Banner Portal
Literatura e ensino de línguas adicionais
PDF

Palavras-chave

Literatura
Línguas estrangeiras
Discurso
Ensino

Como Citar

ANDRADE, Antonio. Literatura e ensino de línguas adicionais: discursos e práticas em tensão. Trabalhos em Linguística Aplicada, Campinas, SP, v. 63, n. 1, p. 28–38, 2024. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/tla/article/view/8674048. Acesso em: 19 jul. 2024.

Resumo

O objetivo central deste artigo é discutir as diferentes formas de tensionamento, nas esferas do discurso acadêmico e do discurso didático, do padrão canônico de leitura e recepção das literaturas estrangeiras, historicamente assentado na ideologia do nacionalismo e no paradigma monolíngue. Tal tensionamento atravessa não só os modos de leitura e abordagens teórico-analíticas nos estudos de literatura, mas também as formas de mediação didática dos textos literários em línguas adicionais. O corpus analisado aqui é composto por teses e dissertações defendidas em programas de pós-graduação do estado do Rio de Janeiro nos últimos anos e por livros didáticos aprovados no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD). Os resultados da pesquisa apontam uma relação tensiva entre distintos gestos de interpretação e práticas de mediação em torno do literário, ora mais voltados a uma política de fechamento dos sentidos – pautada em protocolos de leitura previamente instaurados nos campos linguístico-literários estrangeiros –, ora mais abertos à pluralidade de vozes, sentidos e modos de apropriação crítica e pedagógica.

PDF

Referências

AGAMBEN, G. (1996). La comunidad que viene. Valencia: Pre-Textos.

AUTHIER-REVUZ, J. (1990). Heterogeneidade(s) enunciativa(s). Cadernos de Estudos Linguísticos, 19, Campinas, jul./dez., p. 25-42.

AUTHIER-REVUZ, J. (1998). Palavras incertas. Trad. Claudia Pfeiffer et al. Campinas: Ed. Unicamp.

BAKHTIN, M. (2003). Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes.

BOMBINI, G. (1996). Didáctica de la literatura y teoría: apuntes sobre la historia de una deuda. Orbis Tertius. Revista de teoría y crítica literaria, I, n. 2-3, La Plata.

BOURDIEU, P. (2008). A economia das trocas linguísticas: o que falar quer dizer. Trad. Sergio Miceli et. al. São Paulo: Edusp.

BOURDIEU, P. (2011). Homo academicus. Florianópolis: Ed. UFSC.

CELADA, M. T. (2004). Lengua extranjera y subjetividad – apuntes sobre un proceso. GEL - Grupo de Estudos Linguísticos dos Estados de São Paulo, Campinas.

CELADA, M. T.; ANDRADE, A.; GASPARINI, P. (2021). Ser-estar entre-línguas-culturas: entrevista com Maria José Coracini. Alea: Estudos Neolatinos, 23/2.

CORRÊA, M. L. G. (2006). Relações intergenéricas na análise indiciária de textos escritos. Trabalhos em Linguística Aplicada, 45-2, Campinas, jul./dez., p. 205-224.

ESPOSITO, R. (2007). Communitas: origen y destino de la comunidad. Trad. Carlo Morinari. Buenos Aires: Amorrortu.

FOUCAULT, M. (2008). A arqueologia do saber. Trad. Luiz Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

GARCÍA CANCLINI, N. (2003). Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. Trad. Heloísa P. Cintrão e Ana Regina Lessa. São Paulo: Edusp.

MENDONÇA, M. C. (2012). Língua e ensino: políticas de fechamento. In: Mussalim, F.; Bentes, A. C. (Orgs.). Introdução à Linguística: domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez, p. 273- 303.

MOITA LOPES, L. P. (2006). Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola.

ORLANDI, E. (2001). Discurso e leitura. São Paulo: Contexto.

PÊCHEUX, M. (2014). Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni Orlandi et al. Campinas: Ed. Unicamp.

ROUXEL, A. (2012). Práticas de leitura: quais rumos para favorecer a expressão do sujeito leitor? Cadernos de Pesquisa, 42(145), jan./abr., p. 272-283.

RIBEIRO, D. (2017). O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento/Justificando. SERRANI, S. (1997). Formações discursivas e processos identificatórios na aquisição de línguas. Revista D.E.L.T.A., São Paulo, v. 13, n. 1, p. 63-81.

STEINER, G. (1990). Extraterritorial: a literatura e a revolução da linguagem. Trad. Julio Castañon Guimarães. São Paulo: Companhia das Letras.

YILDIZ, Y. (2012). Beyond the Mother Tongue: The Postmonolingual Condition. New York: Fordham UP.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Antonio Andrade

Downloads

Não há dados estatísticos.