Análise de um livro didático de língua portuguesa

ensino tradicional de gramática versus Gêneros discursivos e análise linguística

Autores

Palavras-chave:

Livro didático, Gêneros do discurso, Análise linguística

Resumo

Neste artigo, refletimos sobre a influência do livro didático (LD) na condução de atividades tradicionais de gramática na sala de aula e sobre a possibilidade do LD potencializar atividades relacionadas aos gêneros discursivos e ao eixo pedagógico análise linguística nas aulas de língua portuguesa. O objetivo geral do estudo é descrever e analisar como as atividades propostas no LD são dispostas e como podem estar relacionadas com alguns pressupostos das teorias linguísticas contemporâneas. Dessa forma, fundamentamos nosso trabalho apresentando as concepções de linguagem (BAKHTIN, 2009; CHOMSKY, 1957, entre outros), as teorias dos gêneros discursivos (BAKHTIN, 2011; FARACO, 2009) como, também, do ensino de análise linguística (FRANCHI, 2006; GERALDI, 1997, 2016). Pontuamos, ainda, alguns aspectos do uso do livro didático em sala de aula (CORACINI, 1999; LAJOLO, 1996) e, por fim, apresentamos o livro Projeto Teláris, utilizado neste trabalho. Para tanto, tendo como principal recurso o livro didático, realizamos uma pesquisa documental de cunho qualitativo (GIL, 2010; SILVA; MENEZES, 2005). Os dados coletados e analisados sugerem um mascaramento das atividades tradicionais, as quais são nomeadas com termos provenientes de teorias linguísticas contemporâneas, mas, em sua maioria, recaem no ensino explícito de gramática e, assim, se afastam das teorias dos gêneros do discurso e da análise linguística e direcionam o ensino do professor para um trabalho engessado e gramatiqueiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marco André Franco de Araújo, Universidade Federal de Goiás

Doutorando em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Goiás.

Ederson Saraiva, Universidade Federal de Goiás

Mestrando em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Goiás e professor de Língua Portuguesa da Secretaria Municipal de Educação de Goiânia.

Sinval Martins de Sousa Filho, Universidade Federal de Goiás

Professor Associado (DE) na Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás.

Referências

ARAUJO, M. D. M.; FILHO, S. M. S.; LIMA, L M. (2018). Espelho, espelho, meu: concepções de linguagem e ensino de gramática/análise linguística no ensino médio. PERcurso Linguísticos, v. 8, n. 18, p. 272-291.

BAKHTIN, M. (VOLOCHÍNOV). (2009). Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Hucitec.

BAKHTIN, M. (VOLOCHÍNOV). (2011). Os gêneros do discurso. In: ______. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes.

BEZERRA, M. A.; REINALDO, M. A. (2013). Análise Linguística: afinal, a que se refere? São Paulo: Cortez.

BLOOMFIELD, L. (1993). Language. New York: Holt, Rinehart and Winston.

BRASIL. (2018). Base Nacional Curricular Comum: Educação é a base. Brasília: MEC/SEB, 2018.

BRASIL. (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais. MEC/SEB.

BRITO, J. A. G.; SOUSA FILHO, S. M. (2015). O rap em sala de aula: uma proposta pautada em Bakhtin e em análise linguística. In: SOUSA FILHO, S. M. e ARAUJO, L. K. (org.) Gêneros discursivos e análise linguística no ensino de línguas. Campinas: Pontes Editores, p. 99 - 112.

BRITTO, L. P. L. (1997). A sombra do caos: ensino de língua x tradição gramatical. Tese de Doutorado em Linguística. Instituto de Estudo da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

BORGATTO, A. M. T.; BERTIN, T. C. H.; MARCHEZI, V. L. C. (2015). Projeto Teláris – Língua Portuguesa 6º ano. São Paulo: Ática.

CERUTTI-RIZZATTI, M. E. (2010). Ensino de língua portuguesa e inquietações teórico-metodológicas: os gêneros discursivos na aula de português e a aula (de português) como gênero discursivo. Disponível em: <http://seer.fclar.unesp.br/alfa/article/view/4968/0>. Acessado dia: 20 mar. 2020.

CHOMSKY, N. (1957). Syntactic structures. Mouton: The Hague.

CORACINI, M. J. (1999). Interpretação, autoria e legitimação do livro didático. Campinas: Pontes.

FARACO, C. A. (2009). Linguagem e diálogo: as ideias linguísticas do Círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola Editorial.

FRANCHI, C. (2006). Mas o que é mesmo “gramática”? In: POSSENTI, S. (Org.). Mas o que é mesmo “gramática”? São Paulo: Parábola.

GERALDI, J. W. (1997). Portos de passagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes.

GERALDI, J. W. (2015). O ensino de língua portuguesa e a Base Nacional Comum Curricular. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 9, n. 17, p. 381-396, jul./dez. Disponível em: . Acessado em: 5 nov. 2019.

GERALDI, J. W. (2016). Atividades epilinguísticas no ensino da língua materna. Atas do SIELP/V FIAL: Simpósio Internacional de Ensino de Língua Portuguesa, Fórum Ibero-Americano de Literacias, 2016, p. 12 - 22. Disponível em: <http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/44992>. Acessado em: 5 nov. 2019.

GIL, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas.

GIL, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas.

GOLDEN-BERG, M. (1999). A Arte de Pesquisar. Rio de Janeiro: Record.

LAJOLO, M. (1996). Livro didático: um (quase) manual de usuário. Em aberto, Brasília, v. 16, n. 69, p. 3-9, jan/mar.

MARCHENKOVA, L. (2005). Language, culture and self. In: HALL, J. K.; VITANOVA, G.; MARCHENKOVA, L. (Ed.). Dialogue with Bakhtin on second and foreign language learning: new perspectives. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, p. 171-188.

MACHADO, I. (2013). Gêneros discursivos. In: BRAIT, B. (Org.). Bakhtin: conceitos chave. São Paulo: Editora Contexto.

MARCUSCHI, L. A. (2008). Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola editorial.

MELLO, G. N. (1999). O livro didático no sistema de ensino público do Brasil. São Paulo: Ebrap.

PIRES, V. L.; SOBRAL, A. (2013). Implicações do estatuto ontológico do sujeito na teoria discursiva do Círculo Bakhtin, Medvedev, Voloshinov. Bakhtiniana, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 205-219.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. de. (2013). Metodologia do trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale.

RABELO, Z. da S. (2015). Livros didáticos de língua portuguesa: uma análise da seção projetos. Mestrado em Letras. Centro de Artes e Comunicação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

SILVA, E. L.; MENEZES, E. M. (2005). Metodologia da Pesquisa e Elaboração de Dissertação. Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da UFS.

SOUSA FILHO, S. M. (2009). Relações entre Literatura, Linguística e Ensino de Português. In: CAMARGO, F. P. e FRANCA, V. G. (Org.). Estudos sobre Literatura e Linguística - Pesquisa e Ensino. 1ed.São Carlos: Claraluz, v. 1, p. 149-162.

SOUSA FILHO, S. M. A prática de análise linguística na aula de português. (2017). In: ASSIS, E. F. (Org.). Caminhos para a educação linguística. 1 ed. Campinas: Pontes Editora, v. 1, p. 41-56.

SOUSA FILHO, S. M. A ausência da categoria Atividade Epilinguística no eixo pedagógico Prática de Análise Linguística na BNCC. (no prelo).

SOUSA FILHO, S. M.; MOURA, L. M. (2020). Propostas da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e de livros didáticos para o ensino da variação linguística no ensino fundamental anos finais. JNT – Facit Business and Technology Journal, vol. 2, p. 70-91.

SKINNER, B. F. Verbal behavior. (1957). New York: Appleton Century Crofts.

Downloads

Publicado

2021-05-21

Como Citar

ARAÚJO, M. A. F. de .; SARAIVA, E.; SOUSA FILHO, S. M. de. Análise de um livro didático de língua portuguesa: ensino tradicional de gramática versus Gêneros discursivos e análise linguística. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 1, p. 268–281, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8659728. Acesso em: 18 set. 2021.