Educação linguística crítico-colaborativa por meio do inglês

uma experiência com estudantes da educação de jovens e adultos

Autores

Palavras-chave:

Maya Angelou, Educação linguística crítico-colaborativa em inglês, Educação de jovens e adultos

Resumo

Este estudo é inspirado na biografia de Maya Angelou e visa entrelaçar suas experiências de vida a uma abordagem de educação linguística crítico-colaborativa por meio do inglês. Para alcançar nosso objetivo, um grupo de quatro estudantes da modalidade Educação de Jovens e Adultos (EJA) partiu do Instituto Federal de Goiás (IFG) e foi metaforicamente para os EUA através da história da mulher negra mencionada acima. Nossas reflexões durante eswsa aventura foram baseadas nas obras de diversos/as autores/as tais como Almeida (2017), Figueiredo (2008, 2018); Figueiredo e Lago (2018); Flores e Rosa (2017); Lago (2016); Magalhães (2014); Morrison (1975); Pessoa (2014); Scarcella e Oxford (1992), entre outros/as. Achamos fundamental mencionar, ainda, que as problematizações aqui presentes também se originaram das nossas próprias vivências: como as narrativas pessoais das participantes do estudo e as nossas próprias histórias de luta contra o racismo, o machismo, a pobreza e outros tipos de preconceito em nossas aulas. O material empírico foi gerado a partir de um questionário aberto, as cartas que as alunas escreveram para si mesmas nas aulas e as discussões realizadas em uma roda de conversa sobre uma experiência que as participantes do estudo tiveram com estudantes de três cursos integrados do primeiro ano do Ensino Médio – Comércio Exterior, Edificações e Química. Concluímos que essa investigação permitiu que as participantes do estudo assim como nós refletíssemos e repensássemos as nossas verdades sobre os nossos corpos, pele e sobre o próprio processo de educação linguística em língua inglesa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Regis de Almeida, Universidade Federal de Goiás

Doutorando em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Atualmente, ocupa o cargo de professor de língua inglesa na Escola Interamérica - Goiânia (GO). 

Neuda Alves do Lago, Universidade Federal de Goiás

Professora Associada na Faculdade de Letras na Universidade Federal de Goiás (UFG).

Francisco José Quaresma de Figueiredo, Universidade Federal de Goiás

Professor Titular de Língua Inglesa da Universidade Federal de Goiás (UFG).

Referências

ALMEIDA, R. R. Educação linguística crítica de aprendizes de inglês: problematizações e desestabilizações. 2017. Dissertação (Mestrado Interdisciplinar em Educação, Linguagem e Tecnologia) – Universidade Estadual de Goiás, Anápolis, 2017.

ANDRÉ, M. E. D. A. (1995). Etnografia da prática escolar. Campinas: Papirus.

FIGUEIREDO, F. J. Q. The influences of collaboration on the learning of a foreign language. MOARA, n. 30, p. 117-134, 2008.

FIGUEIREDO, F. J. Q. A aprendizagem colaborativa de línguas: considerações conceituais e aplicações em distintos contextos. In: FIGUEIREDO, F. J. Q. (Org.). A aprendizagem colaborativa de línguas. 2. ed. rev. e ampl. – Goiânia: Editora UFG, 2018. p. 13-57.

FIGUEIREDO, F. J. Q.; LAGO, N. A. O que eu sinto e como reajo: a autoestima e a atitude quanto à escrita na revisão colaborativa. In: FIGUEIREDO, F. J. Q. (Org.). A aprendizagem colaborativa de línguas. 2. ed. rev. e ampl. – Goiânia: Editora UFG, 2018. p. 195-234.

HOELZLE, M. J. L. R. (2016). Desestabilizando sociabilidades em uma sala de aula de Língua Inglesa de uma escola pública. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

LAGO, N. A.; CINTRA, D. N. M. ‘Sou uma pessoa melhor’: formação continuada de professores de inglês. In: PESSOA, R. R.; OLIVEIRA, E. C. Tensões e desestabilizações na formação de professoras/es de inglês. Goiânia: Ed. da UFG, 2016. p. 133-155.

MAGALHÃES, M. C. C. (2014). Escolhas teórico-metodológicas em pesquisas com formação de professores: as relações colaborativo-críticas na constituição de educadores. In: MATEUS, E.; OLIVEIRA, N. B. (Orgs.). Estudos Críticos da Linguagem e Formação de Professores/as de Línguas: Contribuições Teórico-Metodológicas. Campinas, SP: Pontes Editores: 17-47.

MOITA LOPES, L. P. (2006). Uma linguística aplicada mestiça e ideológica: interrogando o campo como linguista aplicado. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.). Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial: 13-44.

MORRISON, T. (1975). Black Studies Center Public Dialogue. Pt. 2. Toni Morrison at Portland State. From Portland State University’s Oregon Public Speakers Collection. Online: http://mackenzian.com/wpcontent/uploads/2014/07/Transcript_PortlandState_TMorrison.pdf. Accessed: July 18, 2019.

OKAZAKI, T. (2005). Critical consciousness and critical language teaching. Second language studies, 23(2): 174-202.

PENNYCOOK. A. (2001). Critical Applied Linguistics: a critical introduction. Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates.

PENNYCOOK, A. (2004). Critical moments in a TESOL praxicum. In: NORTON, B.; TOOHEY, K. (Org.). Critical pedagogies and language learning. Cambridge: CUP: 27-345.

PENNYCOOK, A. (2012). Language and mobility. Unexpected places. Bristol: Multilingual Matters.

PESSOA, R. R. (2014). A critical approach to the teaching of English: pedagogical and identity engagement. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, 14(2): 353-372.

ROSA, J.; FLORES, N. (2017). Unsettling race and language: Toward a raciolinguistic perspective. Language and Society, 46(5): 621-647.

SABOTA, B. (2017. Leitura e Compreensão Textual. In: FIGUEIREDO, F. J. Q. (Org.). Formação de professores de línguas estrangeiras: princípios e práticas. 2. ed. rev. e ampl. – Goiânia: Editora UFG: 125-150.

SABOTA, B. (2018). Traçando os fios da leitura em língua inglesa: por uma resolução colaborativa de exercícios de compreensão textual. In: FIGUEIREDO, F. J. Q. (Org.). A aprendizagem colaborativa de línguas. 2. ed. rev. e ampl. – Goiânia: Editora UFG: 99-131.

SCARCELLA, R. C.; OXFORD, R. L. (1992). The Tapestry of Language Learning. Boston: Heinle & Heinle Publishers.

SILVESTRE, V. P. V. (2017). Colaboração e crítica na formação de professores/as de línguas: teorizações construídas em uma experiência com o Pibid. 1. ed. Campinas, SP: Pontes Editores.

SOUSA, L. P. Q.; TIRABOSCHI, F. F.; LAGO, N. A.; FIGUEIREDO, F. J. Q. (2019). Collaborative English language learning: some reflections from interactions between pairs. Trabalhos em Linguística Aplicada, 58(1): 259-286.

TILIO, R. C. (2013). Repensando a abordagem comunicativa: multiltramentos em uma abordagem consciente e conscientizadora. In: ROCHA, C. H.; MACIEL, R. F. (Org.). Língua estrangeira e formação cidadã: por entre discursos e práticas. 2ed. Campinas: Pontes, v. 1: 51-67.

URZÊDA-FREITAS, M. T. (2012). Pedagogia como transgressão: problematizando a experiência de professores/as de inglês com o ensino crítico de línguas. Dissertação (Mestrado em Letras e Linguística: Estudos Linguísticos). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

URZÊDA-FREITAS, M. T. (2018). Letramentos queer na formação de professorxs de línguas: complicando e subvertendo identidades no fazer docente. 2018. 285f. Tese (Doutorado em Letras e Linguística). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

VASQUES, C. C.; ANJOS, M. B.; SOUZA, V. L. G. Políticas públicas para a Educação de Jovens e Adultos (EJA). Revista Educação Pública, v. 19, nº 16, 13 de ago. 2019. Online: < https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/19/16/politicas-publicas-para-a-educacao-de-jovens-e-adultos-eja > Accessed: October 17, 2021.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

ALMEIDA, R. R. de; LAGO, N. A. do; FIGUEIREDO, F. J. Q. de. Educação linguística crítico-colaborativa por meio do inglês: uma experiência com estudantes da educação de jovens e adultos. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 3, p. 748–761, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8664690. Acesso em: 15 ago. 2022.