Educação popular em assentamento do movimento dos sem-terra: inclusão, vez e voz dos segmentos populares

Autores

  • Geraldo Antonio da Rosa Universidade do Planalto Catarinense

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v15i1.1298

Palavras-chave:

Educação popular. Inclusão. Voz. Segmentos populares.

Resumo

Este trabalho se propõe analisar a Educação Popular destacando sua importância dentro da realidade social, política e econômica de nossa sociedade, procurando estabelecer relações quanto a sua importância no sentido de oferecer ferramentas para que os excluídos possam dizer a sua palavra. O tema desta reflexão é muito relevante diante da situação dos países da América Latina, nos quais as conquistas na maioria das vezes, aconteceram e acontecem através de lutas das camadas populares organizadas em movimentos sociais. Também será efetuado reflexões, a partir de pesquisa é desenvolvida no Assentamento 1º de Maio, no Município de Curitibanos (SC). Neste local residem pessoas vindas de outros municípios e do meio rural de curitibanos e região. Para alcançar este intento, traçaram-se os seguintes objetivos específicos: caracterizar conceitualmente a educação popular; historicizar o processo de formação do Assentamento 1º de Maio no Município de Curitibanos ; descrever o projeto de Educação Popular, estabelecendo relações com o processo de efetiva participação da comunidade do referido Assentamento. Esta trabalho se propõe ainda, desmistificar a realidade dos assentamentos, trazendo para reflexões a experiência educacional desenvolvida no Assentamento 1º de maio.. Quanto aos objetivos classifica-se como exploratória; quanto aos procedimentos de coleta de dados é uma pesquisa bibliográfica, de campo e estudo de caso. Quanto aos instrumentos e técnicas de coleta de dados, foram utilizados a entrevista e diário de campo. Espera-se com este projeto, levantar os referenciais teóricos e metodológicos de educação popular desenvolvido pelo Movimento dos Sem Terra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Geraldo Antonio da Rosa, Universidade do Planalto Catarinense

Geraldo Antônio da Rosa Possui Graduação em Estudos Sociais - Fundação Educacional de Brusque (1982), Mestrado em Educação pela Universidade do Extremo Sul Catarinense (2000) e Doutorado em Teologia pela Escola Superior de Teologia (2007- conceito 7 CAPES). Foi Diretor e Vice-diretor Acadêmico da Universidade do Contestado-Campus de Curitibanos-SC. Exerceu o cargos de Secretário da Câmara de Vereadores, Secretário Municipal de Administração e Secretário Municipal de Educação da Prefeitura Municipal de Nobres- MT. Trabalhou como docente de carreira na Rede Pública Estadual do Estado de Mato Grosso tendo sido Diretor da Escola Estadual de 1º e 2º Graus "Prefeito Mário Abraão Nassarden", em Nobres-MT. Foi professor e assessor pedagógico do Colegio Maria Imaculada e do Colégio Profissional JK, em Curitibanos-SC. Participou comomembro tendo sido presidente do Conselho Municipal de Educação de Curitibanos. Atualmente é professor da Fundação Universidade do Contestado, Coordenador dos Cursos de Licenciatura em Ciências da Religião da Plataforma Freire; professor do Programa de Mestrado em Educação da Universidade do Planalto Catarinense-Uniplac. Tem experiência como docente e na área administrativa em Educação, atuando na pesquisa nos seguintes temas:educação- formação de professores, educação popular, fenômeno religioso e movimentos sociais. Líder do Gupo de Estudos e Pesquisa em Educação Básica GEPEB, coordena a Linha de Pesquisa 1 do Programa de Mestrado em Educação da UNIPLAC: Políticas e Processos Formativos em Educação, e Membro da Câmara de Pós Graduação da Universidade do Planalto Catarinense - UNIPLAC.

Referências

CASTELS, R. et al. Desigualdade e a questão social. São Paulo: EDUC, 2000.

CORREA, Silvio Marcus de Souza. Capital social e desenvolvimento regional. Santa Cruz do Sul: Edunisc, 2003.

DUSSEL, Enrique. Ética da libertação. Tradução Ephrain Ferreira Alves, Jaime A. Clasen e Lúcia M.E. Orth. Petrópolis: Vozes, 2000.

EDUCAÇÃO popular na América Latina. Brasília: UNESCO; MEC; CEAAL, 2005.

FIORI, Ernani Maria. Educação e política. Porto Alegre: LPM, 1991.

FREIRE, Paulo. Ação cultural para a liberdade. Rio de Janeiro, Paz e Terra,1976.

FREIRE, Paulo. Cartas à Guiné Bissau. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GADOTTI, Moacir. Escola cidadã. São Paulo: Cortez, 1994.

GOHN, Maria da Glória Marcondes. Movimentos sociais e educação. São Paulo: Cortez, 1992.

IAMAMOTO, Marilda; CARVALHO, Raul. Relações sociais e serviço social no Brasil. São Paulo: Cortez, 2001.

IANNI, Octávio. Movimentos camponeses. In: SANTOS, José Tadeu dos. Revoluções camponesas na América Latina. Campinas: Ed.UNICAMP, 1985. p.15-37.

LEHER, Roberto. Educação popular como estratégia política. In: JEZINE, Edineide; ALMEIDA, Maria de Lourdes Pinto de. Educação e movimentos sociais. São Paulo: Editora Alínea, 2007. p. 19-32.

MENDRAS, Henri. Sociedades camponesas. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1978.

MORISSAWA, Mitsue. A história da luta pela terra e o MST. São Paulo: Expressão Popular, 2001.

MORROW, Raymond A.; TORRES, Carlos Alberto. Gramsci e a educação popular na América Latina. Currículo sem Fonterias. v. 4, n.2, jul./dez. 2004.

PAULY, Evaldo Luís. Ética, educação e cidadania. São Leopoldo: Sinodal, 2002.

Downloads

Publicado

2013-03-08

Como Citar

Rosa, G. A. da. (2013). Educação popular em assentamento do movimento dos sem-terra: inclusão, vez e voz dos segmentos populares. ETD - Educação Temática Digital, 15(1), 127–144. https://doi.org/10.20396/etd.v15i1.1298

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)