Efeito do ensino explícito no desempenho em Libras

um estudo com quatro aprendizes de L2

Autores

Palavras-chave:

Libras, L2, Ensino explícito , Mapeamento espacial

Resumo

O ensino explícito, segundo Alves (2004), Gauthier (2014), Rodrigues e Preuss (2018) e outros, é uma eficiente possibilidade pedagógica para aquisição de elementos linguísticos da L2. Para Silva (2018), o desempenho na Língua Brasileira de Sinais (Libras) pode ser examinado a partir do uso do mapeamento espacial (ME), constituído por elementos da referenciação nominal, da produção morfossintática e da referenciação por meio do corpo. O presente estudo teve como objetivo investigar o efeito do ensino explícito no desempenho em Libras como L2. A pesquisa-ação caracterizou-se pela intervenção com duas turmas de aprendizes de Libras de nível intermediário, sendo que em uma delas houve o ensino explícito do ME. Os participantes realizaram o pré- e o pós-teste, que consistiu na sinalização de uma narrativa. O relato apresentado reporta os dados de duas participantes de cada turma. Os resultados mostram que não houve efeito da instrução explícita no uso da referenciação nominal e por meio do corpo. Quanto à produção morfossintática não houve evidência suficiente para confirmar a melhora no desempenho. Em geral, não foi observado efeito do ensino explícito no desempenho em Libras como L2, o que pode ser parcialmente explicado pela falta de interação decorrente da modalidade virtual com que foi implantado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lídia da Silva, Universidade Federal do Paraná

Doutorado em Programa de Pós-Graduação em Lingüística da UFSC pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professora Titular da Universidade Federal do Paraná, Brasil.

Referências

ALVES, U. K. (2004). O papel da instrução explícita na aquisição fonológica do inglês como L2: evidências fornecidas pela teoria da otimidade. Dissertação de Mestrado em Linguística Aplicada. Escola de Educação, UCPel, Pelotas.

ALVES, U. K.; ZIMMER, M. C. (2005). A instrução explícita na aprendizagem da L2: uma abordagem conexionista. Nonada: Letras em Revista. n. 8, p. 221-232.

ANDRADE, O. G. (2014). A linguística contrastiva como ferramenta para o trabalho com a diversidade do português e do espanhol na formação inicial e continuada do professor de Línguas Estrangeiras/Adicionais. In: V Seminário Ibero-americano de Diversidade Linguística. Anais… Foz do Iguaçu: UNILA, p. 263-289.

DURÃO, A. B. A. B. (2004). A fossilização de erros: o estado da questão. Signum: Estudos da Linguagem. v. 3, n. 1, p. 47-61.

FERREIRA-BRITO, L.; LANGEVIN, R. (1995). Sistema Ferreira Brito-Langevin de transcrição de sinais. In: FERREIRA BRITO, L. Por uma gramática de língua de sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

GAUTHIER, C. (2014). O ensino explícito, aspectos teóricos e práticos. In: XVII Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino. Anais… Fortaleza: Universidade Estadual do Ceará, p. 1-16.

GEER, L. C.; KEANE, J. (2018). Improving ASL fingerspelling comprehension in L2 learners with explicit phonetic instruction. Language Teaching Research. v. 22, n. 4, p. 439-457.

HUMORISTA ZAIRE. (2020). Humoristazaire: #piada_36: quarentena. (3m18s). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=04n0BQCdgyI. Acesso em: 18 jan. 2021.

INES DDHCT. (2020). Saber mais em Libras: Coronavírus – INES. (4m11s). Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=0a42MkuaAB8&t=1s. Acesso em: 18 jan. 2021.

TV INES. (2020). Saber Mais | Coronavirus (2m16s). Disponível em: http://tvines.org.br/?p=20494. Acesso em: 18 jan. 2021.

LIMA JÚNIOR, R. M. (2010). Uma investigação dos efeitos do ensino explícito da pronúncia na aula de inglês como língua estrangeira. Revista Brasileira de Linguística Aplicada. v. 10, n. 3, p. 747-771.

PICHLER, D. C.; KOULIDOBROVA, H. (2015). Acquisition of sign language as a second language (L2). The Oxford Handbook of Deaf Studies in Language. p. 218-230.

RABASA FERNÁNDEZ, Y. (2011). A presença de erros na interlíngua de estudantes brasileiros aprendizes de espanhol. Revista Desempenho. v. 1, n. 16.

RODRIGUES, R. R.; PREUSS, E. O. (2018). Efeitos de instrução explícita na aquisição da entoação em espanhol/L2. Working Papers em Linguística. v. 19, n. 2, p. 214-238.

SILVA, L. da. (2018). Fluência de ouvintes sinalizantes de libras como segunda língua: foco nos elementos da espacialização. Tese de Doutorado em Linguística. Centro de Comunicação e Expressão, UFSC, Florianópolis.

SILVA, L. da. (2020). Aquisição de segunda língua: o estado da arte da Libras. Alfa. v. 64.

SILVA, L. da.; SILVA, A. R. (2019). Verbos manuais em libras: análise da produção em L2 e contribuições à prática pedagógica. Revista Diálogos. v. 7, n. 2, p. 201-225.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. (2014). Corpus Libras. Disponível em: http://www.corpuslibras.ufsc.br. Acesso em: 26 jan. 2021.

WINSTON, E. (1995). Spatial mapping in comparative discourse frames. In: Emmorey, K.; Reilly, J. S. (ed.), Language, gesture, and space. New York: Psychology Press.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

SILVA, L. da. Efeito do ensino explícito no desempenho em Libras: um estudo com quatro aprendizes de L2. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 3, p. 865–880, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8664159. Acesso em: 2 jul. 2022.