Banner Portal
Decolonizando educação linguística de inglês com literatura de escritoras/es negras/os e indígenas
PDF (English)

Palavras-chave

Decolonialidade
Inglês
Educação Linguística

Como Citar

MOTA-PEREIRA, Fernanda. Decolonizando educação linguística de inglês com literatura de escritoras/es negras/os e indígenas. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 63, n. 1, p. 6–16, 2024. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8673891. Acesso em: 25 jul. 2024.

Resumo

Este artigo tem como objetivo discutir o ensino decolonial de língua inglesa com literatura produzida por escritores negros e indígenas. As aulas de língua inglesa têm sido tradicionalmente pautadas por princípios que valorizam o conhecimento sistêmico através de uma ênfase exagerada na gramática alinhada ao Método Gramática Tradução (QUEVEDO-CAMARGO; SILVA, 2017; PEREIRA, 2016, 2019) e por equívocos sobre as limitações do ensino de línguas estrangeiras para fins comunicativos, principalmente em escolas públicas (LEFFA, 2009; PEREIRA, 2019; QUEVEDO-CAMARGO; SILVA, 2017). Pensando nisso, propus um conceito de Educação Linguística de Inglês que envolve o ensino da língua com uma atitude crítica em relação aos problemas sociais, raciais e de gênero, engendrados pela colonialidade, com o uso de textos literários (PEREIRA, 2017, 2019, 2020a, 2020b, MOTA, 2020; MOTA-PEREIRA, 2022), especialmente os produzidos por escritoras/es negras/os e indígenas. Além disso, o uso da literatura contribui para fomentar o gosto pela leitura de textos literários, o que, entre os benefícios citados, também promove consciência e práticas emocionais, incluindo, a empatia (GHOSN, 2001). Considerando essas reflexões, neste artigo, analiso autoetnograficamente (HUGHES; PENNINGTON, 2017) aulas que ministrei em um curso online para alunas/os de escola pública de Salvador, Bahia, Brasil, que faz parte das atividades de extensão de um componente curricular de Estágio Docente. Nessas aulas, a literatura de escritoras/es negras/os e indígenas figurava como o principal material para uma educação linguística decolonial de inglês.

PDF (English)

Referências

ACHEBE, Chinua (2000). Home and Exile. New York: Anchor Books.

ACOSTA, Alberto (2016). O Bem Viver: uma oportunidade para imaginar outros mundos. Tradução Tadeu Breda. São Paulo: Autonomia Literária, Elefante, p. 415.

ALTHUSSER, Louis (2008). On Ideology. London, New York: Radical Thinkers, Verso.

BRASIL (1998). Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua estrangeira / Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF.

BRASIL (2003). Law 10.639, of 9 January 2003. Brasília, 2003. Available at: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm Accessed on June 10th, 2023.

BRASIL (2008). Law 11.645 of 10 March 2008. Available at: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11645.htm>. Accessed on June 10th, 2023.

BRASIL (2018). Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília, DF: MEC/CONSED/UNDIME. Available at: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf>. Accessed on June 10th, 2023.

BROWN, Douglas H (2007). Teaching by Principles: an Interactive Approach to Language Pedagogy. 3rd ed. New York: Pearson Longman.

BRUN, Milenna (2004). (Re)construção identitária no contexto da aprendizagem de línguas estrangeiras. In: MOTA, Kátia; SCHEYERL, Denise (org.). Recortes interculturais na sala de aula de línguas estrangeiras. Salvador: EDUFBA, p. 73-104.

CARVALHO, Janete Magalhães; SILVA, Sandra Kretli da; DELBONI, Tânia Mara Zanotti Guerra Frizzera (2017). A Base Nacional Comum Curricular e a produção biopolítica da educação como formação de “capital humano”. Revista e-Curriculum. São Paulo, v.15, n.2, abr./jun. 2017, p. 481 – 503.

COGO, Alessia (2023). What is English as a Lingua Franca? An introduction to the field. Available at: <https://www.gold.ac.uk/glits-e/back-issues/english-as-a-lingua-franca/>. Accessed on May 26th, 2023.

COLLINS, Patricia Hill (2019). Epistemologia feminista negra. In: BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón (Orgs.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica Editora, p. 139-170.

EDUCATION FIRST (2022). English Proficiency Index: Brazil. Available at: https://www.ef.com/wwen/epi/regions/latin-america/brazil/.Accessed on: April 4th, 2023.

FREIRE, Paulo (2005). Pedagogy of the Oppressed. Translated by Myra Bergman Ramos. New York, London: Continuum.

GHOSN, Irma K (2001). Nurturing Emotional Intelligence through Literature. Available at: http://americanenglish.state.gov/files/ae/resource_files/01-39-1-c.pdf. Accessed on: November 12th, 2016.

GONZALEZ, Lélia (2020). De Palmares às escolas de samba, tamos aí. In: RIOS, Flavia; LIMA, Márcia. (Org.). Por um Feminismo Afro-Latino-Americano: ensaios, intervenções e diálogos. 1. ed. Rio de Janeiro: Zahar, p. 204-206.

GROSFOGUEL, Ramón (2019). Para uma visão decolonial da crise civilizatória e dos paradigmas da esquerda ocidentalizada. In: BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón (Orgs.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica Editora, p. 55-77.

HOOKS, bell (1994). Teaching to Transgress. London: Routledge.

HOOKS, bell (2003). Teaching Community: a Pedagogy of Hope. New York: Routledge.

HOOKS, bell (2010). Teaching Critical Thinking: Practical Wisdom. New York and London: Routledge.

HUGHES, S. A., & PENNINGTON, J. L. (2017). Autoethnography: Process, Product, and Possibility for Critical Social Research. Thousand Oaks: Sage Publications, Inc.

IHIMAERA, Witi (2008). The Whale Rider. North Shore: Raupo.

JESUS, Carolina Maria de (2014). Quarto de Despejo: diário de uma favelada. 10. ed., São Paulo: Ática.

KAMKWAMBA, William; MEALER, Bryan (2016). The Boy Who Harnessed the Wind. New York: Puffin Books.

KUMARAVADIVELU, B. (2003). A Postmethod Perspective on English Language Teaching. World Englishes. V. 22, n. 04, p. 539-550. Available at: <https://www.academia.edu/35356797/FORUM_CRITICAL_LANGUAGE_PEDAGOGY_A_postmethod_perspective_on_English_language_teaching>. Accessed on August 21st, 2020.

LARROSA, Jorge (2020). Aprender/Estudiar uma lengua. In: BÁRCENA, Fernando; LÓPEZ, Maximiliano Valerio; LARROSA, Jorge (Orgs). Elogio del Estudio. Buenos Aires: Miño y Dávila Editores, p. 68-98.

LEFFA, Vilson J (2011). Criação de bodes, carnavalização e cumplicidade: considerações sobre o fracasso da LE na escola pública. In: LIMA, Diógenes Cândido de (org.). Inglês na escola pública não funciona? Uma questão, múltiplos olhares. São Paulo: Parábola, p. 15-31.

LORDE, Audre (2019). Idade, raça, classe e gênero: mulheres redefinindo a diferença. In: HOLLANDA, Heloisa Buarque de. (org.) Pensamento feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, p. 239-249.

MAKERETI, Tina (2018). The Imaginary Lives of James Poneke. Vintage.

MALDONADO-TORRES, Nelson (2019). Analítica da colonialidade e da decolonialidade: algumas dimensões básicas. In: BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón (Orgs.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte: Autêntica Editora, p. 27-53.

MARQUES, Luiz (2017). Brazil: the Legacy of Slavery and Environmental Suicide. In: FURTADO, Peter (ed.). Histories of nations: how their identities were forged. London: Thames & Hudson, p. 136-141.

MBEMBE, Achille (2014). Crítica da Razão Negra. Tradução Marta Lança. Lisboa: Antígona.

MBEMBE, Achille (2018). Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Tradução Renata Santini. São Paulo.

MOTA, Fernanda (2010). Literatura e(m) ensino de língua estrangeira. In: Fólio – Revista de Letras Vitória da Conquista. v. 2, n. 1, jan./jun, p. 101-111. Available at: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/folio/article/view/3628>. Accessed on April 10th, 2023.

MOTA-PEREIRA, Fernanda (2022a). Pedagogias decoloniais como alternativa à colonialidade dos métodos. In: MOTA-PEREIRA, Fernanda; BAPTISTA, Lívia Márcia Tiba Rádis. Ensino de espanhol e inglês em perspectivas decoloniais. Salvador: EDUFBA, p. 137-163.

MOTA-PEREIRA, Fernanda (2022b). Materiais didáticos e currículo no ensino de inglês sob uma perspectiva decolonial: reflexões e propostas. In: MOTA-PEREIRA, Fernanda; BAPTISTA, Lívia Márcia Tiba Rádis. Ensino de espanhol e inglês em perspectivas decoloniais. Salvador: EDUFBA, p. 101-136.

MOTA-PEREIRA, Fernanda (2022c). Uma análise crítica sobre livros didáticos de inglês e a literatura como recurso alternativo para uma educação decolonial. Revista Letras Raras. Campina Grande, v. 11, n. 1, mar., p. 65-84. Disponível: <http://revistas.ufcg.edu.br/ch/index.php/RLR/article/view/2350>

OLIVEIRA, Luiz Fernandes de (2018). Educação e Militância Decolonial. Rio de Janeiro: Selo Novo.

OYEWÙMÍ, Oyèrónké (2021). A invenção das mulheres: construindo um sentido africano para os discursos ocidentais de gênero. Tradução Wanderson Flor do Nascimento. Rio de Janeiro: Bazar do Boitempo.

PEREIRA, Fernanda Mota (2016). From non-cultural to intercultural principles: a proposal for English classes in Brazilian public schools. Intercultural Education, v. 27, n. 6, p. 577-586.

PEREIRA, Fernanda Mota (2017). Pedagogy of Possibility in foreign language classrooms through literature and other media in Brazil and beyond. Revista Estudos Linguísticos e Literários. p. 23-37. Available at: <https://portalseer.ufba.br/index.php/estudos/article/viewFile/24797/15695>. Accessed on August 1st, 2020.

PEREIRA, Fernanda Mota (2019). Education and Literature: Reflections on Social, Racial, and Gender Matters/ Educação e Literatura: Reflexões sobre Questões Sociais, Raciais e de Gênero. Tradução Monique Pfau. Salvador: EDUFBA.

PEREIRA, Fernanda Mota (2020). A literatura como alternativa para práticas decoloniais no ensino de inglês: Um estudo autoetnográfico sobre experiências de uma professora de estágio supervisionado. New Trends in Qualitative Research, 2, 69–82. https://doi.org/10.36367/ntqr.2.2020b. p. 69-82.

QUEVEDO-CAMARGO, Gladys; SILVA, Gutemberg (2017). O inglês na educação básica brasileira: sabemos sobre ontem; e quanto ao amanhã? Ensino e Tecnologia em Revista, Londrina, v. 1, n. 2, p. 258-271, jul./dez.

ROSA DE ARAÚJO, Evandro; TIRABOSCHI, Fernanda Franco; JOSÉ QUARESMA DE FIGUEIREDO, Francisco (2022). Praxiologias nas Aulas de Literaturas de Língua Inglesa: Um Olhar sobre A Tempestade, de Shakespeare, na Perspectiva Decolonial. Porto das Letras, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 34–53. DOI: 10.20873/223ctm-eff. Available at: <https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/portodasletras/article/view/sistemas.uft.edu.br.periodicos.index.php.portodasletras.issue.vi>. Accessed on: June 17th, 2023.

SIQUEIRA, Domingos Sávio Pimentel (2012). Se o inglês está no mundo, onde está o mundo nos materiais didáticos de inglês? In: SCHEYERL, Denise; SIQUEIRA, Sávio. Materiais didáticos para o ensino de línguas na contemporaneidade: contestações e proposições. Salvador: EDUFBA, p. 311-353.

SOUZA, Lyn Mario Menezes de; HASHIGUTI, Simone (2022). Decolonialidade e(m) Linguística Aplicada: Uma entrevista com Lynn Mario Trindade Menezes de Souza. Revista Polifonia, Cuiabá-MT, vol. 29, n. 53, p. 01 a 262, jan. - mar.. Available at: <https://periodicoscientificos.ufmt.br/ojs/index.php/polifonia/article/view/14865>. Accessed on February 15th, 2023.

WOODSON, Carter G. (1990). The Mis-Education of the Negro. Trenton, Africa World Press.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Fernanda Mota-Pereira

Downloads

Não há dados estatísticos.