P.; RIBAS, F. C. (2019). “Como se forma um professor de língua inglesa?”: reflexões a partir da reforma curricular de um curso de Letras. Revista Letras Raras, v.8, n. 3, pp. 9-35.

BRUN, M. (2004). (Re)construção identitária no contexto da aprendizagem de línguas estrangeiras. In: MOTA, K; SCHEYERL, D. (Orgs.). Recortes interculturais na sala de aula de línguas estrangeiras. Salvador: EDUFBA, pp. 73-104.

CLÜVER, C. (2014). Inter-textus/inter-artes/inter-media. Aletria: Revista de Estudos de Literatura (UFMG). v. I, n. 14, pp. 11-41.

COMPAGNON, A. (1999). O demônio da teoria: literatura e senso comum. Tradução de Cleonice Paes Barreto Mourão. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

ECO, U. (2005). Obra Aberta: forma e indeterminação nas poéticas contemporâneas. São Paulo: Perspectiva.

EAGLETON, T. (1985). Teoria da literatura: uma introdução. Tradução Waltensir Dutra. São Paulo: Martins Fontes.

FRANÇA, T. M. (2019). O ensino de literatura sob a ótica da interface teórica entre a linguística aplicada transgressiva, a Análise do Discurso e os estudos do Círculo de Bakhtin. In: STAFUZZA, G. B.; FONSECA, P. A. (Orgs.). Estudos discursivos em múltiplas perspectivas: discurso, sujeito, sociedade. Campinas, SP: Mercado de Letras, pp. 91-114.

GARCÍA-MARQUEZ, G. (2016). 100 anos de solidão. Rio de Janeiro: Record.

GUILHERME, M. F. F. (2017). Línguas estrangeiras: ensino-aprendizagem e formação política de professores. In: FIGUEIRA-BORGES, G.; SILVA, M. A. (Orgs.) Ensino de línguas em diferentes contextos. Campinas, SP: Pontes Editores, pp. 15- 28.

HALL, G. (2015). Language, Literature and Education. In: Literature in Language Education. 2nd edition. New York: Palgrave Macmillan, pp. 9-98.

ISER, W. (1996). O Ato da Leitura: uma teoria do efeito estético. Tradução de Johannes Kreschmer. São Paulo: Ed. 34.

KUMARAVADIVELU, B. (2003). Integrating language skills. In: Beyond methods: macrostrategies for language teaching. New Haven and London: Yale University Press, pp. 225-238.

LARROSA, J. (2011). Experiência e alteridade em educação. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 19, n. 2, pp. 04-27. Disponível em <https://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/view/2444>. Acesso em: 24 abr. 2020.

LAZAR, G. (1993). Literature and Language Teaching: A guide for teachers and trainers. Cambridge: CUP.

LOPES, L. C. V.; COSTA, M. E. da.; SAMPAIO, M. L. P. (2011). Letramento literário e formação do professor: o ensino de literatura no meio universitário. Entreletras, n. 3, pp. 63-80.

MOTA, F. (2010). Literatura e(m) ensino de língua estrangeira. Fólio - Revista de Letras, v. 2, n.1, pp. 101-111. Disponível em <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/3628>. Acesso em: 24 abr. 2020.

NAJI, J.; SUBRAMANIAM, G.; WHITE, G. (2019). New Approaches to Literature for Language Learning. Palgrave, Macmillan.

MOITA LOPES, L. P. (Org.). (2006). Linguística Aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que têm orientado a pesquisa. In: ______. Por uma linguística aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, pp. 85-107.

SZUNDY, P. T. C. (2014). Educação como ato responsável: a formação de professores de linguagens à luz da filosofia da linguagem do círculo de Bakhtin. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 53, n.1, pp. 13-32.

TÜRKER, F. (1991). Using “Literature” in language teaching. Disponível em: <http://static.dergipark.org.tr/article-download/imported/5000049295/5000046616.pdf?>. Acesso em: 28 abr. 2020.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. (2017). Instituto de Letras e Linguística. Projeto pedagógico do Curso de Graduação em Letras: inglês e literaturas de língua inglesa. [Uberlândia: UFU].

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. (2007). Instituto de Letras e Linguística. Projeto político pedagógico do Curso de Letras. [Uberlândia: UFU].

UR, P. (1996). A Course in Language Teaching: theory and practice. Cambridge: CUP.

ZILBERMAN, R. (2017). A dialética da leitura entre a democratização e o cânone. In: PEREIRA, D. C. Nas linhas de Ariadne: literatura e ensino em debate. Campinas: Pontes.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

BRITO, C. C. de P. .; RIBEIRO, I. M. . Ensino (d)e literatura: (des)encontros na formação do professor de inglês. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 3, p. 811–825, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8659380. Acesso em: 29 set. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)