“Sou um corpo estranho no conjunto”

narrativas de um estudante negro migrante em uma universidade brasileira

Autores

Palavras-chave:

Ensino superior, Linhas abissais, Racialização

Resumo

O pensamento moderno ocidental se constitui em um sistema de distinções visíveis e invisíveis de separação social, cultural e epistêmica. São linhas abissais (SANTOS, 2007) que determinam categorizações hegemônicas de sujeito, raça, língua e conhecimento, as quais posicionam, do lado superior da linha, um ideal de homem moderno e, do lado inferior, formas subalternas e silenciadas de ser e estar no mundo. Com o objetivo de problematizar como o aluno negro migrante sofre com os efeitos das divisões abissais no espaço universitário e produz uma resposta a essas categorizações estabelecidas no contexto, neste trabalho, trago os relatos de um estudante haitiano, graduando em uma universidade pública brasileira. Jean, aprovado no curso de Bacharelado em Geografia, por meio de uma política de inclusão de migrantes refugiados e portadores de visto humanitário no ensino superior, narrou algumas experiências vividas no seu primeiro semestre da graduação. A partir de suas narrativas, recorro a uma perspectiva de Linguística Aplicada Crítica (MOITA LOPES; FABRÍCIO, 2019; PENNYCOOK, 2001; 2006) para tecer reflexões sobre linguagem, racialidade e decolonialidade, com base em estudos de Almeida (2019), Anya (2017), Carneiro (2005); Gomes (2005), Fanon (2008), Nascimento (2019) e Santos (2007). Discuto ainda como o conceito de raça, construído social, histórica, cultural e discursivamente (GOMES, 2005) e a racialização das identidades (ANYA, 2017) reproduzem linhas abissais em diferentes segmentos da vida do estudante no espaço universitário e delimitam divisões coloniais de fala e silenciamento, legitimidade e exclusão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caroline Vieira Rodrigues, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda em Linguística na Universidade Federal de Santa Catarina, Brasil.

Referências

ALMEIDA, Silvio. Racismo estrutural. Editora Jandaíra, 2019.

ANUNCIAÇÃO, R. F. M. Somos mais que isso: práticas de (re) existência de migrantes e refugiados frente à despossessão e ao não reconhecimento. Dissertação de Mestrado em Linguística Aplicada. Instituto de Estudos da Linguagem, Unicamp, Campinas, 2017.

ANYA, U. Racialized identities in second language learning: Speaking blackness in Brazil. New York: Routledge, 2016.

BIZON, A. C. C; CAMARGO, H. R. E. Acolhimento e ensino da língua portuguesa à população oriunda de migração de crise no município de São Paulo: por uma política do atravessamento entre verticalidades e horizontalidades. In: BAENINGER; BOGUS; BERTINO MOREIRA; VEDOVATO; FERNANDES; SOUZA; BALTAR; PERES; WALDMAN; MAGALHÃES. (Org.). Migrações Sul-Sul., v. 1. Campinas: Núcleo de Estudos de População Elza Berquó (NEPO), 2018.

BRASIL. Lei n. 6.815, de 19 de agosto de 1980. Define a situação jurídica do estrangeiro no Brasil, cria o Conselho Nacional de Imigração, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília/DF, 21 ago., Página 16533, 1980.

BRASIL. Lei nº 13.445, de 24 de maio de 2017. Dispõe sobre os direitos e os deveres do migrante e do visitante, regula a sua entrada e estada no país e estabelece princípios e diretrizes para as políticas públicas para o emigrante. Diário Oficial Da União, Brasília/DF, 25 mai., página 1, 2017.

BRASIL. Ministério da Justiça. Refúgio em números - 4. Edição, 2018. Disponível em: https://www.acnur.org/portugues/wp-content/uploads/2019/07/Refugio-em-nu%CC%81meros_versa%CC%83o-23-de-julho-002.pdf . Acesso em: 26 de out. 2020.

CARNEIRO, A. S. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. 2005. Tese de Doutorado em Educação. USP, São Paulo, 2005.

CÁTEDRA SÉRGIO VIEIRA DE MELLO. Relatório de Atividades 2019. Disponível em: https://www.acnur.org/portugues/wp-content/uploads/2019/09/Relatorio-Anual-CSVM_Digital.pdf. Acesso em: 20 de out. 2020.

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Salvador: Edufba, 2008.

GOMES, N. L. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal, 10639/2003. Brasília: Ministério da Educação, v.2, pp. 39-62, 2005.

GROSFOGUEL, R. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, pp. 25-49, 2016a.

GROSFOGUEL, R. What is racism? Journal of World-Systems Research, v. 22, n. 1, pp. 9-15, 2016b.

MIGNOLO, W. D. Histórias locais/ Projetos globais: Colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Tradução de Solange Ribeiro de Oliveira. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2003.

MOITA LOPES, L. P. Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006.

MOITA LOPES, L. P.; FABRÍCIO, B. F. Por uma “proximidade crítica” nos estudos em Linguística Aplicada. Calidoscópio, v. 17, n. 4, p. 711-723, 2019.

NASCIMENTO, G. Racismo Linguístico: os subterrâneos da linguagem e do racismo. Belo Horizonte: Editora Letramento, 2019.

PENNYCOOK, A. Critical applied linguistics: A critical introduction. Routledge, 2001.

PENNYCOOK, A. Uma linguística aplicada transgressiva. In: MOITA LOPES, L.P. (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola, pp. 85-105. 2006.

RODRIGUES, C. V. “Nunca vai ser suficiente pra mim”: língua, identidade e acolhimento em experiências de alunos migrantes refugiados na Universidade Federal do Paraná. Dissertação de Mestrado em Letras. UFPR, Curitiba, 2019.

ROSSA, L. A.; MENEZES, M. A. Imigração e refúgio no Brasil e os programas especiais de acesso ao ensino superior: levantamentos iniciais dos programas implementados até 2016. In: Encontro Nacional Sobre Migração Da Associação Brasileira De Estudos Populacionais (ABEP), v. 10, Natal: UFPR, 2017. Disponível em: https://www.proceedings.blucher.com.br/article-details/imigrao-e-refgio-no-brasil-e-os-programas-especiais-de-acesso-ao-ensino-superior-levantamentos-iniciais-dos-programas-implementados-at-2016-27593. Acesso em: 22 de out. 2020.

RUANO, B. P. Programa Reingresso UFPR – Aproveitamento de vagas remanescentes para reinserção acadêmica de migrantes e refugiados: ações de acolhimento. Tese de Doutorado em Letras. UFPR, Curitiba, 2019.

SANTOS, B. D. S. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Revista crítica de ciências sociais, (78), pp. 3-46, 2007.

SEVERO, C. G. Línguas e heranças africanas no Brasil: articulando política linguística e sócio-história. Revista da ABRALIN, v. 17, n. 2, pp. 16-45, 2019.

Downloads

Publicado

2021-05-21

Como Citar

RODRIGUES, C. V. “Sou um corpo estranho no conjunto”: narrativas de um estudante negro migrante em uma universidade brasileira. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 1, p. 114–125, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8661862. Acesso em: 18 set. 2021.