Leituras transmídia de literatura por design

(sub)versões do cânone no Ensino Fundamental II

Autores

Palavras-chave:

Ensino de Literatura, Multiletramentos, Leitura Subjetiva, Ensino Fundamental II

Resumo

Este artigo tem como principal objetivo analisar o processo de leitura do texto literário por um grupo de alunos do nono ano do ensino fundamental em um trabalho de adaptação da obra Senhora de José de Alencar para um curta-metragem. Os registros da pesquisa, coletados durante uma pesquisa-ação em uma escola da rede particular de ensino, foram triangulados de maneira a entender o processo de apropriação do romance em três mudanças significativas entre a obra de Alencar e a obra dos alunos. As análises foram baseadas na articulação dos conceitos de leitura subjetiva do texto literário (ROUXEL, 2012, 2013; LANGLADE, 2013; JOUVE, 2013) e do designer de significados (GRUPO DE NOVA LONDRES, 1996; COPE E KALANTZIS, 2009). Os resultados das análises mostram que o processo de leitura subjetiva da obra literária envolveu a construção de uma trajetória em que os alunos ressignificaram elementos do romance que não lhes eram familiares ou coerentes com suas experiências de mundo, por meio de elementos de seus próprios repertórios, especialmente a partir de referências de mídias audiovisuais, construindo leituras que atravessam diferentes mídias. Também foi possível afirmar a partir das análises que as narrativas transmídia em um projeto de leitura literária permitem que os alunos se apropriem do texto literário canônico de maneira a torná-lo parte de sua própria coleção e não mais como um elemento do repertório escolar que tem seu sentido estabelecido à priori da leitura. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Cuter Albanese, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutor em Linguística Aplicada pela Unicamp e Professor de Língua Portuguesa do Ensino Básico.

Referências

AGAZZI, G.L.(2014). Problemas no ensino de literatura: do perigo ao voo possível. Remate de Males, v.34, n.2, p.443-458.

ALBANESE, B.C. (2019). Do propositor de significados ao mediador cultural: os papéis do professor de Literatura em um projeto de adaptação audiovisual. Calidoscópio, v.17, n.3, p.575-591.

ALMEIDA, D.M.V. (2011). “Sou gay, porém totalmente discreto” – os estereótipos e a criação do ethos em um site de relacionamento gay. ReVeLe, n.3, p.1-23.

BRASIL (2006). Orientações curriculares para o ensino médio – linguagens, códigos e tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Fundamental.

BRASIL (2018). Base nacional comum curricular. Brasília: Ministério da Educação, Secretária de Educação Fundamental.

COPE, B.; KALANTZIS, M. (2009). Multiliteracies: new literacies, new learning. Pedagogies: an international journal, v.4, n.3, pp.164-195.

DALEY, E. (2010). Expandindo o conceito de letramento. Trabalhos em Linguística Aplicada, v.49, n.2, p.481-491.

DUFAYS, J.L. (2007). Enseigner et aprrendre la littérature au jourd’hui pour quoi faire?. Paris: Presses universitaires de Louvai.

DURÃO, F. (2012). A crise nos estudos literários, hoje. In: SIGNORINI, I. & FIAD, R.S.(orgs.), Ensino de língua: das reformas, das inquietações e dos desafios. Belo Horizonte, MG: Editora da UFMG, p.191-202.

KALANTZIS, M,; COPE, B.; PINHEIRO, P. (2020). Letramentos. Campinas: Editora da Unicamp.

KNOBEL, M.; LANKSHEAR, C (2008). Pesquisa pedagógica: do projeto à implementação. Tradução de Magda França Lopes. Porto Alegre, RS: Artmend.

JOUVE, V (2013). A leitura como retorno a si: sobre o interesse pedagógico das leituras subjetivas. In: ROUXEL, A; LANGLADE, G; REZENDE, N. L. (orgs.). Leitura subjetiva e ensino de literatura. São Paulo, SP: Alameda, p.53-65.

LANGLADE, G (2013). O sujeito leitor, autor da singularidade da obra. In: ROUXEL, A; LANGLADE, G; REZENDE, N. L. (orgs.). Leitura subjetiva e ensino de literatura. São Paulo, SP: Alameda, p.25-38.

MARTIN, M. (2011). A linguagem cinematográfica. Tradução de Paulo Neves. São Paulo, SP: Brasiliense.

NEW LONDON GROUP (1996). A pedagogy of multiliteracies: designing social futures. Harward Educational Review, n.66, v. 1, p.60-92.

NOFFKE, S.; SOMEKH, B (2005). Action Research. In: SOMEKH, B.; LEWIN, C. (orgs.).Research Methods in Social Sciences. Londres, Sage Publications, p.25-37.

PERRONE-MOISES, L. B (2006). Literatura para todos. Literatura e Sociedade, v. 11, n.9, p. 16-29.

REZENDE, N. L (2013). Apresentação ao leitor brasileiro. In: ROUXEL, A; LANGLADE, G; REZENDE, N. L. (orgs.). Leitura subjetiva e ensino de literatura. São Paulo, SP: Alameda, p.7-18.

ROUXEL, A. (2012). Mutações epistemológicas e o ensino de literatura: o advento do sujeito leitor. Tradução de Samira Murad. Revista Criação e Crítica, n.9, p.13-24.

ROUXEL, A. (2013 a). A tensão entre utilizar e interpretar na recepção de obras literárias em sala de aula: reflexão sobre uma inversão de valores ao longo da escolaridade. In: ROUXEL, A; LANGLADE, G; REZENDE, N. L. (orgs.). Leitura subjetiva e ensino de literatura. São Paulo, SP: Alameda, p.151-164.

ROUXEL, A; LANGLADE, G; REZENDE, N. L. (2013 b) Apropriação singular das obras e cultura literária. In: ROUXEL, A; LANGLADE, G; REZENDE, N. L. (orgs.). Leitura subjetiva e ensino de literatura. São Paulo, SP: Alameda, p.165-189.

ROUXEL, A; LANGLADE, G; REZENDE, N. L. (2013 c). O advento dos leitores reais. In: ROUXEL, A; LANGLADE, G; REZENDE, N. L. (orgs.). Leitura subjetiva e ensino de literatura. São Paulo, SP: Alameda, p.191-208.

ROUXEL, A.; LANGLADE, G (2013). Apresentação dos coordenadores franceses. In: ROUXEL, A; LANGLADE, G; REZENDE, N. L. (orgs.). Leitura subjetiva e ensino de literatura. São Paulo, SP: Alameda, p.19-24.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

ALBANESE, B. C. Leituras transmídia de literatura por design: (sub)versões do cânone no Ensino Fundamental II. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 3, p. 670–685, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8666357. Acesso em: 8 ago. 2022.