Banner Portal
Do ensino de inglês para crianças à educação linguística em língua inglesa com elas
PDF

Palavras-chave

Educação infantil
Língua inglesa
Educação linguística

Como Citar

TONELLI, Juliana Reichert Assunção. Do ensino de inglês para crianças à educação linguística em língua inglesa com elas: reflexões teóricas e redirecionamentos epistemológicos sob vozes múltiplas. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 62, n. 1, p. 58–73, 2023. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8670567. Acesso em: 13 jul. 2024.

Resumo

Este artigo parte da necessidade de compreender até que ponto, no Brasil, o ensino de inglês na educação infantil e nos anos iniciais do ensino fundamental (1º ao 5º ano) vem encontrando espaços na constituição de profissionais da área, para assumir outras posturas teóricas e epistemológicas e, reorientar o olhar dos envolvidos nesse contexto, incluindo a autora. Ao analisar os dados advindos de duas fontes, uma disciplina ofertada em um curso de graduação e um curso de extensão, ambos concernentes ao ensino de línguas adicionais na infância, almejou-se identificar sentidos atribuídos por docentes no que se refere a assumir diferentes posturas e razões para o ensino de inglês ou de uma educação linguística na e para a infância. Para isso, buscaram-se marcas linguísticas que justificam o uso de novas nomenclaturas nos dizeres de professores e professoras que atuam na área que sinalizam posturas adotadas em atividades desenvolvidas em âmbito de formação. Verificou-se, ainda, os modos de organização de uma disciplina optativa haja vista que modificações realizadas no seu programa colaboraram para melhor visualizar necessidades emergentes no que tange a discussões que façam mais sentido ao que tem sido vivenciado nas aulas de inglês nos anos iniciais.  Conclui-se que o termo ‘educação linguística na infância com crianças’ vem sendo preferido no lugar de ‘ensino de inglês para crianças’, uma vez que reflexões promovidas no referido campo constroem entendimento de que educar por meio da língua amplia as possibilidades de ensino focalizando uma abordagem linguística sensível e ampliada.

PDF

Referências

ASSIS-PETERSON, Ana Antônia; GONÇALVES, Margarida. (2001). Qual é a Melhor Idade para Aprender Línguas? Mitos e Fatos. Contexturas: Ensino Crítico de Língua Inglesa. n. 5, p. 11-26.

AVILA, Paula Aparecida. (2019). Ensino de inglês nos anos iniciais e internacionalização do ensino superior: um estudo de caso em um município do Paraná. Dissertação de Mestrado em Estudos da Linguagem. Universidade Estadual de Londrina, UEL, Londrina.

BERTONHA, Giovanna. (2020). Educação linguística na Base Nacional Comum Curricular: uma leitura crítica sobre o ensino de Língua inglesa nos anos finais do ensino Fundamental à luz da perspectiva de repertórios translíngues. Revista X. v. 15, n. 1, p. 227-246. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/revistax/article/view/70594 Acesso em: 11 set. 2021.

BRASIL. (1998). Parâmetros curriculares nacionais: língua estrangeira. Brasília: MEC.

BRASIL. (2018). Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC.

BROSSI, Giuliana Castro; TONELLI, Juliana Reichert. (2021). A construção do agir docente por professoras de língua inglesa para crianças: um olhar para o ensino como trabalho. ALFA: Revista de Linguística. v. 65, p. 1-31. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/alfa/article/view/13180 Acesso em: 17 set. 2021.

CAVALCANTI, Marilda do Couto. (2013). Educação linguística na formação de professores de línguas: intercompreensão e práticas translíngues. In: MOITA LOPES, Luiz Paulo (org.), Linguística Aplicada na Modernidade Recente. São Paulo: Parábola Editorial, p. 211-226.

CIRINO, Dayani Rita de Souza; DENARDI, Didie Ana Ceni. (2019). Há espaço para o ensino de Inglês para crianças no currículo de cursos de Letras Português-Inglês? Semina: Ciências Sociais e Humana. v. 40, n. 2, p. 209-224. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/seminasoc/article/view/35703/26726 Acesso em: 18 ago. 2021.

COLOMBO, Camila Sthéfanie; CONSOLO, Douglas. (2016). O ensino de inglês como língua estrangeira para crianças no Brasil: cenários e reflexões. São Paulo: Cultura Acadêmica.

EGIDO, Alex Alves. (2019). O eu e o Outro: uma breve história da ética em pesquisa em linguística aplicada. Dissertação de Mestrado em Estudos da Linguagem. Universidade Estadual de Londrina, UEL, Londrina.

FERRAZ, Daniel Mello de. (2018). Os sentidos de “crítico” na educação linguística: problematizando práticas pedagógicas locais. In: FERRAZ, Daniel de Mello; KAWACHI-FURLAN, Claudia Jotto (org.), Educação linguística em línguas estrangeiras. Campinas: Pontes Editores, p. 33-61.

GARCIA, Bianca Rigamonti Valério. (2011). Quanto mais cedo melhor (?): uma análise discursiva do ensino de inglês para crianças. Dissertação de Mestrado em Letras. Universidade de São Paulo, USP, São Paulo.

GINI, Karen Mariette Piovezan. (2017). Elementos constitutivos na implementação de língua inglesa nos anos iniciais do ensino fundamental em três municípios do norte do Paraná. Dissertação de Mestrado em Estudos da Linguagem. Universidade Estadual de Londrina, UEL, Londrina.

HAHL, Kaisa. (2021). Class teachers, subject teachers and double qualified: Conceptions of teachers’ skills in early foreign language teaching in Finland. [S. l.]: AILA. [comunicação oral].

JORDÃO, Clarissa Menezes. (2018). Uma jornada crítica em retrospecto, ou de como se respira no mar. In: PESSOA, Rosane Rocha; SILVESTRE, Viviane Pires Viana; MONTE MÓR, Walkyria (org.), Perspectivas críticas de educação linguística no Brasil: trajetórias e práticas de professoras(es) universitárias(os) de Inglês. São Paulo: Pá de Palavra, p. 71-82.

KAWACHI-FURLAN, Cláudia Jotto; MALTA, Liliane Salera. (2020). Teaching English with young learners: possibilities of critical language education. Via Litterae: Revista de Linguística e Teoria Literária. v. 12, n. 2, p. 153-170. Disponível em: https://doi.org/10.5281/zenodo.4630666 Acesso em: 7 fev. 2023.

KAWACHI-FURLAN, Cláudia Jotto; ROSA, Marina Márcia. (2020). Mitologia do ensino-aprendizagem de inglês para crianças. Revista Estudos em Letras. v. 1, n. 1, p. 21- 34. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/estudosletras/article/view/5940 Acesso em: 18 set. 2021.

KAWACHI-FURLAN, Cláudia Jotto; TONELLI, Juliana Reichert Assunção. (2021). “Na teoria a prática é outra?” Reflexões de professoras de inglês sobre as necessidades de crianças pequenas em contexto de ensino remoto. Olhares & Trilhas. v. 23, n. 2, p. 609-630. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/olharesetrilhas/article/view/60145/32080 Acesso em: 17 set. 2021.

LEFFA, Vilson Jose. (1988). Metodologia do ensino de línguas. In: BOHN, Hilário; VANDRESEN, Paulino (org.), Tópicos em linguística aplicada: O ensino de línguas estrangeiras. Florianópolis: Editora da UFSC, p. 211-236.

LIMA, Ana Paula. (2019). Desenvolvimento profissional de professores de inglês para crianças do Ensino Fundamental I: possibilidades para a formação e trabalho docente. Tese de Doutorado em Educação. Universidade Estadual Paulista, UNESP, Rio Claro.

LIMA, Denise Martins Abreu e. (1996). O processo de aquisição de língua estrangeira por crianças brasileiras em sala de aula: reflexões sobre a teoria de Krashen. Dissertação de Mestrado em Letras. Universidade Estadual Paulista, UNESP, São Paulo.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli. (2017). Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. Rio de Janeiro: E.P.U.

MAGIOLO, Gabrielli Martins. (2021). Sequência didática do gênero história infantil: educação linguística em língua inglesa na infância e sensibilização às diferenças. Dissertação de Mestrado em Estudos da Linguagem. Universidade Estadual de Londrina, UEL, Londrina.

MAGIOLO, Gabrielli Martins; TONELLI, Juliana Reichert Assunção. (2020). What is this English that we teach at school? Reflections for the preparation of a teaching proposal for linguistic education in childhood. Revista SIGNUM Estudos da Linguagem. v. 23, n. 3, p. 97-114. Disponível em: https://www.uel.br/revistas/uel/index.php/signum/article/view/40831/29814 Acesso em: 20 set. 2021.

MALTA, Liliane Salera. (2019). Além do que se vê: educação crítica e letramentos, formação de professores e prática docente no ensino de inglês com crianças de 2 a 5 anos. Dissertação de Mestrado em Linguística. Universidade Federal do Espírito Santo, Ufes, Vitória.

MELLO, Mariana Gomes Bento. (2013). Ensino de inglês nos anos iniciais do ensino fundamental: um estudo de política pública no município de Rolândia, PR. Dissertação de Mestrado em Estudos da Linguagem. Universidade Estadual de Londrina, UEL, Londrina.

MERLO, Marianna Cardoso Reis; FONSECA, Camila Oliveira. (2020). Ética de pesquisa e relações de poder: reflexões decoloniais e provocações metodológicas em linguística aplicada. Raído. v. 14, n. 36, p. 37-55. Disponível em: https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/Raido/article/view/11714/6732 Acesso em: 20 set. 2021.

PASSARELLI, Lílian Ghiuro. (2019). Educação Linguística ao ritmo deste tempo cultural acelerado: ler e escrever para interagir na vida em sociedade. In: LIBERALI, Fernanda Coelho; MEGALE, Antonieta (org.), Alfabetização, letramento e multiletramentos em tempos de resistência. Campinas: Pontes Editores, p. 75-86.

PICANÇO, Deise Cristina Lima. (2011). Para quê queremos ensinar LE às nossas crianças? In: TONELLI, Juliana Reichert Assunção; CHAGURI, Jonathas Paula (org.), Ensino de língua estrangeira para criança: o ensino e a formação em foco. Curitiba: APPRIS, p. 183-197.

PINTER, Annamaria. (2019). Research issues with children. In: GARTON, Sue; COPLAND, Fiona (ed.), The Routledge Handbook of Teaching English to Young Learners. New York: Routledge, p. 523-536.

PINTER, Annamaria; ZANDIAN, Samaneh. (2013). “I don”t ever want to leave this room’: benefits of researching “with” children. ELT Journal. v. 68, n. 1, p. 64-74. Disponível em: https://academic.oup.com/eltj/article/68/1/64/493296 Acesso em: 08 set. 2021.

QUEVEDO-CAMARGO, Gladys. (2019). Breve história da evolução do construto proficiência em línguas. Em Aberto. v. 32, p. 27-44. Disponível em: http://emaberto.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/view/4286 Acesso em: 20 set. 2021.

RAJAGOPALAN, Kanavillil. (2010). A língua estrangeira para crianças: um tema no mínimo ambíguo. In. ROCHA, Claudia Hilsdorf; TONELLI, Juliana Reichert Assunçao; SILVA, Kleber Aparecido da. Língua estrangeira para crianças: ensino-aprendizagem e formação docente. Campinas: Pontes Editora, p. 9-12.

ROCHA, Cláudia Hilsdorf. (2006). Provisões para Ensinar LE no Ensino Fundamental de 1ª a 4ª Séries: dos parâmetros oficiais e objetivos dos agentes. Dissertação de Mestrado em Linguística Aplicada. Universidade Estadual de Campinas, UNICAMP, Campinas.

SANTOS, Leandra Ines Seganfredo. (2009). Língua inglesa em anos iniciais do Ensino Fundamental: fazer pedagógico e formação docente. Tese de Doutorado em Estudos Linguísticos. Universidade Estadual Paulista, UNESP, São José do Rio Preto.

SCARAMUCCI, Matilde Virginia Ricardi. (2000). Proficiência em LE: considerações terminológicas e conceituais. Trabalhos em Linguística Aplicada. n. 36, p. 11-22. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8639310 Acesso em: 27 nov. 2021.

SINGLETON, David; PFENNINGER, Simone E. (2019). The age debate: a critical overview. In: GARTON, Sue; COPLAND, Fiona (ed.), The Routledge Handbook of Teaching English to Young Learners. New York: Routledge, p. 30-43.

SOUZA, Lynn Mario Trindade Menezes de. (2019). Educação linguística: repensando os conceitos de língua e linguagem. In: FERRAZ, Daniel Mello; KAWACHI-FURLAN, Claudia Jotto, Bate-papo com educadores linguísticos: letramentos, formação docente e criticidade. São Paulo: Pimenta Cultural, p. 245-258.

TANACA, Jozélia Jane Corrente. (2017). Aprendizagem expansiva em espaços híbridos de formação continuada de professoras de Inglês para crianças no Projeto Londrina Global. Tese de Doutorado em Estudos da Linguagem. Universidade Estadual de Londrina, UEL, Londrina.

TODD, Sharon. (2003). Learning from the other: Levinas, psychoanalysis, and ethical possibilities in education. Albany: State University of New York Press.

TONELLI, Juliana Reichert Assunção. (2005). Histórias infantis no ensino de língua inglesa para crianças. Dissertação de Mestrado em Estudos da Linguagem. Universidade Estadual de Londrina, UEL, Londrina.

TONELLI, Juliana Reichert Assunção; ÁVILA, Paula Aparecida. (2020). A inserção de línguas estrangeiras nos anos iniciais de escolarização e a Base Nacional Comum Curricular: silenciamento inocente ou omissão proposital? Revista X. v. 15, p. 243-266. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/revistax/article/view/73340/41884 Acesso em: 20 set. 2021.

TONELLI, Juliana Reichert Assunção; CORDEIRO, Glaís Sales. (2014). Refletir sobre as línguas para aprendê-las: uma perspectiva de ensino-aprendizagem de inglês por meio de um gênero textual para (na) educação infantil. Moara. n. 42, p. 45-63. Disponível em: https://periodicos.ufpa.br/index.php/moara/article/view/2055 Acesso em: 25 jan. 2023.

TONELLI, Juliana Reichert Assunção; CRISTOVÃO, Vera Lúcia Lopes. (2010). O papel dos cursos de Letras na formação de professores de inglês para crianças. Calidoscópio. v. 8, n. 1, p. 65-76. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/calidoscopio/article/view/159 Acesso em: 23 ago. 2021.

TONELLI, Juliana Reichert Assunção; FERREIRA, Otto Henrique; BELO-CORDEIRO, Areta. (2017). Remendo novo em vestido velho: uma reflexão sobre os cursos de letras-inglês. REVELLI – Revista de Educação, Língua e Literatura. v. 9, p. 124-141. Disponível em: https://www.revista.ueg.br/index.php/revelli/article/view/5666 Acesso em: 20 set. 2021.

TONELLI, Juliana Reichert Assunção; KAWACHI-FURLAN, Cláudia Jotto. (2021). Perspectivas de professoras de inglês para crianças: (re)planejar, (re)pensar e (trans) formar durante a pandemia (Covid-19). SIGNO. v. 46, p. 83-96. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/signo/issue/view/667 Acesso em: 15 set. 2021.

TONELLI, Juliana Reichert Assunção; PÁDUA, Lívia de Souza. (2017). O estado da arte de pesquisas sobre ensino e formação de professores de línguas estrangeiras para crianças no Brasil. In: TONELLI, Juliana Reichert Assunção; PÁDUA, Lívia de Souza; OLIVEIRA, Thays Regina Ribeiro de (org.), Ensino e formação de professores de línguas estrangeiras para crianças no Brasil. Curitiba: Appris, p. 17-39.

TONELLI, Juliana Reichert Assunção; SELBACH, Helena Vitalina; SECCATO, Mariana Guedes. (2022). A panorama of the teaching of additional languages to children in Brazil. Revista Letra Magna. v. 18, p. 34-46. Disponível em: https://ojs.ifsp.edu.br/index.php/magna/article/view/2051 Acesso em: 25 jan. 2023.

TUTIDA, Alessandra Ferraz. (2016). Ensino de língua inglesa para crianças: questões sobre formação de professores e os saberes da prática. Dissertação de Mestrado em Estudos da Linguagem. Universidade Estadual de Londrina, UEL, Londrina.

VIGOTSKI, Liev Semionovich. (2003). Psicologia Pedagógica: edição comentada. Tradução Claudia Schilling. Porto Alegre: ARTMED.

VILLANUEVA, Mariza de Almeida. (1987). A potential English syllabus design for elementary schools in Brazil. Dissertação de Mestrado em Letras. Universidade Federal do Paraná, UFPR, Curitiba.

WILLANS, Fiona. (2019). Teaching English to young learners across the Pacific. In: GARTON, Sue; COPLAND, Fiona (ed.), The Routledge Handbook of Teaching English to Young Learners. New York: Routledge, p. 523-536.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Trabalhos em Linguística Aplicada

Downloads

Não há dados estatísticos.