Banner Portal
Ensino (d)e literatura
PDF

Palavras-chave

Literatura
Ensino-aprendizagem de língua inglesa
Formação docente

Como Citar

BRITO, Cristiane Carvalho de Paula; RIBEIRO, Ivan Marcos. Ensino (d)e literatura: (des)encontros na formação do professor de inglês. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 3, p. 811–825, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8659380. Acesso em: 14 jul. 2024.

Resumo

Neste artigo, visamos refletir sobre o uso da literatura em aulas de língua inglesa (LI) voltadas para a formação do professor. Mais especificamente, interessa-nos responder a dois principais questionamentos, a saber: como ensejar práticas de leitura na universidade que possibilitem ao licenciando trabalhar o texto como materialidade linguístico-discursiva, por meio da qual ele possa se constituir leitor e (futuro) professor? E de que forma o trabalho com o texto literário pode contribuir para tal processo? Para isso, partimos da desconstrução das dicotomias entre língua/literatura e aprender língua/aprender a ser professor de língua. Nossa discussão se delimita a algumas considerações sobre o currículo de um curso de Letras/Inglês, em uma universidade pública mineira, e sobre uma experiência com textos literários, em uma disciplina voltada para o desenvolvimento da leitura em LI, na referida instituição. Nossas análises apontam que, apesar de mudanças, o foco do currículo ainda recai sobretudo na periodização literária, havendo pouco espaço para a relação com o ensino. As propostas de abordagem do texto literário, por sua vez, acenam para possibilidades de se trabalhar uma estética-ética discursiva que possa incidir na constituição do futuro professor ao promover experiências de tomada responsivo-responsável da palavra em uma língua outra.

PDF

Referências

BAKHTIN, M. (1979). Estética da criação verbal. 3. ed. Trad. Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BRASIL. Ministério da Educação. (2017). Base Nacional Comum Curricular. Versão final. Brasília: Ministério da Educação. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/ Acesso em: 30 abril 2020.

BRITO, C. C. P.; GUILHERME, M. F. F. (2017). A constituição do professor de inglês pré-serviço em um curso de Letras EaD: representações sobre formação, ensino-aprendizagem e tecnologia. Linguagem em (Dis)curso, v. 17, n. 1, pp. 117-136.

BRITO, C. C. P.; GUILHERME, M. F. F. (2014). Memorial de aprendizagem e a formação do professor: vozes constitutivas da relação aprender/ensinar línguas estrangeiras. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 14, n. 3, pp. 511-532.

BRITO, C. C. P.; HASHIGUTI, S. T. (2019). Produção e avaliação de material didático em um curso de Letras Inglês a distância: sobre a tomada da palavra em LE e um lugar discursivo crítico. Caminhos em Linguística Aplicada, v. 21, n.2, pp. 108-132.

BRITO, C. C. P.; RIBAS, F. C. (2019). “Como se forma um professor de língua inglesa?”: reflexões a partir da reforma curricular de um curso de Letras. Revista Letras Raras, v.8, n. 3, pp. 9-35.

BRUN, M. (2004). (Re)construção identitária no contexto da aprendizagem de línguas estrangeiras. In: MOTA, K; SCHEYERL, D. (Orgs.). Recortes interculturais na sala de aula de línguas estrangeiras. Salvador: EDUFBA, pp. 73-104.

CLÜVER, C. (2014). Inter-textus/inter-artes/inter-media. Aletria: Revista de Estudos de Literatura (UFMG). v. I, n. 14, pp. 11-41.

COMPAGNON, A. (1999). O demônio da teoria: literatura e senso comum. Tradução de Cleonice Paes Barreto Mourão. Belo Horizonte: Ed. UFMG.

ECO, U. (2005). Obra Aberta: forma e indeterminação nas poéticas contemporâneas. São Paulo: Perspectiva.

EAGLETON, T. (1985). Teoria da literatura: uma introdução. Tradução Waltensir Dutra. São Paulo: Martins Fontes.

FRANÇA, T. M. (2019). O ensino de literatura sob a ótica da interface teórica entre a linguística aplicada transgressiva, a Análise do Discurso e os estudos do Círculo de Bakhtin. In: STAFUZZA, G. B.; FONSECA, P. A. (Orgs.). Estudos discursivos em múltiplas perspectivas: discurso, sujeito, sociedade. Campinas, SP: Mercado de Letras, pp. 91-114.

GARCÍA-MARQUEZ, G. (2016). 100 anos de solidão. Rio de Janeiro: Record.

GUILHERME, M. F. F. (2017). Línguas estrangeiras: ensino-aprendizagem e formação política de professores. In: FIGUEIRA-BORGES, G.; SILVA, M. A. (Orgs.) Ensino de línguas em diferentes contextos. Campinas, SP: Pontes Editores, pp. 15- 28.

HALL, G. (2015). Language, Literature and Education. In: Literature in Language Education. 2nd edition. New York: Palgrave Macmillan, pp. 9-98.

ISER, W. (1996). O Ato da Leitura: uma teoria do efeito estético. Tradução de Johannes Kreschmer. São Paulo: Ed. 34.

KUMARAVADIVELU, B. (2003). Integrating language skills. In: Beyond methods: macrostrategies for language teaching. New Haven and London: Yale University Press, pp. 225-238.

LARROSA, J. (2011). Experiência e alteridade em educação. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 19, n. 2, pp. 04-27. Disponível em <https://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/view/2444>. Acesso em: 24 abr. 2020.

LAZAR, G. (1993). Literature and Language Teaching: A guide for teachers and trainers. Cambridge: CUP.

LOPES, L. C. V.; COSTA, M. E. da.; SAMPAIO, M. L. P. (2011). Letramento literário e formação do professor: o ensino de literatura no meio universitário. Entreletras, n. 3, pp. 63-80.

MOTA, F. (2010). Literatura e(m) ensino de língua estrangeira. Fólio - Revista de Letras, v. 2, n.1, pp. 101-111. Disponível em <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/3628>. Acesso em: 24 abr. 2020.

NAJI, J.; SUBRAMANIAM, G.; WHITE, G. (2019). New Approaches to Literature for Language Learning. Palgrave, Macmillan.

MOITA LOPES, L. P. (Org.). (2006). Linguística Aplicada e vida contemporânea: problematização dos construtos que têm orientado a pesquisa. In: ______. Por uma linguística aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, pp. 85-107.

SZUNDY, P. T. C. (2014). Educação como ato responsável: a formação de professores de linguagens à luz da filosofia da linguagem do círculo de Bakhtin. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 53, n.1, pp. 13-32.

TÜRKER, F. (1991). Using “Literature” in language teaching. Disponível em: <http://static.dergipark.org.tr/article-download/imported/5000049295/5000046616.pdf?>. Acesso em: 28 abr. 2020.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. (2017). Instituto de Letras e Linguística. Projeto pedagógico do Curso de Graduação em Letras: inglês e literaturas de língua inglesa. [Uberlândia: UFU].

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. (2007). Instituto de Letras e Linguística. Projeto político pedagógico do Curso de Letras. [Uberlândia: UFU].

UR, P. (1996). A Course in Language Teaching: theory and practice. Cambridge: CUP.

ZILBERMAN, R. (2017). A dialética da leitura entre a democratização e o cânone. In: PEREIRA, D. C. Nas linhas de Ariadne: literatura e ensino em debate. Campinas: Pontes.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Trabalhos em Linguística Aplicada

Downloads

Não há dados estatísticos.