Diálogos extemporâneos no cotidiano escolar: a pesquisa com as crianças

  • Luciana Pires Alves Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Aprendizagem. Conhecimento. Pesquisa. Criança.

Resumo

A pesquisa Injustiças Cognitivas: ressignificando os conceitos de cognição, aprendizagem e saberes no cotidiano da escola, que vimos desenvolvendo desde janeiro de 2008, na Escola Municipal Ana Nery – SME-D, de Caxias/RJ, busca investigar a produção de conhecimentos sobre a leitura e a escrita por crianças das classes populares consideradas pela escola como portadoras de “dificuldades de aprendizagem”. As crianças com as quais pesquisamos vivem na periferia da periferia: o Bairro de Jardim Gramacho – aterro sanitário situado no município de Duque de Caxias e rodeado por favelas. A maioria das famílias tem no lixão sua fonte de renda.Procuramos estudar as lógicas operatórias das crianças em suas relações cotidianas, tomando como pressuposto o postulado de Boaventura de Sousa Santos de que a injustiça social está diretamente relacionada às “injustiças cognitivas”. O uso deste conceito nos levou a pensar nas configurações da escola: até que ponto o conceito de cognição com que a escola trabalha está impregnado da dinâmica instrumental da cognição, limitando o campo de ação das práticas pedagógicas, pois desconsidera as possibilidades de invenção e de problematização? O que surge, quando procuramos fraturar o discurso das “dificuldades de aprendizagem” e como estas podem ser “lidas” na perspectiva das injustiças cognitivas? Instigadas por estas questões, buscamos investigar a formulação de novas possibilidades para a ação educativa da escola a partir da revisão-ampliação do conceito de cognição, articulando-o a uma perspectiva político-epistemológica fundada na concepção de “injustiças cognitivas”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Pires Alves, Universidade Federal Fluminense
Professora da Secretaria de Educação de Duque de Caxias. Bolsista da FAPERJ (2008-2009). Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal Fluminense.

Referências

ALVES, L. P. Aprender em vias bifurcantes conhecimentos dobrados de muitas maneiras. Niterói: UFF, 2010. (mimeo).

BENJAMIN, Walter. A criança, o brinquedo, a educação. São Paulo, SP: Summus, 1994.

CERTEAU, Michel de. A Cultura no plural. Papirus, 1995.

COOPERGRAMACHO. Disponível em: http://www.coopergramacho.com.br/. Acesso em:19/04/2009

DELEUZE, Gilles. A dobra: Leibniz e o Barroco. 2. ed. Campinas: Papirus, 2000.

DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. São Paulo, SP: Graal, 2006

DELEUZE, Gilles. Proust e os Signos. 2. ed. Rio de Janeiro:. Forense Universitária, 2003.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. 5. ed Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 1998.

FREIRE, Paulo; FAUNDEZ, Antonio. Por uma pedagogia da pergunta. 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 1985.

GERALDI, João Wanderley. A aula como acontecimento. Aveiro: Universidade de Aveiro, 2004. (Coleção Theoria Poiesis Práxis).

KASTRUP, Virgínia. A invenção de si e do mundo: uma introdução do tempo no estudo da cognição. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

LAROSSA, Jorge. Desejo e realidade: experiência e alteridade na investigação educativa. In: BORBA, Siomara; KOHAN Walter. (Org.). Filosofia, aprendizagem, experiência. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

MATURANA, Humberto. Amar e brincar: fundamentos esquecidos do humano. São Paulo, SP: Palas Athena, 2004

MATURANA, Humberto. Cogniçao, ciência e vida cotidiana. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

MATURANA, Humerto; VARELA, Francisco. A árvore do conhecimento. São Paulo, SP: Palas Athena, 2002.

MATURANA, Humberto; VARELA GARCIA, Francisco J.; ACUÑA LLORENS, Juan. De maquinas e seres vivos: autopoiese: a organização do vivo. 3.ed. Porto Alegre: Artes Medicas, 1997. p 138.

PÉREZ, Carmen Lúcia Vidal; ALVES, Luciana Pires. Nós e a escola: sujeitos saberes e práticas. Rio de Janeiro, RJ: Rovelle, 2009.

SACRAMENTO, Mércia Helena; VIEIRA, Adriano. Entrevista com Humberto Maturana. Humanitates, v. 1, n. 2, nov. 2004. Disponível em: http://www.humanitates.ucb.br/2/entrevista.htm. Acesso em: 26 mar. 2009.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre as ciências revisitado. São Paulo, SP: Cortez, 2004.

VIEIRA, Ricardo. Entre a escola e o lar: o currículo e os saberes da infância. Lisboa: Fim de Século, 1998. p. 87.

VISVANATHAN, Shiv. Convite para uma guerra da ciência. In: SANTOS, Boaventura de Sousa. Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre as ciências revisitado. São Paulo, SP: Cortez, 2004.

VON FOERSTER, Heinz Von. Visão e conhecimento: disfunções de segunda ordem.

Publicado
2010-11-18
Como Citar
Alves, L. P. (2010). Diálogos extemporâneos no cotidiano escolar: a pesquisa com as crianças. ETD - Educação Temática Digital, 14(1), 281-298. https://doi.org/10.20396/etd.v14i1.1253