“A escritura a escrevivência a invenção a poema”

performances e decolonialidades nas gramáticas culturais das coletivas de poetas periféricas

Autores

Palavras-chave:

Coletivas de poetas, Periferia, Performance, Gramática cultural, Escrevivência

Resumo

Este artigo é resultante de uma proposta teórico-metodológica de pesquisa participante e interventiva nos estudos da linguagem, a Pragmática Cultural (ALENCAR, 2014, 2015, 2019), que busca a horizontalidade, a colaboração entre saberes populares e acadêmicos, por meio de metodologias simétricas que valorizem formas de vida e resistência, visando à transformação social. Sob essa perspectiva, analiso a constituição de uma gramática cultural de resistência pelas mulheres participantes de três coletivas de poetas da periferia de Fortaleza. O arcabouço teórico se assentou nas concepções de performatividade de raça e interseccionalidades, a partir do trabalho de Glenda Melo (MELO; MOITA LOPES, 2013, 2014; MELO; PAULA, 2019); gramática cultural e gramática da dor, discutidas nos trabalhos de Veena Das (DAS, 1995, 1999, 2007; DAS et al., 2004) e em minhas pesquisas (ALENCAR, 2014, 2019); e o conceito de escrevivência, de Conceição Evaristo (EVARISTO, 2007, 2008, 2009). As categorias metapragmática, indexicalidade (SILVERSTEIN, 1993, 2003), performance e entextualização (BAUMAN; BRIGGS, 1990) também fazem parte do nosso construto analítico. Com a investigação, percebi que práticas literárias, culturais e políticas dessas poetas constituem uma gramática cultural que anuncia uma sociedade sem dominação, construída pela feminização da resistência.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudiana Nogueira de Alencar, Universidade Estadual do Ceará

Doutorado em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas. Professora da Universidade Estadual do Ceará, Brasil.

Referências

ALENCAR, C. (2014). Pragmática Cultural: uma visada antropológica sobre os jogos de linguagem. In: SILVA, D.; ALENCAR, C.; FERREIRA, D. (org.). Nova Pragmática: modos de fazer. São Paulo: Cortez. p.78-100.

ALENCAR, C. (2015). Pragmática cultural: uma proposta de pesquisa-intervenção nos estudos críticos da linguagem. In RODRIGUES, M. G. et al. (org.). Discurso: sentidos e ação, Franca, Universidade de Franca, v.10, 2015, p.141-162.

ALENCAR, C. (2017). Gramática de resistência do movimento campesino: toponímia, agência e dor. In: ALENCAR, Claudiana; COSTA, Fátima; COSTA, Nelson. (org.). Discursos, Fronteiras e Hibridismos. Fortaleza: Expressão Gráfica Editora, 2017, v. 1, p. 115-136.

ALENCAR, C. (2019). Tudo aqui é poesia: a pragmática cultural como pesquisa participante com movimentos sociais e coletivos juvenis em territórios de violência urbana. Interdisciplinar, v. 31, p. 237-256, jan./jun.

ANDRADE, M. (2020a). [Eu leio a poeta…]. In: Rizzi, N. Mika Andrade. Escamandro, 17 jun. 2020. Disponível em: https://escamandro.wordpress.com/2020/06/17/mika-andrade/. Acesso em: 9 nov. 2020.

ANDRADE, M. (2020b). Percurso. In: Rizzi, N.; Andrade, M. (org.). Ofò: antologia poética Pretarau. [S.l.]: Pretarau, p. 36.

BAGNO, M. (2001). Norma linguística e preconceito social. Veredas, Juiz de Fora, v. 5, n. 2, p. 71-83.

BAUMAN, R.; BRIGGS, C. (1990). Poetics and performance as critical perspectives on language and social life. American Review of Anthropology, v. 19, p. 59-88.

BORBA, R. (2014). A linguagem importa? Sobre performance, performatividade e peregrinações conceituais. Cadernos Pagu. n. 43. p. 441-473.

BUTLER, J. (1993). Bodies that Matter: On the Discursive Limits of “Sex”. Nova York, Routledge.

CALDAS-COULTHARD, C. R. (2007). Caro colega: exclusão linguística e invisibilidade. Discurso & Sociedad, v. 1, n. 2, p. 230-246.

CAMERON, D. (1995). Verbal hygiene. Routledge: London.

CAMPOS, H. (1997). Poesia e modernidade: da morte do verso à constelação. O poema pós-utópico. In: Campos, H. O arco-íris branco. São Paulo: Imago, p. 243-270.

CANDIDO, A. (2004). O direito à literatura e outros ensaios. Coimbra, PT: Angelus Novus.

DALCASTAGNÈ, R. (2012). Um território contestado: literatura brasileira contemporânea e as novas vozes sociais. Iberic@l: revue d’études ibériques et ibéro-américaines, Paris, n. 2, automne.

DAS, V. (1995). Critical events: an anthropological perspective on contemporary India. New Delhi: Oxford University Press.

DAS, V. (1999). Fronteiras, violência e o trabalho do tempo: alguns temas wittgensteinianos. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 14, n. 40, p. 31-42.

DAS, V. (2007). Life and words: violence and the descent into the ordinary. Berkeley: University of California Press.

DAS, V. et al. (2004). Violence and subjectivity. Berkeley: University of California Press.

EVARISTO, C. (2007). Da grafia-desenho de minha mãe, um dos lugares de nascimento de minha escrita. In: Alexandre, M. A. (org.). Representações performáticas brasileiras: teorias, práticas e suas interfaces. Belo Horizonte: Mazza, p. 16-21.

EVARISTO, C. (2008). Escrevivências da afro-brasilidade: história e memória. Releitura, Belo Horizonte, Fundação Municipal de Cultura, n. 23, nov.

EVARISTO, C. (2009). Literatura negra: uma poética de nossa afro-brasilidade. Scripta, Belo Horizonte, v. 13, n. 25.

EVARISTO, C. (2020). A escrevivência e seus subtextos. In: Duarte, C.; Nunes, I. (org.). Escrevivência: a escrita de nós: reflexões sobre a obra de Conceição Evaristo. Rio de Janeiro: Mina Comunicação e Arte.

FREIRE, P. (1982). A Importância do Ato de Ler - em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez Editora & Autores Associados.

GONZALEZ, L. (1984). Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, p. 223-244.

GONZALEZ, L. (1988). A categoria político-cultural de amefricanidade. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 92/93, p. 69-82, jan./jun.

HOOKS, B. (2015). Mulheres negras: moldando a teoria feminista. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 16, p. 193-210, jan./abr.

KILOMBA, G. (2019). Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó.

MATURANA, H.; DÁVILA, X. (2016). El arbol del vivir. Chile: MVP editores.

MAURIEL, A. P. O. (2021) Crise, pandemia e suas manifestações no Brasil. Direitos, Trabalho e Política Social, v. 7, p. 41-63.

MELO, G. C. V.; MOITA LOPES, L. P. (2013). As performances discursivo-identitárias de mulheres negras em uma comunidade para negros na Orkut. DELTA, São Paulo, v. 29, n. 2, p. 237-265.

MELO, G. C. V.; MOITA LOPES, L. P. (2014). A performance narrativa de uma blogueira: “Tornando-se preta em um segundo nascimento”. Alfa, São Paulo, v. 58, n. 3, p. 541-569.

MELO, G. C. V.; PAULA, L. (2019). Apresentação: Discursos de gênero, sexualidade e raça. Cadernos Discursivos, v. 1, n. 1, p. 1-7.

MOTTA, S. (2013a). “We are the ones we have been waiting for”: the feminization of resistance in Venezuela. Latin American Perspectives, v. 40, n. 4, p. 35-54.

MOTTA, S. (2013b). Pedagogies of possibility in, against and beyond the imperial patriarchal subjectivities of higher education. In: Cowden, S.; Singh, G. (ed.). Acts of knowing: critical pedagogy in, against and beyond the university. London: Bloomsbury Academic, p. 85-124.

NJANU, M. (2020a). Antipoema. In: Andrade, M. Como se faz o poema de Ma Njanu. LiteraturaBr, 23 set. 2020. Disponível em: https://www.literaturabr.com/2020/09/23/co

mo-se-faz-o-poema-de-ma-njanu/. Acesso em: 26 set. 2020.

NJANU, M. (2020b). Ensaio para o poema no muro. In: Carbonieri, D. Seis poemas de Ma Njanu. Ruído Manifesto, 18 maio 2020. Disponível em: http://ruidomanifesto.org/

seis-poemas-de-ma-njanu/. Acesso em: 30 jul. 2021.

PINTO, J. P. (2018). Corpo como contexto-de-ocorrência de metapragmáticas sobre o português em socializações de estudantes migrantes para o Brasil. Linguagem em (Dis)curso, v. 18, n. 3, p. 751-768, set./dez.

PINTO, J. P. (2019). É só mimimi? Disputas metapragmáticas em espaços públicos online. Interdisciplinar, v. 31, p. 221-236, jan./jun.

RIZZI, N. (2020). A poema, caminho para alcançar a própria voz e tantas outras. Suplemento Pernambuco, nov. 2020. Disponível em: https://www.suplementopernambu

co.com.br/edi%C3%A7%C3%B5es-anteriores/71-ensaio/2579-nina-rizzi-a-poema,-cam

inho-para-alcan%C3%A7ar-a-pr%C3%B3pria-voz-e-tantas-outras.html. Acesso em: 10 dez. 2020.

SILVA, M. A. M. (2013). A descoberta do insólito: literatura negra e periférica no Brasil (1960-2000). Rio de Janeiro: Aeroplano.

SILVERSTEIN, M. (1993). Metapragmatic discourse and metapragmatic function. In: Lucy, J. (ed.). Reflexive language, reported speech and metapragmatics. Cambridge: Cambridge University Press, p. 33-58.

SILVERSTEIN, M. (2003). Indexical order and the dialectics of sociolinguistic life. Language & Communication, v. 23, n. 3/4, p. 193-229, July/Oct.

WITTGENSTEIN, L. (1989). Investigações filosóficas. São Paulo: Nova Cultural.

Downloads

Publicado

2021-12-31

Como Citar

ALENCAR, . C. N. de. “A escritura a escrevivência a invenção a poema”: performances e decolonialidades nas gramáticas culturais das coletivas de poetas periféricas. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 60, n. 3, p. 612–625, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8666550. Acesso em: 9 dez. 2022.