Línguas indígenas em pauta na aula de inglês

possibilidades para uma educação linguística crítica

Autores

  • Isabela Ramalho Orlando Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

Afetividade, Ensino de língua inglesa , Ensino crítico de línguas, Línguas ind´ígenas

Resumo

Neste trabalho é apresentada a experiência de um workshop sobre línguas indígenas brasileiras, realizado no contexto de um curso de inglês oferecido em uma universidade pública. Esses dados são parte de pesquisa sobre afetividade e ensino de inglês. Nesse sentido, buscou-se identificar e analisar os impactos afetivos que essa experiência produziu nos estudantes, a partir de suas produções textuais sobre o workshop. Compreende-se que as relações que se estabelecem entre sujeitos e objetos de conhecimento dependem, fundamentalmente, das práticas concretas de mediação desenvolvidas por agentes mediadores, as quais têm implicações tanto afetivas quanto cognitivas (LEITE, 2018). Assume-se uma visão discursiva da linguagem (BAKHTIN, 1929) e defende-se que o ensino-aprendizado de língua inglesa tem caráter formativo e deve considerar a natureza dialética da constituição do sujeito, da linguagem e da cultura, (ROCHA, 2012).  Os dados indicam a aula de inglês como rica possibilidade para a discussão de temas sobre cultura, identidade e discurso. Com a experiência descrita neste trabalho – a discussão sobre línguas indígenas brasileiras, sobre a história dos povos indígenas e sua luta para preservação de suas línguas – os estudantes tiveram oportunidade de refletir sobre suas próprias língua e cultura e sobre seu processo de aprendizagem de inglês. A análise dos dados evidencia que as implicações desta experiência não cognitivas, mas também afetivas, podendo influenciar nas relações que se estabelecem entre estudantes e a língua inglesa, além de possibilitar uma aprendizagem crítica. Defende-se que o ensino de línguas deve tratar de temas como o descrito neste trabalho para que se alcance uma educação linguística antirracista, que, por sua vez, contribui para que se estabeleçam relações afetivas positivas com a língua estrangeira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabela Ramalho Orlando, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda em Educação pela UNICAMP

Referências

ALMEIDA, L. R. e MAHONEY, A. A. (2014). Afetividade e aprendizagem: contribuições de Henri Wallon. São Paulo: Edições Loyola.

BAHKHTIN, M.M (VOLÓCHINOV, V.) (1929). Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da ciência da linguagem. Tradução de Sheila Grillo. São Paulo: Editora 34, 2017.

CAMARGO, M.; FERREIRA, A. de J. (2012). O PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA E O ALUNO QUILOMBOLA: letramento crítico e formação de professores. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [S.l.], v. 4, n. 8, p. 192-210, out. 2012. ISSN 2177-2770. Disponível em: <http://abpnrevista.org.br/revista/index.php/revistaabpn1/article/view/260>. Acesso em: 13 maio 2020.

FEITOSA, C. F. J. (2012). “Aqui tem racismo!”: um estudo das representações sociais e das identidades das crianças negras. Dissertação de mestrado em Educação. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, Brasil.

FERREIRA, A. de J. (2007). What has race/ethnicity got to do with EFL teaching? Linguagem e Educação 10: 211-233.

GARZELLA, F. A. C. (2013). A disciplina de cálculo 1: análise das relações entre as práticas pedagógicas do professor e seus impactos no aluno. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, UNICAMP. Campinas, SP.

JORGE, M. L.S. Preconceito contra o ensino de língua estrangeira na rede pública. In: LIMA, D.C. (org) Ensino e aprendizagem de língua inglesa-conversas com especialistas. São Paulo: Parábola Educacional, 2009

LEITE, S.A. (2012). Afetividade nas práticas pedagógicas. Temas em Psicologia. Sociedade Brasileira de Psicologia, vol 20, no. 2, 355-368.

LEITE, S. A. (2018). Afetividade: as marcas do professor inesquecível (org.). Campinas, SP: Mercado de Letras.

MAGIOLINO, L. L. S.; SMOLKA, A. L. B. (2013) How Do Emotions Signify? Social Relations and Psychological Functions in the Dramatic Constitution of Subjects, Mind, Culture, and Activity, 20:1, 96-112, DOI: 10.1080/10749039.2012.743155

MAHONEY & ALMEIDA (2004) (orgs) A constituição da pessoa na proposta de Henri Wallon. São Paulo: Edições Loyola.

MOURA, G. (2005). O direito à diferença. In: MUNANGA, K. (org). (2005). Superando o racismo na escola. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade.

MUNANGA, K. (org). (2005). Superando o racismo na escola. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade.

NOGUEIRA, A.L.H. (2010). As normas e as práticas discursivas na relações de ensino. In: Smolka, A. L. B.; Nogueira, A. L. H. (org.), Questões de desenvolvimento humano: práticas e sentidos. Campinas: Mercado de Letras, p.57-80.

AUTOR (2019). A ser inserido após aprovação.

OSLER, A.; STARKEY, H. (2000). Intercultural education and FL learning: issues of racism, identity, and modernity. Race, Ethnicity and Education 3: 207-221.

PENNYCOOK, A. (1994). The cultural politics of English as an international language. Nova York: Longman.

QUAST, K. e BANKS-LEITE, L. (2011). Da linguagem ao discurso: memória de práticas e ensino de língua estrangeira. In: SMOLKA, A.L.B.S. e NOGUEIRA, A.L.H. (org) Emoção, memória, imaginação: a constituição do desenvolvimento humano na história e na cultura. Campinas: Mercado de Letras.

RAJAGOPALAN. N, K. (2003). Por uma linguística crítica: linguagem, identidade e a questão ética. São Paulo: Parábola Editorial.

RAJAGOPALAN, K. (2004). The Concept of "World English" and its Implication for ELT. In: ELT Journal. v. 58, n. 2, Oxford: Oxford University Press, pp. 111-117

ROCHA, H, C. (2012). Língua inglesa e contexto acadêmico-universitário: avaliando e reprojetando práticas plurilíngues e transculturais sob a luz dos multiletramentos. Revista Contemporânea de Educação, Rio de Janeiro, vol.7, n. 13, janeiro/ julho 2012.

ROCHA, C. H.; MACIEL, R. F. (Orgs.). (2013) Língua Estrangeira e Formação Cidadã: Por entre Discursos e Práticas. Campinas, SP: Pontes Editores.

RODRIGUES, A. L. (2009) A língua inglesa na África: opressão, negociação e resistência. Campinas: Editora da Unicamp.

SAWAIA, B. B.(2000). Emoção como locus da produção do conhecimento – Uma reflexão inspirada em Vygotsky e no seu diálogo com Espinosa. In III Conference for Sociocultural Research, 1. Campinas: Universidade Estadual de Campinas.

SAWAIA, B. B. (2018). Prólogo. In: SAWAIA, B. B.; ALBUQUERQUE, R.; BUSARELLO, F. R. (2018). Afeto & Comum: reflexões sobre a práxis psicossocial. São Paulo: Alexa Cultural.

SAWAIA, B. B.; MAGIOLINO, L.L.S. (2016). As nuances da afetividade: emoção, sentimento e paixão em perspectiva. In: Diálogos na perspectiva histórico-cultural: interlocuções com a clínica da atividade / Luci Banks-Leite, Ana Luiza B. Smolka, Daniela Dias dos Anjos, (organizadoras). Campinas, SP: Mercado de Letras

SIQUEIRA, S. (2018). Por uma educação linguística crítica. In: PESSOA, R. R.; SILVESTRE, V. P. V.; MONTE MÓR, W. (2018). Perspectivas críticas de educação linguística no Brasil: trajetórias de professoras/es universitárias/os de inglês. São Paulo: Pá de palavra.

SMOLKA, A. L. B. (1988). A criança na fase inicial da escrita: a alfabetização como processo discursivo. São Paulo: Cortez, 2008.

SPINOZA, B. de. (1677). Ética. São Paulo: Autêntica, 2013.

SWAIN, M. (2013). The inseparability of cognition and emotion in second language learning. Language Teaching, 46, pp 195-207. Cambridge: Cambridge University Press.

SWAIN, M.; KINNEAR, P.; STEINMAN, L. (2011). Sociocultural Theory in Second Language Education: An introduction through narratives. Edição ebook Kindle. Bristol: Multilingual Matters.

VIGOTSKI, L. S. (1934). A Construção do Pensamento e da Linguagem. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2009

VIGOTSKI, L. S. (1960). Obras escogidas. Tomo III. Madrid: Machado Grupo de Distribución, 2012. 5 v.

WALLON, H. (1941). A evolução psicológica da criança. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

WALLON, H. (1942). Do ato ao pensamento. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2008.

Downloads

Publicado

2021-05-21

Como Citar

ORLANDO, I. R. Línguas indígenas em pauta na aula de inglês: possibilidades para uma educação linguística crítica. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 1, p. 30–42, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8661821. Acesso em: 16 out. 2021.