Banner Portal
(Re)traços de histórias sobre a legendagem no/do Brasil
PDF

Palavras-chave

Legendagem
Discursivo-Desconstrutiv(Ist)A
Tradução audiovisual

Como Citar

BOITO, Fernanda. (Re)traços de histórias sobre a legendagem no/do Brasil. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 63, n. 1, p. 150–163, 2024. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8668077. Acesso em: 19 jul. 2024.

Resumo

O objetivo geral deste artigo é o de contribuir com iniciativas de pesquisa que visam (re)traçar e discutir rastros do percurso histórico da legendagem de filmes estrangeiros no Brasil e de filmes brasileiros no exterior. Metodologicamente, este trabalho realiza uma revisão de literatura, além de revisão bibliográfica em arquivos de imprensa, acrescidas de discussões críticas. Para tanto, a perspectiva teórica mobilizada é a discursivo-desconstrutiv(ist)a. Este artigo destaca a importância de trabalhar as heranças epistemológicas por nós legadas, particularmente no que tange aos Estudos da Tradução, especialmente à tradução audiovisual, e a necessidade de vislumbrar essa modalidade de tradução mais como prática sócio-histórica-discursiva de linguagem e menos como uma mera “ponte” de acessibilidade.

 

PDF

Referências

ABEL, R. (Ed.). Encyclopedia of Early Cinema. Nova Iorque: Routledge, 2005.

"CANGACEIRO" with an all-foreign cast. Harrison’s Reports, set. 1954. Disponível em: https://lantern.mediahist.org/. Acesso em: 05. jan. 2022.

CHION, Michel. The voice in cinema. Tradução Claudia Gorbman. Nova Iorque: Columbia University Press, 1999.

COLUMBIA Releasing Brazilian Picture. Motion Picture Daily, ago. 1954. Disponível em: https://lantern.mediahist.org/. Acesso em: 05. jan. 2022.

CORACINI, M. J. Língua estrangeira e língua materna: uma questão de sujeito e identidade. In: CORACINI, Maria José, org. Identidade e discurso: (des) construindo subjetividades. Campinas: editora da UNICAMP; Chapecó: Argos editora universitária, 2003. p. 139 – 160.

CORACINI, Maria José. A memória em Derrida: uma questão de arquivo e de sobre-vida. Cadernos de Estudos Culturais, v. 1, p. 141-154, jul/dez, 2010.

CORACINI, Maria José. Entre adquirir e aprender uma língua: subjetividade e polifonia. Bakhtiniana, Rev. Estud. Discurso 9 (2), 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S2176-45732014000200002.

CORACINI, Maria José. Leitura ou interpretação: pulsão escópica e gesto de violência. In: FLORES, Giovanna G. Benedetto, NECKEL, Nária R. Maffi, GALLO, Solange Maria Leda (Orgs.) Análise de discurso em rede: cultura e mídia. Campinas, SP: Pontes Editores, 2015. p. 109-125.

CORACINI, Maria José. A perspectiva discursivo-desconstrutiva na pesquisa em Linguística Aplicada. In: SZUNDY, Paula T. C.; TILIO, Rogerio; VALIM de MELO, Glenda C. (Orgs.). Inovações e desafios epistemológicos em Linguística Aplicada: perspectivas sul-americanas. Campinas (SP): Pontes, 2019.

DERRIDA, Jacques. (1995) Mal de Arquivo. Trad. Claudia de Moraes Rego. Rio de Janeiro:

Relume Dumará, 2001.

DERRIDA, Jacques. A farmácia de Platão. Tradução Rógerio da Costa. 3. ed. São Paulo: Editora Iluminuras, 2005.

FOUCAULT, Michel. Nietzsche, Freud e Marx. São Paulo, SP: Princípio Editora, 1997.

FREIRE, Rafael de Luna. “Versão brasileira” - Contribuições para uma história da dublagem cinematográfca no Brasil nas décadas de 1930 e 1940. Ciberlegenda, v. 1, n. 24, p. 7-18, 2011. Disponível em: https://periodicos.uff.br/ciberlegenda/article/view/36850 Acesso em: jan. 2021.

FREIRE, Rafael de Luna. Dublar ou não dublar: a questão da obrigatoriedade de dublagem de filmes estrangeiros na televisão e no cinema brasileiros. Revista FAMECOS, v. 21, n. 3, p. 1168-1191, 2014. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=495551017019. Acesso em: jan. 2021.

FREIRE, Rafael de Luna. O início da legendagem de filmes no Brasil. MATRIZes, v.9, n.1, p. 187-211, 2015. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/matrizes/article/download/100680/99415 . Acesso em: jan. 2021.

GAMBIER, Yves. The position of audiovisual translation studies. In: MILLÁN, Carmen; BARTRINA, Francesca (Eds.) The Routledge Handbook of Translation Studies. London: Routledge, 2013. p. 45-59.

POCHHACKER, Franz. The position of interpreting studies. In: MILLÁN, Carmen; BARTRINA, Francesca (Eds.) The Routledge Handbook of Translation Studies. London: Routledge, 2013. p. 60-72.

REVUZ, C. La langue étrangère entre le désir d'un ailleurs et le risque de l'exil. Revue Education Permanente, n. 107, pp. 23-35, 1991.

ROSA, M.T.; RONDELLI, D. R.; PEIXOTO, M. B. S. Discurso, Desconstrução e Psicanálise

no campo da Linguística Aplicada: (du)elos e (des)caminhos. In: D.E.L.T.A., São Paulo, 31-

especial, p. 253-281, 2015.

SANTIAGO, Silviano (Ed.). Glossário de Derrida. Rio de Janeiro: F. Alves, 1976.

SILVERMAN, Sid. Broadway Melody. Variety, Nova Iorque, 12 de fev. de 1929. Disponível em: https://variety.com/1929/film/reviews/broadway-melody-1200410242/. Acesso em: 07 jan. 2022.

"SINHÁ MOÇA" e "O cangaceiro" nas telas do mundo. O jornal, jun. 1953. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=110523_05&Pesq=cangaceiro%20cannes%20fran%c3%a7a&pagfis=21863. Acesso em: 05. jan. 2022.

SPOLIDORIO, S. Mapeando a Tradução Audiovisual Acessível no Brasil. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 56, n. 2, p. 313–345, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8648885. Acesso em: 26 set. 2021.

THE Broadway Melody. AFI Catalog, 2019. Disponível em: https://catalog.afi.com/Search?searchField=MovieName&searchText=The+Broadway+Melody&sortType=sortByRelevance . Acesso em: 05 jan. 2022.

TRINDADE, Elaine Alves. A legendagem da televisão por assinatura do Brasil. 2012. 119f. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

WIERZBICKI, James. Film music: a history. Nova Iorque: Routledge, 2009.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2024 Fernanda Boito

Downloads

Não há dados estatísticos.