A literatura de mulheres negras como direito humano

reflexões sobre o desenvolvimento da consciência crítica no contexto de um projeto de extensão para mulheres em privação de liberdade

Autores

Palavras-chave:

Escritoras negras, Consciência crítica, Mulheres em privação de liberdade

Resumo

Este artigo objetiva investigar os possíveis efeitos das ações de um projeto de extensão no desenvolvimento da consciência crítica (FREIRE, 2005), em especial no que diz respeito a questões de gênero e raça. Mais especificamente, o estudo tem como foco principal as atividades de leitura realizadas por uma equipe multidisciplinar com mulheres em privação de liberdade, que incluíram a apresentação e discussão de três obras de escritoras negras: Olhos D’Água (Conceição Evaristo), Quarto de Despejo (Carolina Maria de Jesus), e Heroínas Negras Brasileiras em 15 cordéis (Jarid Arraes). Neste estudo, investigamos o diário reflexivo de uma das discentes extensionistas da equipe executora bem como os questionários com as percepções das mediadoras do projeto – professoras, técnicas administrativas e discentes – acerca das obras de autoras mulheres negras selecionadas e das atividades propostas a partir delas. A partir da visão das mediadoras do projeto, destaca-se não apenas o papel da literatura na reflexão acerca de questões de gênero, classe e raça, mas também a importância de que as atividades considerem as subjetividades de todos os sujeitos deste processo para que o diálogo crítico ocorra em uma atmosfera segura e acolhedora. Por fim, as percepções apontam a relevância de atividades culturais e literárias no processo de humanização – tanto da equipe proponente quanto das mulheres em privação de liberdade –, evidenciando a importância de políticas públicas que compreendam a arte e a cultura enquanto direito humano no contexto de privação de liberdade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo da Silva, Instituto Federal de Santa Catarina

Professor no Instituto Federal de Santa Catarina

Priscila Fabiane Farias, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor Adjunto A1 da Universidade Federal de Santa Catarina , Brasil.

Referências

ALMEIDA, M. C. D.; FELIPPE, M. B.; SOUZA, R. C. B.; CANHEO, R. O. (2019). Mulheres em Prisão: Enfrentando a (in)visibilidade das mulheres submetidas à justiça criminal. São Paulo: Instituto Terra, Trabalho e Cidadania. Disponível em: http://ittc.org.br/wp-content/uploads/2019/05/mulheresemprisao-enfrentando-invisibilidade-mulheres-submetidas-a-justica-criminal.pdf Acesso em: 25 out 2020.

ARRAES, J. (2017). Heroínas negras brasileiras em 15 cordéis. São Paulo: Pólen.

CANDIDO, A. (1995). O direito à Literatura. Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades.

CORONEL, L. P. (2014). A censura ao direito de sonhar em Quarto de despejo, de Carolina Maria de Jesus. Estud. Lit. Bras. Contemp., Brasília , n. 44, p. 271-288, Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2316-40182014000200013&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 17 out 2020. https://doi.org/10.1590/2316-40184412.

CRENSHAW, K. (1991). Mapping the margins: intersectionality, identity politics, and violence against women of color. Stanford Law Review, v. 43, n. 6, p. 1241-1299.

CROOKES, G. V. (2013). Critical ELT in action: Foundations, promises, praxis. New York: Routledge.

CROOKES, G. V.; LEHNER, A. (1998). Aspects of process in an ESL critical pedagogy teacher education course. TESOL Quarterly, 32, 319-328.

DALCASTAGNE, R. (2012). Literatura brasileira contemporânea: um território contestado. 1a ed. Rio de Janeiro, Vinhedo: Editora Horizonte.

DEPEN (2020). Depen publica segunda edição do Infopen Mulheres. Disponível em: https://legado.justica.gov.br/noticias-seguranca/collective-nitf-content-4 Acesso em: 25 out 2020.

DINIZ, Debóra; TALIA. (2018). Cartas de uma menina presa. Brasília: Letras livres.

EVARISTO, C. (2014). Olhos d’água. Editora Pallas.

FERREIRA, A. J. (2015). Narrativas Autobiográcas de Professoras/es de Línguas na Universidade: Letramento Racial Crítico e Teoria Racial Crítica. In: Ferreira, A. J. Narrativas Autobiográcas de Identidades Sociais de Raça, Gênero, Sexualidade e Classe em Estudos da Linguagem. Campinas, SP: Pontes Editora, p. 127-160.

FREIRE, P. (2005). Pedagogy of the Oppressed. New York: Continuum.

FREIRE, P. (1973). Education for Critical Consciousness. Continuum. Seabury Press: New York.

GILMAN, C. P. (2016). O papel de parede amarelo. José Olímpio.

GIROUX, H. (1992). The hope of radical education. In K. Weiler & C. Mitchell. (Eds.). What schools can do. Critical pedagogy and practice. (pp. 13-26). Albany: State University of New York.

GOMES, H. T. (2014). "Minha mãe sempre costurou a vida com fios de ferro". In: Evaristo, C. (2014). Olhos d'água. Editora Pallas.

G1 (2020). Itajaí é a cidade de SC que mais registra denúncias de violência contra mulher. Disponível em: https://g1.globo.com/sc/santa-catarina/noticia/itajai-e-a-cidade-de-sc-que-mais-registra-denuncias-de-violencia-contra-mulher.ghtml Acesso em: 25 out 2020.

HADDAD, S. (2020). Paulo Freire e bell hooks: um encontro permanente. In: Hooks, B. Ensinando pensamento crítico: sabedoria prática. São Paulo: Elefante, p. 10-21.

HOOKS, b. (2020). Ensinando pensamento crítico: sabedoria prática. São Paulo: Elefante, 288 p.

HOOKS, b. (2013). Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. - São Paulo: Editora WMF Martins Fontes.

HOOKS, b. (1994). Teaching to transgress: Education as the practice of freedom. New York: Routledge.

ILHEU, T. (2020). Por que taxar os livros pode gerar retrocesso social e econômico no país. Disponível em: https://guiadoestudante.abril.com.br/atualidades/por-que-taxar-os-livros-pode-gerar-retrocesso-social-e-economico-no-pais/ Acesso em: 25 out 2020.

JESUS, C. M. de. (1963). Quarto de despejo: diário de uma favelada. 9. ed. São Paulo: Livraria Francisco Alves, (Edição Popular).

OLIVEIRA, F. S. (2018). Sensibilidades do lembrar e do esquecer nos cordéis-memória de Jarid Arraes. IV Congresso Internacional sobre Culturas: Memória e Sensibilidade: Cenários da Experiência Cultural Contemporânea. Cachoeira, Bahia, p. 1-11. Disponível em https://www3.ufrb.edu.br/eventos/4congressoculturas/wp-content/uploads/sites/19/2019/03/OLIVEIRA-Fernanda-Santos-de.pdf Acesso em: 25 Out 2020.

PNUD (2020). Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Disponível em: https://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/sustainable-development-goals.html Acesso em: 25 Out 2020.

SHIN, H.; CROOKES, G. (2005). Exploring the Possibilities for EFL Critical Pedagogy in Korea: A Two-Part Case Study, Critical Inquiry in Language Studies, 2:2, p. 113-136/ DOI: 10.1207/s15427595cils0202_3

TAGATA, W. M. (2018). Post-critique in contemporary ELT praxis. Revista Brasileira de Linguística Aplicada,18(2), p. 255-280. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/1984-6398201812025

WOOLF, V. (2014). Um teto todo seu. Trad.: Bia Nunes de Sousa, Glauco Mattoso. 1. ed. São Paulo: Tordesilhas.

Downloads

Publicado

2021-05-21

Como Citar

SILVA, L. da; FARIAS, P. F. . A literatura de mulheres negras como direito humano: reflexões sobre o desenvolvimento da consciência crítica no contexto de um projeto de extensão para mulheres em privação de liberdade. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 1, p. 126–140, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8661765. Acesso em: 18 set. 2021.